Baías e Baronis – CS Marítimo 0 vs 2 FC Porto

foto retirada de desporto.sapo.pt

A impressão que este jogo me deixa é de uma intensa ambiguidade. Por um lado a vitória é justa num campo difícil, com dois penalties limpinhos bem aproveitados ao contrário de outras situações (menos que o costume) de jogo corrido que não foram tratadas com a mesma eficiência que esses pontapés a onze metros sem barreira. Pelo outro lado, o meu lado mais cínico, fiquei com a impressão que o FC Porto fez o que pôde para não ganhar o jogo na Madeira, tal foi a quantidade de perdas de bola a meio-campo, facilitismos a meio-campo e a contínua saga do “porque é que o James raramente joga em condições quando entra de início?”. Mas lá conseguimos aguentar a não-muito-intensa pressão que nós próprios criamos, como tem sido há tantas jornadas e vai continuar a acontecer mesmo até ao fim, a não ser que o Rio Ave seja grande amiguinho. Vamos a notas:

 

(+) Hulk É impossível pensar no FC Porto 2011/2012 sem Hulk. Não só pelos golos e pela braçadeira de capitão que usa no braço, mas acima de tudo pela flexibilização táctica que permite à equipa e ao treinador que a gere. Hulk é o “joker” ofensivo que Vitor Pereira usa sempre em jogos onde prevê que a movimentação no ataque é essencial para que a frente criativa e finalizadora seja o mais versátil possível e fá-lo sempre ao abdicar do ponta-de-lança fixo para pôr Hulk a vaguear pela frente. E o homem faz sempre jogos esforçadíssimos, chega ao final das partidas a suar em bica e com um ar visivelmente desgastado mas é quase sempre o melhor em campo. Hoje foram mais dois golos mas em nenhum dos penalties foi ele o causador. Mas em várias outras jogadas (aquele falhanço do Lucho…) foi o principal elemento ofensivo do FC Porto por mérito próprio e que se notou ainda mais pelo apagamento de James e Varela. Ou seja, o normal. Se conseguirmos ser campeões, devemos o título em grande parte a Hulk.

(+) Lucho Concordo com Freitas Lobo: foi o melhor jogo de Lucho pelo FC Porto…desde Janeiro de 2012. Esteve empenhadíssimo, lutador nas bolas divididas, criativo nos passes longos, perfeito na construção de jogo e no equilíbrio do meio-campo, foi o elemento mais inteligente (esteve bem melhor que Moutinho hoje à noite) da equipa e se não tivesse falhado aquele golo feito depois de mais uma facada de Hulk na defesa do Marítimo, tinha sido o homem do jogo.

(+) Maicon Tentando-me alhear de mais uma sessão orgásmica do Freitas Lobo nos comentários durante a emissão da SportTV sempre que falava de Maicon, a verdade é que o brasileiro fez mais um bom jogo. Apenas uma paragem cerebral (quando hesitou entre atrasar ou não para Helton e viu o adversário a roçar a bola, quase ficando isolado em frente ao nosso keeper) durante o jogo todo e alguns excelentes passes a meia-distância que funcionaram como válvula para libertar a pressão na nossa área. Esteve bem, como tem sido hábito nos últimos tempos.

(+) Sapunaru Mais um bom jogo do romeno, a tapar as subidas de Ruben pelo flanco e a ajudar sempre ao meio quando era necessário. Não tendo sido tão interventivo no ataque como noutros jogos, não inventou na zona mais recuada e ajudou a manter a defesa com a estabilidade que era necessário. Esteve bem e safou-se do amarelo por isso está disponível para jogar contra o Sporting. Boa, precisamos de alguém que espete um murro no Insúa.

