Ouve lá ó Mister – Penafiel

Señor Lopetegui,

Nesta mesma secção aqui há uma semana escrevi assim: “Ganha o jogo para acabarmos o campeonato na próxima semana em condições. Não deixes que a indolência se apodere dos teus moços, espicaça-os e fá-los acreditar que isto ainda não acabou!”. E tu e os teus fizeram-me um belo dum manguito e obrigaram-me a ver a herege que lá vive (assim tratada nos próximos tempos dada a afeição clubística bem conhecida) a fazer uma happy-dance. Literalmente. E ainda arrastou a miúda ao barulho, que se pôs a abanar a peidola como se estivesse a curtir kizomba. E eu não quero que ela dance dessa maneira nem pela vitória do benfas nem pela kizomba, por isso estou aqui com um pó que nem te digo.

Não estou à espera de uma grande exibição hoje. Raios, ficaria muito surpreendido se tal acontecesse, digo-te com sinceridade. O que eu quero do jogo de hoje é a oportunidade de me despedir do Dragão até ao início da próxima época, de aplaudir a terceira vitória consecutiva do Jackson na lista dos melhores marcadores e de me despedir do Danilo e de alguns outros…quem sabe? Este jogo, ainda por cima a uma sexta-feira às 20h30, parece-me um fim de festa tão pouco entusiasmante que se estiverem vinte mil no estádio vai ser muito. Um deles serei eu porque não costumo falhar jogos em casa do FC Porto porque, no fundo, é a minha equipa que está a jogar. Apoio, sempre.

Já vi que pela convocatória não vais aproveitar para descansar muita malta, no entanto dá uma oportunidade aos menos utilizados para que possam calçar mais uns minutos de futebol no nosso clube. Quem sabe se serão os últimos, não é verdade? Não faço ideia, por isso vou à bola com a normalidade do costume para ver um jogo entre o segundo que não pode ser primeiro e o último que ainda pode ser penúltimo. Triste vida a minha, não é, Julen?

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Belenenses

Señor Lopetegui,

Pode ser um jogo que termine com um sorriso ou com uma tremenda frustração e nenhum desses estados de alma dependem exclusivamente de ti. Hoje. Porque dependeram de ti e dos teus nalgumas jornadas no passado, onde perdemos pontos que não se podiam ter perdido, mas isso são pontos para outro conto. O que interessa é fazermos o nosso papel e depois de levarmos a coroa de flores ao Pepe (insisto, não é o tolinho que joga no Real, é outro Pepe) é importante entrarmos em campo com vontade de ganhar o jogo. Eu sei que o benfas está prontinho para fazer a festa e já seguram no gargalo da garrafa de espumante com a cápsula de alumínio arrancada, aquele piçito de plástico desenroscado e os dedos na rolha prontos para a fazer voar pelo ar até celebrarem durante horas aquilo que não festejam há décadas. É, Julen, é daquelas coisas que mais vale ver para ganhar vontade de a fazer, não achas?

Mas insisto: vamos fazer com que os gajos tenham de suar para ganhar o jogo e acabar com isto como homens. Não lhes dês a satisfação de um jogo tranquilo, obriga-os a trabalhar ao obrigar os teus a trabalhar. Já vi que a lista de convocados tem lá o Adrián e esse caramelo vai ter de ser muito importante para o ano se cá ficar, por isso dá-lhe uma hipótese de novo. Acima de tudo faz com que a malta se orgulhe de uma vitória em Lisboa que este ano já vamos em três empates (Estoril, Sporting e Benfica) e apetece-me plantar uma lança bem funda em África. Ou perto.

Ganha o jogo para acabarmos o campeonato na próxima semana em condições. Não deixes que a indolência se apodere dos teus moços, espicaça-os e fá-los acreditar que isto ainda não acabou! Força!

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Gil Vicente

Señor Lopetegui,

Ora hoje temos mais um jogo, o penúltimo da época no Dragão e não nos resta muito mais, não é, Julen? Há que continuar a ganhar para, como me disse um amigo num email que li há bocado: “festejarmos a conquista do segundo lugar. weee!”. Não podemos atirar culpas para muitos lados porque as principais são nossas, de todos e não individualizadas. E isso das culpas, como já disse aqui há umas semanas, não deve ser algo que sirva apenas para apontar o dedo mas sim para revermos os defeitos em conjunto e fazermos com que se transformem em vantagens.

