Ouve lá ó Mister – Estoril

Señor Lopetegui,

Já passou a euforia do jogo em Bilbau e voltamos a lusas terras para continuar a progressão nesta prova menor que já conheces como Campeonato ou Liga ou “aquela coisa que se joga todas as semanas”. Sabes, aquele em que não estamos em primeiros. Ainda.

Quis o destino que me fosse oferecida a oportunidade de passar um fim-de-semana com malta que tenho muito próxima do coração mas infelizmente demasiado longe da porta de casa. E como tal, algo quase inacreditável vai acontecer, que temo possa prejudicar intensamente a preparação da equipa e quiçá o próprio jogo: vai ser a segunda partida consecutiva que terei de ver em diferido. Lá calha, não se pode ter tudo a não ser que se seja o Jackson, que marca golos e até lhe dão a hipótese de fazer o mesmo de penalty, mas o rapaz não quer nada com aquilo. Já pensaste, sei lá, em escolher outro fulano para chutar a bola lá para dentro? Assim tipo lá para dentro mesmo? Homem, escolhe qualquer um. Qualquer um. O Fabiano, por exemplo, não pode fazer pior serviço que o Jackson, por isso da próxima vez que o Danilo apanhar uma patada de um adversário ou o Brahimi for empurrado (tudo dentro da área, claro), manda o sr. Freitas lá para a frente e põe-no a biqueirar o couro para a rede. Se o Fabiano não quiser, põe lá o Alex Sandro, pode ser que saia do poço em que parece que se meteu. Ou o Tello! Não, pensando melhor, o Tello não. É capaz de tentar adiantar a bola antes de marcar e lixa-se mais uma chance das boas.

Seja como for e seja quem for que escolhas para ir lá para dentro hoje à noite, vê lá se matas a vontade dos amarelos cedo e a boas horas. Não deves reconhecer o rapaz que eles têm lá na frente, mas ele já foi titular do FC Porto aqui há uns anos. E também há lá outros conhecidos nossos, na baliza, na lateral esquerda, numa das alas e na ponta superior do meio-campo. Malta boa, não duvido, mas ainda assim tenta impedir que qualquer um desses mostre mais serviço do que deve. Respeito! E três pontos, faz favor.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Athletic Bilbao

Señor Lopetegui,

Aqui há duas semanas foi engraçado jogar contra estes fulanos. Tinha medo do Athletic do ano passado, mas para te ser sincero estes rapazes só me assustaram porque os “nossos” rapazes parecem fazer de tudo para que nunca consiga ter uma noite descansada. Mas também vamos lá ver uma coisa: jogos de Champions não são para descansos nem para relaxar nem para acalmar as pilinhas conjuntas. O que interessa nestes jogos é que estamos a enfrentar a créme de la créme da nata europeia, o folhadíssimo croissant, a fresquíssima bavaroise, a delicada pavlova que é um confronto entre nações através dos seus clubes. Metáfora docinha, é o que é.

Hoje o jogo não vai ser fácil mas não é impossível. O ambiente é complicado mas não é insuportável. Os bascos até são gajos porreiros, gostam é muito do clube deles e raramente o assobiam. E a vantagem é que vocês hoje vão ouvir imensas assobiadelas vindas das bancadas, novamente dirigidas a vocês! Sim, tu e os teus moços vão ser vaiados, enxovalhados, vão sofrer com enciclopédias de insulto fácil em basco e espanhol e na linguagem universal dos dedos estendidos para a frente, reconhecível desde os Maori aos Inuit. E manda-os lá para dentro com a vontade de um Guarín em Sevilha, de um Derlei na Corunha ou de um Hulk em Madrid! E não te peço que ganhes o jogo, porque sei que não vai ser fácil. Porra, Reais e Barças perdem aí pontos com a consistência de um metro japonês, por isso não me incomoda se não vencermos a partida. Mas não quero perder. Nenhum de nós quer perder e arriscar hipotecar uma qualificação que tem tanto de fácil como de dependente da nossa vontade.

Por isso manda os rapazes lá para dentro sem medos. Sem medo nenhum do público, dos adversários ou do que lhes pode acontecer se gritarem: “O País Basco é uma bela duma snaita, é sim senhor!” quando forem cumprimentar o capitão adversário. Já agora, tu eras o primeiro a dar-lhe um tabefe, não eras? Eras. Acho que eras.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Nacional

Señor Lopetegui,

Temos uma história com estes tipos que tu nem imaginas. Um dos jogos mais humilhantes da minha vida foi vivido neste mesmo estádio, aqui há oito ou nove anos, quando estes fulanos apareceram cheios de bazófia e nos cravaram quatro no lombo. Lembro-me que a meio do jogo já não havia nada que conseguisse fazer para abanar a depressão e já só me ria, juntamente com o meu companheiro de sempre nestas lides da bola. Ria-me, Julen, com uma derrota do FC Porto! Em casa! Por QUATRO! Há alturas em que não se consegue explicar o próprio comportamento e só posso atribuir esse pequeno acesso de loucura a uma qualquer histeria que possuiu a minha mente, até aí medianamente sã. Nunca mais fui o mesmo desde esse dia.

