Baías e Baronis – FC Porto 3 vs 0 Setúbal

É uma constante que começa a ser cansativa em largo número de jogos que vejo ao vivo no Dragão. Uma vitória por números simpáticos e bons golos, sem golos sofridos…mas a exibição peca por escassa. E digo que começa a ser cansativa porque já ocorre há tanto tempo que se tornou uma espécie de hábito triste sair daquele palácio ao futebol com uma sensação que podíamos ser tão mais do que actualmente somos. Vencemos bem, com que o Setúbal a criar uma única oportunidade de golo para a nossa baliza (que Helton defendeu muito bem), mas o futebol é fraco, com pouco discernimento e a quantidade de passes falhados e jogadas desorganizadas é tão grande que não consigo perceber o que é que se pode fazer para melhorar. Vamos a notas:

(+) Varela. Para além do golo que marcou, estupendo e tão pouco característico neste paradoxo que é o nosso Silvestre, foi a capacidade de esforço durante todo o jogo, com excelentes jogadas individuais e de envolvimento com Alex Sandro pela esquerda. É sempre estranho dizer que Varela foi esforçado e as palavras que aqui escrevo podem ser retiradas na próxima semana com uma tirada de impropérios dirigidos ao número 17, mas hoje, como aconteceu várias vezes este ano, foi o melhor jogador da equipa. Uau. Uau mesmo.

(+) Carlos Eduardo. Quando pega na bola e a leva controlada em progressão, é um dos poucos que consegue arrastar uma equipa atrás de si…e se os colegas de facto o acompanhassem na correria e lhe dessem mais linhas de passe quando cavalga pelo meio-campo adversário, poderia ser ainda mais produtivo. Defende pouco e recua muito menos que James ou Deco faziam para vir buscar a bola à zona defensiva (isto para comparar 10s), mas consegue ser muito produtivo em menos espaço de terreno e acima de tudo é um gajo prático e brinca pouco quando não precisa de o fazer. Ah, e que grande golo marcou hoje!

(+) Mangala Marcar aquele latagão do Cardozo não deve ser fácil e nem Maicon nem Mangala conseguiram a 100% parar o paraguaio, mas Mangala esteve acima do colega da defesa (que como de costume começou com a tremideira depois da primeira falha) pela forma prática e rápida com que levou várias bolas da defesa até ao meio-campo, entregando-a a um colega em tempo certo e com a força adequada. Sim, leram bem, fez bons passes e não tentou (sempre) fintar todos os adversários incluindo os que estavam no banco, apanha-bolas e foto-jornalistas. Diria que é o único central do FC Porto que merece ser titular sem termos de pensar duas vezes.

(-) Lucho. Josué, em meia-dúzia de minutos, fez mais do que Lucho no jogo todo. Não sei se bebeu um ou dois cálices de espumante para celebrar o 33º aniversário antes do jogo, mas é triste perceber que o nosso capitão está a atravessar um momento mau, tão mau que o resto da equipa perde tanto com a sua presença ausente que o meio-campo parece estar em permanente inferioridade numérica quando Lucho está em campo. Nunca foi o jogador mais agressivo dos diversos plantéis de que fez parte, mas desde há alguns meses está muito lento de movimentos e incapaz de meter o pé numa bola dividida, acabando por funcionar quase exclusivamente como uma parede que recebe a bola no centro do terreno e a faz rodar quase sempre para trás. Fosse outro jogador e não usasse a braçadeira que usa e um treinador com tomates já o tinha tirado do onze.

(-) A falta de vontade de fazer mais e melhor. Aquela primeira meia-hora da segunda parte foi terrível. Imensos passes falhados, jogadas sem imaginação, pontapés para a frente e uma deficiente capacidade de trocar a bola no meio-campo adversário sem conseguir progressão no terreno sem ser pelo envio da bola pelo ar para Jackson que, sozinho, estava mais complicadinho que o costume e perdia bola após bola. Fico deprimido quando vejo que basta ao adversário subir um pouco no terreno e pressionar os centrais e um dos laterais…e logo se começam a acumular erros por falta de confiança e por uma absurda incapacidade de manter a calma. É verdade que falta muito apoio dos médios e dos extremos (quem?) que não descaem para criar linhas de passe e se mantêm estáticos à espera que o jogo seja movimentado pelo ar ou em lateralizações de cinquenta metros. Coisas fáceis, portanto. Dá trabalho jogar bem, não dá? Parece que sim, e é exactamente isso que deixa os adeptos entediados com estas semi-exibições.

