Dragão escondido – Nº40

Mais uma moedinha, mais uma voltinha, meus amigos! Quem é que está com o trombil escondido atrás da cara do Dale, da agência de detectives “Chip and Dale: Rescue Rangers”, a tentar tirar a bola a um rapaz que viria a vestir a nossa camisola uns anos mais tarde? Bonus points para quem adivinhar o gajo de xadrez. Fácil, fácil, não?

 

Comentários aguardam-se!

This is my club. This is my life.

this-is-my-club-and-this-is-my-life

Olá.

O meu nome é Jorge e estou na parte descendente dos intas, naquela rampa onde se aproximam os entas e se lamenta a distância para os intes. A conversão para o portismo deu-se em pleno Prater, enquanto estudava nos arredores do Porto até aos meus 16 anos para depois seguir para a Invicta para o resto da minha educação. Trabalhei em várias empresas, do Porto ao Alentejo incluindo um ano no estrangeiro. Gosto de ler sci-fi distópica, ver filmes que me deixem a pensar e séries que me colem aos personagens. Sou um estudioso amador da Guerra Civil Americana, adoro web comics inteligentes, converti-me ao Twitter há pouco tempo e ouço psytrance enquanto trabalho. Tenho uma mulher benfiquista e uma filha que não tarda muito e talvez siga o mesmo caminho, a primeira final europeia que vi foi o desastre no Heysel Park, o primeiro campeonato que segui de início a fim foi o de 1991/1992 e a minha francesinha preferida é a do Yuko. Adoraria um dia vir a trabalhar no FC Porto e para o FC Porto, num sonho que um dia talvez se concretize. Vou ao Dragão frequentemente e não acompanho a equipa nas suas deslocações com a frequência que desejava, sou fã de tarte de lima merengada, favas com chouriço e dos golos do Falcao com a nossa camisola. Já bebi mais do que devia, já fumei mais do que devia e já celebrei com demasiada euforia as fintas do Capucho. Já vesti camisolas de anos e cores diferentes, já usei pêra e barba e já tomei banho nu à noite no mar. Estou-me completamente a obrar para quem está a comandar os destinos do meu clube desde que o faça com espírito de portismo, com devoção ao clube e com força para enfrentar os inimigos. Passei a detestar programas de opinião futebolística com painéis de comentadores afectos a clubes, alheio-me de jornais desportivos para lá das capas e é-me totalmente indiferente se as pessoas que estão a trabalhar no FC Porto se chamam Carlos, Pedro, Antero ou Luís.

Esta é a minha vida, interligada com o FC Porto como se dois caminhos ziguezagueantes que se cruzam de tempos a tempos sem pedir licença nem interferir um com o outro, serpenteando-se por entre as avenidas e becos da vida de um rapaz que é mais tímido do que parece e bem mais pessimista do que devia. E que só quer que o seu clube vingue ou caia para lado exausto quando não o consegue, erguendo-se de novo para lutar a próxima guerra. Seja quem for que estiver ao leme, que tenha a força de saber lutar e de se saber recolher quando não tiver força, de afiar as garras e de se atirar com a pujança de doze Hulks para cima do adversário, defendendo como quinze Baías e lutando como nove Joões Pintos.

Só assim me deixarão com orgulho. Quando não cederem perante o metal mas o forjarem para ser usado em nosso nome. Seja quem for, tenha o nome que tiver, a reputação que trouxer e a alma que mostrar. Só assim. Entretanto, viverei o dia-a-dia como gosto: na relva, não na mármore. Com chuteiras, não com sapatos de verniz. Com bolas, não com Montblancs. Com carrinhos, não com Panameras. E com amor ao futebol, não ao dinheiro.

Estão livres de discordar, de achar que sou um lírico e um sonhador, que só vejo as árvores e me alheio da floresta. Sou, não o escondo. E serei sempre assim. You’ve been warned.

