Baías e Baronis – FC Porto 4 vs 0 Tondela

Um jogo em que o resultado é melhor que a exibição, em particular na primeira parte, onde fomos pouco soltos no meio-campo e quase incapazes de manter um ataque apoiado em condições de princípio a fim. Algum facilitismo que foi transformado em amarelagem geral, um penalty que francamente não me parece penalty nenhum (já nos roubaram tantos na primeira volta bem mais claros que este e não gosto de compensações tardias), uma expulsão justíssima que só peca por tardia e um jogo que se tornou fácil depois destes lances e que ainda nos brindou com três golaços e uma segunda parte bem jogada. Vamos a notas:

(+) Os golos. Não sei qual deles o melhor, tirando o penalty que por acaso até foi bastante bem marcado. O míssil de Ruben é estupendo pela colocação e acima de tudo pela confirmação da vontade que eu tenho que este moço jogue mais vezes (já vamos em dois golos de fora da área com remates dos…trincos, algo que raramente acontece com qualquer outro elemento da linha mais avançada) e o faça enquanto usa a braçadeira; uma bela jogada de entendimento colectivo, com Óliver a assistir André Silva de cabeça (!) e este a amortecer para um balázio de pé esquerdo de Jota; e a cerejinha em cima do muffin com aquela Ronaldinhada do Soares, como que a perguntar ao guarda-redes: “ah é aí que a queres? pumbas, já está!”. Um prazer.

(+) Ruben Neves. Começou recuado e acabou a subir bem mais no terreno, o que me deixa sempre a pensar se não seria mais útil experimentar jogar com Danilo na posição que hoje Ruben ocupou e colocar Ruben um pouco mais subido. Eu sei, ele não é um transportador de jogo para conseguir jogar a “8”, mas é um desperdício tão grande vê-lo no banco, um homem que joga de cabeça levantada, que roda a bola para o local certo e que pode dar tanto mais ao clube em campo do que fora dele. É o nosso Gerrard e era tão bom que ficasse cá tanto tempo (e tivesse tanta influência na equipa e no próprio clube) como o Steven ficou em Merseyside…

(+) Corona. É raro achar que Corona está bem em campo. Talvez exija mais dele do que faço com alguns outros jogadores, mas um jogador que tem um toque de bola como ele, que controla uma bola recebida pelo ar a quarenta metros de distância e a cola às botas como se fosse gelatina, tem de conseguir complementar o gesto técnico na continuação da jogada. E hoje esteve quase sempre bem, a tentar assistir os colegas, a jogar de frente para o defesa, sem medo, sem invenções excessivas. Hoje gostei de o ver, gostava de gostar de o ver mais vezes.

(-) O eixo dos amarelos. Facilitou-se demais naquela zona central e o facto de termos ambos os centrais e o pseudo-trinco com cartões ainda na primeira parte podia ter dificultado a tarefa. O Tondela tem malta muito rápida e tanto Felipe como Ruben deixaram-se ultrapassar com demasiada facilidade e tiveram de se amarelar para evitar situações de perigo mais claro para Casillas. Felipe, com este amarelo, falha o Bessa. E teve sorte de não falhar umas dezenas de minutos hoje, porque vi ali uma falta que podia ter levado ao segundo…

(-) Linhas pouco juntas na primeira parte. Foi notória a falta de cobertura de espaços na zona do meio-campo desde que começou o jogo e a culpa foi repartida por André² e Otávio, incapazes de se coordenarem em condições para surgirem em momento de apoio para criar linhas de passe e receber a bola no centro depois de Soares ou André Silva a recolherem na frente. Melhoraram bastante na segunda parte, com mais espaço e acima de tudo menos prisão táctica a um modelo que, francamente, não creio que nos favoreça. Jogar com dois médios que sobem alternadamente mas não conseguem cobrir o espaço necessário para proporcionar linhas de assistência aos avançados acaba por partir a equipa e não fosse o bom trabalho dos avançados e seria ainda mais complicado de conseguir romper a defesa do Tondela.

