Baías e Baronis – FC Porto 4 vs 0 Basileia

20150310 - FC PORTO - FC BASEL 1893

Estou rouco. Rasguei a garganta toda em cada um dos golos do FC Porto, desde as curvas de Brahimi e Herrera às pazadas de Casemiro e Aboubakar, foram pérolas que me ergueram pelo ar num Dragão cheio de euforias mil e com uma harmonia que só uma grande noite europeia pode trazer. É complicado atirar com os clichés sem que nos venham bater no focinho mais tarde, mas este foi um jogo quase perfeito, apesar da lesão de Danilo. Teve de tudo: excelentes trocas de bola, olés, brutalidade defensiva, mudanças de flanco perfeitas, um guarda-redes voador, laterais em lados trocados e golos estupendos. Excelente, meus caros, ex-ce-len-te! Vamos às notas:

(+) FC Porto. Obrigado, meus caros. Obrigado por uma noite de futebol que me fez saltar, que me enervou e me obrigou a gritar para dentro do campo, a insultar adversários e a louvar os vossos esforços. Obrigado, Herrera, por teres subido a produção e por mostrares que me engano muitas vezes quando digo que não sabes rematar uma bola. Obrigado, Casemiro, por aguentares os meses de Setembro e Outubro onde te chamei gordo e lento e em geral uma fraca amostra de ser humano. Obrigado, Aboubakar, por não levares a mal ficares no banco porque o Jackson tem mais calo nisto. Obrigado, Neuer…perdão, Fabiano, por decidires hoje mostrar ao Helton que também sabes jogar adiantado. Obrigado, Alex Sandro, por não trocares os pés quando te trocaram de lado. Obrigado, Maicon e Marcano, por estarem tão atentos e jogarem tão simples, tão bonito, tão prático. Obrigado, Evandro, por saberes esperar fora do campo e por saberes esperar também dentro dele. Obrigado, Brahimi, por mostrares que os livres directos voltam a ser uma oportunidade para marcarmos golos. Obrigado a todos pelo que fizeram hoje, onde um badocha careca na bancada do Dragão voltou a ser um menino, a abraçar o pai e a saltar com os golos como se fossem os primeiros que via na sua vida. Obrigado pela excelente noite que me encheu de orgulho. Não percam este espírito, só têm a ganhar com isso.

(+) Golos em remates de fora da área. Os ingleses costumam dizer: “when it rains, it pours“, que traduzo livremente para: “quando começarem a rematar de fora da área, entram logo quatro de uma vez“. E hoje foi um maná de remates, cada um melhor que outro, com golos geniais dignos de figurar nas listas de melhores do ano. E ainda ficou na memória mais um tiraço de Casemiro e outro de Aboubakar. Chiça que vocês quando se lembram de me dar razão, rapazes, não brincam em serviço!

(+) Casemiro. A única exibição individual que merece destaque para lá do colectivo. Um jogão do brasileiro, o único no meio-campo que conseguia lutar com o corpo perante os badochas suíços e que conseguiu perante a maior capacidade técnica e jogo mais subido e pausado de Herrera e Evandro. Inteligente no posicionamento, lutador no choque e estupendo no corte, fez um jogo quase perfeito com a quantidade de bolas que recuperou, as vezes que surgiu a dobrar os colegas em zona defensiva e a força que transmitiu ao confronto físico com os brutinhos dos adversários que enfrentou. Ah, e marcou um dos melhores golos de bola parada que vi ao vivo. Só isso.

(-) A lesão de Danilo. Não reparei na queda do rapaz porque fiquei a olhar para Fabiano. Cedo deu para perceber que nada se passava com o guarda-redes (que é um fiteiro bem acima da média, admita-se) e quando virei os olhos para Danilo, vi-o inerte no relvado. Passam logo imagens de Foé e Fehér pela mente e arrepiei-me ao pensar que o rapaz podia ter sofrido algo bem pior que uma comoção cerebral. Ainda bem que não é grave. Podia perfeitamente ter sido.

