Balanço 2014/2015

FC Porto's new head coach Spanish Julen Lopetegui (C) waves to the fans during the team´s presentation to the supporters, at Dragao Stadium, in Porto, north of Portugal, 27 July 2014. ESTELA SILVA/LUSA

Chega então a tradicional altura da época me que tentamos todos olhar para trás e recordar o que foi a temporada de cada um dos elementos que deram o seu suor pelas lides da equipa principal de futebol e onde se avaliam as suas prestações. Para memória futura, porque se os balanços servissem para mais que isso em fóruns não-oficiais, mudava-se de equipa quase todos os anos.

Desta vez e como tenho andado bem mais activo no Twitter desde há um ano a esta parte, vou fazer a análise a cada um dos jogadores em 140 caracteres ou menos (incluindo a nota final). É mais prático de ler e não se entediam com longas narrações sobre os pontos fortes e fracos. Uma espécie de balanço semi-automático, se preferirem, ainda que possa ser mais propenso a falácias e a análises demasiado concentradas. As notas, como de costume, vão do Baroni ao Baía em sentido ascendente, com variantes em relação aos topos: pode haver “meios”. Assim, de baixo para cima:


2b – Duplo Baroni (muito mas muito fraquinho)
b – Baroni (fraco)
BB – Baía em Barcelona (jeitoso mas longe de ser memorável)
B – Baía (bom, acima da média)
2B – Duplo Baía (época de grande nível)


 

Sem mais demoras, vamos a isso:

GUARDA-REDES:

Andrés Fernández – Nem bom, nem mau. Incapaz de ultrapassar Fabiano ou Helton na ordem de escolha, foi caro demais para continuar a ser 3ª opção no plantel. BB
Fabiano – Bons números a ajudar a defesa a ser a menos batida mas incapaz de convencer os adeptos que seria o melhor de todos. Munique arrasou-o. B
Helton – Continua a ser o preferido dos adeptos e depois da incrível exibição em Braga deveria ter sido titular até ao fim. Eternamente aplaudível. B
Ricardo Nunes – Nem um jogo nos As para contar aos netos. Não sendo mau GR, está uns degraus abaixo do que pode e deve ser um titular do FCP. Deve sair. b

DEFESAS:

Alex Sandro – Incansável na Champions, cansado na Liga, alternou o bom com o genial com o “outra vez?!”. Acaba contrato para o ano…sairá? €€€ falam. B
Danilo – Um deleite de temporada, dentro e fora, com uma força física e moral a fazer inveja a muitos, históricos e não só. Deixa muitas saudades. 2B
José Ángel – Muitas hesitações defesivas, subidas inconsequentes apesar da boa técnica. Incapaz de cruzar bem. Não o vejo capaz de ser titular. b
Maicon – *suspiro* incapaz de melhorar o passe longo, alterna o muito bom com o sofrível. Continua a cometer erros infantis e teve evolução zero. BB
Ivan Marcano – Muitas vezes o melhor central da equipa, com jogo simples, prático e eficaz. Não é maravilhoso mas joga bem de e com a cabeça. Titular. B
Bruno Martins Indi – Terrível no jogo aéreo, rijo no confronto directo, a polivalência à esquerda ajuda mas não muito. Tem de melhorar muito para ser titular. BB
Diego Reyes – 60 quilos para um defesa central é pouco. Foi caro demais para o nível que exibe, não parece conseguir evoluir para mostrar mais e melhor. b

MÉDIOS:

Casemiro – Começou mal, lento, gordo, morto. Cresceu e evoluiu para imprescindível, forte, agressivo, goleador. Grande negócio para uma perda grande. B
Evandro – O bombeiral da moda. Sempre que era preciso lá estava ele pronto a calçar. Nervoso mas mexido, prático e activo, foi o melhor 12º jogador. B
Héctor Herrera – Continua lento para o futebol europeu e foi abaixo das pernas cedo demais, arrastando-se em campo durante meses. Uma boa oferta e vende-se. BB
José Campaña – Poucos jogos para uma âncora de meio-campo que só parece saber jogar para o lado. Não o vejo superior a nenhum dos rapazes do meio-campo. b
Óliver Torres – Um pequeno génio, com e sem a bola. A maravilhosa visão de jogo, dinamiza o jogo e põe o talento a trabalhar para a equipa. Volta, niño! 2B
Juan Quintero – Fraco na condução de bola, espera sempre o passe de morte e incapacita-se quando o espaço não aparece. Zero no rácio esforço/talento. b
Ruben Neves17 anos e uma maturidade Pírlica. Ainda não consegue ser um 6 à Fernando mas com um 8 que o ajude pode fazer a diferença. Grande talento. B

AVANÇADOS:

