Os Primeiros Trinta Anos de Pinto da Costa vistos da Bluegosfera

Bibó Porto, carago!

“As palavras são pequenas para glorificar a Obra e o Homem. Não há adjectivos, não há louvores que contemplem o merecimento do Dirigente, do Portista indefectível, do Dragão imperecível.”

Tertúlia Portista

“Jorge Nuno Pinto da Costa, ao longo de 30 anos, transformou o clube em termos de dinâmica de vitória, gestão de activos e revolução da marca. Hoje, o F.C.Porto é visto mundo fora como exemplo de êxito e fiel desígnio de que a atitude e o trabalho, são os ingredientes fundamentais para a conquista de vitórias.”

Café das Antas

“Não consigo apontar uma outra figura, para além das que dão chutos na bola, que tenha um cântico próprio duma claque!. Poucos presidentes se podem gabar de terem tal confiança por parte das massas adeptas, que a qualquer pergunta de resposta mais ou menos dúbia sobre os assuntos do clube, “o presidente é que sabe” esteja na ponta da língua. E, note-se, não é um mero “chuta p’ra canto”. O adepto tem verdadeira convicção de que o presidente é quem sabe! E os resultados provam que sabe mesmo. Um ou outro “tiro no escuro” que funcionam menos bem, mas c**alho, até o VP vai ser campeão. E isso é mérito do presidente.”

O Dragão

“Como era o FC Porto há 30 anos atrás? Era um clube convulso, como toda a sociedade na época, e que tinha guerrilhas internas, estava dividido e alimentado por invejas e mesquinhices. Ele pegou no clube e conseguiu unir o balneário em torno de um grande treinador e, com a ajuda de alguns miúdos saídos da formação, transformou-o num clube que rapidamente alcançou os patamares europeus: ao fim de dois anos chegou à final da Taça das Taças, ao fim de 5 anos ganhou a primeira Taça dos Campeões e desde então ganhar não passou a ser hábito, passou a ser norma!”

Dragão até à Morte

“Faz hoje 30 anos que Jorge Nuno Pinto da Costa foi eleito Presidente do F.C.Porto. 30 anos é muito tempo, um número redondo e o Dragão até à morte não podia deixar passar esta data sem fazer uma homenagem ao Homem que transformou o F.C.Porto e fez do clube nortenho um dos melhores do futebol europeu.”

Lôngara

“Não nos detemos naturalmente, aqui, sobre o mal dos outros, que com isso bem podemos nós, mas importa mais, para o caso, focar que toda a gente de boa-fé reconhece haver no F. C. Porto uma liderança forte. E o que os adeptos dos adversários diretos – e então os benfiquistas está-se até a ver – gostavam mesmo, pois não dizem alto mas pensam, é que gostariam de ter um Pinto da Costa no clube deles…”

Reflexão Portista

“O clube que recebeu nada tinha a ver com aquele a que ainda preside trinta anos decorridos. Jorge Nuno Pinto da Costa é não só a maior figura da História do F.C. Porto, como a maior figura do dirigismo desportivo português de todos os tempos e, sem dúvida, uma das maiores à escala planetária.”

Bafos de Dragão

“Três décadas a lutar contra interesses instalados, e vitórias decretadas por lei, Pinto da Costa sobreviveu a inúmeras batalhas, a dezenas de rivais, à perda de um amigo visionário que juntamente com ele iniciou esta aventura, a paixões inconvenientes e a ataques covardes para o descredibilizar e afastar do leme do seu clube.”

Sou Portista com muito orgulho

“é melhor ter um Pinto da Costa com estes defeitos todos mas que protege como nenhum outro o grupo de trabalho, a estabilidade e que além disso percebe muito de bola… do que ver o FC Porto transformar-se numa entrada e saída de treinadores, numa “sportinguização” como certos aventureiros presidenciaveis fizeram questão de demonstrar de que como seria o FC Porto se alguma vez chegassem à cadeira do poder”

Porto Unido

“Parabéns Presidente. Parabéns por marcares pela diferença neste país centralista. Parabéns por dares o peito aos sucessivos ataques vindos da capital. Parabéns por ajudares a elevar o nome do nosso clube e da nossa Cidade. Parabéns por projectares o nome de Portugal, mesmo que muitos portugueses não o mereçam.”

