Oh inclemência…

Vi agora um post no blog PORTOGAL que me chamou a atenção e que sinto ser minha obrigação redistribuir pela nação portista.

Gostava de conhecer a Sónia Antunes que escreveu este texto. Nunca fui daqueles gajos que diz que não se bate numa mulher, até porque não sou muito alto nem particularmente forte, e há algumas marmanjonas que me espetavam três socos e me esticavam ao comprido.

No entanto, era menino para lhe atirar quatro pontapés nos ovários e uma cotovelada à Paulinho Santos, ou em alternativa pegar num fueiro e deixar romper o ar como um puto de olhos vendados a rebentar uma piñata.
Leiam aqui e indignem-se à vontade. Se alguém a conhecer, peço que seja arremessada uma bela duma cuspidela na testa.

Votação: Farías deve sair em Janeiro?



Farías é um nome que não recolhe consenso. Desde que chegou, em 2007/08, tem tido uma média acima de 7 golos por época (num total de 22), o que parece não ser muito alto para um ponta-de-lança, mas quando se menciona que apenas jogou 3400 minutos (o equivalente a 38 jogos), acaba por ser uma eficácia bastante elevada para um jogador que habitualmente sai do banco! A somar a estes dados temos o facto de Farías marcar mais golos quando entra no jogo a meio, sendo bem menos eficaz quando joga de início. Assim sendo, impõe-se perguntar: Vale a pena vender Farías e tentar outro no seu lugar, mais barato e mais jovem, ou faz sentido vendê-lo? As respostas foram:
  • Sim: 27%
  • Não: 72%
O povo é soberano. De acordo com 33 votantes, Farías está firme no coração dos portistas, ainda que potencialmente não sendo uma opção principal para titular com Falcao aparentemente a ocupar essa posição, mas ainda assim está lá para o que fôr preciso.
Na minha opinião (eu que votei Sim), estes resultados espelham a oscilação que há na equipa e a pouca produtividade que temos. Farías tem qualidade e é de facto perigoso perto da pequena-área, mas pouco mais. Falcao é um Farías mais novo e melhor, e sinceramente se a votação fosse feita noutra altura em que a equipa marcasse mais golos, os resultados seriam diferentes. Sic transit gloria mundi, não é verdade?
Próxima votação e tema para um artigo num futuro muito próximo: Quem deve marcar os livres directos?

Baías e Baronis – APOEL vs FCP


(foto retirada d’A Bola)


Não foi fácil. Hoje de manhã, em conversa com colegas no trabalho, dizia que me parecia ser mais fácil jogar contra o APOEL fora do que tinha sido em casa, principalmente pelos espaços que os rapazes da ilha poderiam dar aos nossos jogadores. Acertei na teoria, falhei na prática. Tornamos o jogo mais difícil do que poderia ser, especialmente pela displicência de alguns jogadores e pela ineficácia em frente à baliza. A notas:

