Duelos para a temporada – parte IV

Não tendo intenções de avaliar todas as lutas pela titularidade (escolher entre Hulk e Djalma é a mesma coisa que escolher entre Messi e um maço de tabaco. Djalma, rapaz, desculpa lá, pá, estou a ser duro demais contigo, é na brincadeira, moço!), termino a rubrica no meio-campo, o cerne do jogo da nossa equipa, optando pela comparação entre Ruben Micael, Guarín e Belluschi. Ou seja, é um trielo, não um duelo. Sei lá se a palavra existe, isto é um blog de bola, amigos! Vamos lá:

Fernando Belluschi
Fredy Guarín
Ruben Micael
Posso chutar, mister?
(características ofensivas)
Criativo, inovador, de finta curta e cabeça levantada, falha muitos passes mas tenta sempre a ruptura e parece acreditar em demasia que a bola vai chegar onde a pensou colocar. Em dia bom, é genial. Em dia mau, é uma frustração. A potência de remate é o equivalente a um canhão de água a dispersar manifestantes, mas não só. Arrasta jogo para a frente com força, garra e surpreendente inteligência. Ainda um pouco trapalhão, tem melhorar o passe curto mas está muito melhor nos passes longos. É um jogador posicional, de cabeça levantada e passe simples. Criativo mas organizativo, devia rematar mais quando está próximo da baliza. Continua a perder muitos confrontos físicos porque desiste depressa demais.
Defende em condições?
(características defensivas)
Evoluiu bastante, porque parecia abstraído das tarefas defensivas quando chegou mas parece ter percebido que não se safava se não corresse mais e aprendeu a “encarraçar” o alvo e é hoje um jogador válido num meio-campo que precise de defender. Usa bem o corpanzil e recupera muitas bolas no início da movimentação ofensiva do adversário. Consegue tapar bem o meio-campo mas precisa de se colocar melhor para evitar andar a correr de lado para lado sem resultados práticos. Não será um monumento de força, mas não se pedia tanto. Nem precisava de ser um Vidigal a ganhar ressaltos, bastava-me que pusesse mais o pé quando luta por uma bola. Tacticamente é mais certinho, com algumas falhas posicionais. Joga melhor com um jogador superior ao lado, que coordene a pressão defensiva.
O guarda-redes abdica da barreira…
(lances de bola parada)
Só assusta perto da linha da grande-área. Muito perto. Quase em cima da linha. Já marcou alguns golos mas não parece conseguir consistência no remate. Livres directos? Si señor! É cada míssil que sai dos pés deste fulano que admira-me não ser sempre ele a marcá-los todos. Só tem um problema: raramente vão à baliza. Ouvi dizer que marcou um ou dois golos quando jogava pelo Nacional…mas até agora, das duas uma: ou foram todos carregados de chouriço, ou ainda não conseguiu convencer o Hulk ou o Guarín a deixarem-no chutar a pelota. De qualquer maneira, como não será o melhor cabeceador do mundo, a produção é nula.
Oh amigo, até jogo à baliza!
(versatilidade)
Adapta-se a jogar mais inclinado para a direita como falso médio-ala-direito, mas quando está solto é mais produtivo. Especialmente quando tem um jogador ao lado que percebe a sua movimentação em campo, como Moutinho. Pode jogar a 6 mas deixa de dar à equipa a força e a velocidade em progressão que consegue quando é colocado como médio de cobertura ao médio mais criativo. Pouca. Médio criativo, desde que tenha outro colega na cobertura. Alternativa? Banco, para fazer descansar o titular.
Parto-te todo, ouviste?!
(sistema nervoso)
Não é dos elementos mais estáveis do plantel. Reclama muito faltas que nem sempre o são e ferve em pouca água. É argentino, mas isso não desculpa tudo. Raramente reclama com árbitros mas parece que de vez em quando tem qualquer corrente eléctrica que lhe passa pela cabecinha e desata a perder bolas atrás de bolas sem necessidade. Tem de manter um nível mais consistente de início a fim dos jogos. Outro dia em conversa com um amigo, chamou-lhe “queixinhas”. Sinto-me tentado a concordar. À vasta maioria das bolas que perde segue-se aquela expressão d’O Grito de Munch, com as mãos na face e o apelo ao árbitro como se lhe tivessem raptado um filho. Tem de parar de chorar cada lance e pensar mais depressa no próximo.
So ready for my fucking close-up
(imagem)
Tem aquele ar de puto que na escola agarrava os cabelos das miúdas e lhes roubava os travessões. Já usou o cabelo em quarenta estilos diferentes. Curto, com rabo-de-cavalo, com penacho no topo ou “Rasta Redneck”. ‘Nuff said. Humilde, trabalhador, nunca se deixou ir abaixo e sempre procurou fazer o melhor para a equipa. Tuíta, por isso é sempre passível de lhe ser apanhada qualquer frase em falso como no ano passado em que desabafou para a web e ia-se tramando. Parece ter aprendido e agora os tuítes são pouco mais que entradas no diário de um escoteiro. Simples, humilde, é daqueles rapazes que não deixa que a fama lhe suba à cabeça e continua fiel às raízes. Mas durante muito tempo teve medo de meter o pé à bola, que é o que interessa à malta, e dá-lhe uma imagem de cagarolas. Está a tentar mudar.
Como é a música que cantamos a este gajo?
(relação com os adeptos)
O pessoal tende a enervar-se quando falha passes, o que acontece ao ritmo dos cruzamentos do Folha para a bancada. Os sócios gostam dele mas há sempre quem censure a inconstância das suas exibições. Não acredito que esta postura mude. Uma das maiores transformações que me lembro de ver na minha vida como portista. Começou como um louco trapalhão, continuou a ser um louco menos trapalhão que rematava com força e no ano passado explodiu num jogador quase completo para a sua posição. Não há nada mais a dizer, é um dos nossos. A carreira até agora tem-se assemelhado a uma curva de Gauss invertida. Começou bem, como um mirolho numa terra de ceguinhos, e apareceu do nada para pegar no leme da equipa numa altura complicada, conquistando o pessoal nas bancadas. Lesionou-se e voltou com medo de jogar à bola, sem ritmo nem fibra. Perdeu o capital de simpatia que tinha mas parece estar a recuperá-lo com boas exibições e acima de tudo empenho. Como disse atrás, parece que já não tem medo de meter o pé nas bolas divididas. Just sayin’.

Não incluí Defour ao barulho porque…não sei o que vale.

4 comentários

  1. penso que não há grandes duvidas que guarin e beluchi estão num patamar superior ao micael, na minha opinião guarin e beluchi cabiam os dois no 11 ou em 4 4 2 ou mesmo com moutinho a trinco pelo menos o ano passado, agora não sei com tanta contratação…

  2. Segundo a TVI, o Ruben vai para o Atletico.

    A confirmar-se e com a saída do Castro para o Gijon, são cada vez menos tugas no plantel e isto irrita-me vivamente…

    1. não me incomoda a falta de portugueses, sinceramente, desde que as alternativas sejam de qualidade. no caso do Ruben ainda não há confirmação oficial (nem do Atsu nem do David…nem do Falcao), por isso espero até ver os rapazes a treinar lá no novo clube deles…

Deixar uma resposta