Portistas de Bancada

“Pinto da Costa merece os êxitos conseguidos e um dia terá a estátua merecida no Dragão; ou, como é imodesto, uma frase marcante, pode ser a da paixão, ambição, competência e rigor, mais ou menos assim, ou arranja-se outra para lá do “A vencer desde 1893”. Podia ser “Ganhar em Liberdade” que foi o fio condutor de mais uma Revolução portista – que o País centralista teme e abomina, mas já não trava – a dar uma lição ao Portugal do comodismo e absolutismo da capital em que desgraçadamente se centra.”

Tomo II

“trinta anos recheados de títulos – nacionais e internacionais – e em todas as modalidades, que não só (mas também e sobretudo) no futebol. também são trinta anos de tentativas torpes de adulterar um facto que é indesmentível: de que Pinto da Costa, símbolo vivo de um clube identificador de uma região portuguesa, é o presidente mais ganhador de sempre, não só no futebol nacional mas a nível internacional.”

 


 

Nunca tive outro presidente como sócio do FC Porto. E quando um dia tal acontecer, num futuro que espero com a ansiedade própria de quem não conhece o que ainda está para vir, tenho a certeza que não vou ter outro igual. Goste-se ou não do estilo, aprecie-se a autocracia, critique-se o despotismo, elogie-se a ironia, lamente-se a situação financeira…a única verdade inquestionável está na obra feita e nos títulos conquistados.

Trinta anos. É obra.

54 comentários

  1. Trinta anos… Muita obra feita, é verdade, e isso não se pode tirar. Infelizmente, os métodos utilizados não são os melhores. Mas hoje (ontem) não é dia disso, é dia de beija mão. É interessante ver uma imprensa desportiva inteira esquecer-se de um determinado processo, do qual ele PC apenas foi ilibado por pormenores processuais, onde ficou mais que provado o que já se sabia há anos: PC praticou corrupção para beneficiar o seu clube…

    Já agora, vejo um interessante pararelismo entre Porto e Sporting com este último caso: há uns anos atrás (muitos), a primeira reação dos portistas a essa corrupção foi de branquearem a situação pois era para defender o clube de inimigos exteriores. Interessante ver a mesma reação em muitos sportinguistas. Eh eh!

    Mas os títulos já ninguém vos tira, e daqui a muitos anos já ninguém se vai lembrar das falcatruas. Apenas do grande PC.

    Cumprimentos.

    1. um destes dias, quando os factos todos sobre tantos outros métodos vierem a público, vamos ter uma conversa. e vou fazer semanas seguidas de artigos no blog sobre isso.

      e não estou a falar de Pinto da Costa, como deves perceber.

      Jorge

    2. As pessoas em Portugal vão para a escola para aprenderem a papaguear, não aprenderem a pensar, e depois se alguém disser na tv ou escrever no jornal uma qualquer merda, todos repetem como sendo a verdade absoluta.
      Só lhe queria perguntar se acha que a Mercedes é corrupta?… Não? – Pois não! Ninguém no mundo diria isso.
      Acha que é coincidência ou apenas reconhecimento de uma marca de alta qualidade, todos os chefes de estado – fora os americanos – terem tido mercedes como carros oficiais ?
      Ou, será que houve ofertas, e trocas e facilidades de pagamento?
      Entre isso e corrupção há uma enorme diferença. A corrupção força as pessoas a decidirem num determinado sentido, não pelo dinheiro que recebem, mas por o que lhes acontecia se não recebessem…por serem o elo mais fraco.
      Para que perceba melhor, explico assim: – Ninguém chama corrupto ao Judas. Quando muito traidor. Ora, que fez Judas? Recebeu dinheiro em troca de informação! (So the bible tells us…)
      – Assim, não digo que o Sr Pinto da Costa não tenha oferecido presentes – “móveis” ou imóveis – que não tenha ajudado e favorecido. – Mas, isso, “amigo” Filipe, quem vende, seja borboletas de coleção, ou votos, fá-lo!
      Não me venha com lições de moral, quando a sua dor é de cotovelo…
      Todos oferecem presentes, todos tentam influenciar. Mas só um tem projeção e resultados.

