Baías e Baronis – Paços de Ferreira 1 vs 2 FC Porto

A Mata Real estava fria, húmida e escorregadia, como um pneu careca deixado ao relento em Mirandela. Ainda assim, com uma estranha percentagem de cabelos recentemente aparados, os nossos rapazes bateram-se contra uma das piores equipas do campeonato com vontade de ganhar e de viver mais um dia na única competição profissional de futebol em Portugal que ainda não conquistamos. Podemos alhear-nos da luta pela Taça da Liga, mas se continuarmos a enfrentar os jogos da forma que fizemos hoje à noite em Paços, não há motivo para não conseguirmos pelo menos chegar até às meias-finais e quem sabe dar de novo um saltinho até ao Algarve com a esperança de poder trazer o bicho para o novo museu. Alguns pontos fracos mas uma larga maioria de notas positivas, num jogo que durante largos períodos me fez lembrar algumas partidas das épocas de Jesualdo: alguma atrapalhação, transições rápidas e a tentativa de chegar mais depressa do que era necessário a um patamar de segurança. Enfim, vencemos e bem. Vamos às últimas notas de 2011:

 

(+) Cristian Rodriguez Esforçadíssimo o nosso Cebola hoje à noite, marcou o primeiro golo com alguma sorte mas tentou todo o jogo ajudar a equipa e acabou por ser bastante mais produtivo do que é habitual. Continua a ser dos poucos extremos que não consegue passar pelo lateral que enfrenta (está quase na fronteira da desonestidade intelectual fazer esta comparação, mas notam a diferença para Hulk?…) mas hoje compensou com um jogo mais prático, mais eficaz e acima de tudo menos trapalhão.

(+) Djalma Começa a ser uma boa opção para o lugar que tem vindo a ocupar, especialmente pela versatilidade que permite ao treinador fazer uma aposta de ataque com a saída de Maicon (pela segunda vez consecutiva) e a passagem do angolano para a lateral direita, a fazer lembrar uma espécie de Duda (o que vendemos ao Boavista) a correr pelo flanco. Nunca desiste e apesar de dizer que é trapalhão é um claro nivelamento por baixo, a verdade é que por vezes dá jeito ter um rapaz destes no plantel, que dá sempre o litro e que força a que o lateral fique retraído com receio da flecha lhe passar ao lado. É, para tirar quaisquer dúvidas, o nosso Mariano Africano.

(+) Alex Sandro Já gostei mais do puto, apesar de ainda ter bastante a aprender. Excelente tecnicamente, sobe muito menos que Álvaro mas fá-lo com a bola controlada com os dois pés inclusivamente (oh Deus) para o centro do terreno sem a perder, algo estranhíssimo de ver num lateral esquerdo do FC Porto desde os tempos de Rui Jorge. Precisa de trabalhar nos cruzamentos mas nota-se que há ali talento, resta saber se vai continuar a jogar apenas nos jogos das Taç…perdão, esqueci-me que já fomos à vida na outra…da Taça da Liga ou se o vamos ver mais vezes como titular no campeonato.

 

(-) A insistência na bola rápida Não há portista que resista à quantidade de passes alados que foram parar à bancada hoje à noite. Ainda por cima sem qualquer necessidade, porque o jogador que optava pelo ataque aéreo lateral, fosse Otamendi, Mangala, Belluschi, Maicon ou outro, tinha melhores possibilidades de sucesso num passe curto, mas escolhia quase sempre uma bomba para lançamento a favor do Paços. Sei que os nossos não jogam de azul-e-grená e não são patrocinados pela Qatar Foundation. É verdade que aquele jogo de toca e roda não é para todos, mas preocupa-me perceber que apesar de haver uma atitude trabalhadora porém tranquila, a opção acaba por ser a bola pelo ar um número absurdo de vezes quando os passes simples são a maneira mais indicada para manter o jogo controlado e a bola longe do adversário. E ainda assim acabamos com 57% de posse de bola…

(-) Varela Onde está o Varela lutador que não desistia de uma bola quando cá chegou no Verão de 2009? Não faço ideia, mas o número 17 que hoje em dia se passeia pelo relvado não é o mesmo rapaz. Lento, sem alma, sem aquela vivacidade que me enfeitiçou desde que cá chegou e que tem vindo a perder há muitos meses. Seja por motivos pessoais, lesões, opções técnicas ou simplesmente por desmotivação, a verdade é que em qualquer posição que Varela jogue não parece neste momento conseguir render um mínimo exigível para ser opção para qualquer treinador e num ano em que Portugal vai jogar a fase final do Campeonato da Europa, Varela tem de subir a produção em grande escala para voltar a ser escolhido por Paulo Bento. Palpita-me que é um jogador que pode vir a ser emprestado em Janeiro para jogar com regularidade.

