El Ex-Comandante

A notícia bateu-me como se tivesse levado um estalo no focinho. Lucho teria comunicado à Direcção que tinha uma oferta do tamanho da Torre dos Clérigos para ir jogar ano e meio para o Qatar e encher os bolsos de uma maneira que o ia obrigar a comprar calças novas todas as semanas. O FC Porto teria aceite a saída e o capitão já não ia jogar contra o Marítimo. Pumba, embrulha.

Não fiquei triste. Estranhei o sentimento mas não o deixei envolver-me num torpor de infelicidade como já aconteceu no passado com tantos outros nomes (Kostadinov, Timofte, Drulovic, Deco, Lisandro, Moutinho, Falcao e…Lucho). É verdade que os clubes fazem os nomes dos jogadores tanto como eles o fazem por si mesmos, mas Lucho e FC Porto ficaram associados à minha cabeça em duas temporadas distintas que me marcaram por motivos diferentes: 2005/2006 e 2012/2013. Na primeira porque foi a época de estreia de um jogador que já seguia há alguns anos e cuja notícia que dava como certo que vinha jogar no meu clube me encheu de alegria, especialmente porque era exactamente o jogador que precisávamos depois da muy horrível época que então terminava. Com Adriaanse brilhou, continuou a evoluir com Jesualdo e saiu numa altura em que o clube precisava de dinheiro e ele, sem deixar de ser um líder com postura admirável, também aproveitou para ganhar o dele. Quase se perdia em Marselha e voltou para o clube que lhe deu maior exposição mundial para ajudar a estabilizar o grupo em 2011/2012 e para liderar uma equipa órfã de figuras grandes na temporada 2012/2013. Tetra-campeão na primeira vinda, bi-campeão na segunda (talvez tri, quem sabe), foi sempre um exemplo para os jogadores e para os adeptos, dos poucos que sempre recolheu elogios de todos os clubes em Portugal. Para quem estiver distraído do panorama futebolístico nacional, é quase utópica a figura de Lucho cá pelo burgo.

Não sei como correu a conversa entre ele e a Direcção, Paulo Fonseca incluído. Mas acredito que terá sido qualquer coisa como isto:

Malta, acabei de falar ao telefone com os directores do penúltimo classificado da Liga do Qatar e os gajos oferecem-me contentores de petropesos para ir para lá jogar ano e meio. Esperem, por favor, deixem-me falar até ao fim e depois dizem o que vos apetecer. Como estava a dizer, é uma pipa de massa e para vos ser sincero, especialmente ali com o barbas, já não tenho pedal para esta coisa. Tu sabes, Paulo, que já me lixaste as pernas quando me puseste meia época a correr atrás do Jackson e agora andavas a experimentar gajos diferentes em posições diferentes só para não me tirares de campo que era o que eu já andava a merecer há alguns jogos. E se posso continuar a ser honesto contigo (apontando para o resto da malta na sala) e convosco, como fui durante tanto tempo, acho que já estou a mais aqui no plantel. Nunca fui um gajo rápido e os tipos que tenho apanhado pela frente parece que andam a beber latas de Red Bull de penalty – perdão, nem devia falar dessas coisas porque já falhei mais do que devia – antes de entrar em campo e eu não consigo acompanhar. Gostava muito e tento chegar à bola mais depressa que eles, mas não consigo. E eu sei, Paulo, que tu andas à rasca no banco quando vês que o capitão da tua equipa já não faz o mesmo que pensas que consegue, e por isso te digo que não consigo. Não dá mais, pá, não dá. E por isso, se não se importam de poupar umas centenas de milhares em salários, eu vou sair aqui por esta porta pequena enquanto os adeptos não degradam mais a minha imagem e não me começam a assobiar como fazem aos putos que nem sempre merecem. Eu conheço essa malta e sei que são exigentes e já sinto que começam a não conseguir perdoar-me por não estar ao nível que eles pensam que eu devia estar. (pausa para limpar as lágrimas). Para além disso tudo, acho que já não consigo pegar nos gajos e levá-los comigo com o que lhes digo. Os tempos são diferentes e na altura tinha o Raúl e o Licha que eram gajos que me entendiam e que eu conhecia como irmãos. Agora parece que tudo o que digo cai por terra num instante, ninguém me liga nenhuma e esta braçadeira que uso no braço acaba por ser mais por estatuto do que pela liderança que gostava de poder ter mas que não tenho conseguido pôr em prática. Talvez haja outros que o façam melhor que eu e vocês talvez já tenham outro gajo em mente…e por isso é que mesmo que gostasse imenso de acabar a minha carreira aqui no clube, já sei que não tarda muito e começava a ir para o banco e acho que ainda posso jogar mais algum tempo sem ter de me sentar jogo atrás de jogo naquelas cadeiras todas finas mas que não me alimentam o vício. Por tudo isto e pelo que já fiz pelo clube, acho que mereço que não me fodam a cabecinha e me tentem convencer a ficar. E pronto, era só isso. Agora força, digam lá o que vos vai pela alma.

Obrigado, Lucho. Vai à tua vida, ganha o guito que mereceste e não te preocupes que nós por cá ficamos bem. Não tão bem como se cá estivesses, mas a malta safa-se. Sê feliz, tão feliz como já me fizeste.