      Já agora, o grande presidente Fernando Martins foi um santo? No “ica” e nos negócios?

      1. reine margot, papaguear na sua opinião. Eu limito-me a olhar para factos (factos!) e analisá-los. Se os outros são santos? Ninguém é santo…

        Quanto a essa explicação sobre corrupção e influências, foi interessante e engraçada. Em primeiro, não se nega nada. Pudera!… Em segundo, dar dinheiro, café com leite, ou fruta, a árbitros que arbitram os seus jogos, ou jogos de equipas rivais, entra em que categoria?

        Mas olhe, devo dizer que, sem qualquer ironia, gostei da sua resposta. Ao menos é honesta e sincera. Tem uma perspectiva diferente da minha, e não fossem alguns pormenores processuais, diferente também da Lei, mas é sincero.

        Já agora, deixo aqui uma frase interessante:

        «Há clubes que fazem tudo para vencer, para se autoproclamarem vencedores, e que transgridem as regras de forma obscena. Uma das coisas mais surpreendentes de tudo isto é a repetição nos nomes das equipas. São quase sempre as mesmas: Juventus, FC Porto…» – Santiago Segurola, director-adjunto do jornal A Marca

        1. … que curiosamente já pediu desculpas públicas pela obscinidade que proferiu, depois de o departamento jurídico do F POrto ter interposto uma acção judicial por calúnia e difamação públicas*

          * e tendo em conta que se baseou numa “fonte” (digamos assim) menos credível – o sr. Nuno Luz, à data correspondente para a agência noticiosa que também inclui o jornal (pasquim?) “Marca”

          1. Com uma ação judicial em cima, claro que pediu desculpa. A “guerra” não é dele… Aliás, se nem a justiça consegue, com as provas que tem, condenar, esse moço nunca o poderia justificar pelo senso comum.

            Quanto ao resto, o reine margot já referiu tudo. No final, aparentemente, é tudo uma questão de prespectiva.

            Cumps.

          2. @ Filipe

            «Aliás, se nem a justiça consegue, com as provas que tem, condenar»

            a pergunta impõe-se:
            qual Justiça?*
            1) a da “verdade desportiva” do ex-justiceiro-da-liga-e-para-todo-o-Sempre-venerado-na-Luz?
            2) a tua Justiça?
            3) a dos tribunais cíveis?

            *a pergunta é retórica, ok?
            (pois já sei a resposta de ante-mão)

          3. Essas perguntas são para inglês ver… Fui bem claro no que disse.

            Há provas, mas não houve justiça. Aliás, face à lei, tenho de concordarque houve. Mas sabe tão bem quanto eu que se as escutas tivessem sido aceites como prova, meu amigo, a conversa teria sido outra.

          4. @ Filipe

            e se a Procuradoria-Geral da República tivesse investigado a fundo as ecutas onde o seu (ainda) actual presidente foi apanhado a escolher árbitros, certamente que não teria tantas certezas sobre quem corrompe quem, o quê e quando.

            no fundamental:
            todos os clubes têm os seus telhados de crital e o seu não é excepção.

            ponto final, parágrafo, fim de história.

          5. Se não se importa, e como já respondi a esse argumento noutro local, deixo aqui a resposta que dei lá:

            “Mais uma vez, a repetir uma inverdade para justificar o injustificável.

            O tal tráfico de influências do Benfica (lol), era exatamente o mesmo “tráfico” de influências que vocês tinham, já que essa “escolha” era feita entre os vários clubes que chegavam a certo ponto da Taça de Portugal.

            Mas você sabe isso, tal como sabiam os dirigentes do Sporting e do Porto na altura, tanto que se limitaram a estar calados, pois não havia nada, NADA, de diferente para os seus próprios clubes.”

          1. Inverdade não é o mesmo que mentira… Não percebeu… O que relatou aconteceu. Mas nada do que disse atrás é desmentido ou refutado.

