Na estante da Porta19 – Nº20

61UL9ZOwaOL

Um dos verdadeiros livros de mesinha de café (soa tão mal quando comparado com o original “coffee-table book“, mas é o que temos), “Football Graphics” mostra-nos um imenso festim visual do vasto leque de design, colorido e excentricidade criativa que está envolvida desde há dezenas de anos no futebol a nível mundial. Podem imaginar o que aconteceria se Don Draper fosse contratado para criar uma campanha para dinamizar o gosto pela vertente mais estética do futebol e do mundo que o rodeia e teriam aqui um bom exemplo do que podia ser produzido pelo guru do marketing e publicidade que tanto amamos odiar (ou odiamos amar, depende da forma como o virem). De bilhetes a cartazes promocionais, passando por camisolas e cromos de colecção, dos gráficos televisivos às bolas usadas em diversas competições, é um buffet enorme de brilho, cor e genialidade. Para ver, não para ler.

Sugestões de locais para compra:

Na estante da Porta19 – Nº19

9781845960469

Não conheço ninguém que não tenha uma simpatia por um clube para lá do que vive no seu coração. Já falei sobre isso aqui há uns tempos e mantenho toda aquela hierarquia de que falava, apesar de ter cada vez menos tempo para dedicar aos outros dois sub-topos da pirâmide, logo abaixo do FC Porto: o Newcastle United e o FC Barcelona. Ainda assim, acompanho as aventuras (na maior parte do tempo desventuras, admita-se) dos magpies com a intensidade de um verdadeiro geordie, como se tivesse nascido e sido criado em Tyneside, com sotaque fechado e tudo. E foi assim que comprei este “Shirt of Legends: The Story of Newcastle United’s No.9 Heroes“, para conhecer mais sobre a história dos jogadores que usaram a mítica camisola nove do futebol mundial, aplicada ao contexto tão peculiar que é o clube que deu ao desporto nomes como Hughie Gallagher, Albert Stubbins, Jackie Milburn, Malcolm McDonald ou Alan Shearer. É uma excelente viagem ao passado por Paul Joannou, reconhecido como historiador não-oficial do clube. Uma espécie do equivalente britânico do Paulo Bizarro, pronto.

Sugestões de locais para compra:

Na estante da Porta19 – Nº18

9780713679281

Um must-have para todos os coleccionadores de camisolas de futebol, como o rapaz que vos escreve estas linhas. “True Colours: Football Kits from 1980 to the Present Day“, é uma obra da autoria de John Devlin, dividida por dois volumes que juntos chegam quase às 500 páginas repletas da história do futebol vista através de uma das formas mais visuais e fáceis de identificar: as camisolas oficiais dos clubes. Um inventário extenso (de 1980 a 2006) com todas as camisolas principais, alternativas e alternativas às alternativas!) dos principais clubes da Premier League inglesa e de muitos outros clubes ingleses que fizeram história num dos campeonatos mais emblemáticos da história do futebol, bem como um historial completo das selecções das ilhas britânicas. Uma viagem ao passado que vale bem a pena…e uma espécie de catálogo para os doentes. Como eu.

Sugestões de locais para compra do volume 1:

Sugestões de locais para compra do volume 2:

Lá em casa mandam eles

Em Junho de 2013 tive o prazer de conhecer pessoalmente a C. Sem peneiras, de discurso simpático, assertivo e agradável, foi uma das participantes do II Encontro da Bluegosfera, onde mostrou que o portismo não tem idade, morada ou número de polícia.

Aqui há uns tempos, soube que estava a preparar o lançamento de um livro sobre o blog que gere com o gajo dela (Esposo. Cônjuge. Amantizado. Marido. Mouro. M. É, ficamos por M.), adepto tão ferrenho quanto a C. mas pelo lado do Mal. E como me habituei a ler as aventuras dos mesmos ao longo dos anos, sempre me pareceu intrigante que não houvesse já um livro nas bancas, pelo que só consigo entender a sua aparição pela criação da massa crítica que leva a que um Benfica campeão massifique o interesse no futebol neste país. E a C., que sofre tanto como eu neste tipo de lamentos clubístico-caseiros, porque também tem de chegar a casa com a lágrima a cair pela face depois de um ou outro desaire da nossa equipa (com maquilhagem mais borrada que a minha, presumo), lá terá que aguentar um arranque da sua vida literária de uma forma menos entusiasmante do que seria previsível. Enfim, coisas da vida que nós, que aturamos infiéis no nosso próprio ninho, sabemos bem como doem. E ao mesmo tempo, pelas empatias e alegrias conjuntas, também sabemos ultrapassar.

Assim sendo, fica a sugestão e a oportunidade de vencerem um exemplar do dito, bastando para isso participar neste passatempo, onde a resposta a duas simples perguntas garante a entrada para uma tômbola virtual de onde vou sortear um nome de um(a) felizardo(a) que irá receber em casa um exemplar do livro! É só clicar no link aqui abaixo:

PASSATEMPO “LÁ EM CASA MANDO EU”

O livro é bom, como seria de esperar. A prosa escorrega pelos seus dedos como sempre fez, com natural e reconhecido sentido de humor, uma excelente forma de percebermos que podemos todos ser tão ferrenhos como quisermos. Desde que percebamos que por detrás dessa loucura, há outra ainda maior: o amor. Bate esta, Nicholas Sparks!