Balancemos – Q1 2013

Numa altura em que se fazem mais balanços que um puto num baloiço depois de beber uma lata de Red Bull, junto-me à carneirada. Numa série de quatro posts, aqui vai o que por aqui foi escrito de mais importante, parvo e razoavelmente sonante no passado ano. Comecemos pelo primeiro trimestre:

Janeiro

“Proponho mudarmos o nome do rapaz de uma vez por todas para Mangalho. Mangalhão, para os mais excitáveis.”

“Não sei como é que não chamaste o Paulinho e lhe disseste: ‘ó caxineiro, queres dar uma perninha? dá uma fueirada ali no catorze. vai, querido, dá-lhe amor.'”

“Sou portista, e razoavelmente fanático para continuar a ver um jogo que tinha quase tanta excitação como um quadro de ardósia numa escola primária às escuras.”

“É um campeonato fraco, tão fraquinho, cheio de equipas a sobreviver ano após ano, rodeados do fausto de três ou quatro equipas que conseguem brilhar um bocadinho acima da medíocre média que pauta a nossa liga. Uma miséria, que nos rouba a motivação, a alma e de vez em quando o campeonato.”

“Mangala viu um cartão amarelo tão escusado como um retrato a óleo do Manuel Vilarinho de corpete a dançar o can-can”

Fevereiro

[sobre Moutinho] Já começa a ser complicado falar de ti sem que me comece a babar e a agradecer a Deus e ao Sporting por te ter “despachado” para o nosso seio.

Ninguém é acarinhado mais tempo do que faz por merecer, e se por algum motivo calha de ter um mau jogo, logo as biqueiras de aço estão apontadas directamente ao escroto do infeliz.

Uma parte de mim, uma enorme e maioritária parte de mim, fica feliz quando João Pereira falha. Torço como um louco para que faça um penalty desnecessário, que tropece sozinho sem a bola perto, que dê uma Zidanada num adversário ou que, como ontem, tente atrasar a bola para o guarda-redes (na direcção da baliza, mind you) e falhe com um estrondo de doze Torres dos Clérigos a tombar em cima de uma montanha de porcelana. (…) “Vocês viram o que aquele imbecil fez? Mil rinocerontes paneleiros me fodam se não vou gravar aquilo e pôr à entrada de casa por cima do móvel para que as pessoas se sintam bem ao entrar e ver aquela parvoíce!”.

A Taça da Liga que ninguém liga, como todas as Taças deste ano, interessam pouco. Passam em parangonas excitadas para jurista ler e adepto conversar no café durante os cinco minutos da praxe para matar o tempo enquanto o café não chega para cedo passar às perfeitas incongruências de um mundo que nem é nosso. É um paradoxo, é o que é, saber que estamos envolvidos sem o estarmos.

E é olhando para ele que percebo a pouca importância que Addy alguma vez teve no FC Porto, como tantos outros antes dele. São rodapés na história de um clube, nomes perdidos na mente de tantos adeptos que nunca ouviram falar do Kaviedes mas sabem em que dia o James tem agenda na pedicure.

Bravos adeptos que acompanharam a equipa a um terreno que é ligeiramente menos hostil para as nossas cores que Berlim para um negro homossexual nos anos 40″ (…) “Nunca gostei do Vitória, admito, há qualquer coisa de visceral na relação entre mim e aquele clube que os coloca ao nível do desprezo que tenho pela couve-flor, a palavra “corrimento” e o vocalista dos Keane.

Março

São estas as vozes escolhidas a dedo por um canal de televisão para defenderem as cores dos seus clubes em frente a um público televisivo de tal maneira vidrado no enaltecimento da carneirada nacional que ainda se dá ao trabalho de ouvir o chorrilho de idiotices que se lembram de proclamar naquele ou em qualquer outro dia.

Parece fácil pensar que os rapazes vão entrar em campo com a confiança de Thor com o martelo nas mãos, mas a verdade é que se nota que há uma tristeza latente na forma de jogar, no passe, até no festejo dos golos e dos lances mais bem conseguidos.

Não parece haver vontade e inteligência suficiente para conseguir mandar o infortúnio para o caralho, não vejo discernimento em quantidade que nos permita alegrar pelo menos com o entusiasmo, senão com o resultado. Não vi nada. Só vi resignação com a perda da autonomia e da auto-dependência para ser campeão. (…) Curto, grosso e directo: em Março de 2013, Varela tem tanta utilidade na equipa do FC Porto como uma saca plástica cheia com água salgada no meio do Oceano Atlântico. Pensei em metaforizar com um cacto no meio do deserto, mas mesmo parado e inconsequente ainda pode ajudar a tapar vento ou a dar sombra para proteger do Sol.

Varela e Atsu parecem estar num eterno jogo de Arkanoid (…) Sucedem-se passes após passes com a pontaria de um rinoceronte bêbado com o corno torto a apontar para o anel de Sauron. (…) parecemos uma equipa de Marianos González com delirium tremens

A táctica é ambiciosa mas tem falhas. Tem falhas por um motivo muito simples: é bonito querer jogar à Barcelona. É audacioso pensar que o podemos fazer. E é utópico pensar que o conseguimos facilmente ao fim de meia-dúzia de meses.