Ouve lá ó Mister – Guimarães

Camarada Sérgio,

Em primeiro lugar, as minhas desculpas mas não consigo usar Vitória para falar do Guimarães. Eu sei que é esse o nome e eu até tento ser um gajo mais ou menos consistente na nomenclatura de clubes e jogadores, mas o Guimarães será sempre o Guimarães, tanto como o Setúbal será sempre…isso tudo. E é um elogio que faço à gente louca daquela terra que adora o clube e que merece o meu respeito por isso. O facto de querer ganhar todos os jogos que faço contra eles, contem eles para o campeonato, a taça ou um torneio regional de levanta-o-piço-ao-vento, não interessa qual: é sempre para bater nesta malta.

E hoje ainda mais, porque é Taça. Se houvesse algum jogo do campeonato em que estivesses noventa e quatro pontos à frente do segundo classificado e pudesses poupar malta para descansar as tropas, meh, tudo bem. Afinal, ganhar noventa e quatro pontos de avanço deve cansar um bocado, por isso até compreendo. Mas assim, em Dezembro e com uma competição para ganhar, especialmente depois de termos ganho a última eliminatória da forma que o fizemos? Sarrabulho, toca a reunir e siga para bombo. Sim, o toque minhoto foi deliberado nesta frase, deal with it.

Ganhar. Gerir se possível, golear quando aplicável. Mai nada.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Setúbal

Camarada Sérgio,

Já no Cavani de ontem (que podes ouvir aqui) estivemos a discutir o que vai ser o campeonato daqui para a frente e acabamos por concluir…nah, sem spoilers, mas a verdade é que a conclusão não foi grande coisa. Porque ainda falta muito jogo e por muito que o Sporting tenha ganho ontem e nós ainda não tenhamos jogado, a verdade é que a quantidade de jogos que temos pela frente é ampla, os pontos em disputa são muitos e a vontade é grande de todas as partes. Assim sendo, vamos lá pensar nisto um jogo de cada vez e ver onde é que vamos parar daqui a uns meses. Até lá, keep on truckin’, bro.

Isto quer dizer o quê? É simples: todos os jogos são para ganhar, porque qualquer equipa que quer ser campeã nunca o vai ser apenas nos jogos contra o Benfica e tem forçosamente de ganhar os outros. Pode não ganhar todos, mas já viste que se dás uma unhinha de vantagem aos outros, vão-te arrancar as goelas sem pedir licença e como já percebeste que quatro pontinhos perdidos em dois jogos depois de perderes dois em onze…eh pá, o rabinho começa a apertar e ninguém quer isso, certo? Então vamos lá embora para cima deles, bater enquanto pudermos e acabar com o jogo tão cedo quanto possível. Estou contigo, rapaz!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Mónaco

Camarada Sérgio,

Rapaz, dias tristes nos vão acompanhando desde sexta-feira, sem que tenhamos grande conforto da parte daqueles que estão acima de ti e que parecem estar menos preocupados com isto do que com o estado da arte do marketing puro e do primetime televisivo. Mas eu, que como tu estou chateado com F grande com esta treta toda, ainda estou doente depois do jogo com o Benfica e preciso de redireccionar as minhas forças para outra competição antes de voltar a este desterro nacional. Por isso, siga para a Europa.

E siga, mas infelizmente segues sozinho porque não vou ver o jogo. Nem em directo nem ao vivo. Admito que não estejas muito preocupado com isso porque o terceiro jogo consecutivo contra equipas vermelhas e brancas (já viste a nossa sorte…ao menos despachamos grande parte destes confrontos logo aqui e ficamos com as vistinhas mais limpas nos próximos tempos) deve ocupar-te uma boa parte da mona, mas não vai mesmo ser possível. Por isso vou estar a roer as unhas quando me sentar para ver a bola, aí pela meia-noite, sem saber o que se passou, enquanto espero pelos golos que acredito que vão surgir, com a vontade que sei que vai estar em campo e a capacidade que sei que está dentro de ti e dentro dos nossos. É um dos jogos do ano, rapaz, joga-o como tal!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Benfica

Camarada Sérgio,

Pois cá estamos, rapaz. Chegamos ao primeiro clássico em casa desta época e a malta está mais que animada para ele. Este tradicional confronto do Bem contra o Mal faz-me voltar aos primeiros tempos deste tasco, quando escrevi um texto que agora me parece tão longínquo quanto insípido. Aquele continuava a ser eu, menos polido e se calhar um poucochinho mais sonhador, de olhos bem abertos e alegria na ponta dos dedos. Na altura, em Maio de 2009, éramos quase tetra-campeões e vivíamos numa normalidade bem distante da que hoje nos rodeia. Vivíamos, pois, na normalidade que tem sido a vida daqueles que hoje nos visitam, apesar desse tetra ter sido conquistado com menos emails, muito menos roubalheira e bastante mais talento. É a minha opinião e estou certo que pode ser diferente de muito povo, mas acredito que tu pensarás como eu.

E agora, oito anos volvidos, milhares de textos escritos e uma batelada de calos nos dedos, cervejas bebidas e gargantas arranhadas com vitórias e derrotas gritadas, aparecem estes rapazes pela frente e eu não penso um único milímetro ao lado do que sempre pensei: é para ganhar. É jogo de tripla, mas é para ganhar. Apostaria num 4-4-2, como disse no último “A Culpa é do Cavani”, porque quero bater naquela gente desde o início até ao fim. Faz com que este, que é para mim “The Longest Match”, acabe depressa ou pelo menos me ponha a sorrir descontroladamente como se tivesse paralisado o focinho com o que vejo no relvado. Ganha e encosta-os para trás. Ganha e mostra que estás aqui para ser campeão e para regressarmos ao lugar onde queremos sempre estar.

Confio em ti, Sérgio. Confiamos todos. Força, equipa!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Aves

Camarada Sérgio,

Cá vai um pedaço de informação desnecessária que não sabias: é a primeira vez que escrevo esta coisa com o Aves como tema. Um clube que por cá anda há tanto tempo e ainda não tinha merecido a minha escalpelização, é uma pequenina vergonha. Mas não creio que vá escrever muito, sabes? Acho que, como acontece muitas vezes, uma imagem diz mais que mil das minhas palavras. E mandaram-me ontem esta imagem e apesar de ser composta por palavras, diz muito. Oh se diz. Se precisavas de moral para vencer este jogo, para lá de poderes chegar com bom avanço antes do jogo com o Benfica, aqui tens. É só isto:

Pega. Guarda. Imprime. Cola na porta do balneário. Tau. Dá-lhes o que eles merecem, Sérgio!

Sou quem sabes,
Jorge