Ouve lá ó Mister – Nacional


Amigo Vítor,

Não te invejo, rapaz. Sinceramente não te invejo neste momento em que tens de motivar as tuas tropas para o embate de hoje. Eu sei que as coisas estão difíceis e que o holofote que vês ao fundo do túnel parece apagar-se até ficar do tamanho de uma simples chama de um fósforo com pouco oxigénio à volta, mas sabes tão bem como eu que temos de continuar a acreditar. Temos de continuar a olhar para cada jogo como mais um que temos de vencer para que consigamos chegar mais perto e botar pressão naqueles moços de vermelho. Os gajos estão com a moral no zénite e olha que não estou a falar do Hulk nem do Bruno Alves nem sequer do outro venezuelano adoptado que mija nas bandeirolas de canto.

A verdade é que acredito que a moral dos nossos moços estará ao nível de um judeu que descobriu que o cachorro especial que acabou de comer foi feito com carne de suíno. Não duvido disso. Mas também não tenho dúvidas que te cabe o papel de os fazer acreditar, Vitor. Foda-se, isto ainda não acabou! E está bem que faltam três jogos e que temos quatro pontos para recuperar, mas tens de acreditar. Sim, Vitor, acreditar. E se fizerem uma tag cloud de todas as frases que tu hoje digas no balneário, a palavra que vai aparecer em grande tem de ser essa: acreditar. Façamos o nosso papel e deixemos que os outros falhem no deles.

Ganha o jogo e limpa os beiços. Pode ser que ainda consigas abrir uma garrafa de espumante na varanda do Dragão daqui a umas semanas. Não depende só de ti, eu sei, mas se falhares…imagina as buzinadelas que vais ouvir à porta da tua casa. Não desejo essa sorte ao meu pior inimigo, muito menos a ti.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Setúbal


Amigo Vítor,

Já deves estar habituado a estas missivas pre-match que te envio aqui pelos intertubos. Mau era, até porque sei que te levantas em dia de jogo, sentas-te na cozinha enquanto a família dorme descansadamente o sono dos justos, só para activares o portátil ou o tabléte ou lá que raio de geringonça marada tu usas em casa para leres o que te escrevo…e já o fazes há quase dois anos. É obra, e agradeço-te. E esta é só mais uma.

É o penúltimo jogo do ano no Dragão. Sei que pode ser uma perspectiva triste, pensar que depois deste só falta mais um jogo (e que jogo!) para que embrulhemos as camisolas azuis-e-brancas, guardemos os cachecóis e pensemos numa maneira porreira de passar estas férias forçadas de um dos mais agradáveis hobbies que se podem ter. E nos primeiros noventa minutos deste final de temporada, todos que lá vamos estar hoje à noite a torcer por ti e pelos teus, todos nós queremos ver um bom espectáculo mas acima de tudo queremos vencer. Ninguém sabe o que se vai passar no jogo do Benfas na Madeira, mas ninguém quer perder a oportunidade de brilhar mais uma vez a grande altura e espetar com mais um alfinete no lombo dos gajos para que sintam a pressão. Não há muito mais que possamos fazer, pois não? Bem me parecia.

Vi que convocaste o Varela de novo. Já sabes o que penso acerca do luso e continuo a achar que deixou de ser uma mais-valia, por isso só espero ser completa e rotundamente contrariado. Mas seja o Silvestre, o Steven ou o Christian que ponhas a jogar no flanco, vê lá se acertam com os passes e colocam a bola direitinha para o Jackson empurrar. E vê se ganhas o jogo depressa para descansar o Lucho porque esse rapaz está com a frescura de um cacto no Kalahari.

Despacha lá esses rapazes lá de baixo. E deixa-me sonhar mais um bocadinho.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Moreirense


Amigo Vítor,

Começa a ficar apertado aqui no burgo, pá. Isto de andarmos de atrelado a sermos puxados pela força da nossa alma enquanto vemos os outros imbecis ao longe não é coisa que me agrade e não agrada a nenhum portista. Estamos mal habituados, talvez, mas o hábito demora tempo a morrer e se não acreditas nisso, pergunta a um gajo que fume e ele diz-te. Olha para o Jesualdo, que esperas te possa vir a salvar o couro neste Domingo, se não lhe custou deixar de andar com o maço no banco e desatou a mamar chiclets como o Jesus. Foi uma tristeza e é a mesma tristeza que todos passamos quando vemos que, lo and behold, não estamos em primeiro. We’re not in Kansas anymore. Coiso.

Mas eu continuo a acreditar, Vitor. Continuo a ver os jogos, até em diferido como nas últimas semanas, como fiz com a final da Taça da Liga. E hoje, dia dos dias, hoje vou ver o estupor do jogo em directo, sentado no meu sofá depois do que promete ser um dia cheio de trabalho. E pelas 20h30 vou pegar numa cerveja e tirar-lhe a cápsula. Alapo a peidola no tal sofá, dou uma golada daquela ambrósia que os Deuses puseram na Terra e olho para a televisão. E o adversário é o Moreirense. Nem preciso de te dizer o que lhes vais gritar aos ouvidos: “ESTES SÃO O BOAVISTA MAS EM VERDE, CARALHO! E PERGUNTEM AQUI AO CAXINEIRO O QUE É QUE SE FAZ A UM BOAVISTA!!!”.

E estás direitinho para uma vitória tranquila. Por favor. Uma vitória. Já me chegava.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Braga


Amigo Vítor,

Este é mais um, só mais um, e nem o facto de ser o Braga o torna mais ou menos especial. Até podias jogar contra o Cangalheiros Unidos, o que interessa é ganhar. Não há nada que possa fazer com que este tipo de jogos se tornem entusiasmantes, felizes, bem-dispostos, com a galhofa dos campeões e aquela barbela enorme de quem está à frente. Este é um jogo daqueles mais tramados dos jogos: é um jogo difícil que se tem de ganhar, porque se não o fizeres então, amigo Vitor, está tudo fodido.

Não que as coisas não estejam já parcialmente fodidas, porque estão. E digo “parcialmente” porque ainda há esperança, pá, e já sabes que nunca desisto a não ser que me provem para lá de qualquer tipo de dúvida razoável que o panorama está, de facto, copulado e bem copulado. E até esse momento FUBAR aparecer à beira da porta, não há que desanimar e é seguir com a carruagem em frente que a ponte está de pé e a estrada mais ou menos em condições.

Já vi a convocatória e…é o que tem de ser, não é verdade? Marat, Mangalho e Mandrião estão de fora, por isso bora lá a enfiar alguma alegria na equipa! Atsu a titular! Maicon a titular! E é isso. Não tenho mais ideias, não consigo puxar por cartas que não conheço nem sequer sei se existem. Mas sei que vou lá estar na bancada, acabado de sair de um dia de trabalho. E acredita quando te digo que não me quero divertir nem lá vou para isso. Quero ganhar o jogo. Quero continuar na luta, Vitor, e quero que os teus rapazes continuem a acreditar nisso!!!

Bora lá, mais uma alegria, mais uma vitória, Porto, Porto, Porto e o resto da marcha que tu bem sabes como é. E um pontapé no Alan, se possível.

Sou quem sabes,
Jorge