Vinte e cinco

 

07-apresentação-fc-porto-otávio-882x600

Com Otávio a ocupar um lugar proeminente no plantel, voltemos atrás no tempo para recordar os nossos vinte-e-cincos:

 

1995/1996 Matias
1996/1997 Zlatko Zahovic
1997/1998 Zlatko Zahovic
1998/1999 Zlatko Zahovic
1999/2000 Cândido Costa
2000/2001 Cândido Costa
2001/2002 Cândido Costa
2002/2003 Cândido Costa
2003/2004 Ricardo Fernandes
2004/2005 Paulo Assunção
2005/2006 Ivanildo
2006/2007 Lucas Mareque
2007/2008 Przemyslaw Kazmierczak
2008/2009 Fernando
2009/2010 Fernando
2010/2011 Fernando
2011/2012 Fernando
2012/2013 Fernando
2013/2014 Fernando
2014/2015 Andrés Fernandez
2015/2016 Gianelli Imbula
2016/2017 OTÁVIO

PS: o resto do mercado e talvez o Antero…fica para outro dia.

Baías e Baronis – Sporting 2 vs 1 FC Porto

353541_galeria_sporting_x_fc_porto_liga_nos_2016_17_campeonato_jornada_3.jpg

Primeira coisa, logo para começar: o Sporting ganhou bem. Foi melhor na luta do meio-campo, aguentou com mais força durante mais tempo, aproveitou as nossas falhas defensivas e a permissividade do árbitro para impôr um jogo mais duro que nós e conseguiu ficar com a bola em momentos-chave da partida. Saímos de Alvalade sem pontos mas houve uma pequena luzinha que não se apagou ao contrário do que tinha acontecido noutros anos em que parecíamos ajoelhados a um místico poder verde sobre nós. Não temos ainda equipa, mas estamos a caminho. Estamos a caminho, meninos. Esperem pela volta. Vamos a notas:

(+) Voltamos a jogar em Alvalade para ganhar. Nos últimos três anos que visitamos a sanita mais conhecida do país, saímos com um ponto no total, com apenas um golo marcado (nesse mesmo jogo, há dois anos). As exibições foram incrivelmente frouxas, sem vontade e garra, sem força física e acima de tudo mental para bater o adversário em jogo de tripla. Desta vez não vi essa ausência de alma. Vi uma equipa que deu o que tinha e lutou para conseguir um resultado positivo apesar da ausência de opções válidas em sectores importantes e da ineficácia que é fruto da falta de rotinas. Vi um grupo de homens que não são de combate porque não têm físico para isso mas que tentaram o que puderam (e o que lhes deixaram) para vencer o jogo. E nestas circunstâncias não posso pedir mais que isso. Dizem-me que estamos demasiado confortáveis com a perspectiva da não-vitória este ano, mas pelo que tenho visto até agora, há algo de novo: vontade. E pela amostra dos últimos anos, é um passo em frente.

(+) Pressão alta no meio-campo, enquanto houve pernas. Mais uma vez afirmo o que já disse no passado recente: não temos andamento para estas coisas, pelo menos por agora. E notou-se que quando os homens do centro quebraram (André² e Herrera deram o litro que para eles anda aí pelos 674 mililitros) houve um recuo na equipa e a pressão, que até aí tinha funcionado, desmoronou-se e o Sporting tomou a dianteira para não mais a largar. Nuno mexeu (tarde, mas compreensível tendo em conta a pouca profundidade de opções centrais lutadoras no banco) mas não conseguiu elevar a equipa a melhores níveis e a pressão desapareceu. Boa tentativa, de qualquer forma.

(+) Danilo. Não foi gigante mas fez tudo o que conseguiu para evitar que o Sporting subisse em bloco pelo meio-campo fora e não fosse o facto de estar sempre bastante recuado no terreno e teríamos conseguido ser mais assertivos na recuperação da posse de bola. Ainda tentou algumas vezes sair com a bola controlada sem grande sucesso e por isso acabou por recuar e tentar jogar de trás para a frente deixando os colegas para o trabalho mais subido. Precisávamos de outro Danilo lá mais para a frente…mas não temos nem teremos.

