Baías e Baronis – Vitória Setúbal 1 vs 3 FC Porto

 

foto retirada de desporto.sapo.pt

Tenho uma passadeira em casa. Daquelas que as pessoas põem na cozinha para não escorregarem com salpicos de óleo ou vinho foleiro e que tem sempre um ar de terem sido feitas de desperdícios encontradas no chão de uma oficina de mecânicos. E a passadeira é prática, razoavelmente limpa e simples. Não emana charme, não dá bom aspecto à sala e parece ainda mais foleira quando vista à luz do luar que entra pela janela da lavandaria. Não gosto da passadeira. É uma merda aquela passadeira. Apetece-me mudar a passadeira. A passadeira, no fundo, faz o trabalho para que está desenhada. Mas não mais que isso. Não me entusiasma, não me faz querer entrar na divisão onde permanece e ficar a olhar para ela durante noventa minutos e só me apetece pegar na passadeira e mudar de passadeira. Acima de tudo, apetece-me deixar de dizer “passadeira”. Enfim. Vamos a notas:

 

(+) O regresso de Sapunaru Absolut Sapunaru is back, y’all! Admito que me dá uma certa nostalgia ver o romeno no lado direito da nossa defesa, com memórias de Dublin a virem rapidamente ao de cima. Não é um génio táctico e acaba por falhar várias aproximações técnicas ao adversário que lhe aparece pela frente mas normalmente acaba por compensar a falha com inteligência. Mas as subidas no terreno parecem mais fáceis, as incursões pela lateral são mais intuitivas que com Maicon que é esforçado mas falta-lhe a notória impulsividade que um lateral tem e um central acaba sempre por ter em falta. Acima de tudo é uma boa notícia perceber que está de volta e mesmo a tempo de substituir Danilo para o jogo contra o Benfica. Em alternativa pode ser que rebente os joelhos ao Nasri na quarta-feira, só para mostrar quem é que manda. É menino para isso.

(+) João Moutinho Esteve bem hoje, mesmo jogando ao lado de Fernando. Os passes saíam quase sempre simples e práticos muito embora os colegas conseguissem estragar quase sempre a jogada que o João começava com inteligência e tranquilidade. É diferente vê-lo a começar a construção ofensiva tão recuado no terreno e a ter de percorrer tanta relva para chegar a uma posição em que possa ajudar na finalização, mas a verdade é que consegue e serve como apoio defensivo quando a equipa está tradicionalmente com 3 jogadores atrás da linha da bola. Gostei de o ver e saiu na altura certa para descansar.

(+) O primeiro golo Simples. Simples. Simples. Custa muito?

(+) O golo de Fernando Já merecia um golinho o nosso Nandinho. E o golo foi mostra de excelente entendimento e da maneira como Fernando também sabe subir no terreno depois de recuperar uma bola a meio-campo. Se fizesse este tipo de rupturas mais algumas vezes e marcasse mais golos…provavelmente não tinha estado hoje no Bonfim a jogar pelo FC Porto.

 

(-) Passividade Otamendi tenta fintar três adversários à saída da própria grande-área, perde a bola e faz falta que dá um livre potencialmente perigoso; Alex Sandro protege a bola com a força de um kiwi maduro e a bola é-lhe tirada várias vezes por Targino ou qualquer um dos outros jogadores execráveis do Setúbal (é curioso que de quatro defesas consigo detestar três: Miguelito, Ney e Ricardo Silva); Lucho tropeça no meio-campo em trocas de bola num espaço de quatro metros quadrados; Rolando pontapeia bolas para o ar como se estivesse na Praça da República e tivesse uma aversão a pombos; Varela controla a bola com todas as partes do corpo menos os pés e perde-a na jogada seguinte para duas marmotas e um setubalense; Hulk…finta e perde, finta e perde, finta, cai e perde. A passividade que vi hoje no FC Porto tem dois motivos óbvios: o jogo na quarta-feira contra o Manchester e o cansaço do jogo da passada quinta-feira. Mas o motivo principal não é esse. É o alheamento do jogo, o desinteresse da competição, a falta de vontade de jogar. “Going through the motions”, como dizem os angleses. E é estupidamente frustrante.

(-) Arbitragem Um escroto, este Paulo Baptista. Se conseguíssemos juntar num árbitro tudo que há de mau de todos os árbitros portugueses, teria a arrogância de Proença, a falta de visão de Lucílio, a cara de parvo do Bruno Paixão e a capacidade de apitar a todos os lances onde há um mínimo de contacto entre os jogadores. É evidente que os rapazes que estão na relva não se mostram preocupados quando se sentem pressionados porque sabem que se gritarem bem alto e caírem para o chão, nem precisam de simular que foram agredidos por um disco de ferro no funny-bone para que a bestinha marque falta. E hoje foi mais um desses anormais que apareceu em Setúbal com licença para apitar. Esqueçam os foras-de-jogo mal marcados e as tecnologias para ver se a bola entrou na baliza ou não. Estas arbitragens é que estão a matar o jogo em Portugal.

