Baías e Baronis – Estoril 2 vs 2 FC Porto

foto retirada do maisfutebol

Fomos roubados hoje na Amoreira. Os adeptos portistas que lá se deslocaram, juntos com os que viram pela televisão, os que não puderam ver o jogo em directo e os que nem sequer viram o jogo de propósito (sim, meus caros, há muitos portistas assim), todos eles foram despudoradamente assaltados hoje à noite. Roubaram-nos a alma. Tiraram-nos a estrutura que tínhamos, a inteligência competitiva, a capacidade de resistir a uma pressão que empurra com a força de um infeliz sem-abrigo que dorme ao relento em noites de inverno. Pilharam a calma de uma defesa férrea que oxidou e não parece resistir a semi-equipas e avançados lutadores mas pouco mais. Pior, roubaram-nos um meio-campo que betumava buracos e abafava contrariedades com espírito de luta. Ah, e houve um penalty marcado fora da área e um putativo golo em fora-de-jogo. Nem liguei. Foi mais triste ver o FC Porto incapaz de lutar e de o fazer com convicção. Perdemos os primeiros pontos por culpa própria e ainda custa mais quando assim é. Notas, tristes, abaixo:

(+) Lucho. O capitão continua em alta e mostra em campo que a inteligência habitualmente vence a voracidade competitiva. El Comandante não tem pernas para muito, mas controla a bola com a genialidade de poucos e se tivesse malta com vontade de o acompanhar com estoicidade táctica e desejo de vitória permanente, não estávamos agora a lamentar a perda de dois pontos. Lucho em 2013/2014 joga mais à frente com uma perspectiva ofensiva dedicada quase em exclusivo ao jogo de frente para a baliza, ao contrário do que se tinha visto no passado recente, com a perspectiva de criar os espaços na frente que possibilitem aos avançados receber a bola em condições. Houvesse mais como ele…

(+) Licá. Lutador e esforçado como poucos, foi dos poucos que conseguiu ter a clarividência de avançar com a equipa para a frente e recuar quando era necessário. Marcou o primeiro golo porque acreditou que a bola passava…e passou. Tem mostrado melhores pormenores técnicos de base (domínio, passe…) mas é no espírito de luta que ganha, por exemplo, a Varela, Marat ou Kelvin, e continuaria a apostar nele para titular.

(+) Fernando. Falhou muitos passes mas foi esforçado e ao contrário de alguns colegas mostrou que não está bem quando perde sequer uma bola, que fará várias. Não se sente bem no esquema táctico, é evidente pela postura em campo, mas tenta compensar no que pode. E é deste tipo de gajos que precisamos, dos que ficam fodidos quando as coisas não correm bem. Acredita, miúdo, adapta-te e vais ver que rendes muito mais.

(-) Otamendi. Há-de haver qualquer merda que estejam a meter-lhe no mate que lhe anda a comer a cabecinha. Nos últimos jogos tem sido uma sucessão de parvoíces e apesar de não ter tido culpa no pseudo-penalty, fez o suficiente nos outros lances para ser colocado a apanha-bolas no próximo treino. Sim, é argentino e empiricamente espera-se sempre alguma instabilidade emocional e competitiva nestes moços, mas tem sido uma peça a menos. Mangala também não esteve bem, mas ainda assim conseguiu ser melhor que o colega, que podia/devia ter sido expulso ainda na primeira parte e que falhou com a consistência de um bloco de betão armado na maioria dos lances onde esteve envolvido. Esperam-se melhores dias.

(-) Organização táctica e fibra moral Somos uma equipa pequena, neste momento. Somos reactivos em vez de activos e parecemos ter regredido a uma fase no primeiro ano de Vitor Pereira (para ser mauzinho, até podia dizer que tínhamos voltado ao tempo de Octávio em termos de construção de jogo) onde os centrais chegavam ao meio-campo e olhando para a frente procediam a enviar a bola para a frente sem grande critério, esperando que algum arcanjo descesse do céu e colocasse a bola na baliza. Há uma lei de menor esforço vigente no FC Porto em Setembro de 2013, onde o meio-campo recuado não se entende, os extremos não o são ou não agem como tal, os laterais parecem distraídos e sobem pouco (ao contrário do que fizeram na Supertaça, por exemplo), o avançado parece alheado do jogo e não recua para os locais de recepção…e nem começo a tentar perceber o que transformou dois belos centrais em defensores tão permeáveis nestes últimos jogos. Acima de tudo falta ânimo, garra, vontade. Foda-se, falta muito ânimo, muita garra, muita vontade. Eu e todos os portistas queremos ver os azuisibrancos (ou só brancos como hoje) a chegar primeiro às bolas, mesmo que a equipa adversária seja mais rija, mais viril, mais bruta. Quero-os ver a arrancar relva com os dentes de fúria, a pontapear postes depois de falharem um remate, a empurrar o apanha-bolas de um qualquer adversário para acelerar o jogo. Não tenho visto nada disso nos últimos três jogos. Três. O primeiro, perdoa-se. Ao segundo, questiona-se. Ao terceiro já parece de propósito.


