Ouve lá ó Mister – RB Leipzig

Camarada Sérgio,

A pior coisa que podes fazer a um gajo que está com a moral em baixo é dar-lhe esperança se lha vais tirar de novo passado algumas semanas. E é exactamente isso que não quero que aconteça hoje, Sérgio, porque se depois da primeira jornada fiquei de cara voltada para baixo numa poça de urina mesclada com sémen e fezes de macaco com VIH, já na segunda jornada exultei de alegria e fui eu que enchi a poça com o meu próprio metafórico sémen e urina mas as fezes já lá estavam, não tive nada a ver com isso. Escatologia aparte, fiquei triste com o Besiktas e feliz com o Mónaco, pelo que a rampa de ascensão da minha alegria europeia está com uma derivada positiva. Isto é matematiquês para: “pá, não me lixes a boa onda e mantém-me bem disposto, fazes favor?”.

É uma equipa alemã, comprada com uma quantidade de dinheiro parecida com a que o Weinstein já ofereceu pelo silêncio do gajedo em frente ao qual esgalhou dezenas de vezes. E nós somos uns pobres coitados do sul da Europa, sem guito para mandar cantar um paralítico mudo e com um Herrera a titular. Quem é que tem medo disso? Quem é que poderá temer uma equipa destas, fraquinha, fraquinha, fraquinha. Isso…convence-os que não valemos uma pila murcha e cai-lhes em cima com o falo de Zeus, com electricidade à mistura e tudo. Luta para ganhar o jogo e faz com que Leipzig, pelo menos durante umas horas nesta terça-feira, sinta que voltou a 1945. You know: boom e tal. Vamos a isso!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Lusitano Évora

Camarada Sérgio,

Estamos há tempo demais sem falarmos, não é verdade? Estas pausas para jogos da Selecção são porreiras para deixar o Nuno Luz todo contente mas acaba por ser uma quantidade enorme de egos, contra-egos, pseudo-egos e não-egos a passear por baixo dos holofotes que me diz cada vez menos. Continuam a ser as únicas vitórias de vermelho que aprecio, mas se me dão a escolher entre a Selecção e o FC Porto…homem, nem preciso de dizer qual é o botão em que carrego, certo?

E como tal, até um jogo contra o Lusitano de Évora me entusiasma, apesar desta Taça estar diluída em relação ao antigamente, com demasiado enfoque nos grandes e no dinheiro do que no próprio desporto. Põe de lado a tua posição como treinador e líder de uma equipa e concorda comigo: era muito mais mágico e interessante ver os FC Portos a irem jogar aos relvados sintéticos (antigamente eram pelados e acabou) com o público mesmo ao lado dos jogadores, prontinhos a invadirem o campo e a fazer o árbitro parar o desafio várias vezes enquanto se mantém a calma. Isso é que era Taça, mas hoje…tudo meh, não é?

Seja como for, não te deixes travar pelos meus lamentos por outros tempos e bota pé no acelerador. Dá minutos a alguns, recupera o ritmo de outros e acima de tudo não te deixes enfeitiçar pelo facilitismo. É para ganhar como os outros!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Sporting

Camarada Sérgio,

Estamos todos com o peito bem cheio depois do jogo no Mónaco e toda a gente confirmou que tu és inovador ao mesmo tempo que humilde para admitir que é preciso mudar; as pessoas viram que sabes gerir um grupo e ao mesmo tempo incentivar os melhores a serem isso mesmo, melhores; vimos que temos treinador e mesmo os que mais duvidavam das tuas capacidades terão agora de admitir que és um gajo com qualidade para ocupares o lugar que ocupas. Mas sabes o que pode acontecer quando se está com o peito cheio e o olhar fixo no horizonte? Levar um murro na pança que nos tira o ar todo e nos deixa a cuspir sangue. E é o que nos costuma acontecer em Alvalade, esse mítico campo onde havemos de ser roubados todos os anos quer queiramos quer não.

Chegamos aqui com percurso imaculado e quero continuar assim. Ganhar é muito difícil mas também era complicado ganhar no Mónaco e conseguimos. Nada está fora do alcance com as equipas que vais defrontar até ao final da época (se passarmos a fase de grupos a conversa pode ser um bocadinho diferente…) e uma vitória em Alvalade não é impossível. Difícil mas não impossível.

E acredito que o consigas fazer, Sérgio. Acredito mesmo que consegues, rapaz. E vou continuar a acreditar até ao último segundo!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Mónaco

Camarada Sérgio,

Vamos passar um pano por cima da primeira jornada da Champions, esquecer tudo o que aconteceu no primeiro jogo e começar de novo hoje à noite no estádio que tem o nome da nossa icónica ponte se tivesse de ser refeita? Era o que muita gente queria mas eu vou ser diferente. Assumamos o nosso primeiro resultado como um falhanço, não redondo mas quase, e partamos para a próxima etapa com determinação e vontade de vencer. Temos é de ter a consciência que se apanharmos na pá neste jogo, por muito equilibrado que o grupo possa ser e ficar, começamos a ver a vidinha bem complicada para conseguirmos o apuramento para os oitavos e o apuramento para os oitavos equivale a mais guito nos cofres e mais guito nos cofres pode ser a diferença de termos de vender meia equipa pró ano. Uff.

Por isso, meu caríssimo mister, põe os teus homens na linha e faz com que esqueçam os turcos e se foquem nos franceses. Ou talvez seja mais indicado falar no colombiano, nos portugueses e no resto da comandita toda que por lá anda a ganhar muito bem e a jogar melhor. Não te amedrontes que estes gajos não são nenhuns violadores de búfalos, mas são jeitosos e temos de estar em dia bom para lhes ganharmos. Faz com que eles pensem exactamente o mesmo de nós e venham de lá esses três pontos!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Portimonense

Camarada Sérgio,

Para teres uma ideia da importância deste jogo no meu imaginário, repara no que eu escrevi antes do último jogo contra o Portimonense no Dragão:

Ainda estou de barriga cheia. Para além da pança que protubera alegremente do meu torso, tenho aqui 5 batatinhas que me cairam tão bem no Domingo. Foi uma noite épica que todos vamos recordar quando daqui a uns 20 anos nos encontrarmos à entrada do Dragão e pensarmos: “Será que é hoje que damos outra mão de golos aos vermelhudos?”. Mas a vida continua e os bons momentos como esse são marcantes mas sabem a pouco se não continuarmos a ganhar nos outros jogos, não é? Afinal, para o objectivo final…foram só mais 3 pontos, valeu tanto como ganhar à Académica na piscina municipal de Coimbra ou ao Beira-Mar no Dragão. Foi a mesma coisa.

Foi em Novembro de 2011. Walter foi titular (e marcou), Helton reinava na baliza e a equipa acabava de registar um dos resultados mais mágicos da sua história, num jogo que ainda hoje faz qualquer portista esboçar um sorriso. A somar a isso tínhamos um plantel valioso mas com poucas opções alternativas, um treinador portista e carismático e seguíamos na frente do campeonato. Parece-te familiar?

Acabámos por vencer esse jogo por 2-0. Não me chateia se repetirmos a façanha, tanto no jogo como na época.

Sou quem sabes,
Jorge