E vão 14…


Simples, prático, eficaz. Sem grandes problemas, lá fomos buscar mais um caneco. Amanhã segue o penúltimo Baías e Baronis do ano, já que o último será a um nível diferente, mais uma questão de análise individual do plantel. Força Porto!

Jesus no Benfica?!?!?

“Jesus no Benfica leva à suspensão das acções da SAD”
Afinal é tudo uma cambada de hereges. Para além de ir para o Benfica, vem de um clube que tem um Salvador e um Jesus que não são a mesma pessoa, por isso só podem estar condenados a um dos círculos do inferno. De preferência um daqueles que agrilhoa os braços e impede que um gajo se coce. Ou obriga a ver a Susan Boyle nua a fazer break-dancing.
Com estas histórias quem se lixa é o capitalismo. O Lenine deve andar a dar voltas na tumba e a pensar: “Mas como é que eu não me lembrei disto?!”

Desilusão


Não foi uma grande final. Nem foi um jogo particularmente bom. Foi controlado desde o 1º golo pelo Barça, a jogar a passo, trocando a bola simples e sem inventar muito. Não deu hipótese. Não daria a ninguém. Nem ao grande Manchester United. O que custa mais é vermos uma equipa desanimada, sem alma, sem força moral para dar a volta ao resultado, e pensar cá dentro: “Podíamos ter sido nós ali, e com mil Sonkayas, tínhamos dado mais réplica! Se calhar encaixávamos mais, mas havia mais garra!”