Isto já não vai lá com palmas e incentivos

Há duas coisas que me fazem uma azia do caraças quando analiso a performance do nosso treinador. A primeira é o discurso, a forma como parece estar sempre com um dicionário de clichés da bola entreaberto no bolso do casaco, buscando cansativamente a forma mais ridiculamente eufemística de falar sobre o jogo que terminou ou o que por aí vem. Mais do primeiro que do segundo, porque ainda nutro aquela fugaz esperança que “é desta, carago, é desta que vamos começar a jogar em condições!” antes de mais um jogo…que rapidamente se esfuma como um dente-de-leão ao vento mal passam os primeiros dez minutos, altura em que começo a coçar a cabeça e a endireitar-me na cadeira com um misto de sono, enfado e nervosismo que não faz bem a nenhum sistema nervoso. Chateiam-me, portanto, as frases do “as coisas não correram bem” ou “houve grandes dificuldades” quando perdemos (e que raio de hábito estamos agora a readquirir, esta coisa de falar das nossas derrotas), e “um jogo à Porto”, “momentos de excelente futebol” e “soubemos contornar um adversário difícil” quando vencemos. Há um jogo na cabeça de Fonseca e outro na visão dos adeptos e que o Altíssimo me perdoe mas raramente são idênticos.

A segunda parcela que compõe a soma de todos os medos em que se está a traduzir esta temporada é a mais importante das duas: a forma como se está a lidar com os erros. Compreendo que há diferentes formas de abordar o mesmo problema e garanto que não preciso de ter um doente como Jesus, que salta e grita no banco como se fosse um chimpanzé cheio de fome entupido com anfetaminas. Acredito que quase nenhum jogador o ouve e mesmo os que ouvem devem deixar passar ao lado os guinchos e as instruções tácticas, que entram por um ouvido e saem pelo outro numa atmosfera de jogo. Quem já esteve dentro de campo e ouviu o seu treinador a ganir percebe que a maioria das vezes o espectáculo é orientado para o público e pouco mais. Mas o que tenho vindo a assistir é a uma passividade tremenda, aliada a aplausos constantes e a incentivos para o relvado, como se os rapazes estivessem cobertos de um manto de invulnerabilidade e que não pudessem errar. Oh, mas podem e erram e erram MUITO. Lembro-me de Robson e das exigentes declarações pré e pós-jogo (Quinzinho que o diga, ele que só podia dançar se marcasse três ou cinco golos – já não me lembro do número certo – mas nunca apenas com um tento apontado), da forma rija com que saltava do banco a gritar naquele misto de linguagem que só Sir Bobby conseguiu atingir na perfeição, e quando o casaco voasse os tipos sabiam que a malga de sopa já estava quebrada no pavimento. Sim, os tempos eram diferentes, os egos eram muito diferentes e o estatuto de Robson permitia-lhe esse tipo de reacções a quente que os jogadores acatavam e seguiam a peito. Mas aplausos para constantes passes falhados sem intenção nem aparente vontade de melhorar? Palminhas para um cruzamento que sai todo torto, um remate fácil que leva a uma situação de jogo desperdiçada? Incentivos quando o rapaz tira o pé da bola ou se desorienta pela quarta vez durante o jogo porque ainda não se apercebeu que o adversário aparece constantemente no ataque com mais gente que a sua própria equipa? Really?! Parece haver uma sensação de facilidade, de pouca exigência, de permissividade para com comportamentos indolentes e acima de tudo para quem não mostra estar à altura de representar o clube todas as semanas. Se Fonseca ainda quiser ganhar o carinho dos adeptos, tem de mudar a atitude. Tem de deixar de ser amigo dos jogadores para passar finalmente a ser chefe. Patrão. Pai, se quiserem.

Dizia-me o Waldorf (vou insistir na metáfora) no Domingo: “Se o Robson estivesse aqui, todos os jogos deste ano acabavam com o Paulinho a trazer as bolas para os gajos treinarem depois de acabar!”. Sinto-me tentado a concordar.

Os sósias dos Bs

Regresso à equipa B. Enquanto via o jogo no Domingo contra o Tondela, passavam-me pela cabeça diversos pensamentos. Será que o perú ainda está em condições para comer ao almoço? Quanto é que paguei para lavar o carro ontem de manhã? A que horas é que tenho de sair de casa para estar na Feira do Mirtilo a tempo de assistir ao seminário: “Míldio: o inimigo silencioso” ? Mas de todas estas, havia uma que me atravessava o córtex com mais insistência: “Quem é que este gajo me faz lembrar?”. E isto aconteceu com vários jogadores, por isso decidi juntar uma pequena lista daqueles que serão putativos dopplegangers dos nossos jogadores da B. Limito a selecção aos nossos antigos jogadores, para que o termo de comparação seja mais prático. Aqui vai:

Jogador da B Doppleganger ex-FCP Razões, absurdas ou não
Dellatorre Derlei Rápido, remate pronto, muito móvel e disposto a recuar no terreno para ajudar os colegas.
Fábio Martins Tarik Brincalhão, quase sempre a mesma finta, faz uma jogada brilhante e desaparece do jogo no minuto seguinte.
Tiago Ferreira Ricardo Carvalho É inteligente com a bola, não inventa lances impossíveis e é prático no corte mas consegue sair com a bola controlada. Perdoem-me a heresia, mas se o David Luiz alguma vez tivesse lutado pelas forças do bem, também podia ser parecido.
Stefanovic Kralj O jogo aéreo está ao nível do nosso ex-gigante sérvio. Espero que a miopia não seja idêntica. Espero estar muito enganado. MUITO enganado.
Victor Luiz Benítez Fraco no 1v1, excessivamente duro nas entradas ao adversário e com fraco posicionamento na cobertura da zona central
Mikel Peixe com a técnica do Vinha Rapaz…as intercepções são boas…mas tens de te focar na bola. SÓ na bola. E passa uma hora por dia a chutar bolas para uma parede. Vais ver que o teu controlo do esférico melhora.
Sérgio Oliveira Bino à velocidade de Bolatti Lento demais, com poucos passes de ruptura e uma incapacidade tremenda de vencer no 1v1 com adversários que pesem mais de 30 kg.

Se alguém se lembrar de mais algum, força.