(-) Kleber As palavras “Luta, Kleber!!!” saíram da minha boca vezes demais e com a maior das facilidades. O rapaz pareceu sempre estar no sítio errado no momento errado e esteve tão ausente do jogo que pensei durante alguns minutos que estava lesionado e a ser assistido fora do campo. Pobre no controlo de bola e na movimentação, foi na lentidão das suas acções e na forma como demorava a pressionar guarda-redes ou defesas contrários que mais me desiludiu. Temos de decidir de uma vez por todas se chegará optar por ele a titular num tipo de jogos destes em que o meio-campo está remendado (com Varela a jogar como médio volante nunca mais, por favor), porque não é Lisandro nem Jardel. Nem sequer chega a ser um Farías. Neste momento, se as bolas não lhe chegarem direitinhas e só seja preciso encostar para a baliza…não consegue fazer muito mais.

 

Com maior ou menor dificuldade, lá levamos a água ao proverbial moínho e limpamos o jogo teoricamente mais difícil desta fase da Taça da Liga. Tive alguma pena de não ter visto Iturbe ou até Vion e Tiago Ferreira, mas a postura de Vitor Pereira, apesar da substituição de Souza por Fernando ser claramente conservadora, mostra que até numa competição que estamos ostensivamente a aproveitar para rotação de jogadores, o resultado é que manda, os pontos é que imperam. Fomos honestos e trabalhadores e saímos de Paços com a vitória e estamos bem lançados para vencer o grupo e seguir em frente. Será este ano que conseguimos vencer o caneco? Lá para Fevereiro voltamos a falar…

15 comentários

  1. Permita-me discordar de apenas um “baía”.
    Contra o marítimo e ontem com o paços, o djalma a lateral direito abriu uma avenida naquele setor, onde avançados do marítimo e do paços correram por ali livres, lépidos e fagueiros sem que o lentíssimo otamendi conseguisse correr atrás deles.

    Esta nova invenção de vitor pereira ao ataque é ótima, mas quando levamos contrataques, é suicídio.
    Djalma não volta a tempo e otamendi pelo que se vê, não tem velocidade para acompanhar os avançados e fica ali um buraco onde os gajos correm com a bola até a cara do guarda-redes sem ninguém a incomodá-los.

    Abre o olho vitor pereira!!!

  2. Já agora, varela na época passada fazia um bom jogo para cada 10 inoperantes, displicentes ou irritantes.

    Nesta época, nem consegue manter a média, já que joga sempre da mesma forma displicente, inoperante e irritante, e pelo mesmo caminho segue kleber, que em 6 meses ainda “não se achou” em campo, mesmo tendo garçons de altíssimo nível a serví-lo em bandeja de prata como hulk, moutinho, álvaro ou james.
    É tempo a mais, na minha opinião.

    Ou seja, na 1ª parte jogamos com 9, já que kleber deu o passe para o 1º golo e mais nada de útil fez nos restantes 88 minutos em que esteve em campo.Varela nem isso conseguiu fazer.

    E quando pensei que iturbe ia ter seus 15 minutos de fama, entra fernando para garantir o resultado…

    Quando é que vamos ver iturbe jogar à sério?

  3. enorme Jorge, caríssimas(os),

    devido a « cenas que me assistem », estarei ausente nos próximos (longos?) tempos. portanto e até ao meu regresso:

    votos de Boas Festas! e de um próspero Ano Novo de 2012!, para todas(os) vós e para os que vos são mais queridos! :)

    e não esquecer que:
    somos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todos vós! ;)

    Miguel | Tomo II

  4. Bom dia,

    Ontem o FC Porto cumpriu a sua obrigação, vencendo em Paços de Ferreira.
    Agora nesta competição teremos 2 jogos em casa que nos permitirão atingir as meias finais.

    Iniciamos bem o jogo com o golo nos primeiros minutos, mas o Paços equilibrou e de bola parada chegou ao empate.
    Face às mudanças no trio de meio campo, a primeira parte foi algo enfadonha.
    Valeu a luta de Cebola e a criatividade de Belluschi.

    Na segunda metade com a correcção tática, após a entrada de Moutinho, voltamos ao domínio da partida.
    Depois com a entrada de Hulk, foi com naturalidade que alcançamos a vitória.
    Hulk entrou muito bem na partida, tendo causado imensos desequilíbrios. Um deles acabou em penalti, muito bem convertido por Hulk.