(-) Os lenhadores suíços e a arbitragem novamente amiga. Nunca estive em Basileia, mas deve ser uma localidade com uma notável ausência de árvores, pelo menos nos sítios onde estes moços passarem. Samuel, o líder do bando de assassinos suíços e sem dúvida detentor de livros inteiros com os esqueletos de armário dos árbitros por esse continente fora (uma espécie de Maxi em versão Europeia), jogou aproximadamente 150 minutos a mais numa eliminatória com dois jogos e não consigo entender porquê. Mas não foi o único, porque os amigos do Walter decidiram mais uma vez aproveitar toda a facilidade que o árbitro (outro) lhes concedeu, arrastando pés pelo chão e elevando a entrada de carrinho a uma forma de arte marcial. E depois a puta da cereja mijona em cima do bolo. O lance que dá origem à falta de onde apareceu aquele monumento do Casemiro é notável. Um homem do Basileia no chão, com os colegas a ignorarem-no como se faz a um sem-abrigo numa paragem de autocarro. Seguem com a bola sem qualquer problema, até que a perdem…e Tello, sem saber muito bem se haveria de sprintar ou de enviar a bola para fora (na dúvida, corre, rapaz, corre como o Forrest!!!), apanha mais uma machadada suíça…e ainda é insultado pelo adversário por não ter fair-play. A lata que é preciso ter para aquela atitude é de gente com tomateira de aço e uma gigantesca falta de fibra, à qual se pode somar o árbitro, incapaz de mostrar autoridade perante tamanha falta de nível. Pensem duas vezes antes de elogiar a cultura cívica dos centro-europeus. Muitos são desta laia, gente que merece receber jactos de urina pela traqueia abaixo.


Quartos de final da Champions. Ahhhhh, sabe bem conseguir ser grande nos grandes momentos.

Ouve lá ó Mister – Basileia

Señor Lopetegui,

Em primeiro lugar, os meus parabéns por teres atravessado esta fase complicada da época com várias vitórias e sem sofreres golos. Era muito importante manter a moral dos adeptos em alta (a dos jogadores também, neste eterno circuito realimentado que é o adeptismo de futebol) e tu e os teus rapazes conseguiram com boa nota. Um B+, vá, pelo futebol jogado e pela solidez defensiva, mas tens de corrigir a ineficácia e as entradas em jogo nos próximos tempos para que possas subir para o A. É daquelas parvoíces das notas “motivadoras” que tantos professores meus usavam no secundário e que só motivavam a que um gajo lhes quisesse rebentar com um pneu do carro quando estivessem a sair ao final do dia.

Mas hoje, basta jogar o que tens vindo a fazer. Digo “basta” porque o Basileia é uma equipa lutadora mas não podemos pensar que nos chega aos joelhos. Chega aos calcanhares, caso contrário não estaria aqui prontinha a ser considerada uma das oito melhores da Europa em 2014/2015. No entanto, com a devida vénia ao trabalho do Paulo Sousa, nós temos mais futebol, mais arte e bem mais saber. E que saudades temos nós de chegar a esta fase, depois daquele tiraço do Ronaldo me ter tirado todo o ar que tinha nos inchadíssimos pulmões, ainda cheios a seguir ao brilharete em Old Trafford, onde o Mariano e o Cebola foram tão grandes e depois…aquele genial estupor lá nos roubou a hipótese de voltar aos quartos de final. Agora, o Mariano joga na segunda divisão argentina (vê aqui se não acreditas) e o Cebola anda a raspar o guito aos gajos do Parma para ver se saca algum antes de se pisgar para o Brasil. Dessa equipa só sobra o rapaz de luvas ao teu lado, já viste como os tempos mudam tão depressa? E tu podes ajudar a que os nomes fiquem marcados na nossa memória ao mesmo tempo que crias novos nomes para uma história sempre renovada.

Hoje à noite, Julen, tens hipótese de te colocares na história do clube. Nada mau para quem cá chegou há uns meses, heim?

Sou quem sabes,
Jorge

Não é a tua grande oportunidade. Mas é uma oportunidade.

Porto's Aboubakar celebrates his goal against Shakhtar Donetsk during their Champions League soccer match in Porto

Meu caro (3 milhões por 30% do passe) Vincent,

Falo pouco contigo, rapaz. Dei-te uma palavrinha aquando do jogo contra o Shakhtar, quando tentaste acertar num rapaz qualquer que estava na Superior Sul do Dragão mas onde a maldita baliza te apareceu pela frente e te tramou a pontaria. Vá lá, deu golo, mas eu não acredito que tivesses marcado um golaço desses e que ninguém pareça recordar-se disso para lá do obscuro arquivo de meia-dúzia de fanáticos. Enfim, coisas da história de um clube que, habitua-te, tem sempre destes infortúnios.