E se havia ainda qualquer necessidade de vencer este jogo, tens mais esse motivo. Estes badamecos habituaram-se a vir sacar pontos aqui à urbe e nós fomos consistentes na permissividade durante os últimos anos, o que me enerva sem que possa fazer o que quer que seja acerca disso. Não me deixam entrar em campo e tirar a bola de cima da linha de golo, dar dois bufardos no Rondón ou uma entrada de carrinho à Otamendi com anfetaminas nas pernas do Marçal (mais um gajo odioso), por isso delego em ti e nos teus a responsabilidade de o fazerem. Não precisa de ser nestes moldes nem com estas particulares doses de malvadez, basta que ganhes o jogo. Basta-me que relembres a esses gajos que quem manda aqui somos nós. Somos. Nós. Mai nada.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Arouca

Señor Lopetegui,

Anda tudo louco. Tudo. Louco. Um empate, dois empates, três. Uma derrota, uma vitória, mau. O mundo parece convencido que uma equipa se forma de um dia para o outro, que as empatias e sinergias que decorrem do trabalho em conjunto, da harmonia que se cria durante meses (raios, durante anos!) de convívio, de espírito comum e objectivo partilhado, tudo isso aparece automagicamente do ar. Não é verdade e se as pessoas pensarem um bocadinho, vão perceber que nada é obra do acaso e tudo se trabalha para que os frutos apareçam. A não ser que sejas o Scolari, nesse caso é mandar as bolas para os Ro-Ros e siga a rusga.

Hoje vai ser um bom teste a essa capacidade crescente de harmonizar um grupo de talentos e de o consolidar como uma equipa em condições, capaz de enfrentar equipas temíveis por essa Europa fora ou alguns adversários de menor nome aqui pelo burgo. E o Arouca, que incluo no segundo grupo por motivos que deverão ser óbvios para o comum dos mortais, pode ser uma boa prova a essa mesma capacidade. O Pedro, teu companheiro de profissão e aquele gajo que de vez em quando podes ver da VCI quando os écrãs gigantes estão virados para a estrada, vai ver se te lixa a vida e a vida de todos nós, depois de tanto nos ter dado quando por cá esteve. São as matizes da vida, Julen, e podes ter a certeza que a mordidela no traseiro vai aparecer quando menos esperas. Hoje, vendo a convocatória, reparo que estás a levar dezoito garbosos moçoilos, prontinhos a sair de lá com três pontinhos no saco. Não te peço mais, só gostava de te pedir duas coisas: aposta no Quaresma para aproveitar a pica do rapaz…e decide de uma vez o que vais fazer com o meio-campo. Queres uma dica? Cá vai: Ruben, Herrera e Quintero. Tau. Assim, sem trocos, obrigado, siga a sua viagem.

Ganha lá o jogo. Nem sei se consigo ver em directo mas garanto que se não conseguir ou se vir a espaços, quando chegar a casa vejo o jogo todinho para te dizer das minhas. Boas ou más. Boas. Sim, vamos acreditar que serão boas.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Athletic Bilbao

Señor Lopetegui,

Que trezentos tigres brancos me penetrem se eu não saí do Dragão com uma broa enorme no passado sábado, caríssimo! Não foi um jogo bonito, não foi uma tarde bonita, não foi um fim-de-semana bonito, e tudo por culpa tua e dos teus. Ninguém gosta de perder, mas acho que não entendeste o que significa perder contra o Sporting, especialmente no Dragão. Pior, pior, só contra o Benfica. Acredita que não vais querer enfrentar essa patada nas têmporas, Julen.

Todos os que estiveram a ver o jogo no sábado estão à espera de uma revanche de proporções bíblicas para o próximo jogo em que nos encontremos. É assim que sabemos viver a vida de um portista, meu caro, e se ainda não percebeste isso, não estás no clube certo. Mas eu acredito que estás e acredito que vais conseguir colocar o teu nome num galarim de honra que faça com que sejas o primeiro espanhol em condições desde que o Fernández agradeceu aos deuses, ao Nuno e ao Pedro Emanuel o facto de lhe terem ofertado a Taça Intercontinental. E acredito que o vais fazer porque o futebol que queres pôr em prática agrada-me imenso, as trocas entre os jogadores, as incisões cirúrgicas na área, a troca de bola entre gajos cheios de talento…salivo-me todo ao pensar nisso. Mas ainda não estás lá…raios, estás muito longe de estar sequer perto de lá chegar! E entretanto há jogos destes contra equipas destas, tramadas, lutadoras, com a sua quota-parte de talento que nos quer alfinetar as nádegas e clisterizar o esfíncter.

Sei que estes moços são da tua terra. Ou perto, não sei em que cidade nasceste, deixo isso para um dia quando visitar o Museu e lá estiveres todo fofinho com uma placa ao teu lado. Mas para lá chegares, tens de ganhar a todos, incluindo aos teus conterrâneos. Começa a reconquistar o povo hoje, Julen. Uma vitória. É o que te peço.

Sou quem sabes,
Jorge