(-) Muitos golos falhados. Podíamos ter assassinado o jogo à facada no arranque da segunda parte, onde tivemos pelo menos três lances de golo fácil e conseguimos desperdiçá-los a todos. Otávio, André Silva e Corona tiveram o golinho nos pés e nenhum deles conseguiu enfiar a bola lá para dentro numa altura em que o Tondela abriu um pouco e arriscou acabar logo com a partida. Quarta-feira, contra a Juventus, peço a qualquer que seja o santo responsável pela eficácia no futebol (praí o São Müller, tem de ser alemão, né?) para dar cá um salto e abençoar a nossa malta…


E agora, no sofá, a cantar alegremente: “Oh meu Braga onde a eterna mocidade!”…

Baías e Baronis – Guimarães 0 vs 2 FC Porto

Há momentos para tudo. Há alturas em que conseguimos jogar bem, outras em que jogamos bem e ganhamos, outras que jogamos bem e perdemos. Há dias em que jogamos mal e perdemos e outros em que jogamos o suficiente para ganhar. Este foi um jogo desta última categoria, em que fizemos o que era preciso para sacar três pontos muito importantes e continuamos na luta mais uma semana. Foi um jogo rijo em que a equipa deu tudo o que tinha e onde Nuno apostou na tranca e ganhou. Vamos a notas:

(+) Marcano. Que estupendo jogo fez este rapaz, sempre activo nas dobras a Alex Telles e intensamente prático na forma como abordava os lances. Rijo, prático, decidido, está a transformar-se numa espécie de sucessor de Aloísio pela maneira pacífica como aparece no momento certo a cortar as bolas soltas que se podem tornar perigosas para a nossa baliza e se estamos com a defesa menos batida do campeonato, muito o devemos ao espanhol. Grande época que está a fazer.

(+) As opções de Nuno no meio-campo. Raramente concordo com opções defensivas em qualquer circunstância e a entrada do FC Porto em campo mostrava que íamos estar a jogar cá de trás, controlando o jogo a partir da defesa e partindo para o ataque com futebol mais enredado no meio-campo e menos bola directa para as alas. Dito isto, Óliver é um dos meus jogadores preferidos do plantel (para não dizer “o” preferido) mas concordei com a entrada de André² e Herrera no onze. Era preciso mais fibra, mais capacidade de luta contra uma equipa que joga como o treinador sempre quis que as suas equipas jogassem: duras e directas. Ambos estiveram bem, dando um boost extra à capacidade de luta no centro do terreno e esticando o jogo sempre que possível para os avançados. André² saiu exausto e Herrera esteve bem em quase todos os momentos do jogo. Quelle surprise, meus caros.

(+) O gesto de Alex Telles no segundo golo. De vez em quando surpreendo-me a ver Alex Telles pela calma que mostra nalgumas situações em contraponto com o nervosismo que parece exibir em grande parte das subidas pelo flanco. No golo, a forma como recebeu a bola com o peito, a controlou para a frente e esperou até ao momento certo para enviar a bola para Jota foi excelente, bem pensada e melhor executada. E matou de vez o jogo.

(-) Ineficácia antes do segundo golo. Desta vez não foi grave porque o Guimarães raramente conseguiu criar perigo para a nossa baliza, mas não é a primeira vez que vários golos ficam por marcar numa altura em que podemos acabar com o jogo de uma vez por todas. Temos de ser mais eficazes em frente à baliza e lances como os que aconteceram com Jota (duas vezes) ou Danilo têm de acabar no fundo da baliza. Vem aí a Juventus e se tivermos este número de oportunidades sem que o Buffon a vá buscar lá dentro, podemos dizer adeus à Europa mais depressa do que queríamos.