Não temos um histórico muito vasto de goleadores africanos. Vasto em termos de número, porque em valia tivemos um argelino aqui há umas décadas que até foi jeitoso e marcava golos de costas e tudo, se conseguires imaginar. Mas quando comparado contigo era um poucochinho diferente a nível de…bem…quase tudo. Tu és um calmeirão, um gentil gigante, um armário de força e alguma técnica (já me lembro da tua “rabona” aqui há umas semanas, nada mau) e uma seta apontada à baliza contrária, ao passo que o outro moço era…bem, era só aquilo que todos sabemos. E provavelmente nunca conseguirás jogar como ele, mas também quem é que diz que todos os jogadores têm de imitar um antecessor? Cada um tem as suas mais-valias, o seu nível e a sua capacidade que colocam em campo ao serviço da equipa e tu não serás diferente. Pareces-me um gajo voluntarioso, cheio de altruísmos e simpatias. Lembro-me do teu gesto, oh se me lembro, logo num dos primeiros jogos em que entraste e onde o Quaresma te deu a marcar o golo da vitória (terá sido em Vila do Conde?) e tu procedeste a celebrar junto dos adeptos, sempre a apontar para o colega que te passou a bola, perfeitamente ciente do mau momento que o rapaz passava nos media e, quiçá, até no balneário. Fizeste logo amigos nas bancadas e na televisão, Vincent, não tenhas dúvida. E já agora, desculpa lá, mas isso do Vincent tem de acabar. Aqui serás Bincent. Sempre Bincent que os Vs são só para vitórias sem aves pelo meio.

A malta tende a comparar-te ao Quinzinho. Eu sei, é uma parvoíce e até eu já caí nessa desgraça. Sabes que para os trintões como eu, a imagem do angolano é difícil de apagar e o nome tornou-se um adjectivo ao longo dos anos, usado e abusado para qualificar qualquer jogador da tua raça que tenha a tua raça. Redutor, eu sei, mas não censures o povo pelas parvoíces de uma vida. É malta simples que não sabe ser de outra maneira e não o faz por malícia nem ódios, apenas por força de hábito. E olha que o Quinzinho até ficou bem visto por cá, apesar dos poucos golos que lá ia marcando.

Seja como for, tens agora alguns jogos para mostrar trabalho durante mais que os infelizes 15/20 minutinhos que foste acumulando grão após grão, quando o Jackson deixava de ter pernas para tudo ou quando era preciso outra arma lá na frente. Agora, durante alguns jogos, essa arma serás tu. Diria que o Gonçalo também tem uma palavra a dizer, mas é curtinha e ferida pela inexperiência que tu, titular da tua selecção das camisolas justas e futebol com perfume, já podes jogar com o resto das fichas. Mostra-me lá o que vales, marca uns golinhos e ajuda o teu novo clube. Para o ano, quando fores aposta para arrancar de início, já podemos saber melhor com o que é que podemos contar.

Força, puto. Estamos a contar contigo.

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – Braga 0 vs 1 FC Porto

250672_galeria_sc_braga_v_fc_porto_liga_nos_j24_2014_15.jpg

Um jogo tramado contra uma equipa tramada cheia de jogadores tramados num estádio tramado. Se disser “tramado” mais uma vez pode ser que ganhe uma raspadinha. A verdade é que não houve tantos tramados como se imaginaria, ou se houve foi por culpa própria. Sim, o Braga corre muito. Claro, o Braga é rijo. Óbvio, o Braga joga em contra-ataque. Mas não correu assim tanto. Não foi assim tão rijo. Quase não contra-atacou. O que sobra do jogo? Uma vitória arrancada com (mais) um golo em 1×1 de Tello, a lesão de Jackson e a percepção que os rapazes estão com ganas de continuar mas continuam com pouca imaginação na altura de criar lances ofensivos. Vamos às notas:

(+) Casemiro. Às vezes é preciso jogar assim. Duro no contacto físico e certeiro no controlo da zona central, onde Pedro Tiba (um cabrãozinho que dá vontade de esbofetear até ficar com a mão em sangue, bem como Pedro Santos. Qualquer Pedro que jogue no Braga, pronto) e Danilo se dispunham como unidades mais agressivas e que Casemiro ajudou a tapar. Não esteve tão bem contra Ruben Micael (e não imaginam o quão estranho é escrever esta frase) mas foi acima de tudo pela inteligência nos últimos minutos que o brasileiro brilhou. Sacou pelo menos três faltas a jogadores do Braga, no equivalente centro-campista da dupla lateral+extremo na linha à espera que os minutos passem, ganhando lançamentos atrás de lançamentos. Às vezes é preciso jogar assim. E Casemiro, hoje, fê-lo na perfeição.

(+) Marcano. Certinho, direitinho, eficaz, prático…é o central perfeito para acompanhar um outro que seja líder. Maicon não o é e nunca o será porque é demasiado falível em lances fáceis (hoje esteve bem, com uma ou outra falha pontual que não deixaram preocupação) e o exemplo de Marcano parece sair direitinho do manual “Como ser Aloísio em dez simples lições”. Impecável no corte, sem inventar no passe e acima de tudo a transmitir uma tranquilidade que faz com que seja o central número um nas escolhas de Lopetegui. Ou nas minhas, pelo menos.