            Corrupção? …

            Mas pronto, à viva força quer-se imputar um caso de corrupção ao Benfica. Quando se não quer ver, não se pode obrigar.

            cumps

          2. @ Filipe

            eu não quero nenhuma “bicicleta”.
            aliás, de si, eu só queria um pouco mais de respeito para com a figura do presidente do clube do meu coração e do meu FC Porto.
            mas, constato que é pedir de mais…

            o que fica provado, nesta extensa troca de comentários, é que os “filipes” deste país tanto são os primeiros a atirar pedras aos telhados dos seus vizinhos como a bradar por “inocência” quando lhes são reveladas algumas verdades.

            no fundo, o Filipe é o exemplo do benfiquista crónico: não consegue assumir que o seu clube também tem pecadilhos e irrita-se quando o chamam à Razão.
            e ainda fica (muito) tenso quando, num blogue afecto à cor azul-e-branca lhe fazem ver que afinal a “verdade desportiva” tem duas faces distintas: a da 5lbtv e a da Realidade.

            Filipe:
            repito que, no meu entendimento e sentir de portista, o seu primeiro comentário foi insultuoso.
            reafirmo que não foi capaz de desmentir, com provas, que o presidente do seu clube foi apanhado em escutas, no âmbito do processo apito dourado.
            refuto a ideia de que só haja corrupção no Norte do País e que «o Sistema tem dois rostos».
            novamente recomendo que, antes de comentar em blogues portistas – mesmo neste – conte de mil para trás antes de fazer uma qualquer referência que seja ao quotidiano portista.

    3. Caro Filipe

      Proponho-lhe o seguinte: eu comprometo-me a publicar aqui uma referência em forma de link para um acórdão, no âmbito do Apito Dourado, em que um tribunal não iliba Pinto da Costa por pormenores processuais (“apenas” ou “de todo”) e o amigo publica aqui, por sua vez, uma referência em igual forma para um acórdão em que Pinto da Costa é ilibado apenas por pormenores processuais.

      Caso aceite o desafio, e se eu cumprir a minha parte, proponho que o amigo, de uma forma cordata e inteligente, se retrate do que aqui afirmou. Se, pelo contrário, eu não cumprir a minha parte e o Filipe cumprir a sua, eu passo a seguir a sua tese.

      Parece-lhe razoável?

      1. Parece-me bastante razoável, mas sei desde já que você fica a ganhar. Não percebo muito de leis, nem sequer tenho muito a pretensão de saber, por isso, quando falo de pormenores processuais, não sei se é a liguagem jurídica correta.

        Mas, a verdade, é que as escutas não foram aceites como prova. Eu chamo a isso um pormenore processual, mas a justiça poderá chamar outra coisa qualquer. E essas escutas são, mesmo assim, provas. Basta ouvi-las para o perceber.

        Mas se quiser deixar o link, esteja à vontade. Como disse acima, provavelmente não terei outro link para si. Mas os factos, esses continuam aí. E isso, nem você, nem eu, podemos mudar.

        Cumprimentos

        1. Caro Filipe, obrigado pela generosidade da sua disposição, mesmo antecipando um resultado que lhe parece desfavorável. Não é, e não será. O Filipe ficará a ganhar, porque todo o conhecimento é um ganho. Espero que acredite que o que escrevo a seguir inscreve-se igualmente na mesma matriz de generosidade, generosidade que só se pode ter com quem suspeitamos capaz de se alçar acima dos seus preconceitos.

          A minha parte do desafio: acórdão do Tribunal de Relação do Porto que confirma o arquivamento de uma acção no âmbito do Apito Dourado (eram várias ações, como sabe, e todas elas tiveram o mesmo resultado embora nem todas tivessem subido até à Relação, e as que subiram foram-no sempre por recurso da acusação).

