De Ouro, claro!

“The reward for conformity is that everyone likes you but yourself”
Rita Mae Brown, escritora norte-americana

Custou a todos vê-lo sair. Muitos mantém sentimentos viscerais de traição e desprezo para com Villas-Boas, ele que levou a equipa a um nível competitivo fortíssimo e venceu quatro troféus num só ano. Desiludiu-me na altura mas compreendi as razões, só não concordei com o percurso que traçou.

O prémio é justíssimo e inteiramente merecido. E é assim que temos de continuar a ser, justos e correctos no reconhecimento do mérito. Porque não contem comigo para apagar luzes e ligar regadores, deixo isso para outros.

5 comentários

  1. Pois eu discordo totalmente, Jorge. Ganhar, muitos ganharam. Tal como o ABV, também o Franquelim, o Obradovic ou, principalmente o Moncho foram brilhantes e também o mereciam. E esses, foram verdadeiros portistas, não andaram a atirar areia para os olhos dos adeptos, para depois abandonarem o barco mesmo na partida deste.

    É preciso mais que títulos para se ser Dragão de Ouro. E quando soube desta notícia fiquei muito triste.

  2. Apesar da traição, acho impossível esquecer a época brilhante. 4 troféus, 5-0 aos gajos, remontada na casa dos gajos, enfim… foi muita alegria. Acho bem. Dragão de ouro ao homem. Eu aplaudo.

  3. Completamente de acordo. Este Dragão de Ouro é merecidissimo. Custou muito a “traição”, mas temos que analizar e ao contrário do Obradovic e do Mucho, o AVB ganhou cá dentro e lá fora e levou-nos a mais um titulo Europeu, para além das tunas de porrada que demos nas galinhas.

    Um Ano em que muito festejei e que andei com sorriso de orelha a orelha, e por culpa e mérito do merecidissimo Dragão de Ouro, AVB!

Deixar uma resposta