Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 1 Setúbal

“Estou? Sim? É o FC Porto? Olá, viva, daqui fala a Realidade. Exacto, essa mesma. Calma, tenha lá calma, era só para lembrar que estão com os pés elevados há tempo que chegue e que era prudente abaixar as gâmbias para ficarem um bocadito mais…vá, normais. Não leve a mal, a sério, mas há alturas em que parece que estão a colocar os acabamentos todos catitas e pode – não estou a dizer que é, apenas que pode – ser que ainda falte erguer as paredes. E os alicerces também. E as sapatas. E os prumos e por aí fora. Sim, isso. Ah, muito bem, estamos de acordo. OK, logo combinamos para daqui a quinze dias e voltamos a falar nessa altura, pode ser? Impecável, um abraço!”. Notas, já abaixo:

(+) Brahimi. Acabou o jogo exausto, furioso com o mundo, a vida e a relva, frustrado por um resultado que não correspondeu ao que fez em campo. É terrível olharmos para o campo e pensar que Brahimi, como Deco, Quaresma, Hulk e tantos outros, é “o” gajo para quem os colegas olham quando constroem lances de ataque mais rápidos e directos. E Brahimi recebe a bola seja aos oito ou aos oitenta minutos e espera-se que consiga ter o mesmo discernimento e a mesma explosão na forma de executar. Muito fez ele durante todo o jogo e tentou, quase sempre com pouco ou ineficaz apoio, furar a defesa do Setúbal. Raramente conseguiu mas foi dos jogadores mais activos da equipa e não se podia pedir mais.

(+) O golo, de Óliver a Corona. Sublime. A forma como Óliver recebe a bola nos pés, olha para cima e envia a bola por cima dos defesas para o remate perfeito de Corona. Juro que no estádio fiquei a pensar: “Oh homem, tanta força, o Soares não chega lá e nao está ninguém do outro lad…” …e depois vi o Corona. Sim, eu não vi o Corona de uma posição elevada na bancada. Mas Óliver viu, no meio dos corpos e das pernas todas na frente dele, com a bola a rolar e a pressão dentro da área. Não é para todos, não senhor.

(-) Ansiedade. Há duas diferenças muito grande entre este jogo e os diversos jogos que o antecederam: em primeiro lugar, estava em jogo o primeiro lugar; e segundo, a bola não entrava. Os jogadores entraram em campo com o intuito de resolver depressa e despachar rapidamente o adversário e nunca conseguiram acalmar o jogo de uma forma consistente para que a estratégia conseguisse ultrapassar a anti-estratégia (mais sobre isto, bem mais, ali em baixo) do oponente. E foi notória a forma ansiosa, nervosa, aos tremeliques, que a equipa viu os minutos a passar e os lances perto da baliza do Setúbal a acumularem-se sem que se conseguisse enfiar uma lá dentro. Se pensávamos que o excelente golo de Corona podia ter acalmado o povo, a verdade é que o golo que sofremos foi um murro do qual a equipa não mais recuperou e que obrigou a que o desespero tomasse conta dos jogadores, que se deixaram enredar no cinismo do adversário e na sua própria incapacidade de escolher o melhor caminho para chegar à baliza contrária. A verdade é mesmo esta: podia ter sido um jogo como o que aconteceu contra o Rio Ave, onde recuperámos a desvantagem e conseguimos sacar os três pontos. Não foi porque a bola não entrou quando podia ter entrado e porque nos enervámos demais por causa disso.

(-) Danilo. Talvez o pior jogo do ano para um dos melhores jogadores do campeonato. Complicou demais na fase de construção e foi talvez aí que começámos a não conseguir ganhar o jogo, porque no esquema que Nuno apresentou hoje, semelhante ao que já fez em várias partidas, é pedido a Danilo que consiga ser mais vertical e assim faça esquecer o facto de haver apenas um médio de construção. Não conseguiu e a falta desse elemento volante no meio-campo (habitualmente André^2) fez com que o trinco tivesse de levar a bola para a frente mais metros do que é necessário. Somando a isso, teve um jogo trapalhão, com várias hesitações e alguma incapacidade de cobrir o terreno do costume com a habitual eficácia. Foi um mau jogo que veio na pior altura.