Um dos jogos mais complicados do campeonato já lá vai. Próxima sexta-feira, tudo ao Dragão para continuar a rampa ascendente!

Baías e Baronis – FC Porto 2 vs 1 Sporting

Isto sim, é um clássico! Duas equipas lutadoras, cada uma com as suas armas, bons golos, tensão de início a fim, um árbitro com trabalho relativamente jeitoso (ai ai Marvin que sacaste uma à Layún, meu estupor), momentos de brilho intenso de alguns jogadores (Soares e IKER, IKER, IKER!!!) e um ambiente estupendo em todo o estádio. Vencemos bem mas um empate não teria surpreendido ninguém, tal foi a reacção do Sporting na segunda parte depois de uma extraordinária exibição de eficácia e cinismo na primeira. Demos tudo e ficamos com os três pontos. Uff. Vamos a notas:

(+) Soares. Ora então eu ando aqui em Guimarães e tal, lá vou marcando uns golitos, os chineses vêem-me a jogar e até me oferecem guito suficiente para comprar os Clérigos e fazer lá um shopping mas decido ir para o Porto, afinal a cidade é bonita e o Deco diz que lá se vive bem e a malta é cool e trendy e eu sigo para lá e decido fazer o quê no meu primeiro jogo? Para lá de entrar de início, lá vou eu enfiar duas batatas ao Sporting, uma de cabeça e outra em que finto o guarda-redes e tudo. Ainda não satisfeito ainda me pus a correr a todas as bolas e a morder os calcanhares aos defesas todos, ganhei bolas pelo ar, segurei o jogo na frente e ia marcando um terceiro. Para estreia não está mal. No biggie.

(+) A entrada de André² e Teixeira. Apesar de achar que Nuno esperou tempo demais para fazer entrar qualquer um dos médios, a verdade é que entraram muito bem e conseguiram segurar a bola durante mais tempo do que qualquer um tinha feito até então. E se Teixeira se perdeu um bocado em excessos driblatórios, a verdade é que arrastou bem o jogo para a frente quando a equipa precisava de respirar um pouco. E André esteve impecável no transporte da bola pela relva, estabilizando o meio-campo numa altura em que o resto dos colegas estava quase sem fôlego.

(+) Aquela defesa de Casillas. Se Soares foi o MVP da partida, votado pelos adeptos no estádio, Casillas foi sem dúvida outro MVP. No caso do guarda-redes espanhol, atribuo-lhe o meu MVP: Most Valuable Putaquepariuquedefesaquetufizeste! Ainda estou, horas depois de ver a defesa ao vivo, a relembrar-me da quase inacreditável defesa de um guarda-redes nos seus trinta e muitos, a voar para tirar a bola quase de dentro da baliza e a salvar a vitória da equipa. E a forma como celebrou o final do jogo, de joelhos no relvado e braços erguidos para o céu. É. Um. Senhor.

(-) Incapacidade de combater no meio-campo. Vamos lá ver uma coisa de uma vez por todas. Tivemos, temos e teremos sempre jogos muito complicados contra equipas fortes no meio-campo porque os nossos homens não conseguem dar conta do recado. Eh pá, esqueçam lá as utopias e os clichés de “a vontade ultrapassa as limitações”, porque não é verdade e a prova disso são estes jogos em que os adversários nos batem aos pontos na velocidade de execução e na cobertura das zonas centrais, fazendo ambas melhor que nós em vários momentos consecutivos. Porque não se pode esperar que um Óliver consiga cobrir tanto terreno como um Palhinha ou um Adrien, não se pode esperar que Danilo faça o trabalho de três nem que os extremos consigam fazer corredores todo o jogo e ainda tapar no meio. O Sporting subiu na segunda parte especialmente porque deixou de usar o pivot holandês e começou a trocar a bola e a fazer-nos recuar para a nossa área porque não estávamos (mais uma vez) a ser capazes de segurar a bola nem tão pouco de interceptar as jogadas adversárias num ponto adiantado do terreno. Temo, com o medo de uma criança que não sabe nadar e é atirada ao Douro, os jogos com a Juventus. Italianos dão-se bem contra equipas que os deixam gerir o jogo ao seu ritmo…

