Ouve lá ó Mister – Tondela

Camarada José,

Nem sei muito bem por onde começar. Talvez uma prosa curta e com vernáculo controlado acerca da hora a que o jogo de hoje se realizar a uma hora que serve tanto para aquecer o espectáculo como uma gota de água morna no meio do Ártico. Podes agradecer aos teus chefes e aos fulanos da Liga e da Sport TV e sei lá a mais quem é que podes enviar fezes num envelope, porque se o obejctivo final é ter a menor assistência possível, acho que estamos no bom caminho. Se eu conseguisse perceber isso era menino para tentar ensinar o Varela a controlar uma bola de primeira e ambas as tarefas me parecem roçar o impossível.

Mas o que interessa mesmo para a equipa é que vamos aparecer de novo em frente à previsível meia-dúzia de milhares de adeptos com algumas ausências e a moral que está quase a descobrir petróleo. Vi que convocaste o Tomás e não creio que tenha sido apenas pelo golaço que marcou no sábado, mas será uma recompensa pelo trabalho feito nos Bs. Sempre gostei muito deste puto e apesar de ter jogado muitas vezes a central, vejo ali um futuro Moutinho como já disse algures no passado. Não creio que o ponhas a jogar mas fica com o rapaz debaixo de olho, há ali talento.

Vou estar lá, como de costume, a apanhar chuva e a torcer pelos nossos. E como nunca vi o Tondela a jogar ao vivo, ajuda a que a minha estreia seja simpática. Uma vitória era giro, uma vitória com vários golos marcados e nenhum sofrido ainda era melhor. Não me digas que não está ao nosso alcance, por favor!

Sou quem sabes,
Jorge

Dragão escondido – Nº38 (RESPOSTA)

Cá está o moço:

dragao_escondido_38_who

 

Russell Nigel Latapy , tobaguenho de origem, aqui em confronto contra o grande Tanta do Guimarães (depois de passar também pelo Famalicão) durante a época 1994/1995. Latapy é um nome que ficará eternamente associado aquele penalty falhado em pleno Estádio das Antas contra a Sampdoria, em jogo a contar para a segunda mão dos quartos de final da Taça das Taças (para os mais pequenos que nunca ouviram falar disto, era uma competição europeia entre os vencedores das Taças de cada país, que quase ganhávamos na final de Basileia onde fomos roubados pela Juventus), falhanço esse que inclinou o FC Porto para a eliminação depois de uma vitória na primeira mão com golo de Yuran e da derrota na segunda, em casa, num jogo quase perfeito da Samp que acabou aplaudida pelos adeptos do FC Porto. Latapy era um criativo, um “10” que vagueava pela linha de ataque à procura no momento certo para as assistências mortais para os avançados. Levou também a que eu fosse gozado durante meses pelo meu então professor de Biologia que sempre que me via a entrar na sala dizia: “Então, o Latapy já marcou o penalty?”. Era engraçado, o mouro. Cabrão.

Entre as diversas tentativas falhadas:

  • Aloísio – Esteve presente em Guimarães nesta partida e o tom de pele assemelhava-se, seria uma boa hipótese.
  • Artur – Já trabalhava na Invicta, mas do outro lado da cidade, com aquela camisola horrorosa preta e branca.
  • Emerson – Também esteve presente em Guimarães nesta partida e o tom de pele também era parecido, seria igualmente uma boa hipótese.
  • Esquerdinha – Só chegou ao FC Porto quatro épocas mais tarde…
  • Jardel – Estava por terras de Porto Alegre a criar nome para dois anos mais tarde chegar ao FC Porto e brilhar.
  • Semedo – Fazia parte do plantel mas não esteve neste jogo.
  • Vítor Baía – lol.

O primeiro homem a acertar foi o Adão Gomes Pinto que deu a resposta certa num comentário ao post às 8h43. Parabéns, primeiro homem com nome de primeiro homem!

Dragão escondido – Nº38

O Calvin (da famosa série Calvin & Hobbes) parece chateado com qualquer coisa…e o jogador que está por detrás, como estará? E já agora, quem é?

Força aí com as hipóteses maradas para a caixa de comentários!

