Beber da mesma água

Vi hoje cerca de cinco minutos do Naval vs Braga. O nível do futebol apresentado, ao nível da quarta divisão sudanesa, não me surpreendeu. O que me pôs com um sorriso enorme foi ver o treinador da Naval, nova quasi-coqueluche da imprensa sulista, a reclamar várias vezes com o árbitro para que fossem marcadas faltas dos centrais minhotos.

É tramado, Nepomuceno. Depois de uma carreira em que consistentemente tentaste assassinar legalmente os rapazes que te apareciam pela frente e de me deixares na memória um carrinho quase paralelo ao chão em plena levitação em que acertaste mesmo na pança do Semedo, um gajo fica pi ou até tri-urso quando o sapato está, como dizem os bifes, no outro pé.

Ainda assim não levo a mal a carreira que tiveste na nossa némesis vermelha e desejo-te boa sorte, Nepomuceno. Os teus jogadores são maus mas tu tens boa vontade e pareces gostar do que fazes. E aí, talvez longe da média portista, dou-te os meus parabéns pela carreira que tens vindo a fazer. Afinal, sempre tens mais pontos que o Sporting em 2011 na nossa Liga. E por muito que tal não seja particular motivo de orgulho, com a matéria-prima que tens à mão, é obra.

 

PS: É impossível não gostar do nome do homem. Se alguma vez pensasse em comprar um cão (acto que tem o mesmo grau de probabilidade de me fazer sócio do Real Madrid ou do Benfica, por muito boas que as piscinas fossem), seria esse o seu nome.

6 comentários

  1. Caro amigo,

    Como tive oportunidade de confidenciar via twitter, segui a partida através da transmissão de um canal romeno, o que transformou a experiência em algo memorável.

    Os romenos gostaram ou identificaram-se com o jogo.Não estranho.

    Eu estava para ver a resposta do Braga e o festival do “pode ser” antes de um Braga-benfica. Com o Mozer pelo meio a coisa prometia estar ao nível de um Oliveirense-Leixões de há dias. Não foi tão épico mas teve os seus momentos.

    O Braga podia ter vencido o jogo sem grande dificuldade. Faltou frescura nas pernas, clarividência no último passe e no remate, aquele “bocadinho assim”. Alan e Ukra bem tentaram, mas faltava sempre qualquer coisa.

    A Naval acabou o jogo com uma enorme oportunidade, mas nem sempre a sorte cai do céu, espero que desçam de divisão e não voltem.

    Um clube sem adeptos e sem razão aparente para conseguir estar numa divisão profissional.

    O ambiente em Braga não deve ser o melhor, mas não encontro razões para o que lá se passa, espero é que vençam o jogo no próximo fim-de-semana.

    http://thebluefactoryofdreams.blogspot.com/

  2. Não sei se foi o Cajuda a criar essa ideia do cão Mozer, mas a tua mensagem lembrou-me bem as palavras desse canídeo algarvio no fim de um Naval-Benfica…a dizer que lá em casa era tudo Benfica..até o outro cão que não tinha podido estar presente no Magalhães Pessoa.

Deixar uma resposta