 

Das poucas vantagens que tirei do jogo foi o facto de não ter ouvido os comentários na segunda parte do jogo. Passei o tempo a correr na passadeira lá de casa (uma passadeira diferente da de cima) e o constante zusssh causado pelos tradicionais 12 km/h a que zarpava pelo tapete…talvez fossem 10…ou 8…e aproveitei para multi-tascar durante quarenta e cinco dos noventa minutos de gigantesco bocejo no Bonfim. Já sei que estes jogos entre competições europeias não podem ser vistos à mesma luz que a maior parte dos outros, mas depois de uma noite como a da passada quinta-feira estava a precisar de uma injecção de alegria futebolística pelos moçoilos que defendem as cores da minha equipa. Não a tive. E temo que na próxima quarta, em Manchester, também não a vá receber.

Fredy e Fernando

As saídas eram esperadas mas não menos curiosas. Guarín, há que tempos a clamar por oportunidades dentro ou fora do FC Porto, vai-me deixar algumas saudades. Ficarei com imagens da final de Dublin e do cruzamento para Radamel facturar contra Artur, o golo contra o Marítimo a quinhentos metros da baliza ou contra os russos em Moscovo. Mas também ficam muitos semi-jogos fraquíssimos em 2008 e 2009, muita trapalhice e algumas idiotices. Foi um homem que evoluiu desde que chegou e sai numa altura em que parecia evidente que não estava nos planos. Mas há dois pormenores acerca de Guarín que merecem ser analisados: o negócio e a potencial valorização.

Reparem no gráfico de cima, retirado do TransferMarkt. A forma como o jogador foi valorizando pela presença no plantel do FC Porto é notável, muito embora as duas primeiras temporadas tenham tido pouco impacto na produção futebolística da equipa, acabando por “rebentar” nos dois últimos terços da época passada quando tirou o lugar a Belluschi depois da sua lesão e nunca mais o largou até ao final, acabando tão importante para Falcao como Futre tinha sido para Madjer há catorze anos e alguns quilómetros de distância. É verdadeiramente extraordinário o crescimento do valor de mercado do colombiano e se a vida lhe correr bem e o Inter se chegar à frente no próximo Verão, podemos ter um dos negócios mais rentáveis de sempre com quase 1400% de lucro. É obra.

Já Belluschi é outra história com o mesmo fim. Nunca foi consistente nas exibições e era raro fazer dois jogos consecutivos com a mesmo nível de qualidade e intensidade. Enervava-me com infindáveis passes falhados mas ao mesmo tempo entusiasmava-me com os “túneis” e a inteligência ofensiva que várias vezes faltou aos colegas. Via-o como o novo Alenitchev. Não chegou nem perto do russo. E a saída do argentino, ele que regressou pontualmente à selecção por culpa da carreira que fez no grande FC Porto 2010/2011, acaba por ser natural ainda que menos expectável, particularmente depois do jogo de Barcelos onde foi dos poucos que pareceu com a cabeça no sítio. Mas as estratégias e modelos de vida não se podem basear em noventa minutos e acaba por fazer o trajecto inverso de Dmitri, seguindo de Portugal para Itália.

Não resisto a deixar os dois lances que me ficam na memória destes dois rapazes:


(Golo de Guarín ao Marítimo)

[jwplayer mediaid=”5793″]
(Golo de Belluschi ao Benfica)

Desejo sorte aos dois. Que sejam felizes, que joguem muito e que joguem bem. E que no Verão consigam contratos permanentes com dinheiro no bolso e cash na nossa SAD. Assim seja.

Panem et circenses

Chegou Danilo, juntam-se agora Lucho e Janko, sairam já Walter e Fucile para o Brasil e zarpam Belluschi e Guarín para Itália. Soa a uma revolução na mentalidade de um conjunto de jogadores que provaram não conseguir criar uma estrutura coesa em campo para equivaler aos desafios que no pós-zénite de Dublin lhes foram colocados. A aposta nestas duas contratações de último dia trazem dois pontos que não poderão ser contestados: é uma assunção de falha pela parte da cúpula na planificação da época pelo risco da aposta exacerbada em Kleber/Walter para a solução ofensiva central; é também uma inversão pontual da estratégia de vários anos para provocar uma mudança de atitude para os próximos cinco meses.

É, mas não só.

Lucho é um negócio imperdível, tanto do ponto de vista de investimento para um presente que se quer melhor e mais consistente como para um futuro próximo com liderança e inteligência em campo que Belluschi nunca conseguiu e Guarín, a espaços e fundamentalmente na segunda parte da época passada, ainda chegou a fazer crer que iria providenciar. É circo, dirão, é uma manobra para amaciar adeptos e moralizar o público. Evidente. E dirão com toda a razão. Mas acaba por ser uma opção que se torna impossível de abdicar quando a vontade do jogador se junta à tremenda necessidade de alguém que consiga ligar as transições tácticas do meio-campo para o ataque, ainda que num estilo que se quer diferente do que executava na altura em que por cá andou. O plantel, a equipa que Lucho encontra é radicalmente diferente daquela que deixou no verão de 2009 quando rumou a Marselha. A muleta que tinha em Meireles tem agora menos uns centímetros e menos força, o avançado rápido e letal que encontrava nos espaços frontais continua na Ligue 1 e só quatro são caras conhecidas no onze para onde vai rapidamente entrar. Mas Lucho pode ser uma chave importante não para recriar o estilo de Jesualdo com os passes rápidos e as desmarcações cruzadas, mas aproveitando a experiência e o talento do argentino continuar a progredir numa estratégia de passe curto e um jogo de posse que deveria pautar cada vez mais o nosso jogo. Vários jogos já vimos em que a equipa não só entrou desagregada como acabou por se dissolver na relva como um grupo de putos com mente fraca em corpo são e a esperança que Lucho sirva para criar um espírito renovado e pautado pela sua própria força está na cabeça de todos os adeptos.