(-) Cansaço. A equipa está com uma carreira física notável este ano e o facto de praticamente não haver lesões musculares dever-se-á ao trabalho da equipa médica e também ao preparador físico. Não sei até se aqueles mini-aquecimentos públicos no arranque das segundas partes não terão ajudado a melhorar a capacidade física e muscular da equipa, mas o que é certo é que têm andado tudo muito jeitoso. Mas…as pernas nem sempre vão conseguir aguentar. Temos feito jogos muito exigentes e continuo a achar que corremos demasiado e não produzimos em proporção, por isso é lógico que haverá jogadores que entraram neste ciclo complicado com as pernas presas por arames. Brahimi, Corona, Óliver e André Silva estão desgastados e será preciso trabalhar muito bem para os recuperar já para o jogo de sábado. É algo que me preocupa no futuro próximo.

(-) Telles. Jogo muito fraquinho de Telles, raramente conseguindo acertar na marcação. Em qualquer marcação, diga-se, porque marcar Gelson foi quase impossível e apesar do puto ser mesmo muito bom jogador, Telles não teve capacidade de ser mais esperto e astuto, foi demasiadas vezes “comido” por tomar más decisões e permitir que o adversário arrancasse e passasse por ele em corrida. E falhou também na marcação de tudo que foi bola parada, porque entre um canto com a bola a sair directa e livres marcados com pontaria desafinada, Telles teve um jogo que foi uma espécie de antítese do que tinha feito contra o Rio Ave. Há dias assim.


Primeiro lugar à condição e continuamos a depender apenas de nós para conseguirmos manter-nos lá. E são jogos destes que se fazem equipas campeãs, amigos, por isso continuemos o caminho e mantenhamos a cabeça erguida! We still can!!!

Baías e Baronis – Estoril 1 vs 2 FC Porto

Um jogo de futebol tem qualquer coisa como noventa minutos, com mais alguns adicionados em virtude do que vai sucedendo durante a partida. E este de hoje foi mais um numa série de jogos em que desses noventa minutos, o FC Porto opta por jogar em condições durante qualquer coisa como um terço, permitindo-se enredar numa incessante sequência de maus passes, decisões erradas e pobreza organizacional que dá sono a um tipo que acabou de enfiar doze Red Bulls no bucho. No final, a vitória é merecida mas podíamos e devíamos ter feito mais. Vamos a notas:

(+) André Silva. Regressou aos golos e às boas exibições com um penalty bem marcado depois de também bem sofrido e uma assistência com o peso certo para um bom golo de Corona. Foi o trabalhador do costume, voltando para o meio-campo para vir buscar a bola, ajudando os colegas na pressão subida e criando desequilíbrios pelo meio, pelas alas…esteja onde estiver! Belo jogo, puto, prepara-te para a semana fazeres o mesmo!

(+) Brahimi. FC Porto com Brahimi e sem ele são duas equipas diferentes. É absurdo pensar que conseguimos estar em campo com a equipa mais forte quando Yacine não está presente e a maneira como se envolve nos lances ofensivos do colectivo, seja da esquerda para o meio, pela linha ou simplesmente na ruptura pela zona central, o argelino está em boa forma e só podemos lucrar com isso.

(+) André². Talvez o melhor jogo do ano para o nosso carequinha, que esteve bem no meio-campo, muito lutador e combativo em frente a uma equipa que joga mais com os braços que os Golden State Warriors a defender o garrafão (ainda se usa este termo? juro que já não sei). Faltou rematar algumas vezes (lembro-me apenas de um remate ao lado depois de um bom passe de primeira de Alex Telles) mas foi um elemento importante na ligação defesa/ataque, mais até que Óliver.

