Baías e Baronis – Rio Ave 2 vs 5 FC Porto

foto retirada de desporto.sapo.pt

As expectativas não eram altas. Mas as únicas e quase inacreditáveis condições para este jogo tornaram-no especial, querido, adorável. Muitas mudanças em relação ao onze habitual, um clima de paz e de tranquilidade nas bancadas e em todos os adeptos à volta do mundo que viram a partida, um jogo à tarde, com sol, calor e luz natural…todos estes estranhíssimos condimentos que prepararam esta última jornada do campeonato juntaram-se numa amálgama perfeita para uma tarde bem passada. Não fui a Vila do Conde mas lamento não o ter feito, porque tinha valido a pena saciar a curiosidade sobre as corridas dedicadas de Djalma, a sobriedade de Danilo, a reencontrada garra de Varela, a inteligência no passe de James e o fraquíssimo jogo de pés de Bracalli. Desculpa, Rafael, mas é verdade. A somar a isto ainda valeu pelo constatar que pelo menos um dos moços que hoje jogou de verde e branco para o ano tem obrigatoriamente de fazer a pré-época trocando o verde pelo azul: Atsu. Quanto mais não seja para entrar na lista de “mais um extremo que vamos aproveitar durante dois meses e depois cuspir para o Braga ou para qualquer outro lado”. Bem, vamos lá às últimas notas portistas do ano:

 

(+) Varela Ah grande Silvestre! Então esperas pelo último estuporado do último jogo para fazeres o teu melhor jogo de todos?! Que rapaz misterioso e sagaz me saíste, meu caro! Mas já não foi nada mau, lutaste e empenhaste-te cheio de vigor e de energia para mostrar aos adeptos que estás cá para impôr a ordem de Varela na próxima temporada! Ou talvez não e apenas te apeteceu sair do clube que te reprojectou para o mundo da bola com um agradecimento por três anos de variável produtividade. Não sei. Mas obrigado pelo jogo, valeu a pena.

(+) Kleber E sai mais uma imagem direitinha da Twilight Zone. Apresento-vos o caso de Kleber, o homem que no último jogo da temporada marca metade do número de golos que até lá tinha apontado. É tão curioso ver a forma atabalhoada como o brasileiro parece movimentar-se na área mas contrastar essa aparente inépcia com o bom domínio de bola e remate pronto. Quase sempre torto, mas pronto. Ninguém esperaria tanto deste moço hoje à tarde e só queria tê-lo visto a mexer-se tanto e com tanta eficácia desde Novembro. Não se pode ter tudo.

(+) Vitor Pereira Dois pequenos grandes gestos. Escalpelizo: a colocação de Hulk ao banco e a entrada de Iturbe e Kadu. A primeira porque mostra ao mundo que tem a perfeita noção acerca do que deve consistentemente transmitir para fora, que a equipa é mais importante que as individualidades. Quer Hulk saia, quer não, será sempre a “parte” que terá de submeter ao que o “todo” exigir e Hulk sabe disso mas não faz mal nenhum mostrar a todos que é assim que tem de ser. O próprio Hulk percebeu e não “espingardou”. E o facto de ter colocado Iturbe em campo para os adeptos verem quarenta e cinco minutos de infrutíferas e ingénuas tentativas de um rapaz que pode ter vontade mas que ainda lhe falta muito para conseguir jogar na Europa a um nível aceitável foi exactamente isso, uma prova que ele sabe o que está a fazer. E no caso de Kadu foi justo, simplesmente justo. E merecido para um rapaz que nunca saberá se vai de facto ter uma carreira no FC Porto ou não. Mas já fez por merecer olhar para trás daqui a umas décadas e dizer: “já fui campeão”.

(+) Atsu, quando olhamos para Iturbe Rápido, prático, eficaz, objectivo, audaz, vivo, inteligente, irreverente. Certinho no plantel 2012/2013. Pelo menos na pré-época. Este pequeno parêntesis sobre um jogador deles que afinal é nosso e que até nos marcou um bom golo é simples: temos valor em casa. Por favor vamos aproveitá-lo em condições.

 

(-) Iturbe, quando olhamos para Atsu Complicativo, inconsequente, ineficaz, triste, tosco, lento, fraco, mortiço. Não sei se fica no plantel 2012/2013. Parece fácil avaliar as coisas ao fim de 45 minutos mas a imagem que passou foi esta. É lógico que o que vimos não é Iturbe, não pode ser Iturbe. Ou melhor, Iturbe não pode ser aquilo. Tem de crescer e a jogar é que vai aprender a evoluir e a adaptar-se a um futebol que parece tão distante para ele como Quinzinho de Falcao. Mas o tempo urge e Iturbe tem de começar a mostrar serviço. Será na próxima temporada, estou com fé que sim.

 

Fechámos bem o pano e os rapazes vão de férias com todo o mérito. Excluindo os que ainda estarão no Euro ou nos Olímpicos, o resto do povo vai pousar as chuteiras no armário, guardar as meias e as ligaduras, desligar o despertador e avançar para as terras-natais com um sorriso completamente merecido. E nós, os que ficam deste lado, podemos descansar um bocadinho também. O tempo é de balanço, de recuperação mental e de acalmia nos comentários histéricos dos últimos meses. Vão de férias, dragões. Todos estamos a precisar de parar um bocadinho…só que as competições não param e o Euro está a chegar e depois os Olímpicos. Raios partam o calendário.