Janko é diferente. Para além das óbvias limitações financeiras que terão ou não impedido a contratação de outro nome, o austríaco chega sob pressão. O nome não entusiasma, a nacionalidade muito menos, a ausência da Liga Europa é infeliz, os valores são riscados como banais e os golos apontados não levantam o sobrolho. É uma aposta, mais uma entre muitas, num jogador que não creio reunirá grande consenso mas tem a vantagem de também não agregar o binómio nome/reputação de tal forma que leve os adeptos a pensar em golos de cinco em cinco minutos. E apelando ao meu próprio rácio de optimismo e pessimismo, não posso esquecer que houve um Kaviedes para cada Jardel, um Pizzi para um Falcao ou um Mielcarski para um McCarthy. É simples: não há pontas-de-lança que garantam golos per se. E do que conheço de Janko, do ponto de vista do tipo de jogo que gostava de ver no FC Porto, não encaixa. Mas eu não conheço Janko por aí fora e por muito que o rapaz tenha a infelicidade do apelido em lusa língua ter de evitar a rima caso não funcione, a verdade é que terá de jogar sem período de adaptação, a frio, no lube available. E pode doer se não puser a bola no fundo das redes vezes suficientes para reclamar o crédito.

São negócios de inverno, quase sempre feitos para corrigir problemas, adaptar estratégias e alterar posicionamentos. São feitos em cima da hora, fruto de ganância de empresários, pressões de jogadores e impulsividade de treinadores. A gestão destes negócios está a ser feita de dentro para fora, numa óbvia tentativa de controlo de estragos para evitar o total alheamento dos adeptos até ao fim da temporada e ganhar um balão de ar e adiar próximas manifestações públicas de desagrado.

Talvez, mas não só. Algo está diferente no FC Porto. E um optimista, como eu, quer sempre ver mais pão que circo.

Ouve lá ó Mister – Vitória Guimarães

Amigo Vítor,

Agora é que começa a doer, homem. Este Domingo, contra a malta da terra do Afonso, estás perante o primeiro monte da época. É preciso trepar, pá, é preciso subir ao cume desse pico e dizer bem alto a todos os portistas, cépticos e crentes, que estamos vivos, que não desaprendemos de vencer durante as férias e que até contagiamos os outros com a vontade de ser sempre primeiro…ou achas que o Uruguai ganhou a Copa América por acaso? Havia lá dois dos nossos, e só tiveram sorte porque o Maxi teve um flashback para 2009/2010 e percebeu “ah, é este o doce sabor do triunfo…puta madre, já nem me lembrava, coño!”, senão ainda estavam a chutar bolas à baliza do Villar. E todos nós acreditamos que mesmo tendo perdido aquele jogo com o Lião (por muito que me custe perdoar-te por perderes contra uma equipa a jogar de cor-de-rosa…olha que até o outro “lião” se empertigou todo quando viu o tom das shirts da Juve e inverteu o tradicional curso da natureza, com a gazela do pai da Lyonce a cravar duas setas nos da velha senhora, mas isso já lá vai não é verdade?), que por sinal até foi bem entretido, a equipa vai chegar a Domingo a espumar das ventas.

Mas o Guimas que não te engane…olha que eles são sempre matreiros, não andam a jogar um remate-de-Mariano nesta pré-época mas quando chegam à parte que magoa parece que se lhes levanta a moral e vão em frente! Ainda por cima lembra-te que não vais ter o puto James que lhes deu água p’la barba no Jamor, o Álvaro e o Cebola ainda estão a encher o bandulho esparramados ao sol e o Falcao e o Guarín ainda estão a começar a suar o deles. Se fosse a ti, que não sou, mas se fosse, apostava na mesma equipa que meteste contra o Olympique Licha & Cª. Sem inventar muito, jogar simples, jogar prático, jogar com calma e confiança de campeão.

E já sabes que 1-0 chega, até meio-zero como disse à gaja da TVI que ainda no aeroporto me espetou o microfone no focinho antes de sair para Dublin, agora se pudéssemos arrancar a época como a terminámos…então isso é que era lindo. Mas não te preocupes muito com marcar muitos golos. Interessa-me ganhar, porque o Museu abre em Abril e já lá está o espaço reservado para mais esta. Força aí nessas canetas, olha que vou estar lá na bancada para aplaudir!

Sou quem sabes,
Jorge