Abanei, mais uma vez, mas não caio. Não caio, caralho, não me deixo cair perante adversidades. E a inconsistência táctica e exibicional tem de ser corrigida com trabalho, com cada vez mais trabalho e com a construção de uma equipa que sirva para enfrentar dezenas de equipas como o Estoril e vencer sem problemas. E nos jogos grandes é nosso dever fazer o mesmo, ou morrer a tentar. Não caio. Não vamos cair.

16 comentários

  1. É isso mesmo, Jorge.
    Hoje recordei – me variadissimas vezes da última derrota que sofremos no campeonato em Barcelos. Tal como lá fomos hoje vilipendiados pelos senhores do apito mas se tivéssemos sido competentes e laboriosos a vitória certamente teria sido conseguida! Depois desse jogo chegou um tal de Lucho González ao plantel, alguém tem que entrar naquele vestíario ao biqueiro a tudo que mexa, alguém que diga que isto não pode voltar a acontecer, que isto é o Porto carago!
    Um consócio.

  2. Otamendi era expulso antes do penalty, dizer que fomos vilipendiados é completamente hipocrita.
    Não estamos é a jogar pevide, isso sim é preocupante.

    1. Não queria falar disto, hoje, mas, vamos por os pontos nos Is:
      uma coisa é jogar com 10, outra é marcar um penalty! O problema das equipes de arbitragem em pt é essa mesma : são más! Se um gajo não vê, e depois tenta compensar, vai sempre prejudicar alguém! Não adianta. Se tinha que expulsar, expulsava. A incompetência é que é má. E ele foi por mais incompetente.
      Quanto ao resto, apesar de concordar com tudo o que o Jorge diz, faltou ali também um Baroni para os gajos que sentem um bafo e se atiram para o chão: o Varela e os jogadores do Estoril… todos eles jogaram com a mediocridade do árbitro.
      Coisa muito feia.

  3. Não há muito o que dizer sobre o jogo. Conseguimos criar menos oportunidades do que o “poderoso” Estoril. Enfim mais um jogo em que não jogamos simplesmente nada e confesso que estou com um tremendo receio, porque não acho que iremos “nos corrigir” a tempo do jogo contra o Atlético, oxalá que esteja errado!

  4. Boas,

    Um Baroni muito grande para o Mister. Não pelo jogo em si mas pelas declarações no fim. Parecia um visconde de Alvalade. Não gostei

    PS: Dragão Azul, o Otamendi só seria expulso se o jogador do Estoril tivesse com a bola dominada. Não era o caso.

    Abraços

  5. ++ ao lucho, que no meio da mediocridade que foram estes jogos foi o unico que fez alguma coisa.
    – Lica, o golo foi um chouriço ( sim por mérito dele também ), mas nunca arriscou no 1×1, não fez um centro ( ao contrário do varela ), falta-lhe aquilo que nos leva a pensar..”licá com a bola, parte o gajo, e centra para o jackson”. Nem nos passa isso pela cabeça.
    — A defesa. Que raio se passa ali ? os jogadores do estoril em corrida do meio campo ganharam quase todas as bolas… o Tó mendes… quem o viu e quem o vê.

