Baías e Baronis – Arouca 1 vs 3 FC Porto

É uma vitória de que ninguém se vai lembrar daqui a um ou dois anos, mais uma destas vitórias que não trazem grande alegria a não ser a conquista de três pontos. O Arouca fez o que o FC Porto o deixou fazer (e que foi muito mais do que devia) e vimos mais um episódio da actual subalternização do FC Porto, a baixar o ritmo de tal maneira que se torna difícil terminar o jogo sem um bocejo. Custou-me ainda mais ver o jogo porque estive de cinco em cinco minutos a saltar do sofá sempre que via uma falta marcada contra nós imediatamente depois de ver uma ou outra imagem idêntica a passar em claro do lado contrário. E continuo a achar que o Bruno Amaro é útil para este tipo de equipas, mas merecia que um segurança de um qualquer bar lhe partisse os dentes ao murro. Vamos a notas:

(+) Jackson. Dois golos à ponta-de-lança, que é o que se exige do moço. Mas para lá dos golos (parabéns a Alex Sandro pela jogada no primeiro…alguma sorte, mas tentou e ainda bem que o fez) foi no recuo e no domínio de bola mais perto das linhas do meio-campo, a criar linhas para os colegas e a tentar movimentar a equipa e a abrir os espaços que eram necessários. Mais mexido, mais desperto…mais Jackson 2012/2013, com os mesmos golos. É o que precisamos.

(+) Herrera. Foi o primeiro jogo que vi do rapaz como titular (e a tempo inteiro) e gostei do que vi. Apesar de ocupar a mesma posição táctica, pareceu-me diferente de Defour, apesar de por vezes dar a ideia que não sabe muito bem o que fazer com a bola. Mas sabe retê-la quando é preciso e mostrou sentido prático com vários passes simples e especialmente pelo passe que colocou Otamendi pronto para assistir Jackson para o segundo. Fiquei curioso com a forma como subia pelo lado esquerdo com a bola controlada mas quase sempre com noção de espaço e da movimentação dos colegas. Quero vê-lo a jogar mais vezes.

(+) O golo de Quintero. Clap! Clap! Clap!

(-) A lei do menor esforço Percebo, como já disse há uns tempos, que a equipa ainda não está bem. Há atrapalhação na defesa, desorganização no meio-campo e indefinição no ataque. O que menos me faltava neste momento era que se apoderasse dos jogadores a inércia que pautou grande parte da era Vitor Pereira e que levou a que tantos adeptos se fartassem das exibições cinzentas, das fraquezas competitivas e da incapacidade de produzir melhores espectáculos tanto para os seus como para públicos alheios. E hoje, apesar do adversário ser dos mais fracos que a equipa vai encontrar este ano (colocado ao lado do Arouca, o Áustria Viena é a Holanda de Michels), a verdade é que a equipa voltou a ter uma inércia tremenda, alguma indefinição na construção de lances ofensivos e acima de tudo alguma incapacidade de manter a bola em sua posse. Jogou-se malzinho e a maior parte do tempo entregou-se o jogo ao Arouca. Ao Arouca. AO AROUCA! Não preciso de dizer mais nada, pois não?

(-) A agressividade do Arouca. Fartei-me de ver tudo que andava de amarelo a usar os braços e a empurrar, acotovelar, puxar, pontapear, rasteirar tudo que lhes apareceu à frente. Bruno Amaro e amigos conseguiram desancar em Josué, Herrera, Danilo, Lucho, Jackson…e até Mangala, só para perceberem a forma como podiam fazer o que queriam sem medo de consequências. Bruno Amaro é o actor principal deste filme de pancada, porque desde que o via no Setúbal que passa noventa após noventa minutos com aquela postura nojenta de bater e alhear-se da bola e do lance, ao mesmo tempo que quando recebe um toque mínimo se arremessa para o chão como se tivesse levado um tiro. Era baterem-lhe a sério, palavra.


Paramos outra vez com o campeonato e o próximo jogo do FC Porto é no Dragão contra o Zenit, numa competição que já percebemos ser bem mais complicada do que esta pobre Liga, que tem tantos Aroucas que lentamente me vai aumentando a arrogância e a exigência em relação a uma equipa que pode fazer muito mais do que tem vindo a fazer. Daqui a semana e meia vamos ver se continuamos a este nível…ou se vamos conseguir ganhar aos russos.

EDIT: aparentemente ainda jogaremos no Dragão contra o Trofense antes de apanharmos os russos…mas o destino será o mesmo…ganhar para voltar a ganhar…

14 comentários

  1. Jorge, so uma correccao: o jogo contra o Zenit e’ daqui a apenas duas semanas e meia (daqui a semana e meia e’ o Portugal-Luxemburgo). Antes disso, ainda havera o Porto-Trofense para a Taca, que promete ser um espectaculo memoravel…

    Abraco.

