El Ex-Comandante

A notícia bateu-me como se tivesse levado um estalo no focinho. Lucho teria comunicado à Direcção que tinha uma oferta do tamanho da Torre dos Clérigos para ir jogar ano e meio para o Qatar e encher os bolsos de uma maneira que o ia obrigar a comprar calças novas todas as semanas. O FC Porto teria aceite a saída e o capitão já não ia jogar contra o Marítimo. Pumba, embrulha.

Não fiquei triste. Estranhei o sentimento mas não o deixei envolver-me num torpor de infelicidade como já aconteceu no passado com tantos outros nomes (Kostadinov, Timofte, Drulovic, Deco, Lisandro, Moutinho, Falcao e…Lucho). É verdade que os clubes fazem os nomes dos jogadores tanto como eles o fazem por si mesmos, mas Lucho e FC Porto ficaram associados à minha cabeça em duas temporadas distintas que me marcaram por motivos diferentes: 2005/2006 e 2012/2013. Na primeira porque foi a época de estreia de um jogador que já seguia há alguns anos e cuja notícia que dava como certo que vinha jogar no meu clube me encheu de alegria, especialmente porque era exactamente o jogador que precisávamos depois da muy horrível época que então terminava. Com Adriaanse brilhou, continuou a evoluir com Jesualdo e saiu numa altura em que o clube precisava de dinheiro e ele, sem deixar de ser um líder com postura admirável, também aproveitou para ganhar o dele. Quase se perdia em Marselha e voltou para o clube que lhe deu maior exposição mundial para ajudar a estabilizar o grupo em 2011/2012 e para liderar uma equipa órfã de figuras grandes na temporada 2012/2013. Tetra-campeão na primeira vinda, bi-campeão na segunda (talvez tri, quem sabe), foi sempre um exemplo para os jogadores e para os adeptos, dos poucos que sempre recolheu elogios de todos os clubes em Portugal. Para quem estiver distraído do panorama futebolístico nacional, é quase utópica a figura de Lucho cá pelo burgo.

Não sei como correu a conversa entre ele e a Direcção, Paulo Fonseca incluído. Mas acredito que terá sido qualquer coisa como isto:

Malta, acabei de falar ao telefone com os directores do penúltimo classificado da Liga do Qatar e os gajos oferecem-me contentores de petropesos para ir para lá jogar ano e meio. Esperem, por favor, deixem-me falar até ao fim e depois dizem o que vos apetecer. Como estava a dizer, é uma pipa de massa e para vos ser sincero, especialmente ali com o barbas, já não tenho pedal para esta coisa. Tu sabes, Paulo, que já me lixaste as pernas quando me puseste meia época a correr atrás do Jackson e agora andavas a experimentar gajos diferentes em posições diferentes só para não me tirares de campo que era o que eu já andava a merecer há alguns jogos. E se posso continuar a ser honesto contigo (apontando para o resto da malta na sala) e convosco, como fui durante tanto tempo, acho que já estou a mais aqui no plantel. Nunca fui um gajo rápido e os tipos que tenho apanhado pela frente parece que andam a beber latas de Red Bull de penalty – perdão, nem devia falar dessas coisas porque já falhei mais do que devia – antes de entrar em campo e eu não consigo acompanhar. Gostava muito e tento chegar à bola mais depressa que eles, mas não consigo. E eu sei, Paulo, que tu andas à rasca no banco quando vês que o capitão da tua equipa já não faz o mesmo que pensas que consegue, e por isso te digo que não consigo. Não dá mais, pá, não dá. E por isso, se não se importam de poupar umas centenas de milhares em salários, eu vou sair aqui por esta porta pequena enquanto os adeptos não degradam mais a minha imagem e não me começam a assobiar como fazem aos putos que nem sempre merecem. Eu conheço essa malta e sei que são exigentes e já sinto que começam a não conseguir perdoar-me por não estar ao nível que eles pensam que eu devia estar. (pausa para limpar as lágrimas). Para além disso tudo, acho que já não consigo pegar nos gajos e levá-los comigo com o que lhes digo. Os tempos são diferentes e na altura tinha o Raúl e o Licha que eram gajos que me entendiam e que eu conhecia como irmãos. Agora parece que tudo o que digo cai por terra num instante, ninguém me liga nenhuma e esta braçadeira que uso no braço acaba por ser mais por estatuto do que pela liderança que gostava de poder ter mas que não tenho conseguido pôr em prática. Talvez haja outros que o façam melhor que eu e vocês talvez já tenham outro gajo em mente…e por isso é que mesmo que gostasse imenso de acabar a minha carreira aqui no clube, já sei que não tarda muito e começava a ir para o banco e acho que ainda posso jogar mais algum tempo sem ter de me sentar jogo atrás de jogo naquelas cadeiras todas finas mas que não me alimentam o vício. Por tudo isto e pelo que já fiz pelo clube, acho que mereço que não me fodam a cabecinha e me tentem convencer a ficar. E pronto, era só isso. Agora força, digam lá o que vos vai pela alma.