(-) O fair-play é sobrevalorizado. Há poucas coisas que me fazem ter respeito por Jorge Jesus. O cabelo, a atitude de tasqueiro, a cagança quando vence, o mau perder quando não vence e o facto de ser treinador do Benfica não o tornam uma personagem fácil de admirar para um portista. Mas houve uma coisa que a homenagem portuguesa à Bonnie Tyler disse aqui há uns anos e que eu louvo e devia ser usado também pelos nossos treinadores sem excepção: quando um jogador adversário está no chão, os nossos jogadores não devem parar o jogo para que o rapaz seja assistido. Não duvido que é pouco provável haver unanimidade nesta corrente de pensamento e é evidente que há nuances (fracturas expostas, uma orelha fora da cabeça, por exemplo…) e até nos pode voltar para morder no rabinho, mas estou farto de ver jogadas ofensivas a serem paradas porque X ou Y se lembrou de cair depois de um lance dividido. Já perdemos lances demais por inépcia, estou farto de os perder também por bom-samaritanismo.


E pronto, com maior ou menor qualidade lá conseguimos igualar o resultado dos rivais e continuámos na perseguição. E a forma prática de pensarmos que só dependemos de nós é só uma falácia que nos lixa a perspectiva e nos prepara mal para um futuro desaire. Acham que estou muito pessimista?

5 comentários

  1. Exprimes na perfeicao aquilo que tambem me vai na alma. E na da maioria dos Portistas, imagino.
    Chegou a um ponto que ja nao percebo porque raio nao somos capazes da fazer um jogo decente de fio a pavio. Parece que por cada 15 minutos de prazer com bom futebol, temos que pagar a factura com 75 minutos de sofrimento atraves da mais mediocre mediocridade futeboleira.

    Esta equipa parece o tipico adolescente inteligente mas desmotivado na escola.
    Faz apenas o minimo necessario para passar a rasquinha e na maioria das vezes consegue porque tem de facto capacidades. De vez em quando saca um brilharete apoiado nessas mesmas caracteristicas…e de vez em quando falha rotundamente e leva com uma nega nos cornos porque nao estudou puto e apanhou com um teste mais complicado pela frente.

    O RQ ajuda muito. Um genio que da criatividade e alegria a equipa quando esta nao tem ponta de uma, nem de outra. E tem a capacidade de desbloquear aquilo que parece irremediavelmente bloquado (o que e frequente).
    Mas ele sozinho nao vai levar esta equipa mediocre ao titulo, a nao ser que se espalhe uma doenca infecto-contagiosa grave no balneario dos sarracenos (que boa ideia), ou entao que se contrate um treinador decente para estes rapazes…porque em auto-gestao nao vamos la.

  2. Grande Varela pá! A ir para cima do defesa e a chutar!? Devia estar drunfado e ainda bem!

    O Quaresma em jogo faz logo uma diferença que o licá nunca conseguiu fazer que foi abrir as alas. O quaresma não vai para o meio do campo fazer nada, o Quaresma arrisca no 1 para 1, o quaresma é do catano. :)

    baroni: Paulo Fonseca, não percebo este gajo pois insiste em fazer substituições aos 87 ?? Que motivação dá isso ? O Alex Sandro parece que anda meio “quinado” e continua a jogar ? O lucho desaparecido e continua a jogar? Não gosto pá. A equipa continua sem ter fio de jogo. Houve lá momentos de merda, balões para a frente, temos a boa na nossa defesa e não conseguimos sair com ela jogável… falta ali qualquer coisa. Continua a faltar.

    1. E verdade, o Alex ate da pena. Ve-se na cara do homem cada vez que ha um grande plano.
      O Rafa e assim tao mau? O Quino cheira mal da boca?

  3. Lá veio o Fonseca dizer outra vez que ficou satisfeito com a segurança defensiva! Estaria a falar do Atlético de Madrid?? Acho que ele não vê os jogos do Porto (infelizmente)

  4. Vamos às boas notícias:
    o Quaresma pôs definitivamente o Varela a jogar; o Carlos Eduardo lembra que pode voltar a haver Decos; o próprio Quaresma está a chegar lá; o Maicon e o Mangala e o Fernando estão a jogar muito bem…
    O resto de momento não me interessa, sinceramente.
    O resto é bater no ceguinho, e já é muito cansativo…

    Quanto ao fair play, desculpe Jorge, mas essa sua inclinação Mourinhesca, não tem argumentos: fair play é fair play, é exatamente o que se espera dos outros: que não se atirem para o chão porque até lhes dá jeito…

    tssss

Deixar uma resposta