Ricardo Pereira – Não é defesa direito. Não é defesa direito. Não é defesa direito. Não é defesa direito. Não é defesa direito. NÃO É defesa direito! Raios! BB
Vincent Aboubakar – Vários golos e muito trabalho, mas inconsequente compará-lo com Jackson. Numa frente de ataque móvel, sem referência, pode ser letal. BB
Adrián López – Sem vontade, sem garra, sem capacidade para se impor numa equipa que precisava de mais força e mais acutilância no ataque. Esperava mais. b
Yacine Brahimi – Grande arranque levou-o ao céu, a CAN trouxe-o de novo para a terra. Não pareceu o mesmo a nível físico mas tem talento para muito mais. B
Cristian Tello – Demorou a ganhar sentido prático mas fê-lo numa altura chave. As lesões tramaram-no mas foi dos melhores da segunda partre da época. B
Gonçalo Paciência – Quatro jogos e um golo que mostraram que há talento nos Bs e tem de ser aproveitado. Talvez tenha chegado a altura certa de subir de vez. BB
Hernâni – Muita vontade, pouca cabeça. Entrou para a equipa na pior altura, em que se exigia o que não sabia dar. Pode ser muito útil em 2015/16. BB
Jackson Martínez – O melhor colombiano de sempre no FC Porto, incluindo Radamel. A entrega e a inteligência, na área e fora dela. Só falhou nos penalties. 2B
Ricardo Quaresma – Continua a querer sempre mais. Insiste mais e finta demais. Mas também trabalha mais, luta mais e ajuda mais. Valeu a pena, Lopetegui? B
Kelvin – 53 minutos não chegaram para mostrar o que vale. Parece fadado a ser recordado com uma figura de cartão no museu e não no relvado. b
Ivo Rodrigues – Mais um talento enorme que acompanho há anos. Tem tudo para fazer parte do plantel e merece uma oportunidade. Perdeu-se em Guimarães. BB

Balanços em breve. Prometo. Mesmo. A sério.

O título diz tudo. Quando vale a pena fazer uma coisa, vale a pena fazê-la bem e não tem sido possível. Mais uns dias e o balanço aparece aqui mais inesperadamente que uma transferência do Jackson para o Boavista. Apanhei-vos, certo? Bem me parecia.

Até muito muito muito mas muito em breve!

Dragão escondido – Nº34 (RESPOSTA)

A resposta está aqui em baixo:

dragao_escondido_34_who

Um dos jogadores mais raçudos e reconhecíveis do FC Porto do final dos anos 90, Sérgio Paulo Marceneiro Conceição veio para o clube ainda com idade de júnior depois de ter sido formado na Académica. Depois de alguns anos emprestado, regressou pela mão de António Oliveira e fez parte da equipa que venceu o tri e o tetra em 1996/97 e 1997/98. Extremo-direito agressivo, lutador, que nunca desistia de um lance e usava bem o corpo e a velocidade de drible para passar pelos laterais que apareciam à sua frente. Regressou ao clube em 2004 depois de sete anos no futebol italiano, onde jogou pela Lazio, Parma e Inter, para voltar a sair em direcção à Bélgica e depois para a Grécia, onde terminou a carreira como jogador. Podemos agora vê-lo a protestar contra arbitragens e a fazer mini-maratonas entre Vila do Conde e Braga, cidade onde trabalha e treina.

Na imagem podemos ver o então “nosso” Sérgio em luta contra um dos laterais de renome no nosso panorama futebolístico dos anos 90, o pequeno grande Quim Berto, na altura no Vitória de Guimarães, no jogo que daria a confirmação da vitória do FC Porto no campeonato 1996/97 com uma vitória fora por 4-0, jogo em que o Neno tentou arrancar a cabeça do Jardel ao pontapé. Falhou. Azar, rapaz.

Entre as tentativas falhadas:

  • Artur – A constituição física do rapaz não parece nada a do brasileiro que era bem mais elegante…
  • Barroso – Se alguém se lembrar do homem a tentar um 1×1 perto da linha, que me mande o video.
  • Domingos – Mais um rapaz com pouca coxa para estar nesta imagem…
  • Drulovic – Titularíssimo durante a época…mas tinha de ser uma foto flipada na horizontal, olha agora o Drulovic a avançar com o pé direito, tem algum jeito?!.
  • Fredrik – Curiosamente estava do outro lado (Guimarães), entrou aos 86 minutos para lugar de…Capucho.
  • João Pinto – A melhor alternativa, sem dúvida. Titular durante a época e naquele jogo em particular. Faltava a braçadeira!
  • Kostadinov – Andava por terras turcas a defender as cores do Fenerbahce.
  • Kulkov – Já não fazia parte do plantel, saiu em 1995 para o Spartak de Moscovo.
  • Rui Barros – O Quim Berto não era alto, mas que diabo, o homem na imagem é mais alto que ele!
  • Secretário – Tendo em conta que nesta altura estava em Madrid a aquecer banco…
  • Zahovic – Esteve presente neste jogo e marcou dois golos, mas não era o esloveno na imagem.

O vencedor foi D.Silva às 7h21 da manhã, batendo Nuno Moreira por 7 minutos!!!

Dragão escondido – Nº34

Woody Woodpecker, o pica-pau com um dos risos mais facilmente reconhecíveis para a malta da minha idade que via desenhos-animados nas manhãs de sábado, está com a cabeça na frente de que jogador do FC Porto?

Eu sei, é fácil demais. Mesmo. No kidding.