Baías e Baronis – FC Porto 0 vs 0 Benfica (2-3 em penalties)

Jogo futsal aos sábados de manhã há mais de treze anos com o mesmo grupo de amigos. As equipas são feitas na hora porque nem sempre os jogadores são os mesmos. Às vezes, quando só estamos nove porque um caramelo lhe apeteceu ficar a dormir e se esqueceu de avisar ou porque alguém se lesionou a meio do jogo, uma das equipas fica em inferioridade e luta mais que a outra, a entre-ajuda cresce, o espírito de sacrifício é mais alto e a vida dos que estão com mais um elemento fica mais complicada. Mesmo assim, é raríssimo haver um jogo em que os 4 vençam os 5 e costumamos dizer que não há desculpa para que tal aconteça. Hoje, no nosso estádio, os cinco perderam contra os quatro. E é fácil perceber porquê: os cinco não têm pernas nem cabeça para vencer quatro que estão bem mais organizados, lutam mais e querem vencer. Os cinco perderam antes de começar. E perderam também o respeito de muita gente, porque pior que perder contra quatro é deixar que os quatro queiram ganhar mais que os cinco. Enfim, dói, mais uma vez. A notas:

(-) O FC Porto na máxima força perdeu contra as reservas do Benfica a jogar com 10. Cheguei a casa destruído e nem consigo ficar chateado com isto. Há apenas uma indolente sensação de cansaço mental, de incapacidade de compreender como é que chegamos a este ponto. O Benfica, sem qualquer exagero, foi melhor que nós em tudo e tem sido essa a imagem da temporada. Foi melhor a defender, melhor no meio-campo e melhor a atacar (mesmo com 10). Foi mais lutador, mais inteligente e mais astuto. Foi melhor tecnicamente, tacticamente e moralmente. E o Benfica jogou sem seis ou sete titulares, só para termos uma ideia do nível a que o FC Porto chegou em 2013/2014. É um bola de neve que se foi formando desde o início da época, com má gestão física (Herrera, Defour, Fernando, Varela, Jackson, Danilo e Alex Sandro acabaram o jogo de rastos), pobre gestão de pessoal (o meio-campo em constante mudança, avançados como alas, duplas de centrais em permanente mutação, diferença enorme entre sectores, pouca alternância de jogadores-chave), fraco talento em campo (inúmeros passes falhados, golos desperdiçados, cruzamentos mal efectuados, bolas paradas ineficazes) e uma inexistente estratégia de jogo que me faz pensar que se passou o ano todo em treinos que consistiram num total vazio. Ainda por cima, hoje o Benfica não foi nada de especial, como já não tinha sido em Lisboa no jogo da Taça. Foi simples, directo e prático, com as segundas linhas a lutarem mais que as nossas primeiras, sem que as nossas primeiras tivessem um pouco de brio para perceber o que raio haveriam de fazer para contrariar o que estava ali tão perto e ao mesmo tempo tão longínquo. Sucedem-se os passes ridículos, curtos e longos, os cruzamentos sem nexo, os golos falhados à boca da baliza, as perdas de bola em progressão e a tradicional borrada nos penalties que todo o estádio adivinhou mas ficou a ver se o destino nos mudava as sortes. Passamos noventa minutos a atirar o equivalente a bolas de algodão a uma carapaça de ferro, cheia de brechas mas que fomos incapazes de descobrir no tempo certo e com a intensidade certa. Fracos de espírito, sem ideias concretas, sem concepção de um fio de jogo que passe por mais que endossar a bola a Quaresma ou a Varela e esperar que dali saia algo de produtivo. Um meio-campo sem elasticidade, sem força, sem tino. Todos incapazes de se agarrarem a uma fugaz bóia de salvação de uma época miserável, esta merda desta Taça da Liga que todos os anos desdenhamos e que este ano podia ser algo que nos desse algum (pouco) alento. Não há cabeça, nem para isso. E continua a ser isso, acima de tudo, que vejo ausente da equipa há tantas semanas e que me leva a desistir de acreditar em quase todos os jogadores do FC Porto que vejo com a bola nos pés: cabeça. Continuo a insistir que é a cabeça que mais falha e as pernas vão atrás, mas atrevo-me a fazer uma matriz rapidinha: com cabeça e com pernas, como na época de Mourinho, tudo parece fácil; sem pernas mas com cabeça, como no ano de Adriaanse, o esforço é máximo e nenhuma bola é dada por perdida e o talento eventualmente dá frutos; com pernas e sem cabeça, como no ano passado, lá se vai dando uma para a caixa de vez em quando com mais força, mais um bocadinho de garra e com um bocadinho de sorte chegamos lá; sem pernas e sem cabeça…eis o FC Porto 2013/2014, a pior equipa do meu clube que me lembro de ver jogar desde que comecei a gostar de futebol.