(-) Jogo demasiado centralizado. Não sei se foi teimosia do treinador, vendo a má forma recente de Corona e a incerteza quanto à presença ou não de Brahimi para este jogo, mas a forma como a equipa esteve em campo foi aborrecida e focou-se em demasia no jogo pelo centro, com os únicos responsáveis por fazer as alas a serem os laterais. E se Alex Telles está cheio de moral depois das três assistências da semana passada, Maxi está em má forma e não consegue acompanhar a equipa na subida como precisávamos. Some-se um Óliver em dia mau, um Herrera a tomar boas decisões mas com timings completamente errados e um Jota distraído e temos uma equipa que não funciona. Foi entediante ver a equipa a jogar e quando estava pronto a louvar Nuno pela entrada de Brahimi…eis que o homem o coloca na zona central! Fiquei surpreendido, acho que todos ficamos, porque por muito que Yacine seja um desequilibrador, não era aí que precisávamos dele mas sim encostado à ala para abrir o jogo. Nuno decidiu apenas fazê-lo com o completo reboot da equipa depois da entrada de Corona e Rui Pedro e apenas aí começamos a criar algum perigo consistente para o adversário. Aos sessenta e tal minutos. Não foi tarde demais, felizmente.

(-) A merda dos petardos. Malta, eu percebo que se entusiasmem e que festejem a vida com todos os sentidos em alta e os braços erguidos a bater palmas, as gargantas afinadas ao limite do possível e as bandeiras a voar ao vento, ou no nosso caso, a boar ao bento. Mas essa merda dos petardos e das bombas de fumo tem de acabar. Não tem piada nenhuma, parecem uma cambada de crianças a estragar qualquer coisa em casa com os pais a verem e podem arranjar chatice da grande para o vosso clube. Não é para os outros, é para o vosso. E serve para quem se desloca centenas de quilómetros cá de cima ou para quem vive mesmo ali ao lado e apenas atravessa a rua para ir ao estádio, a bitola é a mesma: deixem de ser imbecis.


Safam-se os três pontos e se nos safarmos com três pontos de cada vez que jogarmos até ao fim do campeonato, nem me importo muito com o mau futebol que vamos mostrando em mais de metade das partidas. Primeiro ganhar, depois jogar em condições.

Baías e Baronis – FC Porto 4 vs 2 Rio Ave

Uma equipa que depois de estar a ganhar sofre um golo cheio de azar ao fim da primeira parte e logo no arranque da segunda parte tem a infelicidade de ter um jogador a fazer uma partida horrível e a conseguir piorar a exibição com um penalty absurdo…e consegue dar a volta ao resultado com três golos consecutivos enquanto batalha contra o cansaço e um adversário muito bem estruturado…só nos pode encher de esperança para o futuro próximo. E preocupação, mas atravessemos essa ponte quando lá chegarmos. Por agora, aproveitemos o sorriso de uma excelente tarde de Sábado e vamos às notas:

(+) Os centrais, especialmente Marcano. Não quero exagerar ao dizer que temos uma excelente dupla de centrais. Há ainda algumas falhas de posicionamento, alguma fragilidade em vencer bolas aéreas e as coisas complicam-se quando é preciso sairem com a bola controlada ou em passes longos. Mas quando comparo estes dois com o que tínhamos desde há vários anos, há algo que se nota de diferente e que não via desde o entendimento quase perfeito de Rolando e Otamendi com AVB: cumplicidade. Ambos jogam um com o outro e um para o outro, em dobras, coberturas recuadas, atrasos ao guarda-redes com protecção, nota-se uma preocupação em serem um bloco em vez de dois elementos separados. Somando Danilo temos os marcadores dos três primeiros golos do FC Porto e talvez os homens mais consistentes do plantel até agora. Belo jogo.

