Ouve lá ó Mister – Atlético Madrid

Mister Paulo,

Aqui há três anos fomos dar um salto a Madrid para um jogo da fase de grupos da Champions (Dios mio, que eu era tão idiota naquela altura). Vencemos por três golos de vantagem e mostrámos que tínhamos uma equipa com tomates para chegar longe, exibimos bom futebol e despachámos os moços com um golo de Bruno Alves, outro de Falcao e um balázio de Hulk a fechar as contas do grupo D, onde terminámos no segundo lugar. Depois disso veio mais uma eliminatória contra o Arsenal onde depois de uma vitória por 2-1 em casa, com uma anedótica exibição de Fabianski, lá fomos a Londres apanhar as habituais bojardas nas trombas que os bifes nos habituaram a enfiar. Ah, e perdemos o campeonato para o Benfica ao fim de quatro anos de vitórias consecutivas. Dos rapazes que jogaram no Vicente Calderón sobram Helton na baliza, Fucile na defesa, Fernando no meio-campo e Varela no ataque. Ou seja, não sobra quase nada.

Hoje tens a oportunidade de limpar a imagem de cinco jogos semi-miseráveis que compõem até agora a tua carreira europeia. E já sei que não dependemos apenas de nós, que temos de esperar que a equipa desse mesmo rapaz que em 2009 enfiou um tiraço na baliza do Asenjo consiga hoje perder ou empatar contra os austríacos para podermos sonhar em passar em frente. E tudo depende de ti, Paulo, de ti e dos teus. Não tens nada a perder. Não sei se o Lucho pode jogar ou não, por isso inventa o que quiseres no meio-campo, no ataque, na defesa. Age como se a tua vida dependesse disto porque te garanto que se não passares não vem mal ao mundo e seguimos resignados para a Liga Europa…mas se passares, pá…se passares, os adeptos vão-te olhar com outros olhos. E se ganhares o jogo e mesmo assim não passarmos…ao menos saímos de pé como as árvores.

Bora lá. Estarei a ver e a sofrer.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Áustria Viena

Mister Paulo,

Não preciso de te dizer que este jogo é importante porque já o sabes. E já o sabias há muito tempo, ainda antes da rocambolesca jornada dupla contra o Zenit, onde sacámos um ponto em seis depois de uma sequência de infantilidades, expulsões evitáveis e penalties (felizmente) falhados. E se estamos neste momento a lamentar essas oportunidades que tivémos ao nosso alcance e cuspimos fora como uma putéfia esquisita, a verdade é que a culpa é nossa e toda nossa. Tínhamos equipa para ganhar ao Zenit das duas vezes, cá e lá. Tínhamos equipa para ganhar ao Atlético no Dragão e botámos mais um toro na nossa própria fogueira. E tivémos equipa para ganhar a estes moços lá no Prater…será que me podes garantir que vamos voltar a tê-la aqui?

Depois do jogo de sábado, já não sei, palavra que não. Muitos viram um FC Porto a jogar bem, a trocar a bola, com o saco cheio de remates, percentagens altíssimas de posse de bola e um domínio do jogo que só não deu goleada porque a relva é verde e a bola rola para onde Deus quer. Já o Einstein dizia que o Barbas não joga aos dados com o universo, por isso deves interiorizar esta ideia: se as coisas acontecem, é por uma razão. Se te pões a defender um 1-0, vais-te lixar com F grande. Se continuas a ver os teus rapazes a trocar a bola na defesa com a capacidade técnica de um Mogrovejo a jogar de galochas, vais-te lixar com F grande. Se insistes que a equipa joga bem mas não tens coragem de lhes espetar duas lambadas quando notas (como todos notamos) que estão a baixar mais o ritmo que uma música de Marvin Gaye depois de uma rodada de Prodigy, vais-te lixar com F grande. E se não ganhas este jogo…vais-te foder mesmo, porque lixar já é um eufemismo muito simpático.

Então…no pressure.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Zenit

Mister Paulo,

Estás a perder os adeptos a cada jogo que disputas. Aqueles noventa minutos de futebol que jogámos no fim-de-semana em Lisboa foi uma bela duma trampa fumegante e ninguém te vai deixar esquecer o que a equipa (não) fez numa partida que devia ter sido nossa logo desde o início e que deitaram a perder mesmo antes do Mangalho ter tido aquele AVC que mais fazia lembrar o colega do lado. Foi mau e tu sabes que foi mau, por isso tenho ainda menos paciência para desculpabilizações com o relvado e as linhas que eram brancas e confundiam-se com o equipamento e os jogadores ficaram alérgicos às flores do Pepe. Ba. Le. Las.

