Baías e Baronis – FCP vs Arsenal


(foto retirada d’A Bola)

Quando estava a caminho do estádio, ontem aí pelas 18h, comecei a perceber que os sinais apontavam para uma noite de sorte. Não apanhei trânsito, estava céu quase limpo e descobri um único lugar para estacionar o bólide numa zona onde estava tudo cheio menos o espaço que aparentemente reservaram para mim. “Ah, pensei eu, hoje vai correr bem!”. E não podia estar mais perto da verdade: correu bem. Correu bem demais para a primeira parte medrosa e pouco agressiva que demonstrámos, correu impecavelmente bem para a débil forma física da equipa e correu muito bem para um ou dois jogadores do FC Porto, esses sim incansáveis e com a cabeça no sítio. Foi uma boa vitória, como as são todas a este nível, mas podia ter sido bem melhor. A notas:

BAÍAS
(+) Falcao. Claramente é melhor jogador do que pensei que fosse quando o vi a jogar pela primeira vez. Depois de mais entrosado e melhor integrado no tipo de jogo da equipa, é um lutador incansável durante todo o período que está em campo e a falta de rapidez que Lisandro tinha é compensada pela capacidade de jogar de costas para a baliza, do que dá muito jeito para entradas dos médios e desmarcações dos extremos. Cansa vê-lo a jogar e custa ainda mais ver árbitros, como ontem, a permitirem jogo bruto à vontade quando Falcao era puxado…e a marcarem logo falta quando ele próprio puxava os adversários. Muito bom.
(+) Fucile. Mais um que cansou ver jogar. Esteve em todo o lado, apoiou o ataque e regressava à defesa em correria louca, fazendo a espaços lembrar o grande João Pinto, tal era a abnegação em todos os lances que disputava. Apanhou várias vezes Fabregas pela frente e deu-lhe uma ou duas cacetadas valentes mas a maior parte das vezes manteve-se estóico e fez uma exibição que lhe valorizou o passe em mais um ou dois milhões de euros. Provou mais uma vez que quando quer e não inventa muito, é um excelente jogador.
(+) Helton. Deu a segurança que era preciso quando era preciso. Várias defesas simples no início do jogo e uma defesa para a fotografia depois de uma cabeçada de Bendtner somados a vários cruzamentos em que saiu a agarrar a bola com confiança e domínio pleno da área acabaram por marcar o regresso aos palcos europeus em grande para o nosso cada-vez-mais-titular defensor das redes. A falta de marcação dos defesas coloca Helton entre os não-culpados do golo sofrido.
(+) Esperteza. A forma rápida como marcamos o livre indirecto, com o beneplácito do anormal do árbitro, é um sinal de vontade, de garra e de querer ganhar como já não via há algum tempo. Depois da primeira parte com entrega mas com medo do adversário, a forma como entramos para a segunda-parte foi um sinal de que se queria virar um resultado adverso da melhor forma possível, com inteligência. Não foi um jogo brilhante mas foi o jogo possível frente a uma equipa que, ainda que desfalcada, tem muito futebol, mais que suficiente para nos vencer. Ainda assim mostrámos que não somos uma equipinha ridícula do sul da Europa e que nos batemos contra os grandes quando queremos. Pelo menos na primeira mão em casa…
BARONIS
(-) A primeira parte de Fernando e do resto do meio-campo foi atroz. A forma como a equipa recuava constantemente no terreno, fruto do intenso cagaço que tinha das trocas de bola entre Nasri, Fabregas, Rosicky, Denilson e Diaby (admita-se, quase de olhos fechados, qual deles o melhor…até Diaby me surpreendeu pela capacidade técnica), e deixava espaços tremendos à entrada da área que só não deu em remates de longe vá-se lá saber porquê. Fernando jogava colado aos centrais mas sempre de olho em Fabregas, abrindo uma cratera de espaço a 30 metros da baliza quando Bendtner era o único jogador que estava na zona, (coberto já por Rolando e Bruno Alves), o que ofereceu por completo o meio-terreno aos de Londres. Ruben e Meireles, ainda e compreensivelmente sem entrosamento, andavam meios perdidos nas trocas de posição constante dos adversários, Varela e Hulk tentavam recuar mas não muito, com as indicações que tinham para se colarem às costas dos laterais, e Falcao andava a ser empurrado por Vermaelen. Em suma, foi uma primeira-parte para esquecer e as alterações ao intervalo, com Fernando a fixar-se mais em Fabregas e a deixar Ruben e Meireles mais soltos para rodar a bola, acabaram por ditar que nos soltássemos mais para uma segunda-parte mais afoita e mais prática.
(-) Forma física. Correram muito, é verdade, esforçaram-se como poucas vezes esta época, mas que diabos, a equipa está estourada e espremida. Temos tido muitas lesões este ano e o plantel curto em termos de valia está a ficar com poucas reservas para os embates enormes que temos por aí, a continuar este Domingo frente ao Braga. Numa altura em que vai ser difícil rodar jogadores sob pena de hipotecar as chances no campeonato, temo pelas segundas-partes que vamos enfrentar a caminho.
(-) Fabianski. Ainda eu falo mal do Kralj e do Woskiak…porra, que frangueiro!
Não foi mau, mas não foi excelente. 2-1 é sempre um resultado instável nestas competições, e precisamos de um jogo como o de ano passado em Manchester para conseguirmos sacar no mínimo um empate. Vamos com alma e confiança e revejo-me nas declarações de Tomás Costa depois do jogo: “No nosso segundo golo aproveitámos bem uma distracção deles. Isso demostra que temos de estar 90 minutos concentrados.” É isso, Tomy, 90 minutos de garra, é o que precisamos!!!