BAÍAS
(+) Falcao, quase fundamentalmente pelo golo. Que me lembre passou a maior parte do jogo em contacto com os centrais e a cair redondo no chão, sem suficiente capacidade de choque para incomodar os cavalões de amarelo. É verdade que jogou pouco apoiado fruto da táctica de “enche-o-meio-campo-com-trincos-e-atira-a-bola-para-os-extremos” de Jesualdo, mas está lento e parece arrastar-se em campo. Um bom golo, no entanto, boa recepção e excelente remate cruzado. E garantiu 3 milhões de euros para os cofres. Boa safra.
(+) Guarín. Apesar de ser complicado conseguir pensar no facto de dar notas positivas a este rapaz, a verdade é que foi talvez o melhor em campo enquanto lá esteve. Muito mexido, bom na intersecção e na saída para o ataque, só conseguia estragar as coisas quando lhe parava o cérebro (como de costume) no meio-campo e perdia a bola para o adversário. Fez um passe fabuloso para Hulk falhar um golo fácil e apesar de não ser um criativo, acabou por fazer o trabalho de que tinha sido incumbido de uma forma aguerrida e com alma.
(+) Os dois centrais estiveram bastante bem durante todo o jogo e apesar de darem algum espaço à torre careca que lá andou pelo meio, só tiveram uma falha que felizmente não deu em nada.
(+) Fernando esteve impecável e implacável em todo o jogo. Está mais desencostado dos centrais e a equipa beneficia do seu posicionamento mais subido, tanto na criação de jogadas ofensivas como igualmente como pressão dos adversários.
(+) Hesitei em colocar este ponto como Baía ou como Baroni. A táctica de Jesualdo foi uma opção pela contenção no meio-campo, num jogo que se previa agressivo e rápido numa altura em que o FC Porto não está nem uma coisa nem outra. Concordei com a entrada de Guarín, ainda que tal colocasse mais pressão sobre o trio de ataque, relegando o centro do terreno para a destruição e passe rápido para os flancos. Ainda assim, Jesualdo não tem culpa da quase total ineficácia que assolou os nossos avançados hoje, por isso apoio a aposta.
BARONIS
(-) Rodríguez não está sequer longe da forma que mostrou no ano passado, até porque o que mostra em campo não é um mínimo de forma. O homem é um peso morto, e não sei qual das palavras se adequa melhor, se “peso”, se “morto”. Lento, sem imaginação, sem criatividade (obrigado, Luís Freitas Lobo, por me enfiares a palavra na cabeça) e com uma preparação física ao nível do Mantorras de muletas, está a caminhar a passos largos para ir mudar os vidros do carro outra vez. Tem de melhorar e muito.
(-) Hulk é incrível. Mesmo. Um avançado que se preze não pode falhar aquele lance em que esteve isolado perante Chiotis. Já nem é a incapacidade de passar a bola mais de 2 vezes em 90 minutos que me incomoda mais. A displicência com que encara a maior parte dos lances de um-para-um e o facto de ser um verdadeiro Quaresma em termos de auxílio defensivo está-me a fazer uma certa febre, e começo a pensar que não vai ser fácil mudar a cabeça do brasileiro. Está a ser, quanto a mim, a maior decepção do plantel até ao momento.
(-) Um baroni curtinho: mas que RAIO foi aquele acocoramento do Sapunaru em plena grande-área quando o Mirosavljevic apareceu em frente a ele!? Estava a apertar os cordões!?
(-) O trio de ataque esteve muito abaixo do costume. Hulk esteve novamente egoísta e extraordinariamente mau no domínio de bola, não passou a bola quando devia e…bem, quase não passou a bola. Fraquíssimo também Falcao, com um falhanço escandaloso. Inúmeros foras-de-jogo, muita lentidão e zero golos. Mal também esteve Rodríguez, lento e sem ideias. O meu colega de Porta costuma dizer que Rodríguez é um jogador ímpar por ser o único extremo que não consegue passar pelo lateral contrário em velocidade. Hoje nem em velocidade nem a fintar. Fraco.
(-) A equipa continua a fazer pouca pressão, a deixar os jogadores contrários trocar a bola muito à vontade. A isso soma-se o muito espaço que se dá nos flancos, onde por exemplo o Charalambides aparecia a centrar quase sempre com muito à-vontade. Se temos laterais com extremos em frente a eles…porque é que não há entre-ajuda na defesa?!
Foi complicado mas safámo-nos. 3 milhões de euros, dois jogos ainda para jogar e os oitavos garantidos. O jogo foi uma bela seca e não fosse ser o Porto a jogar e já tinha mudado de canal há muito tempo. Vá lá, deu para rir com os nomes dos cipriotas. Será que estão a tentar bater o recorde de apelidos mais longos da história do futebol? Estão ao nível do Panandetiguiri do Leiria…

Repetir 03/11/2008


Faz agora um ano (ou quase), que estávamos perante um momento fulcral na época desportiva da equipa sénior de futebol do FC Porto. Depois da tradicional eliminatória contra o Sertanense, acabávamos de sair vergados perante o peso de 3 derrotas consecutivas, duas para o campeonato e uma para a Liga dos Campeões, frente ao Dínamo Kiev. O ponto de mudança ocorreu na Ucrânia, onde recuperámos de uma desvantagem no marcador e acabámos por vencer o encontro, seguindo-se uma série de 9 vitórias consecutivas e uma melhoria evidente na qualidade de jogo.