          Duas coisas muito importantes para o Filipe apreender e que o ajudarão a corrigir a sua compreensão do que se passou (evitando, assim, continuar a repetir publicamente uma manifesta incorreção travestida de verdade): primeiro, a decisão de primeira instância e a confirmação da Relação baseiam-se na análise de matéria de facto aduzida pelas partes e não na discussão de pormenores processuais; em segundo lugar, e é muito importante que perceba isto, tendo em conta a sua réplica, as escutas foram tomadas e usadas como meio de prova. Aliás, outra coisa não se compreenderia uma vez que foram devidamente autorizadas por um juiz para os objetivos com que foram utilizadas (condição sine qua non da sua validade). Não podem é ser utilizadas fora do processo em que foram produzidas, por razões que poderia tentar explicar mais demoradamente mas que se podem resumir a uma expressão simples: isto não é o faroeste.

          Mais uma vez, agradeço a sua atenção e disponibilidade, e espero ter sido delas merecedor.

          1. Caro José. Já li. E realmente, devo retratar-me num ponto: as escutas foram aceites. Estava enganado quanto a este ponto. Mea culpa. No entanto, pelo que pude entender do texto, ficou provado que foram oferecidos serviços por PC aos árbitros, mas não ficou provado causalidade entre esses serviços oferecidos no dia anterior, e os erros de arbitragem dos agraciados por esses serviços no dia seguinte, dia do jogo Estrela da Amadora – Porto. Juntando à considerada falta de credibilidade de Carolina Salgado, a acusação não foi dada como certa, pela tal falta de causalidade.

            Digamos que é um pouco forçado (só um pouco…), mas enfim, o juiz decidiu, está decidido.

            Quanto à lei desportiva, essa já viu a tal causalidade…

            Cumprimentos

            PS: obrigado por esta oportunidade para me esclarecer sobre certos pontos. Foi muito interessante!

          2. Caro Filipe, por uma qualquer razão que o nosso anfitrião saberá explicar, tenho de “me” responder para manter a cadeia de comentários minimamente próxima. Na realidade, é a si que respondo.

            Creio que deve corrigir o seu entendimento do texto: não ficou provado que tivessem sido oferecidos serviços por PC aos árbitros.

            Citando o final da página 18 (entre outros):

            “De todo o exposto, poderá, assim, com segurança deduzir-se que Pinto da Costa terá sido informado das pretensões dos árbitros ora arguidos? De que esse pedido foi interpretado como contrapartida de favores de arbitragem? Como oferta desses favores? E de que os arguidos árbitros solicitaram os favores sexuais como contrapartida da alteração das regras do jogo? E que soubessem que esses favores eram prestados pelo FCP ou alguém a seu mando? Entendemos pois, como já supra referido, que não.”

            Não.

            Quanto à decisão da disciplina desportiva, também aqui o caro Filipe se engana (desculpe): não foi determinada qualquer causalidade entre as ofertas de favores sexuais e os erros de arbitragem a favor do FCP. Se tal tivesse acontecido, a pena teria sido a descida de divisão e não a subtração de 6 pontos. Mas isso são contas de um outro rosário.

            Cumprimento-o, porque sim mas também pelo tom distinto e paciente com que tem sabido acolher as contínuas precisões de um velho picuinhas.

          3. caro José,

            tenho deixado prolongar a torrente de comentários que este post inesperadamente produziu e agradeço-lhe a paciência e a clarividência com que apresenta os seus argumentos. tem sido um prazer lê-lo.

            quanto à resposta aos comentários ter de ser uma auto-resposta…não lhe sei responder. pela sequência pareceu-me ver uma continuação lógica dos comentários, mas posso investigar para tentar perceber a razão desse comportamento.

            de qualquer forma, por favor apareça sempre que lhe apetecer. e traga a retórica consigo, caro “velho picuínhas”!

            um abraço,
            Jorge

          4. Caro José. Agradeço-lhe eu, pois pude aqui ter uma conversa civilizada sobre um assunto sobre o qual temos opiniões e perspectivas muito diferentes. É difícil encontrar um blog onde se possa fazer. É também algo que abona o autor e gestor do blog, o Jorge. Está de parabéns.

            Quanto ao assunto, e para colocar uma pedra sobre ele, deixe-me dizer que, aparentemente, e como me mostrou, a justiça não considerou haver causalidade entre dois factos. Nem considerou, sem sombras para dúvidas, a intervenção de PC. Ok. Fiquei esclarecido quanto a isso.

