New season resolutions

Começa já no Domingo, em Barcelos. Até Maio vai ser o circo habitual de treinos fatigantes, viagens cansativas, jogos massacrantes e conferências de imprensa exaustivas. A rimar e tudo, vejam lá. E em todos os arranques de campeonato há a eterna dúvida que me persegue já há tantos anos: que tipo de adepto vou ser durante a temporada nos jogos ao vivo? Serei o tolinho adolescente que em 1993 insultou o Mihtarski por não meter um miserável golo ao Famalicão? Talvez o doente que saltou no golo do Jardel ao Sporting em 1997 numa chuvada absurdamente intensa que me deixou mais molhado que se tivesse estado a levar com a água nos beiços desde o início do jogo? Ou o calmo, pacífico, olímpico, tranquilo rapaz sentado nas bancadas enquanto o FC Porto cravava cinco no Santa Clara para terminar em grande a temporada de 2002/2003? Vejo aqui um padrão…algumas das memórias mais vincadas ainda são do tempo das Antas. De qualquer forma, compus uma lista de pequenas promessas que fiz para 2012/2013, que creio podem fazer de mim um melhor adepto ou, na pior das hipóteses, uma pessoa mais normalzinha e adaptada ao mundo moderno. A lista, meus caros, é esta, aplicável aos jogos a realizar no Dragão:

  1. Chegar aos jogos com tempo suficiente para uma urinadela e/ou um café;
  2. Ostentar sempre uma peça de vestuário com as cores do clube. Preferencialmente camisola e/ou cachecol;
  3. Procurar perceber as opções tácticas do treinador antes de começar a criticar as mesmas;
  4. Não tentar encontrar o “novo Mariano” em qualquer jogador que controle mal uma bola;
  5. Em caso de resultado negativo, acreditar que a reviravolta é sempre possível e eles conseguem se quiserem, carago;
  6. Abster-me de proferir a seguinte frase: “Tenho frio. Tenho fome. Foda-se.”;
  7. Aplaudir o lateral quando sobe ao ataque, avisá-lo quando deixa o sector sem cobertura;
  8. Criticar o que é criticável e elogiar o elogiável, sem arranjar desculpas;
  9. Perceber melhor o que o adversário vale e como o podemos parar;
  10. Por último, manter a postura: NUNCA assobiar a equipa!

Alguém tem resoluções diferentes?

12 comentários

  1. 1. Se urinares como uma vaca, tens que ir no dia anterior. :)
    2. Umas cuecas seria o mais indicado.
    3. Vai ser muito… muito difícil.
    4. Vai ser difícil também por que eles são aos molhos…
    5. Caso negativo será um golo de calcanhar.
    6. Fácil! Deixa de ir em cuecas, leva a marmita e uma gaja!
    7. Nesta a alternativa é pedir ajuda ao anjo da guarda.
    8. Depende dos parceiros do lado.
    9. A mais fácil! Até dá para dormir se for contra o bando JJ.
    10.Pois, mantém a postura sentado. Nunca te levantes a não ser para o ponto 1.

  2. Aiiiiiiii, esse jogo com o Famalicão… Esse, mais que qualquer outro jogo, ensinou-me que isto da justiça das vitórias no futebol é mesmo apenas marcar mais e sofrer menos que o adversário. Foi um massacre de remates à baliza… e os sacanas aguentaram-se de tal forma que o melhor foi mesmo dar uma porradinha nos repórteres da rêtêpê no final… De qualquer forma, a única forma de o Mitharski ter desesperado alguém por não ter marcado ao Famalicão nesse jogo seria um adepto com pouca fé no seu clube (e pior ainda, que deposita a fé no clube adversário), pois o Mitharski já estava no Famalicão, e jogou esse jogo de facto, mas do lado de lá…

    De resto, quanto às resoluções, creio que a essencial é a 10. Há malta que parece assumir uma resolução muito semelhante, mas de sentido inverso: assobiar sempre. «Ui, vai meter o Varela… hoopla, tudo em coro: ffffffiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiu!»

    Vamos a eles! (Frase final suficientemente ambígua para deixar em aberto quem são os eles a quem vamos…)

      1. !!! Pensava no jogo em que perdemos 1-0, no mesmo ano (mas noutra época)… Mas isto do zerozero é bem supimpa: não me lembrava do Mitharski (o zerozero também não sabe bem onde meter o ‘t’ e o ‘h’) ter voltado ao Porto… E deu para ver que esse jogo a que me refiro, em Março de 1993, foi a única vitória fora de casa do Famalicão em toda a segunda volta… Ahhhh, safados!

        Um abraço,

  3. 11. apoiar incondicionalmente a nossa equipa do coração, independentemente do resultado final
    (parece o teu ponto 10., mas há “nuances“)
    12. decorrente do ponto 11., comparecer já no jogo seguinte e com a indumentária referida no ponto 2.

    ps:
    sobre molhas “à antiga”, não me esquecerei do banho que apanhei (também nas Antas), no FC Porto vs. Sporting de 1992/1993.
    no vídeo não dá para perceber, mas foi bem mais do que uma «chuvada intensa»: foi um dilúvio de proporções bíblicas (a que o relvado das Antas resistiu estoicamente).

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

  4. 1. Tens que ir pelo menos 1 hora mais cedo para arranjar urinol
    2. Vai equipado a rigor como fazem as crianças até aos 5 anos
    3. É preferivel criticar logo do que dar cabo da cabeça em perceber…
    4. Encontras sempre um Fernando a roubar com classe e a passar… miseravelmente
    5. Nem que estejamos a perder por 5 a e já com 3 minutos extras, acredita sempre. Eu acredito!
    6. A ultima frase é perfeitamente enquadravel no panorama.
    7. Leva um megavone para ele ouvir…
    8. Desculpa. Mas isso é óbvio…
    9. Eles nunca valem nada!!!
    10. A postura tambem é Dragon Seat???

  5. Faltam:

    Comparações posicionais defensivas com o Secretário, com os centros do Folha, passes a meio metro de distância com uma força de arrancar o pé ao companheiro do Jorge Costa… ah… e o Sonkaya na sua generalidade.

Deixar uma resposta