Obrigado, Lucho. Vai à tua vida, ganha o guito que mereceste e não te preocupes que nós por cá ficamos bem. Não tão bem como se cá estivesses, mas a malta safa-se. Sê feliz, tão feliz como já me fizeste.

Ouve lá ó Mister – Setúbal

Mister Paulo,

Que puto de tempo que nos molha o corpo e infecta a alma com o ruído do trovão e a inclemente fúria da chuva persistente! Se o temporal que caiu no Dragão na passada quarta-feira lhe apetecer dar mais um salto a esse tão nobre recinto hoje pelo início da noite, vamos ter um espectáculo daqueles à antiga, dos que me lembro tão bem ter apanhado nas velhinhas Antas, com aguaceiros assassinos, saraivadas agressivas e noites em que só se via a Lua a partir dos topos das montanhas. O Norte é fodido, pá, até nisto.

Mas mais fodido que o Norte é o povo do Norte. Ui, Paulo, que esses, os meus, são piores que uma noite de trovoada e mais incisivos que um par de dentes da frente. E tu, meu caro, não estás a fazer amigos com muita facilidade cá pelo burgo. É verdade que o Presidente te veio defender e que acredita no teu trabalho (óspois falo sobre a entrevista do homem, que ainda não vi nem ouvi por completo), mas até ele vai começar a pensar duas vezes se o futebol não melhorar. Sim, melhorar, porque chegar a um nível condizente com o que a malta está à espera daquelas camisolas azuis-e-brancas…acho que é um pipe-dream, pelo menos este ano. Estou certo? Não achas? Ainda é possível?

Acredito em ti, Paulo. Não tenho tido grandes motivos para isso e tu certamente não me tens dado a moral que precisava para chegar a esse ponto, mas hoje, no início da segunda volta, podes começar a mostrar que estamos no caminho certo. Atrasado, é verdade, mas ainda a tempo de fazer boa figura. Mais ou menos. Ganha lá o jogo, dá uma boa prenda de aniversário ao Lucho e deixa-nos sonhar um bocadinho.

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – FC Porto 4 vs 0 Penafiel

Abençoada box com DVR que tenho ali ao lado da televisão e que juntamente com a app que tenho no telemóvel me permitiu gravar o jogo todo mais alguns programas subsequentes, porque por causa da paragem do jogo estava a ver que não conseguia ver a partida completa. Foi o jogo possível com as condições ridículas do terreno, que no fundo se resume a isto: quatro-zero, alguma eficácia, uma assistência de letra, um golo de cabeça do Quaresma e placards publicitários a voar no meio do campo. Exacto, foi isso. Notas, já já aqui abaixo:

(+) Quaresma. Marcar um golo (de cabeça, senhores, e com intenção!) no primeiro jogo depois de voltar é simpático mas acima de tudo é a forma como Quaresma encara os defesas de uma forma que poucos fazem no nosso passado recente que me faz sorrir um bocadinho. Sim, já não é o mesmo de antigamente, mas o toque de bola está lá e se conseguir meter algum respeito aos adversários que ficam a pensar o que vai sair daqueles pés…já não é mau de todo. Reservo a resposta às minhas dúvidas sobre o regresso do rapaz ao clube para o próximo Domingo.

(+) Fabiano. Pode parecer estranho dar uma boa nota a Fabiano num resultado de 4-0 a nosso favor, mas o rapaz esteve muito bem em quase todas as situações (largou uma bola depois de um livre mas tem a desculpa da bola molhada e da chuvada absurda que caía naquele momento), especialmente nas saídas rápidas a cobrir o posicionamento mais subido dos defesas. E é exactamente isso que se pede a um guarda-redes de uma equipa grande, que esteja sempre atento, rápido a sair dos postes e que não invente quando vai cortar a bola. Fabiano fez tudo isso e começa a dar-me segurança vê-lo na baliza. Helton, amigo, podes ter aí finalmente o teu sucessor.