O Gil vem cá com vontade de subir na tabela porque não se quer juntar ao Penafiel para o ano a lutar contra os Bês e os outros. E vai defender aquela baliza com tudo o que puder, por isso vais ter de por a malta mentalizada em três objectivos ao mesmo tempo: ganhar e garantir que para o ano estamos de novo na Champions; ganhar e esperar que o Benfas ainda possa perder quatro pontos em dois jogos; e ganhar.

No fundo, é isso. Ganhar. Para não podermos pensar em culpas próprias até ao fim da época.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Setúbal

Señor Lopetegui,

Faltam quatro jogos para acabar esta coisa (ou dois, já que o benfas tem um jogo à frente e seis/sete pontos à frente) mas eu continuo a acreditar que é possível. Está lá no fundo, nas raspas do fundo do barril onde só cheira a borra, que estranhamente parece mesmo aquilo a que cheirou aquele jogo na semana passada. Fiquei desiludido contigo, Lope, por várias coisas: pela falta de convicção que os teus rapazes mostraram, pela incapacidade de os motivares para a ganharem e pela parvoíce de te mandares para cima do JJ como um puto amuado. Não é assim que vais ganhar aqueles gajos, Julen, acredita, especialmente a fulanos com a pedalada que ele tem para armar confusão. Já vais em dois rounds perdidos contra ele(s) e este já te deixou perto de um knockout simples. Não deixes que o próximo seja o definitivo.

Para o jogo de hoje, só me surpreende deixares de fora o Fabiano. O puto ainda não recuperou da coça que levou em Munique? Não estou aí dentro do balneário (mas gostava, carago, nos bons e maus momentos, o que eu gostava…) mas se o rapaz está sem condições mentais para continuar a defender a baliza, é preciso pensar bem no que se vai fazer com ele. Se for só uma indisposição temporária, tudo tranquilo, siga pra bingo.

Hoje é só ganhar. Não há outro resultado possível.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Benfica

Señor Lopetegui,

Este é praí o oitavo “jogo do ano”, Julen. Começa a ser entediante a quantidade de “jogos do ano” que já houve durante esta temporada, mas a verdade é que todos eles foram importantes à sua maneira. No entanto, a nível da importância específica que um jogo pode ter, este é mais importante que uma eliminatória da Taça e bem mais que um jogo da fase de grupos da Champions. Há um travo amargo na nossa boca, um sabor a fel e urina e esperma e sei lá que mais líquidos cá entraram e que nos ficou aqui a trabalhar desde terça-feira…e não finjas que estás enojado porque todos nós saímos de Munique todos doridos e sem posição para nos conseguirmos sentar em condições.

E este jogo é mesmo importante. Já viveste um FC Porto vs Benfica e sabes o que dói apanhar na pá em casa. Todos ficamos a saber, mesmo tendo passado bastante tempo depois da última encavadela que levamos no nosso campo (a última daquelas que me doeu mesmo foi a que o Adriaanse levou e essa custou ainda mais por causa do Bruno Alves não ter estourado os dentes todos ao Nuno Gomes. se lhe vai dar uma tolada, ao menos que seja eficaz!), a verdade é que dói sempre. E naquela altura jogámos bastante bem mas não conseguimos dar cabo dos gajos. Eles foram melhores que nós, Julen, o JotaJota foi melhor que tu, foi mais esperto, mais rato, mais fuínha. Há que meter isso dentro da cabeça e deixar que germine, que crie a fúria que vão precisar para levar de vencida aqueles fulanos. Todo o trabalho de uma época pode ficar hoje por terra se não conseguirem vencer o jogo. E não chega vencer. É preciso vencer por dois. Feito complicado, não é? À partida parece que sim, mas eu sei que vocês têm aí dentro uma vontade enorme de pontapear a bola para a rede e fazer com que o país nos volte a respeitar. Que o país VOS volte a respeitar a todos.

Vocês precisam disto. Nós precisamos disto. Raios, nós merecemos isto! Vocês merecem! Mas têm de fazer por isso. Entrem em campo com espuma a sair por entre os dentes, com a vontade de empurrar os tipos para trás e dizer: “De retro, estupores! Ides cair como cães, ides lamber a relva e trincar o ar que passa pelas vossas ventas depois de passarmos por aí a voar. Sofrereis, vergar-vos-emos, pelo Porto, pela honra e pelo Pinto da Costa!!!”

Sou quem sabes,
Jorge