(-) Setúbal e o anti-jogo. A dada altura comecei a desejar que alguém tivesse a coragem de ficar “full Joe Pesci” durante o jogo e pegasse num pau, entrasse no campo e rebentasse as rótulas do Bruno Varela e assim provocasse de facto uma lesão que os médicos pudessem tratar, porque a quantidade de vezes que o jogo esteve parado para assistir lesões fantasma do guarda-redes e dos seus muitos seguidores morais que hoje estiveram no Dragão foi qualquer coisa que deve ter dado para bater recordes. Compreendo, como qualquer pessoa que vê futebol há muitos anos, que equipas pequenas tentem gastar tempo para acalmar o jogo dos maiores, mas não entendo como é que esse é o foco primário da estratégia para um jogo de futebol. Foi nojento e os doze minutos de descontos (cinco na primeira, sete na segunda) foram poucos para o que hoje se viu no Dragão. Estimo, do fundo do coração, que o Setúbal precise de ganhar um jogo para se manter na Liga e encontre uma equipa igual do outro lado. E que, perdendo o jogo, desça de divisão, com todos os seus jogadores a chorar em pleno relvado enquanto são atingidos por sacos cheios de estrume em chamas arremessados pelos adeptos que entretanto invadiram o relvado. E que afundem o clube com eles, de uma vez por todas.


Depois de tudo ter mudado, nada mudou. Continuamos em segundo e temos de ir ganhar à Luz. A pausa das selecções afinal pode ajudar, ou não. Seja como for, nunca mais são daqui-a-quinze-dias!

10 comentários

  1. tudo joia mas a mim pareceu me falta de estofo so isso, dos jogadores e do treinador. Entramos a dormir, marcamos na altura certa, partimos para a segunda parte ainda a dormir mais, os jogadores nao interiorizaram a importancia do jogo e acagaçaram se,. layun nao e jogador em lado nenhum, corona marcou o golo, brahimo voltou a agarar se a bola em demasia, os laterais nao conseuem ir a linha, se danilo estava a jogar mal e com o tipo de equipa como o setubal porque nao substitui lo, nuno e um tipo porreiro e nao sabe intervir no jogo. Tivemos azar ?? sim!! mas procuramos o azar com todas as forças. Ja agora para que serve um avançado tipo asilva?? para trabalhar para a equipa? para defender?’ depois falha golos de baliza aberta. Para que entrou o belga?? rui pedro nao daria muito mais jeito, nao empolgaria mais?? CONCLUSAO NAO REVELAMOS ESTOFO ESSA E A VERDADE, so faço votos que demos a volta por cima ou nem em segundo ficamos.