6 comentários

  1. Bom dia,

    Ontem por motivos pessoais, não comentei a antevisão à partida, não vi o jogo, não pude ir aos Aliados, enfim apenas fiquei diante da TV a assistir à linda festa de saudação aos nossos bicampeões, na sala de visitas da cidade Invicta.

    Fim de campeonato, é tempo de balanço.

    Muitas vezes ao longo da época desanimei, o coração fazia-me acreditar que seriamos campeões, mas a razão por vezes apontava em sentido contrário. Dizia mesmo que se fossemos campeões esta equipa seria alvo de estudo por parte dos estudiosos do fenómeno desportivo, tal era a inconsistência exibicional. Parecia uma equipa bipolar.

    A SAD cometeu o erro de não assegurar um goleador aquando da saída de Falcao. Foi apanhada desprevenida, e isso reflectiu-se competitivamente mais nas competições europeias do que nas nacionais.

    Também a SAD teve dificuldades no gerir das expectativas de alguns jogadores, que não estavam de alma e coração no FC Porto, e assim esses elementos foram contaminando outros no seio do grupo.

    Vítor Pereira, treinador com pouca experiência teve dificuldades evidentes em gerir aquelas emoções que por lá pairavam e poluíam o balneário.

    Mas eis que surge o nosso grande Presidente Pinto da Costa, que em Janeiro contrata Lucho, um grande profissional e homem de balneário, sobe Paulinho Santos a adjunto, desfaz-se de Guarin, um atleta que me desilude declaração após declaração … oh meu se não fosse o FC Porto ainda rompias banco em França, e não passavas de um jogador esquecido … empresta os descontentes Belluschi e Walter, e notoriamente com este simples acto de gestão, Pinto da Costa coloca o barco no rumo certo, com a malta toda a remar para o mesmo destino, o Bicampeonato.
    Ao longo destes anos Pinto da Costa sempre defendeu os seus treinadores, fê-lo com Fernando Santos, Penta Campeão, quando o engenheiro saiu sob escolta da GNR de Paços de Ferreira.
    Vítor Pereira não foi despedido, porque o presidente sabia que o problema não seria somente dele.
    Vítor Pereira complicou o seu trabalho ao querer introduzir o seu cunho pessoal na equipa, não aproveitando o trabalho de AVB, e esse foi um erro típico de um treinador com pouca experiência.

    Fomos uns justos e merecidos campeões. Somos melhores, não somos fanfarrões, somos humildes, lutadores … SOMOS PORTO!

    Os Serpas, Delgados, Cervans, Gomes da Silva sob o guião de Leonor Pinhão têm dado palha aos burros, que se vão entretendo criando fábulas para justificar a sua impotência para vencer o campeonato.
    Basta ouvir um comum benfiquista falar connosco, para verificar que o orelhas para gerir o clube não vale um caralho, mas para dar palha a burros é fenomenal.

    Somos Bicampeões, o clube português mais titulado, é um orgulho e uma bênção ser portista.

    Findo o futebol, vamos agora apoiar o Basquetebol e o Hóquei que precisam de nós para conquistar os títulos em disputa.

    Abraço e um bom domingo

    Paulo

    pronunciadodragao.pt

  2. Que é que se passou com o nosso Kléber aos 70 minutos? Não é que dominou de peito e meio segundo depois já tinha uma bomba apontada à baliza sem hipótese? O que quer que se tenha apoderado dele, esperemos que fique durante muito tempo.

    Mas falando a sério, achei que no geral não teve um bom jogo. É difícil dizer isto dum ponta-de-lança que marca três num jogo, mas continuou a mostrar muitas falhas. Ainda falhou lá umas que só à chapada…

  3. É com sabor agridoce que fico a saber que Vítor Pereira fica mais uma época. Mais uma temporada de jogos meio desinteressantes. Oxalá que nao.

  4. Amigo Jorge, como tinha comentado anteriormente, fui ao estádio… de metro, e realmente saí de lá satisfeito, porque tal como previ, nestes jogos a unica pressão que há é a… descompressão de toda uma época!
    Por isso Kleber marcou três golos (um de belissimo pormenor!),Varela soltou-se msotrou que quer ir ás ucranianas, Djalma foi sempre certinho e Defour para mim o melhor em campo.
    E quanto a Atsu… é Atsu! Sem iturbices messianas, eis um jovem que pode vir a fazer furor no nosso FC PORTO!
    E agora até pró ano que o tri é já ali!!!

    Ozzy Bluesky

  5. Jorge, permite-me discordar sobre a utilização do Hulk. Então não era importante para o FC Porto conseguir consagrar o «seu» atleta como rei dos marcadores no campeonato e juntar ao historial mais essa performance? Este prémio individual não daria orgulho ao Clube e seus adeptos? Não será tão importante quanto fazer de Bracali e Kadu campeões nacionais?

    Para mim foi simplesmente «criminoso» sonegar a Hulk essa possibilidade, num jogo em que até o imberbe Kléber apontou 3 golos.

    Não consigo perceber!

    1. são opiniões, caro amigo, é claro que aceito as que são diferentes das minhas. acredito que VP tentou privilegiar o conjunto e optou por não fazer com que o jogo fosse de um só sentido para Hulk conseguir a improvável marca de três golos (não me diga que imaginava que o Kleber conseguiria esse feito!) contando que nem Cardozo nem Lima o conseguissem. sinceramente, caiu-me bem :)

      um abraço,
      Jorge

Deixar uma resposta