 

(-) O cagaço Começou com Vitor Pereira mas era evidente que se iria arrastar para o campo. A decisão de sobre-povoar o centro do terreno e deixar Djalma e Hulk na frente (com Lucho a aparecer no meio dos dois) não me agradou. É uma perspectiva resultadista e compreendo a necessidade de apelar ao realismo, percebo que na 28ª jornada não é altura para afirmar a grandeza de uma equipa e também consigo intuir que a capacidade autoritária de mandar no jogo depende directamente da força física e mental dos intervenientes no decorrer da uma partida…mas foda-se, Vitor, e se tivesses sofrido um golo? Um mau atraso, uma desconcentração, uma bola que foge das mãos…then what? Ias para a frente como uma locomotiva sem travões? Pois, eu percebo, mais vale dar a bola aos outros gajos e garantir que eles não podem causar perigo. Jogar como fez o Chelsea em Nou Camp, portanto. Mas a diferença é que o Marítimo não é o Barça. Pronto, Jorge, deixa lá isso, correu bem. Mas podia não ter corrido.

(-) James Estou farto. Palavra que estou. Se não queres jogar à bola durante noventa minutos, porreiro, mas não impeças os outros de o fazer, miúdo. E alguém me explica como é que um jogador com o talento que este rapaz tem para jogar futebol tem tanta dificuldade em manter a bola estável no relvado e o primeiro instinto dele quando recebe uma bola aérea não é o de a colocar parada na relva mas deixá-la a pinchar como uma miúda num trampolim?! Não percebo, palavra, e estou a perder a paciência com o puto, porque a produtividade tem de começar no momento em que o jogo arranca e não só quando lhe apetece. Não se chama Ricardo Quaresma e ainda não tem estatuto para isso.

(-) Briguel Já há vários anos que vejo futebol e já acho normal se de vez em quando me enervo com alguns jogadores adversários. Javi Garcia, João Pereira, Filipe Anunciação, André Leão, Nuno Assis, todos eles fazem parte de um grupo de “pet-peeves” meus, nos quais está incluído o actual capitão do Marítimo. Nutro tanta simpatia por este madeirense como pelo presente que deixei há pouco no vaso sanitário onde tive um alívio em formato sólido há alguns minutos e aposto que uma grande parte dos adeptos da bola partilham esta opinião. Não conheço o rapaz mas admito que seja um tipo porreiro fora do campo. Duvido, mas admito. Ainda assim, quando o vejo no relvado há algo dentro de mim que sobe à superfície e sempre que o gajo abre a boca, toca no peito, reclama com o árbitro, insulta os colegas, apetece-me ir a casa do João Pereira e pedir-lhe desculpa por tudo que já lhe chamei. Porque enquanto Briguel estiver em actividade no nosso futebol, é talvez o jogador mais sobrevalorizado da nossa Liga. E sabem qual é o mais engraçado nessa sobrevalorização? Toda a gente continua a achar que ele é uma merda de um jogador. Go figure. De qualquer forma, este foi mais um jogo à Briguel. Só fez borrada no flanco direito, deu pancada em tudo e todos, acertou em Varela, Moutinho, James, Hulk, Djalma, Lucho. Quantos mais viessem à frente e mais levavam. Os colegas Rafael Miranda ou Olberdam (no primeiro minuto, sem amarelo) fizeram o mesmo. E este monte de estrume tem a distinta lata de vir reclamar do árbitro, juntamente com o treinador? Não há ninguém que o encontre na rua e lhe mije na boca?

 

Estamos quase lá, minha gente. Um campeonato que não é fácil quando começa e que nós, fruto de muita parvoíce, más decisões e fracas performances, conseguimos tornar ainda mais complicado. Mas conseguimos também levantar a moral em alturas complicadas e este jogo no Funchal fez-nos passar a barreira do check-in para o controlo de segurança e estamos já com a porta de embarque à vista. Só falta mesmo chegar às escadas, escolher o lugar, ouvir o piloto a explicar sucintamente o plano de voo e…acabar com metáforas sobre aviação que já enjoa, sinceramente. Estamos quase lá, minha gente. Estamos quase lá.

8 comentários

  1. Boa noite mister,

    pois é, para mim valeram os 3 pts ganhos, o Hulk correu muito, mas sinceramente acho que se perdeu muitas vezes em complicações como tentar passar por 4 jogadores em vez de passar a bola, algo desnecessário para um jogador com a sua experiência e calibre.

