Baías e Baronis – Costa do Marfim vs Portugal




(foto retirada do MaisFutebol)


No primeiro jogo deste Mundial 2010 que de facto interessa para as nossas cores, foi uma exibição fraca, com muito medo, pouca energia e pouca audácia. Se colocássemos os rapazes de azul e branco podia ser uma típica crónica depois de um qualquer FC Porto vs Naval. Siga para notas, curtas e directas ao assunto:

BAÍAS
(+) Coentrão. Foi, sem qualquer contestação nem votos de meninas com a patareca aos saltos, o melhor jogador da Selecção. Empenhadíssimo, com fibra e garra, nunca fugiu ao contacto como a maior parte dos seus colegas, e se tivesse sido um pouco mais afoito no ataque teríamos causado mais perigo. Queiroz não o deixou subir muito com medo que Dindane fosse por lá fora, e o rapaz teve de se manter lá atrás, mas defendeu muito bem e sempre que se apanhava com a bola tentava fazer alguma coisa produtiva. Foi dos poucos.

(+) Meireles. Esteve acima do que pensava que estaria. Nota-se que está sem pernas para 90 minutos, mas tentou sempre lutar, apesar de continuar a não meter o pé quando deve.

(+) Tiago. Jogou pouco tempo mas o que fez, fê-lo com cabeça, com inteligência e com mais força que os colegas de zona.

BARONIS









(-) Lentidão e falta de audácia. Fizemos um jogo extremamente lento e previsível, sem rupturas no ataque, sem chama nem imaginação para penetrar a barreira dos 11 armários laranjas que estavam à frente. O que não entendo é mesmo a falta de energia na disputa das bolas! Porra, compreendo que os outros são mais fortes, mais práticos e mais enérgicos, mas se nem tentamos ir ao choque (o único foi Coentrão e depois Tiago), mais vale dar-lhes a bola logo ao início.



(-) Espaço no meio-campo. Quando subíamos com a bola, mal se passava o meio-campo e lá vínhamos para trás, bola ao Bruno Alves e desenrasca-te. Quando Yaya Touré ou Eboué pegavam na bola…seguiam alegremente sem pressão, sem choques, sem marcações…como felizes campistas a caminho da piscina. Enervou-me.

(-) Ronaldo. Excluindo o remate ao poste, que fez lembrar o golo que marcou ao FC Porto no Dragão, não fez nada de jeito. Foi eleito o melhor do jogo pelos votantes no site da FIFA. É esta gente que vota para o nosso Primeiro-Ministro, meus amigos.



(-) Paulo Ferreira. Não acertou UMA marcação, seja contra Kalou, Drogba ou o pedaço de relva que insistentemente o fintou durante todo o jogo. Muito mal.



Venha a Coreia. Pelo que vi hoje contra o Brasil, defendem como loucos e contra-atacam como pitbulls acéfalos. Cuidado, Paulo Ferreira…

9 comentários

  1. durante estes dias, podias mudar as notas para algo mais "selecção", menos estrangeiro.

    sugiro "futres" e "vados". que dizes?

  2. para manter a aliteração, tinha de ser qualquer coisa como "Ronaldos e Romeus", ou "Nénés e Nogueiras", mas é uma boa ideia. no próximo jogo mudo :)

  3. Olá Jorge.
    Queiroz descaracterizou Portugal. Pontapé para a frente e jogo directo não está nos nosso genes (Deco tem razão). Temos de ter a bola no pé, jogar mais perto um dos outros, fazendo mais tabelinhas e penetrações, nem que no final tenhamos de dizer "perdemos porque falhamos na finalização, mas dominamos o jogo todo". Isto ontem não aconteceu, e com os patadões pra frente sem passar no meio campo, vai ser difícil ganhar jogos…
    Cumps

  4. certo, não me lembrei da parte sonora da questão.

    nénés e nogueiras soa-me bem, por muito que ainda tenha pesadelos com o vado de número dez nas costas. é que não me consigo lembrar de alguém jeitoso com nome começado por V e que não te faça comichão.

    :)

  5. pensei nisso também, mas ocorreu-me que deveria usar nomes de dragões lusitanos, e por isso vai ficar "Futres e Folhas". sim, Folhas. o rapaz até se esforçava mas era uma bestinha :)

    se tiverem mais sugestões, força aí nos comentários!

  6. ainda me lembro de um célebre golo, nas Antas, penso que frente ao Marítimo, em rematou de fora da área – note-se! – com o pé direito ;)

    golaço ;)

    abraço

Deixar uma resposta