Baías e Baronis – Vitória Setúbal 0 vs 1 FC Porto

325794_galeria_v_setubal_x_fc_porto_liga_nos_2015_16_j27.jpg

O que interessa nos jogos até ao final do campeonato é mesmo sair do campo com os três pontos no saco. Mas precisava de ser tão sofrido contra uma equipa tão fraquinha? Este ano a resposta tem sido sempre a mesma: infelizmente, sim. Somos fraquinhos, amigos, é o que somos. Não jogamos mal de todo mas a ineficácia em frente à baliza e o quase completo alheamento de capacidade criativa no ataque, aliados a uma assustadora fragilidade defensiva fazem com que até um Setúbal vs Porto seja um sofrimento. Vamos a notas:

(+) Sérgio Oliveira. Se o que Peseiro procura num médio para aquela posição de transição defesa-ataque é um rapaz como Sérgio, não estamos mal servidos. Não é um génio mas trabalha bastante. Remata quando pode e ainda bem que o fez hoje da forma como conseguiu, porque foi por “culpa” dele que saímos do Bonfim com os três pontos, mas acabou por ser o corolário de uma boa exibição de um rapaz que nunca seria titular se o plantel fosse mais equilibrado e com talento superior. Ainda assim é um bom elemento para manter no plantel e já está a ser importante nestas jornadas da rampa final da época.

(+) Herrera. Mais um bom jogo do capitão, especialmente em termos da capacidade de pautar o jogo ofensivo pela organização a meio-campo. E tentou sacar uma trivelada à Quaresma mesmo para o final da partida, que se tivesse entrado faria com que nos lembrássemos todos dele daqui a muitos anos. Ainda assim não duvido que vai ficar na memória do povo, mesmo não sabendo se pelas melhores razões…mas a verdade é que desde que usa a braçadeira parece mais inteligente, bravo e com melhor critério na execução.

(+) Danilo. Apesar de parecer estar cansado, fisicamente e também a nível moral (está bem mais arrogante nos protestos com o árbitro e na forma como orienta os colegas durante o jogo), continua a ser titular absoluto e indispensável no FC Porto. É dos poucos que se entrega a 100% ao combate numa zona onde muitas vezes tem de jogar por dois ou três. Some-se uma boa mão cheia de boas intercepções e subidas no terreno e temos aqui uma das melhores contratações dos últimos anos.

(-) Sofrer no fim…e durante. Tantas oportunidades falhadas, vários jogadores em excepcional baixa de forma, uma notável incapacidade de marcar golos fáceis e um ponta-de-lança com uma ponta aplainada e uma lança com disfunção eréctil. O jogo flui devagar, sem velocidade e com pouca criatividade a aparecer de uma forma orgânica. Jogadas mecânicas, com tristes desmarcações que terminam quase sempre em cruzamentos fracos, sem presença na área para que se consiga acreditar que cada aproximação à baliza possa erguer um adepto do assento e lhe provoque o mínimo de excitação. E essa excitação acontece sempre quando as coisas acontecem no outro lado, quando Layún ou Maxi sobem em demasia e o meio-campo se transforma num poço de óleo vegetal e permite que adversários oleados na facilidade dos movimentos por entre os nossos jogadores cheguem facilmente à área. E chateia-me. Muito.

(-) Outra vez menos agressivos que qualquer adversário. Uma ou outra honrosas excepções aparte (Sérgio, Indi e Danilo, pouco mais), a nossa equipa é um conjunto de jogadores que não metem o pé às bolas e permitem que o adversário penetre pela nossa zona defensiva como se fosse um cutelo em brasa a cortar um naco de Brie. Custa assim tanto tentar correr mais que o adversário? Tentar lutar com as mesmas armas físicas que os outros usam contra nós? Procurar o contacto e a luta corpo-a-corpo em vez do constante recuo que permite que o oponente crie perigo perto da nossa baliza? A falta de pernas não serve de desculpa para tudo. A falta de mentalidade lutadora explica mais.


Cada vez faltam menos jornadas para isto acabar e a recuperação de tantos pontos parece uma tarefa impossível. Mas nada está perdido…pelo menos matematicamente. Na minha cabeça já perdemos há meses.