Sabes, há alturas em que pareces um Capucho núbio

 

Sim, este post é sobre o Varela. Especialmente pelo que tenho vindo a apreciar nos últimos jogos e que se prende com uma certa Capuchização do estilo do Silvestre desde a saída de Hulk e as constantes cambiantes de James do flanco para o interior onde pode melhor soltar a liberdade criativa como um Da Vinci depois de uma tripe de ácido. Varela, neste momento, está em processo de transformação de um jogador rápido, voador sobre o flanco e incisivo nos dribles em progressão e a agir como uma flecha apontada do flanco para a baliza adversária, num homem mais calculista, frio, que surge em zona de finalização muito mais central, que descai para o flanco oposto ao que é ocupado em part-time pelo colombiano e que fazem dele uma personagem atípica tendo em conta o passado recente na nossa equipa.

Voltemos a 2009, quando Varela chegou. Capacidade técnica mediana, muita velocidade com a bola e intensa vontade de passar pelos oponentes em corrida, numa prova ao sprint que normalmente terminava num cruzamento perigoso (ou não) onde Falcao tentava a todo o custo empurrar a bola para a baliza ou, no pior dos cenários positivos, atravessava a área até chegar a Hulk, no outro flanco. Depois de uma lesão que o chutou para fora do Mundial de 2010, no ano seguinte, o da glória Villas-Boasiana, Varela decaíu no nível, na velocidade e na entrega, tremendo em muitos jogos mas continuando a ser um elemento considerado titular num tridente de ataque que demoliu defesas atrás de inertes defesas com um avassalador ataque que destroçou meio-mundo e deixou o outro meio agarrado aos testículos com medo que caíssem depois da traulitada que levaram.

Em 2011/2012 e agora em 2012/2013, Varela parece diferente. Mais calmo, quase sempre com um compasso de espera antes de passar à acção, controlando melhor a bola e cedendo mais ao jogo colectivo. Parece mais trapalhão mas mais inteligente, menos explosivo e mais pensativo. Ainda no jogo contra o fraquito Dínamo Zagreb, vi Varela a fintar sem tocar na bola, a inclinar o corpo para fazer com que o inepto croata caísse na deambulação da própria mente e cedendo à inércia para que lhe desse a hipótese de continuar com a bola na sua posse, a galgar terreno como um leopardo vagaroso acabado de sair de uma operação às varizes. Com Atsu a trincar-lhe os tornozelos com a juventude e raça própria de um jogador com um estilo peculiar e pouco habitual no FC Porto desde há muitos anos, Varela parece ter admitido a derrota no corpo mas nunca na mente, protegendo muito mais a bola com o corpo, criando espaço para ele e esperando que os colegas surjam em posição mais vantajosa que ele para lhes endossar o esférico direitinho, redondinho, pronto para o tiro de morte.

Estás diferente, Silvestre. E se começares a correr com os cotovelos dobrados a noventa graus, os braços perpendiculares ao corpo e conseguires controlar uma bola de primeira sem problemas, estás a uma fita no cabelo de ficares um novo Capucho, com uma tez bem mais escura. E não é tarefa fácil, garanto-te. Aquele nível não se consegue treinando. Nasce-se com ele.

16 comentários

  1. Eu gosto do Varela e percebo a comparação, mas não estou a imaginar o Varela a fazer este tipo de golos…

    O Capucho era pézinhos de lã, classe total!

  2. Bom dia, qual Varela prefere?

    Eu confesso que não sendo um fã incondicional do mesmo ainda não percebi…. Ao menos que a veia goleadora se mantenha…

    Um abraço.

