Ouve lá ó Mister – Genk

Señor Lopetegui,

Ora então muito bom dia e bem vindo a esta que será a sua casa nos próximos meses, a não ser que a direcção se lembre de sacar um Del Neri e o ponha na rua ao fim de umas semanas. Bem vindo a um dos melhores clubes do Mundo, que luta pelo campeonato todos os anos, que tem um estádio belíssimo e uma massa adepta exigente, a um clube que tem arrecadado troféus atrás de troféus nos últimos quarenta anos. Bienvenido.

Não estando habituado a estas lides, fica a apresentação. E fica também uma palavra de estímulo e de parabenização pelo posto que agora ocupa e que enche de inveja tantos que o vêem todas os dias com o emprego de sonho de tantos portistas espalhados por esse globo fora. Quem é que não quereria partilhar balneário com Helton e Quaresma, quem é que não gostaria de trocar umas bolas com Óliver ou Alex Sandro, quem é que não sonha todos os dias a caminho do lúgubre e enfadonho emprego (não são todos, comparados com o seu?) que mais valia estar a escolher o onze que vai jogar a próxima partida do FC Porto? É por esta e por outras que o meu amigo Julen está numa posição privilegiada para mostrar o que vale e para se abraçar todos os dias ao espelho com a auto-congratulação de quem chegou ao big-time. Mas, qual Peter Parker catalão, também sabe que com grande poder também vem grande responsabilidade. E hoje é o primeiro dia do resto da sua vida, meu caro.

Ninguém espera muito destes jogos. Reformulo: as pessoas normais não esperam muito destes jogos. Nós, os pensantes, percebemos que são jogos para experimentar, para testar opções principais e alternativas, para dar aos jogadores algum entrosamento em campo e para que os treinadores percebam que tipo de matéria-prima ali têm para lá do que vêem nos treinos. Por isso venham de lá esses onzes, apareçam as jogadas, suem os corpos e trabalhem para mostrar serviço. Não lhe peço mais que isso.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Olhanense

Estimado Professor,

Escrevo-lhe estas palavras quando as vozes dos nobres cantores do fado de Coimbra estão a ecoar nas paredes da Sé (ou da Relação, já nem sei onde é este ano…), enquanto milhares de estudantes, trajados até ao osso e metade já semi-alcoolizados vão ouvindo em silêncio (os que conseguem) alguns dos acordes que sinalizam o início do fim da sua vida académica. E estabelecendo um paralelismo com a sua carreira no FC Porto, presumo que acredite que mais garrafa, menos garrafa de tinto, os sinais são os mesmos e a rampa será idêntica. Ainda assim, não sabendo o que se irá passar nas próximas semanas, acredito que vai tentar fazer o melhor possível no tempo que resta.

Assim sendo, mesmo considerando que a equipa que gere está numa forma semelhante à que se encontrava quando pegou nas rédeas da mesma aqui há uns meses, não deixo de ficar surpreendido pela presença de vários Bs nos convocados. Tozé e Kayembe (mais o primeiro que o segundo) já fizeram o suficiente para merecer uma chamada, mas talvez houvesse espaço para mais um ou dois. Pedro Moreira, por exemplo, que não sendo um génio do futebol é lutador e tem sido um líder da equipa secundária; Ivo, um extremo como poucos que temos, que vai para cima dos defesas sem medo; Victor Garcia, para continuar a mostrar que pode ser alternativa a Danilo; Quiño, que nem está a fazer uma época extraordinária mas fazia com que não precisasse de inventar na lateral esquerda; ou Mikel, para jogar em vez de Fernando e dar descanso ao nosso guerreiro. Havia muitas alterações mais a fazer mas a opção é sua, será sempre sua e nós, que estamos de fora, é que gostamos de as analisar sem saber o que por aí anda na sua cabeça.

Muito bem. Faltam apenas 180 minutos para o fim do desterro e é mais que tempo para sacar duas vitórias. Acima de tudo vamos sair disto com a pouca honra que nos resta. É que perder com o último classificado, francamente, não lembra nem ao adepto mais pessimista.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Rio Ave

Estimado Professor,

*suspiro* Vamos lá a isto. Ainda enlutado depois da festa vermelha no Marquês me invadir os sentidos e pontapear a alma, voltamos ao campeonato para o antepenúltimo jogo desta coisa que, como já disse aqui há uns tempos, nunca mais acaba. Está a ser uma época atípica mas acima de tudo frustrante, com pouco que se possa aproveitar para contar aos netos e que um dia nos fará olhar para trás e pensar no que raio andamos a fazer durante um ano inteiro para os outros festejarem com tanta pompa. E pompa merecida, quanto mais não seja porque fizeram o que nós não conseguimos: foram estáveis. Mas isso são contas para terceiros rosários e o que interessa mesmo agora é o jogo com o Rio Ave que nos pode garantir o terceiro lugar! *mais um suspiro* Assim sendo, vamos a isso.

Já vi a convocatória e não me parece mal, com algumas considerações que gostava de tecer. Depois do bom jogo dos Bs contra o Bê Benfas, acho que está na hora de começar a promover alguns miúdos à equipa principal. Sei que o José Guilherme quer ser campeão da segunda liga, mas não se perdia nada em dar algum sangue novo aos As, tão calcados e recalcados têm sido nos últimos tempos. Convocar Pedro Moreira (seria um prémio para um jogador que não é excepcional mas que luta e trabalha como poucos), Tozé (segundo melhor marcador do campeonato) ou Mikel (para percebermos se serve ou não quando Fernando sair) seriam prémios merecidos e uma boa maneira dos sócios começarem a sentir que algo está para mudar, nem que seja de uma forma pontual.