    Em termos de jogo… sem melhorias, fizemos 1 no máximo duas jogadas de ataque. Se é verdade que a arbitragem nos prejudicou também é verdade que o empate me parece o resultado justo, por isso…

  6. Em primeiro lugar uma nota, jogamos muito muito mal, não á fio de jogo, uma desorganização inacreditável e inexplicável que nem por duas vezes em vantagem soubemos disfarçar!
    Outra coisa é o arbitro, e depois ouvir portistas a dizer que otamendi devia ter sido expulso é surreal! Mas o avançado do Estoril tem a bola dominada????
    E Jorge, dizer que licá foi dos + dá que pensar! um extremo tem de criar jogo, ir para cima do lateral no um para um, criar desiquilibrios, dar velocidade ao jogo, e Licá o que faz??? vocês acham que ele é bom jogador porque se entrega porque luta porque corre, mas de um extremo não é isso que se pede ou que se quer, pelo menos não é o principal e enquanto tivermos 2 extremos chamados varela e licá ou um medio centro chamado deffour (uma autentica banalidade de jogador) vamos passar por dificuldades… já no anterior post o tinha dito e vou repetir com 75M em transferências era obrigatório ter ido buscar outro tipo de jogadores, algumas destas contratações são á braga ou sporting que não vendem e não têm como comprar!

  7. Cada vez mais acho que os adeptos portistas são uns mimadinhos. A verdade é que jogamos mal, mas marcamos dois golos limpos contra dois golos ilegais. Mas não são daqueles que deixam dúvidas. O primeiro golo do estoril é precedido de fora-de-jogo, e depois há um penalti completamente absurdo, que só por clara má-fé é marcado. O Ota está a um metro da grande área, dentro da meia lua, o fiscal de linha está no enfiamento da grande área, sem ninguém a tapar-lhe a visão. Como não ver que não é penalti? O segundo golo do estoril é em fora de jogo. Como não ver? os campeões também se fazem com vitórias em jogos menos conseguidos. O empate ontem foi injusto, porque o estoril não marcou nenhum golo e nós marcámos dois. Quanto ao mais, o que por aqui li, é de adeptos mimados.

    1. Grilo, gosto muito deste blog por ser claramente um blog escrito por uma pessoa correcta e inteligente e pela maioria dos visitantes saberem ver futebol. Tu és claramente a nódoa que insiste em cair no melhor pano. Parabéns

  8. Venho há semanas patenteando a minha preocupação em relação ao momento da equipa. Este jogo não a dissipou nem um pouco.

    A equipa está lenta, sem ideias na fase de construção, onde perde muitos passes e não consegue a ligação do jogo. A defender parece-me desconcentrada e até atarantada, acumulando uma série de erros primários, que a serem convenientemente explorados, poderiam ter já feito ainda mais mossa. O ataque peca por excessivos erros na recepção da bola e no desperdício de golos feitos.

    A mecanização ganha-se nos treinos e assim até parece que os atletas estão lá a fazer tudo menos o que é necessário.

    Terça-feira vamos ter o teste mais sério desta época e vem na pior fase, desde que começaram as competições.

    Preocupação continua pois a ser o meu estado de espírito.

    Um abraço

  9. Boas,

    Mais do que apontar o dedo à arbitragem é preciso ver os próprios erros.. Não vou falar da arbitragem até porque não o jogo aqui por Angola e só vi o resumo onde obviamente focaram nos lances “polémicos”.
    Deixo só uma observação… O Varela recuperou e a equipa começou a jogar pior? É impressão minha ou haverá mais portistas a pensar isto mesmo?
    Este Porto com um estremo é manco… falta-lhe aquela espécie de tik tak que porventura se consegue com Josué em campo por exemplo…
    Ainda me lembro quando jogávamos em 4-3-3 com Costinha, Maniche Deco e Alenichev em campo, que delicia era… Ainda que com as devidas diferenças, Fernando, Defour, Lucho e Josué não?
    Abraço

  10. Viva,

    Das notas atribuídas apenas discordo do Baia ao Fernando, ou, pelo menos, um Baroni ao PF por pensar que o Fernando pode ser mais do que um trinco. Normalmente, o ataque começa nos pés do Fernando e ele deve ter ordens para efectuar um passe a rasgar para o Lucho.

    Ora a falta de qualidade de passe do Fernando leva a que se percam demasiadas bolas nesse momento de construção. Nas raras vezes que isso acontece a equipa até consegue fazer lances de belo futebo

    Isto não é uma crítica ao Fernando, ele é dos grandes trincos que vi jogar, mas não é um centro-campista, nem nunca será.

    Abraço,

    CRG

Deixar uma resposta