(+) Telles. Três assistências em situações de bola parada. Três cruzamentos impecáveis. Três lances com o mesmo protagonista no arranque da jogada. Alex Telles? Alex Trelles!

(+) Herrera. Um jogo esforçado, multi-posicional e positivo daquele que foi o melhor mexicano em campo hoje no Dragão. É preciso inclinar para a direita e ajudar o Jota? Cá vou eu. Dava jeito chegar um bocadinho mais à frente e correr para pressionar o guarda-redes contrário? Arriba Arriba! Agora querem que venha para defesa direito porque o Miguel passou-se das ventas e não tarda nada vai prá rua? Andale Andale! Pode continuar a cometer muitos erros e a ser o homem errado para a posição onde joga, mas não lhe posso pedir para fazer coisas que não sabe. Hoje esteve bem, ao nível da braçadeira que usa.

(+) 43 mil adeptos no estádio. Ah, se as televisões não mandassem e não conseguissem atirar tanto dinheiro para os bolsos dos clubes…e teríamos bem mais jogos aos sábados à tarde, com um tempinho a ajudar e um ambiente agradável, cheio de famílias e malta que apareceu bem disposta e pronta para apreciar o seu clube a jogar no seu estádio. Aposto que se o jogo se tivesse disputado à hora “normal”, ou seja, quatro horas mais tarde, o número de pessoas presentes no estádio pouco passava dos trinta mil. É preciso continuar a incentivar esta cultura de futebol durante o dia, com luz natural, com vida e uma noite ainda para passar e apreciar! Raios, soube mesmo bem!

(-) Layún. Upa, rapaz, que hoje não vais dormir bem! De parvoíce em parvoíce até saíres, não foi, rapaz? Compreendo que não tenhas ritmo e que estás com vontade de mostrar serviço, mas hoje não foi o dia ideal para saíres da cama porque sempre que tocavas na bola lá havia de sair asneira. Então o penalty nem se fala, homem, porque tu viste bem o que fizeste e o teu sorriso de estupefacção perante a idiotice não engana ninguém. Nem a ti, obviamente. Agora deixa-te estar descansado, afasta-te de twitters e comentários ao jogo, fecha os olhos, arranja o mantra que quiseres e dorme. Amanhã vai ser um dia melhor, prometo.

(-) Inencaixabilidade do meio-campo. Posso estar a inventar uma palavra nova, mas é o termo certo. Continua a ser muito complicado enfrentar equipas que têm elementos fortes e dinâmicos no meio-campo. Com Danilo quase colado aos centrais e os laterais também surpreendentemente recuados, cabia sempre a Corona, André Silva e a Jota a primeira linha de defesa para tentar, como os aliados entrincheirados no Loire, afastar os boches que subiam facilmente pelos montes de terra virgem que apareciam pela sua frente. Atrás deles, Óliver e Herrera tentavam sem sucesso cobrir o terreno que o adversário e recuam porque não têm a capacidade moral nem a disponibilidade física para essas andanças. Não têm, ponto. Trocam a marcação, na busca de cobrir mais espaço mas não conseguem porque o adversário, bem preparado, rápido e acima de tudo prático, coloca pivots nos locais certos para fazer o jogo fluir como uma jogada de bilhar, passes angulares e trajectórias rectilíneas sem grandes floreados mas em incessante procura da lateral para enfiar a bola no meio. Ruben Rubeiro, muito bem entre linhas enquanto teve pernas (como já tinha feito no jogo do campeonato do ano passado no Bessa) e Tarantini no meio a construir fizeram do Rio Ave uma equipa que pôs a nu as nossas falhas, ampliando-as. E o meio-campo continua a ser uma das principais dores de cabeça para mim, especialmente na postura defensiva. E não tarda nada está aí a Juventus. Coisa pouca.


Mais dois pontos ganhos ao Sporting e a pressão mantém-se sobre o Benfica. Não terá uma tarefa fácil…psych!