Dragão escondido – Nº21 (RESPOSTA)

A resposta está abaixo:

Jorge António Pinto do Couto, campeão do Mundo em Riadh pela selecção nacional de sub-20, foi um produto das escolas do FC Porto que apareceu cedo na equipa sénior, estreando-se com dezanove anos num Penafiel vs FC Porto que vencemos por 2-0 (golos de André e Demol de penalty). Para quem se lembra dele, antes de ter viajado para a zona do Bessa, onde continuou a carreira até se retirar com apenas 33 anos, era um médio-ala direito muito rápido, de técnica individual acima da média, que alternava com Jaime Magalhães no mesmo flanco e que fazia da velocidade e do repentismo as suas imagens de marca. Depois de sete anos no plantel principal do FC Porto, rumou ao Boavista onde passou outros sete anos e onde nos lixou a cabeça juntamente com Martelinho, Litos e outros que tais daquela coisa com camisolas “esquisitas”.

Esta foto refere-se ao jogo que disputámos nas Antas frente ao Sporting, em 10 de Abril de 1993, que terminou empatado a zero golos.

Houve muita malta que atirou alguns nomes bem ao lado, entre os quais:

  • André– O nosso “velhinho” e pai do rapaz que usa o seu nome ao quadrado no Guimarães (e age como ele, porra) fazia parte do plantel mas não fez parte da convocatória para este jogo. Tínhamos pena do Sporting, só pode!;
  • Folha– Passou a época de 1992/1993 emprestado ao Braga;
  • Frasco– Depois de onze época de azulibranco ao peito…abandonou o futebol em 1988/1989;
  • João Pinto– Presumo que se tenha lesionado, já que não capitaneou a equipa a partir da jornada 25 desse ano…;
  • Roberto Mogrovejo– Sai um estupendo LOL para a mesa do canto! Esteve brevemente no clube mas apenas na temporada seguinte!;
  • Rui Barros– Em 1992/1993 ainda jogava no mesmo estádio a que Moutinho e James agora chamam casa…;
  • Rui Filipe– Estava lesionado há quase dois meses e por isso não entrou para a convocatória deste jogo;
  • Secretário– Tal como o seu colega Folha, passou esta época emprestado ao Braga;

O primeiro a adivinhar foi um anónimo (really, dude?), às 9h11 da manhã. E olhem só para aquela equipa…tanto talento, amigos…

Dragão escondido – Nº20 (RESPOSTA)

E a resposta certa está abaixo:

Daniel Kenedy Pimentel Mateus dos Santos chegou ao FC Porto no verão de 1997 para um plantel que já tinha dois defesas esquerdos de raiz – Rui Jorge e Fernando Mendes – que iam oscilando entre eles como titulares da equipa de António Oliveira. Kenedy, talvez o primeiro de uma longa lista de “laterais” esquerdos que jogavam tanto na zona recuada como em áreas mais ofensivas, tradição que o FC Porto veio a recuperar com Rubens Júnior, Ezequias, Marek Cech e Álvaro Pereira, entre outros, nunca se conseguiu impôr como opção válida e consistente, jogando apenas quinze jogos e acabando cedido ao Estrela da Amadora na temporada seguinte. Acabou a carreira há duas épocas, no Peramaikos da Grécia, depois de por lá ter andado oito anos.

O jogo a que a foto se refere foi disputado no Estádio da Luz, onde o FC Porto já tetracampeão foi untado de cima a baixo com três golos sem resposta. Kenedy saiu aos 33′, juntamente com Rui Barros, para dar lugar a Zahovic e Drulovic…que estariam a jogar com a outra camisola daí a uns anos. Weird twists of fate indeed. Quem quiser rever os lances dos golos (vá-se lá saber porquê), pode fazê-lo aqui em baixo:

Benfica-3 FCPorto-0 de 1998 by MemoriaGloriosa

A (pouca) malta que não acertou tentou os seguintes nomes:

  • Aloísio– Titularíssimo durante a época, foi expulso na jornada anterior durante a vitória no derby contra o Boavista por 3-2 em pleno Estádio das Antas;
  • Barroso– Na segunda e última época feita pelo clube, não foi feliz e apenas disputou 19 jogos. Este também não foi um deles;
  • Domingos– Tinha saído para o Tenerife no final da época anterior;
  • Rui Jorge– Este foi o último ano em que fez parte do plantel do FC Porto, saindo para o Sporting no final da época. Não esteve presente neste jogo mas era uma boa aposta para o concurso;

O primeiro a adivinhar desta vez foi mais uma vez o Miguel, às 8h13. E justificou-me pessoalmente a escolha com a mestria de poucos! Grande!

Dragão escondido – Nº18 (RESPOSTA)

A resposta está abaixo:

Foi de facto Nuno Ribeiro “Maniche”, no mítico jogo em casa frente ao Panathinaikos a contar para os quartos-de-final da Taça UEFA 2002/2003, que o FC Porto perdeu com golo de Olisadebe e que levou ao eterno gesto de Mourinho para as bancadas a pedir calma, como que a dizer: “atenção que isto não acabou…ainda lá vamos à Grécia!”…e a verdade é que num país que ainda não cheirava a crise, acabou por ver um dos seus principais clubes levar no focinho e ser eliminado da competição, com o FC Porto a seguir em frente para destruir a Lázio e eventualmente sofrer contra o Celtic em Sevilha. Maniche era, para quem já não se lembra, um dos elementos titulares de um dos melhores meios-campos que me lembro de ver no FC Porto (e houve muitos), composto por ele próprio juntamente com Costinha e Deco, aos quais se somava pontualmente Alenitchev, outro genial jogador do nosso passado. Maniche era a perfeita “muleta” defensiva de Deco, tapando os buracos deixados pelo criativo de uma forma lutadora, sempre com entrega total ao jogo e empenho a 100%. Um box-to-box quase perfeito nas primeiras duas épocas, foi campeão europeu em 2003/04 e acabou por sair do FC Porto no final da época 2004/05, juntando-se a Derlei no Dínamo de Moscovo.

O jogo a que a fotografia se refere pode ser visto em forma resumida aqui em baixo:

Entre as diversas tentativas menos acertadas para atingir a mouche:

  • Alenitchev – O genial e diminuto russo esteve presente neste mesmo jogo, entrando aos 55 minutos numa tentativa de abanar o jogo, juntamente com Jankauskas, para os lugares de Costinha e Derlei;
  • Domingos – Tinha feito a última temporada no FC Porto em 2000/2001…;
  • Helder Postiga – Foi titular mas não conseguiu furar a defesa grega nessa partida. Marcou ao todo quatro golos nessa edição da Taça UEFA (dois ao Polónia Varsóvia, um ao Austria Viena e um à Lázio;
  • Nuno Valente – Não esteve em campo nesse jogo, onde o titular do lado esquerdo da defesa foi Mário Silva;

O primeiro a adivinhar desta vez foi o José Duarte, e a resposta completa (com jogo e descrição das botas) foi dada pelo Nuno Lopes, ambos ainda de madrugada. Devo dizer que tenho edições do “escondido” preparadas até…ao número 55. Por isso o vosso futuro de zandingueiros amadores está assegurado, podem estar descansados!