  2. Parabéns pela sua capacidade de analise dos jogos!
    Farto me de ler uma quantidade de blogues referentes ao FCP e só consigo ver analises unilaterais do desempenho da equipa e muitas vezes a não quererem ver o que realmente acontece para fazer valer as suias próprias opiniões!
    Saudaçoes

    1. só posso falar do que vejo. não tenho agendas escondidas, não escrevo para agradar nem por clubismos de pálas. é para ser portista e o verdadeiro portista olha primeiro para dentro e só depois para fora!!!

      um abraço,
      Jorge

  3. Vi e não gostei !
    A equipa esteve muita fraca competitivamente deixando o adversário jogar e quando isso não acontecia jogava para trás e para os lados , quase um remake dos tempos de VP , nada teve a haver com os 1ºs 30 min contra o Atlético de Madrid.
    Ora eu gostava que a equipa jogue sempre como jogou na 1ª meia-hora no jogo da Champions no Dragão.
    Muitos estiveram apáticos e alguns apenas reactivos e isso não pode ser se queremos vencer a liga e chegar (pelo menos) aos 4ºs da Champions.
    É certo que a equipa ainda está em “formação” e as competições estendem-se até Maio mas já deveria haver uma táctica bem estudada e posta em prática apenas necessitando de reajustes consoante os jogadores disponíveis para o Mister.
    Pontos que temos de corrigir rapidamente : as faltas que fazemos em frente á nossa área , a eficácia de passe e a ligação entre sectores.
    Após a saída de Lucho jogámos melhor não sei se por quebra física do adversário ou porque o meio campo ficou melhor recuperador com os dois trincos mais subidos !?
    Acho que também deve ser mencionado o péssimo estado do relvado (igual para os dois é certo) mas assim não há espectáculo que resista.
    Nota final para Silvestre Varela que passou ao lado do jogo e eu continuo a pensar que a culpa não é dele mas da falta de outro extremo no lado oposto do nosso ataque.

    1. “Ora eu gostava que a equipa jogue sempre como jogou na 1ª meia-hora no jogo da Champions no Dragão.”
      Eu também gostava de ser rico e ter um Ferrari…
      Não que esteja a dizer que a equipa está a jogar bem ou que deve jogar como anda. Mas pedir isso é pura e simplesmente parvo, porque é impossível.
      A mim bastava-me uma gestão de jogo em posse de bola após um golo para pelo menos não andar a sofrer…

      1. Eu sei que não é possível jogar 90 min , como fizemos com os 1ºs 30 contra o Atlético mas andar apáticos e reactivos também não !

        “A mim bastava-me uma gestão de jogo em posse de bola após um golo para pelo menos não andar a sofrer… ”

        Eu não vi o Porto a sofrer vi-o foi apático á VP e isso eu não gosto e se continuar assim mais tarde ou mais cedo vão aparecer os maus resultados.

  4. Exactamente o que pensei a respeito da agressividade/dureza do Arouca e sobretudo da dualidade de critérios. Então aquela falta ao Mangala em que o jogador do Arouca escorrega… O Mangala tem sido dos mais prejudicados em vários jogos com cartões imerecidos que o inibem. A certa altura mostraram as faltas marcadas, 2 ao Arouca e 8 (ou seriam 10) ao Porto, quando todos podiam ver quem era a equipa mais dura.

  5. Já foi tudo dito.
    O FC Porto volta a fazer uma exibição fraca, mas que ainda teve uma ou outra ocasião de golo interessante. Gostava de ver uma equipa que não deixasse a bola com o adversário. Compreendo que a estratégia da equipa não passe pela posse de bola, mas esta é a melhor defesa quando se pretende gerir o jogo.
    Gostei bastante do Herrera e mal posso esperar pelo jogo em que faça dupla com Defour. Quintero volta a entrar e a marcar, resta saber o que é preciso para jogar de início ou, pelo menos, na meia hora final e não nos últimos 2 minutos.
    Destaco ainda a má arbitragem, com um critério rigoroso para os jogadores do FC Porto e ultra-inglês para os do Arouca, que lhes permitiu distribuir todo o tipo de pau.
    O Bruno Amaro deve ter feito metade das faltas do Arouca e apenas viu o amarelo no final do jogo num carrinho alaranjado. Do outro lado, o Lucho, com os braços encostados ao corpo, ao ver a bola bater neles leva amarelo.
    A equipa ainda está a crescer. Já nos deu um ou outro bom momento até agora e acredito que daqui a uns jogos se dê o clique. Até lá é ganhar.

  6. Mais um jogo muito fraquinho frente a um adversário bastante acessível.

    A forma como a equipa se movimenta é preocupante, face à tendência para jogar para trás e para os lados, sem progressão.

    Equipa lenta, amorfa, sem ideias, enfim, uma desilusão.

    Espero que seja apenas uma fase passageira.

    Um abraço

  7. Herrera MVP! :) pela simples razão que fez dois bons centros pelo lado esquerdo, coisa que o varela e o josué não conseguiram. Correu e centrou, simples.

    O Licá começa a enervar… há lá uma jogada em contra-ataque em que ele fica no 1 para 1, pára e passa para trás?! Acho que o Ricardo devia jogar mais, porque ao menos tenta o 1 para 1 e parece-me tão bom ou melhor que o Licá/josué.

  8. Já agora, quem preferiam ver a jogar a extremo, licá ou o iturbe ?

    Tenho imensa pena do iturbe, achei que este ano ia ser o ano dele e ele já defende também. Vejam a noticia dele no Verona, parece que está a fazer furor!

Deixar uma resposta