Tínhamos Lucho e Lisandro. Tínhamos um Hulk a aparecer e uma equipa a crescer em futebol e maturidade. Hoje em dia a situação é diferente mas muito parecida. Em 363 dias muito mudou, mas o clube mantém-se fiel aos princípios e a equipa terá que os assimilar e colocar em campo o espírito guerreiro que nos permitirá sair deste mini-fosso onde parecemos estar.
Por isso é com olhos raiados de vermelho e espuma a sair pela boca que vou encarar o jogo de logo. Vamos fazer aos cipriotas o que uma grande equipa tem de fazer: reduzi-los à insignificância que têm de ter perante uma equipa mais trabalhadora, mais inteligente e acima de tudo, mais forte! Força, rapazes, não custa nada!

Baías e Baronis – FCP vs Belenenses


(foto retirada do MaisFutebol)


Se o Belenenses jogasse de preto, tinha sido uma repetição do jogo do passado Domingo. Foi muito mau, muito muito mau. Optei por fazer a análise do jogo apenas hoje já que ontem não tive tempo e ainda bem, porque teria sido mais agressivo. Enfim, um B&B que hoje é um pouco diferente, com apenas um de cada, ainda que com dimensões consideravelmente diferentes. Vamos a isso:

BAÍAS
(+) Não choveu.
BARONIS
(-) Uma primeira parte desastrosa, um arranque de 2ª parte ainda pior e uma gritante falta de ideias e discernimento colectivo que está a assolar a equipa fez-nos perder os primeiros pontos no Dragão esta época. Desde os laterais, com cruzamentos quase infelizes de Álvaro, passando pelo inexistente meio-campo, chegando a uma frente de ataque de elevada qualidade mas com dificuldades evidentes em colocar essa qualidade no terreno. Sente-se uma sportinguização da equipa, parece que estão desde o primeiro minuto a aguardar que o apito final chegue para poderem ir descansar. Escapelizando um pouco mais, o meio-campo está a jogar muito preso de movimentos, muito perto uns dos outros, sem rasgos individuais minimamente produtivos, com Meireles um pouco acima da média desta época mas sem causar problemas e Belluschi em clara falta de ritmo; a frente de ataque é ineficaz e não causa embaraço aos adversários, com Hulk a rematar quando não deve e a tentar fintar quando deve pontapear para a baliza, Falcao a falhar golos e Mariano a ser coerentemente Mariano. Rodríguez não ajudou, está com pouco ritmo e vai demorar a chegar à forma de ano passado. Farías marcou mas pouco mais fez durante o jogo para voltar a ser titular.
O grande problema que se tem vindo a verificar é o facto do FC Porto já não conseguir impôr respeito aos adversários. Qualquer equipinha vem ao Dragão e não passa por grandes dificuldades defensivas porque os 11 gajos de azul-e-branco não conseguem um ritmo ofensivo decente para uma equipa do nosso gabarito. É frustrante ver a apatia com que a equipa entra em campo e a quantidade absurda de passes falhados e erros de julgamento que ocorrem em todos os jogos. Quem está na bancada fica compreensivelmente chateado. Pensei que pudesse ser das ausências para a Selecção ou da intensidade dos jogos e das lesões. Não creio que seja só isso. Há uma inércia que se está a apoderar dos jogadores e que só há uma forma de combater: com sangue novo. Não do treinador, mas através dele, é necessário convocar outros jogadores e descansar alguns dos actuais titulares que estão a precisar de tempo fora do jogo para acalmar e melhorar índices de confiança. Estamos a atravessar um mau momento e tenho confiança que o vamos ultrapassar, mas é preciso fazer algo, e rápido! Não chega dizer que não podemos jogar assim ou assado, que não se podem falhar tantos golos, já que o problema não é apenas esse. Estamos a depender das falhas nas 5 ou 6 oportunidades sérias criadas por jogo, onde se nota muito mais as falhas, do que deveríamos fazer, que era falhar algumas das 20 chances de golo. Os jogos estão a ser uma seca de início a fim (ou quase) e assim os adeptos começam a não aparecer ao estádio. Ninguém merece.