(+) Ghilas. Trabalha imenso, este estupor, apesar de parecer gostar mais de jogar de costas para a baliza do que de frente, o que pode ser extremamente útil se jogarmos com dois avançados (Ghilas amortece para Jackson, remate, golo!) na área. Corre muito, usa bem o corpo e tem técnica suficiente para jogar mais do que cinco minutos de cada vez…mas se insistir em rematar pouco, ao contrário do que fez na pré-época, acaba por perder para o colombiano que é mais rematador e bem mais eficaz. Ainda assim, gostei de o ver e a “rabona” para o golo de Jackson é…indicador e médio juntos com o polegar a tocar nos lábios, fazer som de beijo…voilá.

(+) Jackson. Dois remates, dois golos. Um com o pé, outro de cabeça. Perfeito.

(-) Adaptar quando há outras soluções. Não gosto de ver Ricardo a lateral-direito. Não tem posicionamento defensivo adequado, tem pouco corpo para o choque directo e entende-se mal com o central que joga a seu lado, o que é compreensível mas perigoso. Apesar das várias mudanças que Paulo Fonseca fez na equipa, especialmente do meio-campo para a frente, questiono-me se não teria valido a pena deixar Ricardo no banco e Varela de fora, para Victor Garcia entrar para o lugar de Danilo. Acontece-me o mesmo quando vejo Mangala a jogar a lateral-esquerdo, por outros motivos, porque o francês sabe defender mas ataca como um urso pardo a correr atrás do último coelho da floresta, mas do lado direito temos um lateral promissor na equipa B que pode e deve ser aproveitado. A questão é: quando?

(-) As chuvadas. Assim não dá, amigos. Aposto que o animal que controla a meteorologia lá de cima olhou para baixo e pensou: “Ah, meus caros, vou-vos punir pelo jogo parvo do passado Domingo! Sorvam as minhas lágrimas, muahahahahha!”. Acho que deve ter sido qualquer coisa como isso.


Meh. Um resultado destes e a sensação de que…who really cares? Sim, é mais uma competição, mas não é nem de perto suficiente para a malta se entusiasmar por aí fora. Ainda assim, foi um jogo minimamente decente com o temporal que caiu no Dragão e a ultrapassagem ao Sporting também acaba por ser interessante para manter o FC Porto no topo do grupo. O jogo contra o Marítimo decide tudo e apesar de não dependermos só de nós, temos boas hipóteses de vencer esse jogo e esperar que o Sporting derrape em Penafiel. Mas…meh.

Ouve lá ó Mister – Penafiel

Mister Paulo,

O jogo do passado domingo deixou-nos a todos de rastos. Portistas de todo o mundo viram o pouco que conseguimos fazer e começam a pensar que não há escapatória para esta falta de qualidade que no nosso futebol atravessa, e quando isso acontece, quem se costuma lixar é o treinador. E olha que Janeiro é um mês propício para despedimentos ali para o lado das Antas, por isso há mais em jogo nestas próximas semanas que apenas um ou outro resultado mais ou menos interessante para competições tão sombrias como esta que hoje vais alinhar.

E parece que já passámos por isto aqui há umas semanas, depois do jogo em Madrid contra o Atlético, ou no Estoril, ou até em Alvalade. E depois aparecem jogos como o Zenit, o Braga e o Sporting no Dragão, onde até jogamos em condições e vencemos o jogo…e a malta vai alegre para casa, relativamente satisfeita com a exibição e a pensar: “é desta, carago, é desta que começamos a jogar a sério!”, mas o próximo jogo traz sempre uma enxurrada de parvoíces e uma incrível falta de fibra dos teus rapazes e, lamento dizê-lo, também de ti.

Não vou poder ir ao Dragão hoje à tarde (pelas hemorróidas de Satã, um jogo às 18h30 de uma quarta-feira é suficiente para me enfiarem um punho no rabo, amigos!) mas o jogo é fácil. Tem de ser fácil, raios, é o Penafiel! Já reparei que convocaste a grande maioria dos suspeitos do costume em vez de espetares com uma espécie de roleta (por falar em roleta, apeteceu-me pôr isto aqui: http://www.roletaonline.pt. pronto.) com a equipa B. Descansaste o Lucho e o Licá, o Danilo vai cumprir o jogo de castigo e o Otamendi vai fazer sei lá que raio é que ele faz nos dias de folga, só sei que não lhe tem ajudado a concentração. Seja como for, e considerando que o FC Porto B vai jogar com este mesmo Penafiel no próximo Domingo, vai ser uma boa maneira para vermos se os As são melhores que os Bs. Até agora, para te ser sincero, não tenho notado muitas diferenças.