Como essa não parece ser a ideia, pelo menos para este jogo, ao menos que vençamos. Uma vitória assegura o terceiro lugar…*prolongado suspiro*…e o penúltimo jogo oficial da temporada no Dragão receberá talvez a pior casa da época (lá estarei, no meio dos poucos que lá vão aparecer), mas não é motivo para facilitarmos demais. Está em jogo a honra e o orgulho do nosso clube!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Braga

Estimado Professor,

Começo por dizer que já vi a lista de convocados para o jogo de hoje na pedreira e parece-me simpático. Tirou o Danilo, que anda a botar a língua de fora há alguns jogos e a cabeça não está a 100%, encostou o Quaresma para o rapaz deixar os nervosismos de lado e pensar que tem de continuar a trabalhar mas ajudar um pouco mais a equipa, mas afastou os dois mexicanos…não sei muito bem porquê, mas lá terá as suas razões. Mas por favor diga-me que é o Maicon que vai jogar e não o Abdoulaye. Por favor, diga-me que é assim que vamos jogar. Sim? Please, sir, please!

Já o resto da equipa, francamente não me preocupa muito, tal como o resultado deste jogo também não mexe muito comigo. Eu sei que perder mais uma partida no campeonato pode começar a ameaçar recordes, mas sou dos que concorda com as poupanças em alturas cruciais da temporada…e depois da monumental encavadela com que saímos da Andaluzia, que me deixou a andar à Jorge Couto desde quinta-feira, a verdade é que o jogo mais importante do ano passou para a próxima quarta-feira. E não creio que haja opiniões de muitos portistas que sejam dissonantes com a minha, por isso acho que posso dizer com algum grau de certeza que o meu caro amigo tem o apoio de todos nestas opções.

Por isso força aí em campo, alinhe com o onze que lhe dê garantias de conseguir vencer o Braga mas opte pelos gajos que têm mais fome de jogar e de mostrar o que valem para poderem continuar no plantel no próximo ano. Make no mistake about it, a maioria do povo já está a pensar no próximo ano…

Sou quem sabes,
Jorge

Dragão escondido – Nº24 (RESPOSTA)

A resposta está abaixo:

O nosso actual treinador-adjunto, que anteriormente desempenhava a mesma função na equipa B junto ao mesmo “chefe”, Luís Castro, António José dos Santos Folha é um nome familiar para a família azul-e-branca, tendo subido da formação do FC Porto até chegar a um lugar na equipa principal, onde fez parte do plantel durante nove temporadas, com um intervalo em que esteve emprestado ao Braga (juntamente com Secretário, já um elemento de honra desta rubrica), acabando por sair para umas passeatas pelo estrangeiro, nomeadamente na Bélgica onde jogou pelo Standard Liége e pela Grécia, alinhando pelo PAOK. Regressou para terminar a carreira em Portugal, ao serviço do Penafiel. Emprestou o nome a uma categorização de lances pela linha que ainda hoje é usada por tanta gente nas bancadas do Dragão: “pronto, sai um cruzamento à Folha!”, já que uma boa parte dos seus cruzamentos saíam muito altos e caíam como balões de S.João murchos na área (com sorte) do adversário. Foi uma peça importante das equipas de Bobby Robson, fez quase 200 jogos pelo clube e foi internacional Português por 26 vezes.

Houve muita dispersão nas tentativas de adivinhar o nome do pequeno grande esquerdino gaiense. Em resumo e explicando o porquê das falhas:

  • André– A época a que esta fotografia se refere (1994/1995), foi a última do “velhinho” com as nossas cores e apesar de pouco utilizado nunca deixou de estar presente na conquista do campeonato.;
  • Bandeirinha– A alternativa mais credível a João Pinto (se esse conceito for sequer contemplável…), foi pouco usado durante a temporada;
  • Domingos– Marcou 27 golos durante a temporada…mas era um bom bocado maior que João Pinto e o rapaz de foto vivia um poucochinho abaixo do grande capitão;
  • Edmilson– Só chegou no início da temporada seguinte…;
  • Jorge Couto– Também pouco utilizado por Robson (terminou a época com o mesmo número de jogos que Bandeirinha), que preferiu a força e maior agressividade defensiva de Secretário pelo flanco direito, seria uma boa hipótese pelas características físicas.;
  • Paulinho Santos– “Ever-present” nas equipas de Robson, era um jogador muito útil tanto como trinco como na esquerda da defesa, onde jogou boa parte da época. Curiosamente é agora colega de trabalho de Folha na equipa sénior de futebol do FC Porto;
  • Rui Barros– O diminuto e fantástico avançado, agora elemento da equipa FC Porto Vintage (tal como Bandeirinha) e scout do FC Porto, esteve em quase todos o jogos da época 1994/1995. Mas, que diabo, era *ainda* mais pequeno que Folha!!!;
  • Secretário– Titularíssimo no lado direito do ataque (para quem não se lembra, isto é a mais pura verdade), era um jogador de um só conceito ofensivo: vai à linha e tenta cruzar. Era prático, meio doido e rijo a defender e atacar. Ficou no clube mais um ano até protagonizar uma das transferências mais extraordinárias do futebol europeu…quando foi para o Real Madrid por qualquer coisa como 300 mil contos. Constava que Robson o queria na Catalunha e o Real, upa, pescou-o. Belo negócio, amigos!;

Belas apostas, mas a vencedora foi dada pelo siulloureiro às 9h36. Começo a questionar se vale a pena aprovar os comentários durante o dia mas assim a malta participa com o espírito de relembrar as boas memórias em vez de se focar só no concurso em si. É, é isso.