(+) Tello. Esforçado e eficaz. Quem vir este Tello e fizer uma comparação com o mesmo fulano que usava o mesmo número na camisola aí por volta de Setembro/Outubro arrisca-se a sofrer uma lesão na espinha tal é o efeito de chicote que receberá na base do pescoço. Este Tello é que devia ter andado por cá desde o início do ano, um Tello que não desiste, que vai às bolas todas, que arrisca e que não se atemoriza perante um ou cinco defesas. Um Tello que se atira para cima do defesa no 1×1 e que aparece em frente ao guarda-redes e não se atrapalha todo como fez tantas vezes no arranque da temporada. Este Tello pode ficar. O outro pode voltar a Barcelona.

(-) Herrera Já não sei que te dizer, rapaz, mas começo a ficar preocupado. Das duas uma: ou vais ao médico e queixas-te que há qualquer tipo de narcolepsia hiper-temporária que se apodera de ti durante os jogos, ou eu vou telefonar ao Casemiro e faço com que ele ande com uma daquelas varetas que dão choques ao gado para ver se te assusto o suficiente ao ponto de acordares. Demasiadas bolas perdidas pela assustadora lentidão com que executa e pensa o jogo, demasiados passes falhados, demasiadas vezes em que me apeteceu gritar para o despertar daquele torpor que tanto me enerva. Se o Speedy Gonzalez é mexicano, tu deves ser o estupor do arqui-inimigo dele. O Slowy Herrera ou qualquer merda parola do género.

(-) As saídas aéreas de Fabiano. Se o rapaz já vai em seis jogos consecutivos sem sofrer golos em competições nacionais, deve uma enorme caixa de chocolates e uns ramos de rosas aos seus defesas. Não sendo o zénite da eficácia defensiva mundial, a linha defensiva vai limpando a folha do seu keeper que não consegue assentar-se como um nome que não deixa reservas aos adeptos. E não o consegue pelas constantes falhas em saídas a cruzamentos, pelo jogo de pés (que está melhor, atente-se!) medíocre. Não é mau guarda-redes, longe disso, mas ao ver Helton no banco dá-me logo uma sensação nostálgica e apetece-me trocar de brasileiro na baliza.

(-) A lesão de Jackson Foda-se. Trinta destes seguidos. Foda-se. Putas das toupeiras. Foda-se.


A vitória era o mais importante e não estou muito preocupado se a equipa joga bom futebol ou não. Digo isto com toda a sinceridade que um portista pode ter neste momento, em que andamos atrás do líder há tempo demais e onde um mínimo percalço nos pode afastar de vez do título. Três pontos. Check. Next!

Ouve lá ó Mister – Braga

Señor Lopetegui,

Mas que bela dose de sportencavanço que demos aos verdes na semana passada, Julen! Foi bonito de ver a malta a cascar no Nani ou no Patrício, eles que são bons rapazes mas que nem sempre se dão bem com os ares aqui do Norte e ainda bem. Os meus parabéns pela vitória, pela exibição e pelo facto de nos manteres activos neste sonho de sermos campeões este ano. Mas…e tudo vem com um mas para dar aquele ar de tensão sublimada por uma ou duas frases inconsequentes a abrir um artigo…mas…se não ganharmos ao Braga, serviu para pouco mais que uma moralização temporária das tropas, aí dentro e cá fora.

Já sabes o que o Braga vale. Uma enormidade de defesas prontos a partirem as pernas a muitos dos nossos, agressividade a rodos no meio-campo e velocidade no ataque. São putos rijos, cheios de sangue quente que vêm, como nós, de uma batelada de jogos sem perder. Para lá de quatro, imagina, o que dá para ver que este campeonato não está a ser um modelo de consistência para nenhuma das equipas, mas ainda assim pode funcionar como um barómetro para percebermos que vão cair em cima de nós como caíram em cima do São Helton como no jogo da Taça da Liga. Por isso há que fazer reunir a malta, explicar-lhes que aquele tolinho que está do banco dos que jogam em casa é um tolinho, sim, mas já foi nosso tolinho. E sabe perfeitamente como é que há-de enervar os nossos, onde acertar e com que índice de força: canela-pum ou gémeo-trau. Mentaliza-os que vai ser mais um jogo de enfesto e que se preparem para ele mais afincadamente que a Umbelina na noite de se encontrar com o Nérso ali no banco de trás do Ford Fiesta kitado.

Ganha o jogo e passa um bom fim-de-semana a veres os outros. Também não é mau jogar antes do adversário de quando em vez.

Sou quem sabes,
Jorge