Baías e Baronis – FCP vs Vitória Setúbal


(foto retirada do MaisFutebol)

Um jogo que se adivinhava fácil e acabou por ser mais que fácil, levando os 30 e tal mil espectadores ao mais puro tédio, só ultrapassado, no meu caso, com algumas conversas sobre o próximo jogo do campeonato, contra uma equipa que joga de vermelho e que não me lembro agora do nome. Enfim, vamos às notas:

BAÍAS
(+) Varela, mais uma vez. Esteve dinâmico, vivo e a impôr o respeito dos adversários e dos adeptos que já mostrou merecer. É, juntamente com Fucile, o jogador do FC Porto em melhor forma, e pode ser muito importante para a próxima semana, na Luz.
(+) Fucile é um jogador que agrada a qualquer portista e garantindo alguma imparcialidade, a todos que gostam de futebol. Quando não inventa e se perde nalgumas displicências que já foquei no passado é um homem de fibra, garra e que não desiste de nenhum lance, lutando até ao último segundo. Até sair, para descansar, foi dos poucos que tentou sacar alguns aplausos do público.
(+) Farías continua a marcar. Há coisas que não se explicam, como a falha dos centrais do Setúbal que lhe colocam a bolinha nos pés, mas o que é certo é que o argentino a mete lá dentro quase sempre que pode. Também é verdade que se tiver de ganhar a bola com luta não tem hipótese, tal é a falta de força e de velocidade, mas se marcar sempre que tiver hipóteses, como tem vindo a fazer…já vai chegando.
(+) Belluschi esteve bem e merecia marcar. Apesar de continuar a falhar bastante no último passe, tem contra si o facto de ser dos poucos que tenta de facto efectuar os passes de morte para os avançados e isso leva habitualmente a um rácio mais baixo de produtividade. Rematou várias vezes, acertou na trave e merecia marcar um golinho para levar para casa. Nota-se que começa a entrosar-se melhor com a equipa.
BARONIS
(-) O Setúbal é uma equipa fraca demais para estar na Liga Sagres. É frustrante ver que uma equipa que está a perder apenas por dois golos de diferença e enfrenta um adversário que é notoriamente um gestor de vantagens curtas…e não tenta sequer chegar-se à frente, para lá de um ou outro fogacho individual. É triste e é paradigmático da falta de qualidade da nossa Liga, onde perder por menos de três já não é mau. Manuel Fernandes, ao intervalo, disse aos jogadores para não serem ambiciosos porque arriscavam-se a ser goleados. Nem merece comentário.
(-) Marca Farías. Marca Varela. ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ. Compreendendo a lógica da gestão de esforço e de evitar lesões e dar algum descanso às pernas, não posso deixar de achar frustrante estar 65 minutos a ver uma equipa a trocar a bola no meio-campo em vez de tentar premiar os adeptos que lá se deslocam. Fraco.
(-) Rodríguez. Estou a apostar nele para o onze na Luz, especialmente pela capacidade de luta e de adaptabilidade táctica, mas o que ele tem feito é muito pouco para merecer a titularidade. Já o disse e repito, concordo com o meu amigo de Porta quando diz que é o único extremo no mundo que não consegue fintar um defesa. Está mais magro mas não chega.
Foi fraquinho mas o que interessava era mesmo a vitória. Três pontos no saco e um próximo Domingo que se prevê ardente. Boa semana para todos!

1 comentário

  1. Um jogo em toada de treino face às evidentes e conhecidas fragilidades actuais do adversário que menos embaraços nos deu, até ao momento.

    Gestão do plantel e esforço, compreensíveis e efectuados com inteligência. Construir o resultado primeiro e descansar depois.

    Justa e atenta homenagem do Professor Jesualdo Ferreira ao malogrado Pavão, marcando mais alguns pontos na consideração do universo azul e branco.

    Do próximo jogo, estou como o Professor, dar-lhe-ei a atenção que merece no timing correcto, ou seja, na habitual antevisão, não mais que isso.Afinal, quer queiram quer não, trata-se apenas e só do próximo jogo.(Todos os portistas entendem a mensagem de Jesualdo que perfilho a cem por cento)

    Um abraço

Deixar uma resposta