Tenho saudades do Boavista…

…porque gostava dos derbies da minha cidade. Isto de ver os derbies das cidades dos outros é muito bonito mas não tem a mesma piada. Mesmo sabendo que seja quem fôr que acabe derrotado será sempre uma equipa que dá gosto ver perder, assistir a uma jogatana contra a equipa das camisolas esquisitas (que é um eufemismo criado por estrangeiros para dizer que aquela treta de xadrez é feia como uma noite de trovoada) só para a ver a levar na pá dos nossos meninos de azul-e-branco é uma sensação que não tem igual. E não falo apenas pelo jogo da Luz, acontece-me o mesmo quando vejo o United contra o City, o Milan a defrontar o Inter, o Real frente ao Atlético, o Boca a lutar com o River ou o Tottenham contra o Arsenal. Ou tantos outros por esse mundo fora.

Tragam lá os rapazes de volta. Quero ganhar a alguém que jogue na mesma cidade que os meus.

5 comentários

  1. esse ninho de lampiões travestidos? esses traidores que foram mais uns a vergarem-se perante os de lisboa? Que depois viriam a dar-lhes o maior pontapé no c* da história.

    Mas mesmo assim fazem de campo de treino, quando o circo vem jogar com o único baluarte do Norte, ou não fosse o traste do Braga Junior o pseudo-presidente daquele pseudo-clube.

    Saudades do clube da rotunda? nunca. jamais. Insignificantes. Ratos.

    De ratos não reza a história.

    Só para relembrar um episodiozinho do rato Braga Junior ao serviço da Luz. Curioso ver o Noe Monteiro que é tem sido o correspondente lampião na Europa, que tanto nos atacou aquando dos apitos e derivados, nestas figuras perante o seu clube…

    Vale a pena recordar e registar.

  2. Por acaso nunca gostei desses tipos das camisolas aos remendos, mais por serem, quase todos, sobretudo anti-Porto e pró Benfica e Sporting. Acabando por serem os da laia deles a lixá-los, mas nem assim eles aprenderam…

  3. Tenho mais saudades do Salgueiral. Boavista, só se vier diferente daquele equipa de caceteiros que foi campeã com um futebol horroroso, com a cumplicidade da imprensa lisboeta, a ajuda do Valentão e dos árbitros.

Deixar uma resposta