Hoje, a meio da tarde em Portugal e já de noite e frio na mãe Rússia, vais ter de provar que estamos todos enganados quando começamos a pensar que estás com as unhacas cortadas muito rente e que é tão provável sacares de um solo à Steve Vai como de pescares um espadarte com um pacote de gomas. Vais para cima deles porque temos de ganhar. Vais ganhar porque foste para cima deles. Não quero saber de Hulk ou até do Witsel que afinal já pode jogar (era bonito se os nossos pudessem ter o mesmo tratamento quando são expulsos, não é?), ou do Mijinhas ou do resto da comandita.

Ganhar é imperativo. Um empate, como diz o Jesus, é (mais) uma derrota.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Zenit

Mister Paulo,

Há muitas coisas que podes tomar como variáveis neste mundo e que nunca vais conseguir adivinhar com completa certeza. Nunca saberás se chove numa dada tarde, se haverá um terramoto dos grandes nalguma manhã solarenga, se consegues atravessar a passadeira a tempo do semáforo mudar ou se a polícia municipal te multou o carro que deixaste sem alimentar o parquímetro. Mas podes ter a certeza absoluta de uma coisa quando hoje entrares em campo no Dragão: ninguém esqueceu o jogo contra o Atlético. Ninguém. E não digo isto com o dedo apontado e atitude acusatória, não penses isso. Só te digo que toda a malta que hoje estará nas bancadas lembra-se perfeitamente do desmoronamento da equipa e da moral de todos os portistas quando pensavam que podíamos resolver já o apuramento neste mesmo jogo…até que os ‘panhóis nos tramaram as contas.

Para te ser sincero, não acredito que o jogo corra bem. Chama-me pessimista, mas acho que os teus moços andam desanimados e baixam os braços à primeira lomba em que tropeçam no caminho para a felicidade. Ou para a baliza contrária, para contextualizar a cousa. Ainda assim, a verdade é que vou lá estar para apoiar. Não quero saber se do outro lado está o Hulk (chuiff chuiff…), o Arshavin, o Shirokov, o Mijinhas ou o Kerzhakov. Até podia estar o Van Basten, o Zico e o Cruyff, a verdade é que este é um jogo para ganhar. E quando todos dizemos com a boca cheia que os jogos grandes é onde o FC Porto mais brilha…este ano ainda não se confirmou essa auto-máxima.

Ganha o jogo. Aposta numa equipa ofensiva, rija, agressiva. Se me perguntares a opinião, apostava no Ricardo em vez do Varela para confundir os gajos, mas isso sou eu que sou meio tolinho e tu é que mandas. Escolhe bem, escolhe uma equipa que ganhe. E venham de lá essas palmas!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Atlético Madrid

Mister Paulo,

Ninguém tem ilusões quanto a este jogo. Sim, está bem, demos-lhes cabo do canastro várias vezes nos últimos anos, mas o FC Porto que temos visto nos últimos tempos não parece capaz de empalar o Atlético das últimas jornadas, como todos gostaríamos de ver amanhã metaforizado no relvado do Dragão. É uma vida de merda esta, Paulo, quando olhamos para um adversário que nos habituámos a mutilar com o prazer de um predador a quem atiraram um naco de carne. E estamos esfomeados mas parece que não temos dentes à altura da ocasião.

Os últimos jogos têm sido mauzinhos a roçar o muito mauzinhos. É verdade que desde o jogo em casa com o Gil que temos três vitórias e um empate, mas estou cada vez mais apreensivo especialmente depois da segunda parte contra o Guimarães. Foi muito fraquinho, Paulo, e apanhando os cabrões dos mini-Simeones que cá vão estar logo à noite, temo pela minha saúde cardíaca quando começar o jogo e vir que não conseguimos aguentar a pressão. Vejo-nos muito hesitantes, pá, muito tristes com a bola, sem ideias…ou talvez com ideias a mais e sem as conseguir organizar em condições dentro daquelas cabeças cheias de gel e fumo das seringuinhas eléctricas dos tatuadores. É hoje, Paulo? É hoje que vamos pegar nesta merda pelos cornos e dizer ao mundo: “ouçam lá, ó parolos! a malta parece que anda aqui a brincar mas quando for para jogar a sério, vai ser um espectáculo que põe o cirque de soléi ao nível de um atl!”.

Mas não sonhemos alto demais. Vai ser um jogo tramado, mas tu sabes perfeitamente que é para ganhar. Jogos em casa, é para ganhar. Os que formos jogar fora…logo se verá. Hoje, Paulo, quero uma alegria. Bora lá.

Sou quem sabes,
Jorge