            No entanto, e aqui já fora da esfera judicial, tenho o direito de pensar pela minha cabeça. E aqui agradeço-lhe mais uma vez a possibilidade de me enriquecer quanto a certos pormenores deste processo. E olhando para os factos lá descritos, é complicado perceber como este processo acabou como acabou… Está tudo lá… Mas, como disse em cima, o juiz decidiu, está decidido. E como tal, nada mais se pode fazer.

            Os meus cumprimentos, tanto a si, caro Jose, como a si, caro Jorge.

          5. Caros Filipe e Jorge, prometo terminar aqui o meu excurso por esta questão, hoje é dia de bola e a discussão sobre os problemas que nos manteve aqui reunidos deve voltar ao seu lugar devido para dar espaço às nossas paixões.

            Há uma outra razão que me aconselha, que me obriga, a não avançar mais. A todas as afirmações que o Filipe assegurou com a força da verdade, dos factos, do provado, fui respondendo com o que sobre o assunto tive o cuidado de me ir informando ao longo dos anos, cuidado proporcional ao meu interesse, como acho que deve ser sempre. Ao Filipe reconheço o esforço e coragem das suas retrações, mas este seu último comentário – não o entenda como reprimenda, por favor – entra no domínio do irracional e reposiciona a discussão por terrenos em que não pode ter mais a minha companhia.

            Ao Jorge, os meus parabéns pelo seu blog de quem sou desde há uns meses assíduo frequentador e admirador e as minhas desculpas pela ocupação que se tornou demasiado longa.

          6. caro amigo, por favor abstenha-se de pedir desculpas pelo enorme contributo que deu para o esclarecimento dos factos, era só o que faltava!

            quanto ao blog, obrigado por ler. faço o que posso e o melhor que consigo. e continua a ser um orgulho saber que há malta que gosta, lê e volta para ler mais!

            um abraço,
            Jorge

  2. @ Filipe

    ao teu “comentário”, repondo assim:
    «fala o roto do nú».

    antes de atirares bordoadas ao meu clube do coração, num sítio de referência da bluegosfera e onde o Bermelho não é a (dita) «gloriosa» cor dominante, deverias, no meu entender e antes de tudo, ter conhecimento dos factos que fazem parte da história do teu (dito) «glorioso» clube.
    se (ainda) não a conheces e ao que alguns dos teus (ditos) «gloriosos» presidentes fizeram, ainda vais muito a tempo, «penso eu de que».
    «acardita» que ficarás abismado com o que vais passar a conhecer. e não me refiro (só) a Manhuel Damásio, Manuel Vilarinho, Luís Filipe Vieira e a(o supra-sumo) vale e Azevedo…

    por último, permite-me um conselho:
    tem lá a santa paciência, mas conta de mil para trás antes de comentares em espaços dedicados ao teu clube preferido e anterior ao 5lb e que dá pelo nome de anti-portismo primário.

    saudações desportivas (que não «gloriosas»)

    1. Em relação às bordoadas, dei a minha opinião, com educação. Ponto. Nem discuto o restante… Não julgo o que você sabe ou deixa de saber, por isso, não faça o mesmo.

      Quanto ao último comentário, não percebi. Sem ironias, não percebi. Quanto a ser anti-portista primário, não me revejo nessa distinção. Não gosto do seu clube, mas daí a viver o Porto em vez do Benfica, vai uma grande distância.

      cumps

      1. «Não gosto do seu clube, mas daí a viver o Porto em vez do Benfica, vai uma grande distância»

        a regularidade com que visita este espaço (e outros?) e os seus comentários, desmente-o.

        1. Não sei porquê… Eu visito muitos blogs benfiquistas, mas apenas alguns portistas e sportinguistas. Gosto de ler as opiniões, os sentimentos e os estados de alma dos meus adversários. E gosto de o fazer de forma frequente. Não sei porque isso se encaixa em anti-portismo…

          Alias´, se visitaro meu blog, e ler o meu último post, talvez até se admirará.