  3. Para Varela chegar a Capucho, tem de haver um milagre, mas dos grandes… –

    (Varela agora pára, não para refletir, mas porque está com 10 kg a mais…)

  4. @ Jorge

    só faltou a referência às meias, sempre ao nível das caneleiras (às vezes, mais abaixo até) e aquela corrida de “saia travada”.
    que grande jogador tivemos: Nuno Capucho (outra «maçã podre» proveniente do quintal de Alvalade).

    saudades… muitas…

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

  5. Varela está, quanto a mim, a passar apenas por um período de boa forma e não lhe noto grandes diferenças em relação ao período antes da lesão. Recorde-se que este seu estilo (e o cabelo mais longo que então tinha) valeu-lhe a alcunha de “Drogba da Caparica” – isto mais parece o título de uma música nos Ena Pá 2000 ou assim… – e que é um pouco o estilo que ainda tem hoje.

    Já a ousada comparação com Capucho, discordo. Capucho foi um dos mais tecnicistas e inteligentes jogadores que passaram pelos flancos do FC Porto. Felino, parecia um leopardo que esperava até ao último momento para atacar – só lhe faltava a velocidade do Leopardo, é verdade… – e na área fazia golos fantásticos (ver o vídeo acima) abusando da sua fantástica técnica e de um pé direito capaz de coisas como vi poucos. O seu estilo gingão, meias descaídas e caneleiras curtas (coisa que nunca percebi, tamanha porrada que ele levava naquelas canelas!) deixam-me ainda hoje nostálgico. Sim, sou um fã de Capucho! (e que bom que foi vê-lo há uns meses em futsal naquele torneio que os veteranos participaram…)

    1. “Sim, sou um fã de Capucho!”

      meu caro amigo…que portista em condições não o é? :)

      a comparação pode ser estranha e até pode discordar. mas foi o feeling que me passou. de qualquer forma até tinha piada que o moço evoluísse no mesmo sentido…

      um abraço,
      Jorge

      1. Oh Jorge, olhe que me lembro de muitos que não podiam com o Capucho.

        Pensando bem, nós somos é muito exigentes. Nunca estamos muito satisfeitos com o que temos. Vemos um gajo dar um bom toque na bola e imediatamente exigimos que ele jogue sempre a esse elevado nível… No fundo, no fundo, temos sido muito felizes porque têm sido tantos os incompreendidos e mal amados aqui pelo Dragão (de jogadores a treinadores, passando por adjuntos, só não me lembro de ódiozinhos de estimação ao roupeiro e ao médico!) que são campeões e têm excelentes carreiras!

        Vendo bem, às tantas esse é mais um dos factores que contribuem para o sucesso desportivo do clube: a enorme (usar a dicção do Gaspar, sff) pressão que os adeptos colocam!

    1. pensei nisso…mas achei que merecia mais texto e ia contra o espírito. ainda assim, talvez insira uma entrada num futuro próximo!

      obrigado pela dica! é bom ver que há gente atenta ;)

      abraço,
      Jorge

  6. Boas Jorge,

    Belo e merecido post. Sou suspeito em relação ao Varela, tenho por ele um certo “carinho” porque não esqueço o que ele ja fez pelo Porto e como dizes e bem naquele fantastico tridente com Falcao e Hulk, só que há muita gente que tem memoria curta e opta pela critica facil.
    Sim o Silvestre não é um fora de serie e por vezes opta pelo mais dificil, no entanto acho que é aquele tipo de jogador que precisa de jogar com frequencia para manter mais regularidade, e mais, dá um grande apoio defensivo, o que provavelmente o faz ser titular em detrimento do miudo Atsu que ainda necessita dum grande período para maturar, assim como foi com o James.
    Resumindo e concluindo, acho que o Varela é um jogador que dá tudo pelo clube, não se faz ás parangonas dos pasquins com vontade de sair, nunca ouvi o pai nem o empresario a falar, nunca lhe ouvi um desabafo negativo por jogar ou ser substituido, e por isso é que o tenho em consideração.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt/

    1. “o que provavelmente o faz ser titular em detrimento do miudo Atsu que ainda necessita dum grande período para maturar, assim como foi com o James.”
      de acordo. vamos dar tempo ao puto…

      abraço,
      Jorge

Deixar uma resposta