  2. Hoje experimento um sentimento novo. Tenho 37 anos e vejo e tento entender o jogo de futebol à vinte e muitos… Nunca, mas nunca mesmo, tinha vista o Porto falhar uma tão clara oportunidade de ficarmos isolados num campeonato numa altura tão decisiva como esta. Depois de um período negro de 3 anos, estarmos praticamente no ultimo terço do campeonato com 50 mil nas bancadas, um registo de 9 vitórias seguidas, numeros excelentes, o rival na noite anterior a perder pontos…. O que é que a equipa do nosso amado clube faz?! Não aproveita essa oportunidade. Falha de maneira absolutamente rotunda. Repito ROTUNDA. Fiquei mesmo muito desiludido, MESMO. Sei que a palavra vergonha é forte e não deve ser usada de forma leviana, mas estava a ver o jogo na segunda parte e aos 90 min assolava-me um sentimento de… vergonha. Foi como que eu, adepto do clube e desta equipa, tivesse que prestar contas com o passado glorioso recente do clube e tivesse que explicar aos homens que fizeram esse mesmo passado, o porquê de 11 índividuos equipados de azul e branco, tão pálida imagem estavam a dar do clube e de si mesmos numa altura em que o que se pedia era garra, atitude, planeamento e sagacidade. Um jogo de futebol tem 90 min mais os descontos, e não consigo entender o porque da pálida imagem no segundo tempo desses 90 min. 45 minutos MISERÁVEIS. Mesmo antes do golo do Setúbal, dei por mim a perguntar o que se estava a passar para o Porto desde o inicio da 2ª parte estar a trocar a bola junto à nossa àrea de maneira nervosa, reciosa e sem objectividade. Parecíamos meninos perdidos e nervosos. Um display de amadorismo inacreditável. E como eu adivinhava, logo a seguir veio o empate. Cereja em cima do bolo, mas ao contrário…. Vi jogadores cuja face transparecia medo. Repito, MEDO. Jogadores a passarem a bola e a engolirem em seco. O nosso treinador absolutamente inconsequente, sentado no banco, com uma expressão de pânico como eu nunca tinha visto. Aos 80 e tal minutos existe um close-up em que o NES está visivelmente assustado a roer o lábio e a englir em seco. Mas que é isto??????!!!!!!!!!! A preparação mental para o jogo foi feita como devia ser??!!!. Será que esse conceito anda ausente dos livros dos responsáveis técnicos????!!!!!! Parece que sim. Dá a sensação que até mesmo antes do empate a roupa interior dos nossos jogadores estava cheia daquilo que os bebés fazem na fraldinha. Que pálida imagem demos ao País… Somos motivo de GOZO. Estou absolutamente desiludido. Sinceramente não sei como é que depois de hoje posso acreditar que temos estofo para sermos campeões. Aliás, se numa frase tivesse que resumir quase tudo o que se passou hoje, diria que o Porto mostrou que não tem estofo para ser campeão. Ponto.

  3. Danilo estava exausto, não foi só a saída de bola, chegava tarde a todos os duelos e muitas vezes ficava pregado à relva em vez de ocupar o posicianmento que lhe compete, competia também ao treinador ter verificado tal situação e compensado com Ruben Neves o meio campo da 2@ parte, acredito que seria bem mais importante que o Depoitre ou mesmo o Jota. Não percebi como o Nuno mantecve o meio campo sem perceber que o problema mais que na frente de ataque estava na fraca reacção à perda de bola, que poucas vezes permitiu sufocar o adversário e forçar erros defensivos ou desiquilibrios posicionais.
    Com descanso e cabeça fria acredito que temos equipa para vencer na Luz o Benfica, seria optimo que não jogasse Fejsa e jogasse 90mins o Luisão.

  4. O Porto adora ‘dramatic wins’… so pode… quer is a Luz vencer o camponato, nao podiam deixar de puxar uma Kevinzada noventa e dois… tinha mesmo que ser com drama.

    Bahhhh, incompetentes com anticorpos anti-soro campeao.

    Vou jogar Football Manager e volto na proxma epoca.

    Fica aqui desde ja a promessa de que se vencermos na Luz eu ofereco ao Jorge um tour museu+estadio no valor de 10 euros… porque eu ja atirei a toalha ao chao.

    Chamem-me fraco, desistente… eu so nao quero e ser masoquista.

    Um abraco

  5. so podia dar nesta merda o jogo nao tivemos pernas para a segunda parte porque no jogo contra a juventos e aos noventa e tal corria-mos que nem loucos para nada mas com um treinador cagao nao ganhamos nada tirar o andre para meter o depoitre nao percebi

    1. Já existe comprimidos para os olhos para ver corona.
      Não será melhor Twittar ao trump para ele erguer uma parede em torno da fábrica dos comprimidos,se chega aos estados o comprimido para a corona lá vão as outras marcas de virolas americanas.

Deixar uma resposta