    Não gostei, aliás, detestei o nº de minutos em que a bola viajou entre os jogadores do Porto pelo ar, irrita-me com alguns dos melhores pés da liga Portuguesa não ponham a bola no chão.

    Acho que a defesa esteve bem e sempre que possível não complicou, tb estranho a apatia do James quando entra como titular, pode ser algo psicológico ou sinal de algo mais.

    Tivemos algumas oportunidades falhadas (aquela do Lucho foi um grande coitus interruptus) que não se pode, simplesmente, falhar.

    Acho que vamos ter um grande jogo no Dragão na próxima jornada que, pode muito bem ser, o jogo do titulo. Assim o espero e a acontecer valida a tese “Qualquer treinador do Porto arrisca-se a ser campeão”, mesmo o Vitor Pereira.

    Uma grande noite!!!

  2. Bom dia,

    Ontem o FC Porto fez um jogo à campeão.

    Concentrado, com absoluto domínio da partida e o resultado só peca por escasso.

    O Marítimo limitou-se a recolher as linhas e esperar pela nossa possível ansiedade.

    Só permitimos ao Marítimo um remate perigoso, bem defendido por Helton.
    Por tudo isto, as declarações no final do jogo de Pedro Martins e Briguel, são absolutamente ridículas.
    Os penaltis assinalados são claros, e os dois que os insulares reclamam não são também claramente penalti.

    Das duas uma, ou foi um discurso encomendado pelo lambe-botas, ou os dois elementos que compareceram na flash interview têm menos inteligência que uma simples “pica no chão”.
    Na primeira parte o central maritimista deveria ter sido expulso, quando efectuou uma tesoura por trás em Hulk, um tipo de falta que ao prender a perna pode causar graves lesões.

    Os jogadores do marítimo jogaram sempre às pernas, e só a permissividade do árbitro permitiu que terminassem com 11.

    Fantástico jogo de toda a equipa. Defesa seguríssima, meio campo batalhador e ataque criativo, foram os condimentos para uma vitória justíssima que nos coloca a um passo do bi campeonato.

    Fantástica a presença da família portista no Funchal que apoiou a equipa para mais uma vitória.

    Bom domingo,

    Abraço

    Paulo

  3. Boas,

    Concordo plenamente com o “cagaço” negativo.

    Poderemos conquistar este campeonato, mas começamos a perder o próximo se mantivermos este intitulado ritmo de jogo, falta de agressividade, sem estratégia clara de esquema de jogo de ataque, tudo resumido a uma inércia de liderança oriunda do treinador Vítor Pereira.

  4. Vitória justa num jogo morno, com destaque para os quinze, vinte minutos iniciais em que o FC Porto foi forte e ambicioso, mas só fez um golo.

    Na segunda parte consentiu uma reacção do adversário, acabando por ser feliz para manter a vantagem. Sofreu por culpas próprias e só matou o jogo muito perto do final da partida.

    O título está mais próximo, convém no entanto manter a concentração e a ambição, para podermos fazer a festa que todos ambicionamos.

    Um abraço

  5. E um desce do tamanho dum elefante para aquele treinador do Marítimo? Arbitragem com dualidade de critérios? Será que está tão habituado a que o Porto seja roubado que quando o árbitro marca penaltys óbvios é um escândalo?

    Não é por nada, mas o Marítimo teve sorte em acabar com 10 e os penaltys foram claríssimos, sem sombra de dúvida. E não ponho as mãos no fogo pelo árbitro, lembro-me de uma ou outra falta no meio-campo mal assinalada, mas não foi concerteza sempre a prejudicar o Marítimo…

    E espero bem que não venha o convencido do Jesus treinar o Porto. Só faltava agora termos uma autêntica galinha sempre a mascar chiclet no nosso banco. Pelo que já disse e fez, por mim nunca punha os pés no nosso estádio (a não ser para levar 5-0 em cima).

Deixar uma resposta