3 comentários

  1. Confesso que esperava mais deste post. Mais esmiuçado, mais crítico, mais preciso, mais irónico e mais abrangente.
    Estas muitas, que no fim parecem poucas, palavras que escreves, parecem-me um pequeno relato muito escasso do que vi ontem no Dragao.
    Nao vou apontar diferenças de opiniao, ate porque cada um tem a sua, mas esperava pelo menos uma critica feroz ao Ruben Miguel.
    Deixar passar em claro, que ele nao deu uma para a caixa, é no minimo, ser um S.Martinho do FCP.
    Ontem vi um jogador de provincia, lento quase parado, com medo do adversário e a pedir-lhe desculpa sempre que perdia um ombro a ombro.
    É claramente um jogador que está habituado a jogar na Madeira, contra o quim zé e manel fisgas. Nao ganhou um unico confronto directo, perdeu todas as bolas disputadas com o corpo e demorou sempre meia hora a decidir o que fazer à bola. Falta de entrusamento com Meireles ? O c#&&%&& !!! O que ele tinha era medo da lesao que acabou por aparecer e falta de experiencia com adversários a serio. Quanto a lentidao aparente…já tinha notado isso nos jogos anteriores, e atribuía à tal falta de entrusamento…esperemos que sim e que cresça pois bem precisamos. Se continuar a pensar a 5/hora nao serve para a champions.
    Outra coisa que me revoltou, foi a omissao completa de comentario à ovaçao que o Hulk recebeu quando foi substituido, que so posso depreender que o blogista foi um dos que aplaudiu. Depois do que este mente capto mostrou em campo, que foi nao mais do que tinha vindo a mostrar aquando a sua suspensao : bruta força mas mais lento que quando chegou, cego dum olho, o outro olho na bola, nao ve companheiros, e acha sempre que passar por cima do adversario é a unica maneira de prosseguir com a jogada. FDX!!!! E aplaudem esta merda !!?? Desculpa la mas ontem saí azedo azedo do estádio…e so nao fui à cabine embiqueirar o cu de certos personagens (incluindo o arbitro) porque ganhamos.
    Outra coisa…forma fisica ? So se for de alguns porque outros estao em excelente forma. Começa lá a apontar nomes que assim nao é justo.
    Pronto..como nao tenho um blog, venho para aqui explodir, desculpa lá os desabafos estupidos.

  2. Foi um jogo com um Golo de Varela muito esquisito do qual até o seu autor se riu e outro que mostra a Classe e Maturidade que o Madeirense Micael trouxe á equipa Portista. Ainda estou para perceber porque razão o FC Porto não o contratou logo no incio da temporada.

    Foi uma vitória que soube bem á generalidade dos Portugueses e dos Portistas, pois muitos ainda tem na memória a cara de gozo que o Treinador Françês fez quando goleou o FC Porto em Londres há umas épooas atrás.

    Não entendo o porque de tanta Critica a Jesualdo e à equipa Azul e Branca que na Europa do Futebol tem de jogar desta maneira e não á "mandão" como muitos querem. É a realidade do nosso Futebol e da equipa que temos. E muito mérito tiveram o Treinador e os Jogadores que estão no intervalo a vencer uma equipa que é de um Campeonato doutra galáxia.

    Uma palavra final para os Parolos de Encarnado vestido que tentam minorizar esta importante vitória do Porto e de Portugal:

    Internen-se numa Instituilção Psiquiatrica o mais rapidamente possivel, pela vossa Saúde e pela Saúde dos outros que tem de vos aturar.

    Cumprimentos e saudações Portistas!!!

Deixar uma resposta