(-) Falta de força no meio-campo. Podemos exigir trabalho, equilíbrio táctico e colocação de peças em campo por forma a taparem linhas de passe ou construção avançada do adversário. Podemos exigir que passem bem a bola, que sejam práticos e eficientes durante o jogo. Mas não podemos exigir que o André ganhe em corpo ao William ou o Otávio ao Marvin. Isso é quase impossível e por muito que tentem forçar o contacto vão perder 99 em cada 100 vezes. Como se resolve isso? Fácil: ter a bola e rodá-la entre os nossos e quando a perdermos, conseguir interceptá-la mais depressa que o adversário a conseguir passar. Fácil, não é? É, pois, mas precisamos de trabalhar exactamente esses vectores, porque uma equipa pequena e franzina tem de saber os terrenos que ocupa de uma forma mais inteligente do que uma que usa canastrões (com beneplácito arbitral, ainda por cima) para levar a sua avante, sob pena de perder todas as bolas e ficar de braços no ar a pedir falta, que aconteceu hoje por várias vezes sem grande motivo.

(-) Falhas defensivas nos golos. Ambos os golos foram absurdos e foram a prova evidente que ainda há trabalho a fazer, especialmente na mioleira da malta. O primeiro golo surge porque a equipa ficou estática no recuo para apanhar uma bola perdida, com os centrais a abanarem os braços a pedir uma mão que pode ou não ter acontecido…mas o que aconteceu de facto foi um alheamento do lance para tentar pedir uma falta, o que não faz sentido a este nível. Não podemos (e ao que parece cada vez menos) estar dependentes de árbitros, minha gente! Já o segundo golo foi pior, porque o corte de Felipe foi o contrário do que deveria ter feito, independentemente da bola ter ou não ido ao braço do adversário. Rapaz, ouve lá, uma bola daquelas corta-se para o ar. Pões a mona debaixo da trajectória da bola e quando ela embater no teu crânio tem de subir. É dinâmica básica de objectos, tens de jogar mais snooker em vez de andares a ver gajas na net e vais ver que percebes do que falo!

(-) Arbitragem, logicamente, em Alvalade. Não é nada de novo e não me parece que alguma vez o seja: o árbitro lixa-nos em Alvalade, de uma forma ou de outra. Falemos das mãos nas bolas ou bolas nas mãos. Não me parece evidente nenhum dos lances à vista desarmada e é só assim que consigo ver o jogo, porque essa imbecilidade de ver os lances com repetição e analisá-los a posteriori é uma bela duma trampa…mas também é verdade que o próprio Sporting anda a reclamar o video-árbitro desde que o Sansão foi ao corte e que me enfiem sete SCUDs no rabo se pelo menos um daqueles lances não seria considerado que a mão ou o braço desviou a trajectória da bola. Com mísseis anais ou não, passemos às trancadas. Sim, amigos, porque o Sporting as deu com mais força que um proverbial vizinho num apartamento com paredes finas. Bruno César, que tem a boca aberta mais vezes que uma pêga na Via Norte, tratou de andar a arrancar raízes de amarelo vestidas durante todo o jogo, Slimani e William adoraram os queixos dos nossos rapazes e se o Adrien pode andar a dar patadas à vontade, também devíamos ter uma palavra a dizer sobre isso. São estas as arbitragens que nos lixam e que dão cabo dos jogos, aquelas que deixam passar tudo para um lado e o outro raramente tem um free pass. Se um certo polaco que visitou Roma há uns dias tivesse estado hoje em Lisboa, garanto que o Sporting não teria acabado o jogo com onze. Nem dez. Talvez nove. Talvez.


Ninguém morre depois de perder em Alvalade. O campeonato ainda está no arranque e se a única derrota da época tiver acontecido à terceira jornada, não me faz comichão nenhuma. Há que recuperar a malta durante a pausa para a Selecção e voltar em grande na próxima ronda. Força, rapazes.