          Cumps

          1. peço desculpa, mas eu não visito sítios onde não me sentirei confortável -e sem desprimor para o seu blogue (que desconheço e assim permanecerei: na minha santa ignorância).

            não me leve a mal, mas o vermelho, a mim, causa-me urticária ;)

          2. Claro que não levo a mal. Está no seu direito. Como está no meu visitar outros blogs que não sejam da mesma cor, dar a minha opinião de forma educada, e não ser denominado anti-portista ou anto-sportinguista.

            :-)

          3. @ Filipe

            desculpa lá, mas o teu primeiro comentário – o de ontem, às 08:44 -, para mim, é do mais insultuoso que já li neste espaço e de um anti-portismo primário.
            e tanto o foi, que até motivou o adminstrador deste espaço azul-e-branco a responder-te, igualmente de forma educada, pois “quem não sente não é filho de boa gente”.

            sabes:
            não é necessário recorrer ao vernáculo para se insultar seja quem for. e tu fizeste-o, ontem: não só ao nosso presidente, mas a todos os portistas e a mim em particular.

          4. Permita-me discordar. O que lá disse é o que penso dado a informação que conheço. Insulto? Não concordo. Aliás, quem me respondeu de uma maneira que considero bastante justa foi o reine margot. Leia a resposta dele.

          5. @ Filipe

            se eu educadamente te sugerir veementemente que procures receber contribuições inusitadas na tua cavidade rectal, estou, de uma forma polida, a recomendar que “vás apanhar o sabonete”, certo?
            e isso é um insulto para com a tua pessoa (que não conheço), certo?

            o teu primeiro comentário, na minha opinião, foi idêntico no insulto (pelo seu teor, não pela forma polida com que o escreveste).

            para finalizar:
            dou por encerrado este autêntico “diálogo de surdos”. não vale a pena… mas faço votos para que leias atentamente a sugestão do sr. José Manuel da Silva e, assim, percebas um pouco melhor porque ainda me sinto insultado.

      2. Olha, Lipinho (nao confundir com Lipinho), porque nao pedes uma segunda opinião ao José Veiga, ex-accionista majoritário do Estoril (prova A), e simultaneamente director desportivo de outro clube (prova B)que competia na mesma liga, clube presidido pelo António Figueiredo, ex-director desportivo do segundo clube que competia á altura com um clube Alverca,ex-satélite (prova C) que à custa duma polemica alteração dos regulamentos pode competir na mesma liga que o clube do qual o director da prova C viria a ser presidente. Confuso? Sim, bastante…mas tudo limpo, claro…ou limpinho, se preferires….

        1. Que tratamento tão “carinhoso”. Mas olhe, percebi o que quis dizer, mas não percebi muito bem o que tem a ver com o tema, ou até, com o meu clube.

          Quer falar de dirigentes com passados de vidro? Estavamos aqui horas. A questão não é essa. A questão é os benefícios que adviram para os clubes.

          cumps, da minh parte, mais respeitosos

          1. Nao falo de passado, falo de presente pois o figurão comum a estes casos todos é neste momento presidente do seu clube. É ingénuo mas nem tanto…

  3. Pinto da Costa é o personagem da História de Portugal que mais admiro, de sempre.
    Conheci anteriores presidentes do F. C. Porto: Nascimento Cordeiro vem-me à ideia por, em miúdo, ler notícias do F.C. Porto que o associavam com o clube e comecei a ler o jornal O Porto no seu tempo. Depois soube do que fez e fiquei com fraca impressão dele. Pinto de Magalhães admirei-o muito, por ter elevado o clube a um patamar mais digno, especialmente pelas muitas construções que edificou, apesar de quase nada ter conseguido em futebol; e Américo Sá começou bem, mas acabou muito mal. Pinto da Costa está muitíssimo acima de tudo e todos e os resultados falam por si.

  4. Jorge,

    Como será o nosso clube depois do NGP se reformar?
    Ontem o postal do Hugo Gilberto ainda fez a pergunta ao Miguel Guedes, mas cedo lhe cortou o pio.
    Acredito que o clube continuará ganhador, como é lógico, mas vou ter saudades deste Homem. O resto, relativamente a todas as suas qualidades, está tudo mais do que dito. Eu só tenho a agradecer. Ah! e apasar de dizer que vou ter saudades, ainda espero que o Presidente lá fique, pelo menos, durante mais uma década!