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – FC Porto 6 vs 0 Atlético

Não foi mau e francamente jogámos melhor do que esperava, apesar dos primeiros quinze minutos terem sido um bom teste para qualquer pessoa a ver o jogo em casa, sentadinho no sofá com o aquecimento ligado. Fizemos um jogo sério, sem grandes brincadeiras (excluindo o primeiro Baroni e o terceiro Baía, por motivos diferentes) e acabamos por sair com seis golinhos no reportório, o que nunca sabe mal. Um treino decente para o próximo Domingo e a noção perfeita para muita malta que há vários rapazes em baixo de forma e outros que estão a pedir para serem dispensados destes fretes. Enfim. Siga para notas:

(+) Varela. Mais um jogo para me fazer dobrar a espinha e dizer: parabéns, Silvestre, que bela partida tu fizeste! E não fosse o facto de estares a enfrentar o equivalente futebolístico de dez Bolattis e um Kralj, e estaria aqui a tentar arranjar o telefone de meia-dúzia de clubes árabes para lhes dizer que há aqui um internacional luso que destroca futebol como o LeBron dribla uma bola de basket! Muito bem nos dois golos e na inteligência com que controlou a grande maioria dos lances de que fez parte, mas acima de tudo pela forma como pegou na bola sem medo do lateral que apanhou pela frente e tentou várias vezes furar, penetrar, rupturar (sounds dirty, don’t it?) a defesa contrária. Gostei, quero ver o mesmo contra o Maxi e o André Almeida ou lá quem raio vai jogar nos flancos do Benfas no próximo Domingo.

(+) Defour. Excelente jogo do belga, na posição que gosta. E foi dos únicos que fazia aquelas estranhíssimas colocações de pés que a maioria dos colegas parece achar alienígena: recebe a bola, controla-a e envia para outro colega. Uau, que estupor de génio! É assim que Steven joga, simples, prático, sem inventar muito a não ser quando sobe no terreno com a bola (habitualmente bem) controlada, mas mesmo aí procura sempre encontrar o melhor espaço por onde passar o corpo e a melhor opção para onde passar a bola. Apesar de compreender os motivos, tenho pena que queira sair, até porque um médio com esta qualidade e experiência não se encontra facilmente. Mesmo depois daquela parvoíce em Málaga no ano passado.

(+) Kelvin, quando é prático. Há quem goste do estilo. Há quem o odeie. Mas ninguém fica indiferente ao rapaz desde 11 de Maio de 2013, por isso quando pega na bola no relvado do Dragão, centenas pensam que vamos ser campeões outra vez. Nem sempre, mas a verdade é que o rapaz tem talento e quando o aplica na dose certa, é um abre-latas porreiro. Não o vejo como titular no FC Porto, especialmente se Quaresma atinar no flanco e Varela mantiver o nível, mas é muito útil para ter no banco. Só tem de parar de se atirar para o chão.

(-) Danilo e Alex Sandro. Continuo a achar que há jogadores feitos para jogarem em qualquer altura e contra qualquer equipa, ao passo que outros servem para jogos menores e ainda outros que só servem para jogos que acham ser “de jeito”. Danilo e Alex Sandro estão neste último grupo, porque a forma indolente com que encaram jogos “menores” devia ser castigada por um qualquer treinador com uma ou duas corridas à volta da cidade do Porto. Sim, da cidade, não só do Estádio. E deviam fazê-lo com cães raivosos a tentarem morder-lhes os calcanhares. Não é de agora e o comportamento persiste há tantos anos que começo a desistir de perceber algumas destas mentalidades, porque me custa ver outros rapazes na B ou nos sub-19 que davam um anel do esfíncter para jogar noventa minutos pela equipa principal…e estes moços têm essa hipótese e não querem saber. Um treinador que não tivesse medo de apostar na miudagem…já lhes tinha dado férias e deixava de ver aqueles focinhos desesperadamente aborrecidos em jogos de caca.

(-) Josué. Há uma linha ténue que distingue a forma como trato um médio criativo quando falha passes. De uma certa forma não me incomoda que os tente porque sei que vai falhar alguns, por isso incentivo-o sempre a fazê-lo desde que o jogo começa. Mas quando o rácio de passes certos começa a ficar abaixo dos 20 ou 30%, enerva-me. Talvez não seja a maneira mais pedagógica de ver a performance de um jogador…mas eu não estou aqui para ensinar ninguém. Acerta a merda dos passes, Josué.


Seizazero em casa. Nunca é um resultado mau vencer um jogo por uma margem destas, mas se formos a ver a qualidade da equipa do Atlético, só ficamos a perder uma goleada que podia ser histórica. Mantenho a ideia que devemos jogar a sério mesmo contra equipas pequenas, até porque é uma forma de lhes valorizar o trabalho, que por muito ineficaz que seja, ao menos é feito de suor. Hoje, apesar de termos jogado com seriedade e sem facilitar em demasia…nem precisamos de mandar lavar as camisolas.