Faltam dois jogos para terminar este pesadelo. Dois jogos em que vamos entrar em campo cada vez mais vergados ao peso de uma mentalidade fraca, sem espírito vencedor, que esmaga a alma e derrota o espírito. O FC Porto é um estado de alma, dizia Bitaites. Oh, Professor, e agora como é que nos vemos livre desta?

23 comentários

  1. A equipa já não está com a cabeça no sítio há muito tempo.
    A vitória apenas surgiria por mera sorte pois o Benfica foi muito mais organizado e equipa.

    Concordo com a ausência de Baías, visto que a equipa não existiu. A serem atribuídos só estou a ver o Herrera, que na primeira parte bem correu e tentou que o Jackson fizesse o golo.

    Neste momento apenas duas coisas me fariam sorrir um pouco, por ser um pequeno brilho do futuro: Utilizar uma ou outra promessa da equipa B na equipa principal e vencer o nosso último jogo da época no Dragão frente ao Benfica.

  2. Jorge ola
    Se permitires,como sou um chato do carago ,gostava que identificassem os beneficios,do 433 desde que o porto iniciou assim a jogar,,

    1. Maior controlo do jogo e posse de bola. Se o adversário não tem a bola, não pode marcar e ao mesmo tempo deve-se jogar rápido e aberto para desequilibrar o adversário.
      O problema não está na estratégia mas na falta de qualidade dos intervenientes.

      1. Se so tem banais jogadores de bola para jogar 4 3 3 ,e nao num futebol apoiado que sempre foi a imagem de marca da equipa,antes da UTOPIA futebolistica chamada jardel e ai comecou a paranoia do 4 3 3

  3. esqueci me de opinar que a pessoa que Elevou a equipa na europa ,mas nao largou o bairrismo de dentro dele
    Nao especificou de que modalidades os adeptos iriam festejar,portanto nada de criticar a fiigura

  4. Bom dia,

    acho que posso começar a “ler” o jogo, pela moldura humana que estava presente, num Domingo à tarde com um tempo razoável estavam menos de 30 mil para ver um jogo contra o nosso grande Rival (não, não é o Estoril), mesmo sendo um jogo da Taça da Liga é um sinal dos ventos que correm para o lado do Dragão, e é algo que a estrutura administrativa tem que analisar.

    É como dizes, o Porto entra a perder e os adeptos também já não acreditam.

    Estou curioso para ver o que se vai passar na última jornada.

    Depois do jogo iniciar deu para ver que o buraco existente na defesa do Benfica no lado direito que dá pelo nome de Steven Vitória (acho que era este o nome do moço) dava para fazermos umas coisas engraçadas, mas depois alguém fez com que o homem fosse expulso e entrou um jogador a sério e eles condensaram as três linhas com que jogavam em duas linhas, e a partir dai o Porto desapareceu, o meio campo do Benfica parecia um pântano de alcatrão onde os lentos e pesados dinossauros do Porto não tinham força para escapar e toda a gente via que acabariam por se extinguir.

    Enfim, o que me preocupa não é ter sido afastado de mais um “objectivo” do Porto, acho que esta equipa é bastante deprimente, olhando para isto que temos e imaginando as saídas prováveis de Fernando e mais um dos vendáveis (Jackson e/ou Mangala) estamos sem uma base minimamente decente para iniciar a próxima época e infelizmente não vejo nenhuma “maçã podre” a reforçar o meio-campo do Porto. No meu habitual registo de pessimismo acho que esta depressão se vai prolongar por pelo menos mais um ano, se for para construir uma boa equipa, não me importo, mas vejo muita vontade de facturar e pouca de construir… vamos ver.

  5. Grande abraço caro amigo.
    Como diz o M, isso passa… Been there, done that.
    Para o ano lá estarão certamente mais fortes.

    1. mais fracos que este ano não é fácil…mas a teoria da pá no fundo do poço continua a funcionar na minha cabeça. enfim, não estou habituado a perder…pelo menos não desta maneira…

      abraço e parabéns,
      Jorge

  6. Bom dia a todos.

    Ontem batemos no fundo!!! Mais uma vez contra 10 não fomos capazes de vencer. É duro dizer isto, mas acho que nem contra 9 lá íamos!!??

    É imperativo planear a nova época, fazer mudanças é obrigatório. Não podemos continuar no “deixa andar” dos últimos 3 anos.

    As explicações tem que ser dadas e o responsável pelo futebol tem que dar a cara… não sei é se 6 páginas serão desta vez suficientes??!!

    Não tenhamos dúvidas que só depois da casa arrumada poderemos voltar a vencer.

    Saudações Portistas

  7. Só vi a segunda parte porque não me lembrei a que hora começava. Desde que liguei o ecrã, porém, nada mas mesmo nada me levava a crer que o Porto faria por ganhar o jogo.