    Num país tão pequeno e cheio de adeptos e “pensadores” do clube do regime, algo de bom se destacou nos últimos 30 anos pelo mundo fora…o nosso FCP, da nossa região Norte e da nossa cidade Invicta, com vários títulos Internacionais e de um verdadeiro atropelamento aos rivais em títulos nacionais.

    Nota final: Agradeço aos “Filipes” deste país, e aos “Nunos Luzes” das pocilgas deste país, porque é graças a eles que a motivação está sempre “nos píncaros”. Detesto hipocrisia e mentira… não há nada melhor que personifique melhor isto do que os “regimeiros” e “chorões”.

      1. Podes-me tratar por tu. Ah! e espero que apareças por aqui por muitos e muitos anos. É sinal que está tudo na mesma! E não há nada melhor do que isso, claro. Com, ou sem o Presidente.

        1. Apareço, não se preocupe. Até porque, apesar das naturais diferenças, gosto de vir aqui. Posso debater opiniões contrárias sem ser constantemente insultado. Já não posso dizer o mesmo de outros blogs sportinguistas…

          Mas não apareço por vocês estarem bem ou mal. Apareço porque gosto de ouvir e ler as perspetivas contrárias.

  5. Eu, desde que me lembro de gritar e me emocionar pelo nosso clube também não conheci outro presidente além de Pinto da Costa, Américo de Sá era o presidente quando nasci, mas não me recordo dele, por isso não tenho termo de comparação com outros presidentes do FC Porto, mas, pela obra feita e por comparação com os presidentes dos nossos rivais o Pinto da Costa leva um avanço descomunal.
    Eu percebo a crítica dos adeptos rivais à figura do nosso presidente afinal ele foi, é, e continuará a ser uma incómoda pedra no sapato de todos eles.

  6. «o nosso FCP, da nossa região Norte e da nossa cidade Invicta.»

    É esta mentalidade que, por um lado, faz o FCP grande e, por outro, mantém um estatuto de menoridade.

    Quanto ao mais, independentemente da fruta, é evidente que ninguém conquista essa quantidade de títulos apenas dessa forma.

    Curioso será ver o «day after» de PdC. Será que estaremos perante um eucalipto que tudo secou à sua volta? Haverá outra figura de estatura semelhante? Não creio. Mas, pelos vistos, ainda vamos ter de esperar alguns anitos até chegar esse momento.

    Para terminar, gostaria de comentar o autor deste espaço pela forma como o gere e escreve, não deixando de defender a sua dama, mas num registo completamente diferente do de, por exemplo, Portistas de Bancada.

    Palavra de benfiquista. Cumprimentos!

    1. cada qual tem os seus critérios. eu sou bastante mais permissivo, mas quando uma conversa deixa de o ser e se transforma no fórum do Relvado…corta-se o pio, com explicações para isso.

      acho que é a melhor forma de gerir o meu próprio espaço. fico satisfeito por te sentires em casa na casa do “inimigo” ;)

      abraço,
      Jorge

    2. Não acho que mantenha um estatuto de menoridade. Aquilo que disse é, apenas e “só”, um facto. É a nossa identidade.
      Podia dizer que é um clube mundial, aliás como faz o seu clube, mas isso são – claramente – “balelas”.
      O Barça é, também, um clube com uma identidade regional…e não é isso que o torna menos poderoso que o “Real” Madrid. Há aquilo que nos move…e depois há auilo que fazemos e conquistamos. Quanto mais conquistarmos, mais “simpatizantes” ganharemos. Simples.

  7. 30 anos de poder do homem que nos fez perder a honra.
    Quando sair sei que vamos continuar a ganhar e sem ser desta maneira. Aguardo com ansiedade. O Porto é muito maior do que qualquer homem, os homens vão e veem e o Porto continua, na história não ficarão os homens mas sim o clube, o que hoje é facto (PC um ídolo e figura maior do clube) pode ser mentira amanhã, basta ver o que aconteceu ao nosso fundador, pode ser que um dia se lhe volte a fazer justiça.

Deixar uma resposta