Os jogos de apresentação aos sócios e os sócios que se exaltam nos jogos de apresentação

Resultados dos últimos dez jogos de apresentação do FC Porto aos adeptos, todos eles realizados no Dragão:

 

Nalguns jogos deveria haver uma estrelinha ao lado, como no caso de 2010/2011, quando jogámos também contra o Ajax ainda antes do jogo contra a Samp, numa exibição bem mais fraca.

Conseguem tirar alguma métrica de análise deste quadro? Há uma coisa que parece mais ou menos evidente: raramente há resultados grandiosos contra equipas superiores a nós, pelo menos no papel. Houve sete vitórias, dois empates e uma derrota (provocada por maus visitantes, incapazes de perceber que a etiqueta devia ser superior aos treinos…escoceses, pá, manias de William Wallace…). Dessas sete vitórias, três foram por margens de três golos e quatro por apenas um, incluindo a deste ano. E reparem nas minhas memórias desses jogos, retiradas das crónicas escritas aqui no Porta 19. Não há emoção, festa, grandes espectáculos de futebol, dinâmicas subidas de flanco e combinações com seis, sete, vinte passes consecutivos até que o médio defensivo marque de calcanhar dentro da pequena área, todo de costas e no ar. Não há nada disso. Os jogos de apresentação são, desde há muito tempo, uma seca.

As equipas adversárias são todas estrangeiras, quase todas também em pré-época, a tentar ganhar índices físicos aceitáveis para uma época que é sempre mais longa do que se pensa, a procurar a melhor forma de encaixar com novos colegas e muitas vezes novos treinadores e novos métodos. Mudam treinadores, tácticas, cadeiras, preparadores físicos e defesas-esquerdos. Os jogos mantém-se aborrecidos e a única coisa que devia preocupar os treinadores e a direcção são as possíveis lesões ou castigos que possam surgir destas partidas, bem como a inadaptação de um ou outro jogador às ideias do treinador e à postura da equipa e de um jogador do FC Porto nessa mesma equipa.

Não queiram fazer omeletas sem que a galinha acabe de parir o ovo. Tenham calma, não se exaltem, critiquem o que devem criticar, mas façam-no jogo-a-jogo, não exacerbando a parvoíce como já vi em muito blog durante todo o dia de ontem, porque estamos tramados e porque não houve evolução desde o ano passado e a merda é a mesma e as comissões e os empresários e falta um jogador para a frente que faça a diferença e yadda yadda yadda.

A procissão ainda nem sequer está no…raios, o padre ainda está no trânsito, amigos!

PS: já agora, se quiserem consultar as crónicas:

Mais uma voltinha

E mais uma vez, o site volta a atirar uma para canto:

clicar para ampliar, se ainda não perceberam o erro

No meu emprego, se o meu trabalho resultasse na quantidade de parvoíces que o nosso site vai acumulando pelo trabalho horrível da empresa que o gere, já estava a trabalhar no Porta19 a tempo inteiro. Que remédio.

PS: não quero saber. vou continuar a bater no site porque há-de haver uma altura em que apeteça entrar pelos escritórios dentro e dizer: “Mas que raio é que vocês acham que andam a fazer? Esta merda é uma brincadeira? Badges? We don’t need no stinkin’ badges!!!”. E rasgam-se os contratos por ineficiência crónica.

We. Win. Everywhere.

PS: mais orgulho que todos estes troféus são os dez minutos de publicidade que a RTP enfia pela goela abaixo dos telespectadores na altura em que toda a gente quer ver as primeiras emoções cruas de uma vitória histórica de uma equipa que se soube fazer grande pelo menos por uma tarde. E a abertura do telejornal da SIC com o filho de Ronaldo. Sinto como se me tivessem urinado nos dentes e dissessem que era sumo de laranja. Priceless.

Basta-me pensar um bocadinho e lembro-me logo que sempre que saímos de Alvalade me sinto como uma ourivesaria na Almirante Reis

  • Basta-me lembrar as patadas do Maniche e do João Pereira.
  • Basta-me voltar à perseguição ao Moutinho no ano passado. Não falo do que se passou fora do campo mas dentro, onde há gente que leva um apito ao peito e que pode acabar com as tretas vingativas com uma assobiadela.
  • Basta-me recordar os vários golos em fora-de-jogo, do Valdés ao Vukcevic.
  • Basta-me trazer à memória as expulsões erradas de Maicon, Emerson ou Costinha e as facilitadas de Rui Filipe, Kostadinov, McCarthy, Mielcarski, Seitaridis…e Domingos.

E podia-me lembrar de muitos mais destes. Era só ir aquele site dos videos que tem nome de canalização e procurar um ou dois. Mas estas chegam-me para ter na minha cabeça o perene prejuízo que me fica atravessado na garganta e com que invariavelmente saímos de Alvalade. Temos de nos conformar com isso e partir para a luta. Não sei quem vai ser o árbitro, nem quero saber. Na nossa cabeça só pode estar a vitória.

Como esteve na cabeça destes moços, aqui há uns quinze anos. Especialmente daquele moço com o número nove que vai estar agora do outro lado com a outra côr.

PS: as hostilidades foram abertas tarde demais. As minhas desculpas.

Alex quem? Por quanto?!

Se “A Bola” tiver razão e tivermos acabado de gastar quase dez milhões de euros num defesa esquerdo sub-20 brasileiro…o rapaz tem mesmo de ser muito bom. Até haver confirmação oficial não adianta falar muito mais, mas pelo que tenho visto na Copa America, algo me diz que o Álvaro pode estar prontinho a sair…

PS: repararam no ressabianço da forma como a notícia é dada? Parece que estou a ver o gajo que a escreveu a dar socos na mesa com uma mão enquanto carregava nas teclas com a fúria de um Katsouranis injustiçado com a outra…