    Perdemos nos pénaltes pior marcados desde que vejo o Porto a marcar pénaltes.

    O Porto precisa de um botão de “RESET” e começar a nova época do “Zero”. Porque zero é melhor do que aquilo que somos agora.

    Já defendi o Jaime Pacheco para treinador. Agora que a equipa está perdida acho que o melhor que nos podia acontecer era o Professor – este sim um verdadeiro Professor – Jesualdo Ferreira voltar ao clube para voltarmos a ter uma equipa com jogadores que sabem jogar à bola.

    Quanto a Luís Castro, admiro muito a sua postura. Admiro a coragem que teve quando pegou na equipa sabendo de antemão que se estava a sacrificar pelo clube. Penso que precisamos dele e de mais pessoas como ele, mas não creio que possa continuar a liderar a equipa técnica na próxima época.

    Como é possível que tenhamos chegado a este ponto? Só quem lá está dentro saberá as verdadeiras razões e poderá mudar o curso dos acontecimentos.

  8. sinceramente, não me custou nada perder assim, mesmo que fosse o benfica… a taça da liga não seria consolo nenhum para esta época, seria antes a suprema humilhação (os benfiquistas bem o sabem). perdemos nos penalties contra uma equipa que jogou à Penafiel, acontece, ainda por cima num annus horribilis como este.

    o que realmente interessa (já há algum tempo para cá) é o planeamento da época que vem… o que me preocupa é que parece que continua a ser “a estrutura” a decidir quem joga, e não o treinador. quando entra o Luis Castro (a quem sinto que os portistas deviam de agradecer a entrega, a postura, e também a competência) o herrera é encostado, mas pelos vistos tem que ir ao mundial e portanto começa a jogar, a jogar. espero que pelo menos a estratégia resulte e que o vendam, porque é (a par do Quaresma) o jogador mais tóxico que há no nosso plantel. é deprimente ver o Quintero a entrar, e não há ninguém capaz de trocar a bola com ele!

    com o treinador certo para o ano que vem e alguns ajustes no plantel acho que pode ser uma crise benéfica (desculpem a palavra) a medio prazo. claro, depende da reacção…

    ainda a propósito, é curioso que anos de mundial parecem sempre mais difíceis para nos — será uma coincidência?

  9. Edu
    Se so ha jogadores banais,devia se jogar um futebol apoiado de entre ajuda do que um futebol repentista
    Do tipo so nao se acerta no euromilhoes porque nao se quer os numeros estao sempre la todos

  10. Não concordo de todo que o SLB tenha sido melhor em tudo, sobretudo no atacar, quando nem um remate fizeram no jogo inteiro à nossa baliza, e quando nós na 1ª parte tivemos 5 ocasiões claras de golo.

    O descalabro surge sim na 2ª parte com meia equipa a correr e a outra meia a dormir, e com um treinador que insiste que Ghilas é extremo, e que mexeu mal na equipa. De resto o animo é sempre determinante, estrelinha e confiança são meio caminho andado.

    1. estás a ver o estado em que cheguei a casa?! até nessas estatísticas BÁSICAS me enganei!

      mas…já agora…xiu…que assim pareço mais novo, carago! ;)

      abraço,
      Jorge

  11. O Porto perdeu por culpa própria não porque o Benfica foi melhor! Aliás nos 2 jogos no Dragão fizeram 3 remates, o resto foi defender os 90 min e ganharam por nosso completa aselhice! Fomos uma vergonha esta época em todos os sentidos, sem qualidade, sem raça, sem vontade de ganhar.
    Muitos dos jogadores para além de não terem qualidade para jogarem no Porto, não têm a alma que todos os adeptos querem… espero bem que uma vassoura corra este plantel de alto a baixo a começar por esse falhado do Jackson!

  12. Abordando o jogo e não o nosso plantel, ficou claro que se inverteram os papeis, e nós somos hoje o elo mais fraco…
    Que dor de alma a incapacidade de finalizar uma jogada. Uma apenas. Sim, também não tivemos aquela pontinha de sorte, tivemos 5-6 lances para marcar, e na segunda parte fomos na onda de que mais cedo ou mais tarde aparecia o golo, faltou-nos pernas e cabeça, como bem o disseste caro Jorge.
    Penalties, bem já se sabe, e calhou mal para o nosso lado. Tipo lei de murphy. Que raio!
    Só espero que a admin esteja já a trabalhar para travar aquilo que parece ser uma mudança de ciclo..para sul…nem quero imaginar isso…

  13. Não há muito a dizer.

    Gostava era de ver os nossos putos a jogar nos próximos dois jogos, os que vão ser vendidos não jogavam mais.

Deixar uma resposta