    Destaque para as exibições de Cebola, Belluschi e Hulk no ataque.
    Souza no miolo também fez uma boa partida.
    Mangala e Maicon estiveram uns furos acima dos seus colegas de sector.

    Realçar o fantástico apoio dos adeptos num jogo a meio da semana.

    Agora vamos entrar no curto período de férias, que coincidirá com a reabertura do mercado.
    Todos desejamos um ponta de lança ao nível das nossas ambições.

    Abraço

    Paulo

  5. Bom dia,

    ontem não tive a possibilidade de ver o jogo, então resolvi vir dar a espreitadela habitual a dois blogs que sigo habitualmente, este e o reflexão portista e após ler cada um deles, fico com a ideia que viram jogos diferentes, mas o que retiro disto é que afinal precisamos da taça da liga e estamos agarrados a ela como nunca tivemos(não é bom sinal), e que ao menos estamos bem mais esforçados que à mês e meio atrás, e isto é o Porto, quando a nota artística não sai, sai a transpiração, a convicção, o querer e nessa altura lá vão saindo os resultados que depois nos permitem ir jogando cada vez melhor e com mais confiança. Este ano já batemos no fundo, agora a esperança é que seja sempre a subir no reino do dragão e que acabemos a época em altas.

    Um abraço e boas festas.

    Miguel.

    1. cada qual vê o jogo à sua maneira, não concordo com a avaliação ao Alex Sandro, acho que esteve bem e o facto de custar 10 milhões de euros não é culpa dele. nem o empolamento que se faz sempre ao Iturbe não jogar. Vitor Pereira leu bem, percebeu que o jogo estava para ser ganho e quando o Souza se queixou, meteu o Fernando à pressa. não vejo qual é o mal, sinceramente :)

      abraços e boas festas,
      Jorge

    2. Miguel, em primeiro lugar, boas festas para si (e para todos os restantes)
      Depois deixe-me só dizer: – O que o homem disse é que não era a prioridade. A prioridade é o campeonato. – Não vejo onde isto possa ser mau ou estar mal explicado. Infelizmente alguns adeptos do porto já só sabem pensar pelas palavras dos jornais, os quais, como toda a gente sabe, só nos querem mal, e deturpam ou exageram a intenção das palavras que o VP profere. – Todos os jogos são para ganhar,óbvio, mesmo os que não são de competições prioritárias; essa é a mentalidade!
      Nós não precisamos da taça da liga, precisamos dos jogos da taça da liga; precisamos é de ter os jogadores a jogar, e de dar vez aos que jogam menos! O Bracali com certeza que quer jogar mais jogos, assim como o Iturbe que espera estrear-se a titular num jogo no dragão. Estes jogos são para eles, e para os que não devem ficar parados. Os Moutinhos e Hulks…

  6. Final é em Coimbra outra vez, Kléber nem vale a pena falar mais e Otamendi… fica para os que exigiram que fosse lateral-direito porque parece que o viram jogar no Mundial com o Maradona a destreinar mas há gajos que percebem disto aos quilos, enfim mais do mesmo.

    1. o costume, zé, já me habituei. se o Danilo lá conseguir jogar e o meio-campo estabilizar depois de Defour voltar a ser alternativa, pode ser que tenhamos dois flancos ofensivos em condições. até lá, contento-me com um esquerdo forte.

      abraço,
      Jorge

  7. reinemargot, por não ler jornais frequento estes blogs para me manter informado acerca do clube, e com opiniões de quem vai muitas vezes ao estádio(não posso devido à distância) e que não recebe dinheiro para construir pseudo-criticas, prefiro ler os artigos de quem escreve estes blogs e de quem comenta e que muitas vezes esteve no estádio. Tal como Inglaterra, esta competição deveria servir mesmo para as segundas linhas dos clubes da primeira liga jogarem e tentarem mostrar o seu valor em competição, eu quero ver o Vion, ou o Tiago Ferreira etc, o Hulk, Moutinho etc são jogadores a mais e assim desequilibra um pouco uma competição que serviria para dissipar um pouco as diferenças entre os maiores clubes e os outros, ainda para mais não havendo equipas B para esses mesmos jogadores rodarem.

    Uma pergunta, será que ainda teremos um cheirinho do que o Cristian Rodriguez já foi??

    Um abraço e boas festas. Na esperança de em breve poder ir ver um jogo ao nosso estádio e celebrar uma vitória no meio de adeptos do porto, visto que as celebrações por aqui são sempre no meio de boas pessoas, mas sempre cheias de azia:)

    Miguel

Deixar uma resposta