Só valeu alguma coisa se ganharmos na Madeira

20150121 - SC BRAGA - FC PORTO

Vi o jogo em diferido, como tem vindo a acontecer nos últimos tempos por motivos que não interessam a ninguém senão a mim. E em todos os jogos que assim assisto, há uma vontade enorme de acelerar nos momentos mais parados, desde os pontapés de baliza aos lançamentos laterais, passando pelas fitas dos pseudo-lesionados e acabando nas preparações para lances de bola parada que raramente resultam…a sério, já se começavam a treinar cantos em condições…mas fica para outro post para não fugir ao assunto. Mas este não foi um desses casos de fastforwardite que de vez em quando me dá na mona, porque o comando da abençoada box ficou parado no mesmo sítio desde que arranquei com a gravação, tendo uma breve intervenção na altura do intervalo.

Se o jogo de Braga mostrou algo que fez renascer o espírito de qualquer portista que tenha assistido ao jogo, foi a capacidade de sofrimento e de empenho de um grupo que parecia estar a perder alguma daquela alma que marcou o início das trajectórias de muitos de nós, que nascemos e crescemos a ver Andrés e Joões Pintos. E essa força que saiu de dentro e continuou fora, com as centenas (ou milhares, pelo menos assim soavam) de adeptos nas bancadas da pedreira a fazerem com que os ecos de um clube que nos envolve, emociona, enerva e entusiasma a fazerem-se ouvir por todo o Minho. E é esta força que parecia abandonada ao largo de um estádio distante ou deixada para segundo ou terceiro plano em virtude de uma filosofia de jogo pausada, pensada, com poucas preocupações físicas e muitas de virtude mais técnica a sobreporem-se às primeiras. E não contesto essa forma de enfrentar um jogo de futebol, de colocar uma mentalidade diferente do que já foi a tradicional atitude de forquilhas em riste “aqui d’el Rei que nos matam os meninos” de aqui há uns anos.

Mas sentia falta disso, sentíamos todos.

E também por isso há uma tremenda união em torno de uma equipa que não fez mais que empatar um jogo numa competição que ninguém se preocupa muito por ganhar ou não porque não está perto dos primeiros interesses do clube e dos seus adeptos, nos quais me revejo na totalidade neste vector de pensamento. E há sempre os antis, os tradicionais, na bluegosfera e fora dela, que enojam de tanto nariz levantado perante o que foi um jogo épico que nos havemos de lembrar por muitos anos. Há-os sempre, os que dizem mal de tudo e de todos porque o “I told you so” é sempre mais recompensador que de facto alinharem com as cabeças unidas e na persecução de um objectivo comum. Ser carneiro é feio. Ser carneiro quando nos estão a tosquiar à força enquanto nos tentam levar para a beirinha de um precipício e puxam as calças para baixo parece-me outra completamente diferente.

Tudo isto para terminar no seguinte: nada do que foi feito na quarta-feira à noite em Braga serve de grande consolo se não chegarmos à Madeira e vencermos o jogo. Já vimos que há garra suficiente. Mas haverá cabeça?

Remates à entrada da área às vezes dão em golo. Imaginem!

239499_galeria_fc_porto_v_belenenses_primeira_liga_j16_2014_15.jpg

Discuto muito com os meus colegas de bancada durante o jogo. Um dos temas que foi mais analisado neste sábado foi a questão da contínua opção pelas jogadas combinadas em detrimento do remate pronto. Passamos o intervalo e boa parte do segundo tempo a discutir a falta de sentido prático dos jogadores do FC Porto à entrada da área, sendo que a conversa foi animada e focou-se no porquê de tantas situações serem criadas sem que resultem num remate pronto e decentemente apontado à baliza adversária. O meu colega de sempre, que aqui é habitualmente conhecido como Waldorf (e eu o Statler, em homenagem aos velhos dos Marretas), insistia que era absurda a quantidade de bolas desperdiçadas quando um gajo se apanhava em frente à baliza com um mínimo de espaço e insistia em rodar a bola para o lado ou em dar mais um toque ou fazer mais um passe, mais uma tabelinha, mais uma finteta ou mais uma berlicoquice inconsquente. Ele, o adepto do pragmatismo e do futebol acima de tudo eficaz, não lhe interessam os gestos técnicos, os dribles perfeitos ou as combinações ao milímetro. Quer remates. Quer que os rapazes sejam práticos, eficazes, sem brincadeiras.

E a segunda parte deu-lhe razão, tanto no início como no final, porque a abertura com o golo de Óliver e o fecho com o de Evandro mostraram que nem sempre o passe a rasgar ou o cruzamento recuado são as melhores opções. Às vezes, mais vale puxar a culatra atrás e dizer: “Aqui vai aço!”. Teríamos muito a ganhar com isso.

It’s Xmas, everybody!

blue-christmas-wallpaper
Hora de perdoar o Maxi pelas entradas, de abraçar o Bruno pelas imbecilidades, de beijar os pés do Herrera e de saudar os golos do Jackson. É altura para paz, amizade, boa disposição e um cálice de Porto pelo menos da idade do Ricardo Carvalho.

Divirtam-se. Aproveitem o momento de harmonia que tão poucas vezes aparece nas nossas vidas. O FC Porto só joga dia 30, até lá!

Done. Hurt. Fuck. Next?

adeptos

Sentado na cadeira em frente à mesa da sala, onde pousei o portátil, ainda com uma dor romba nos glúteos depois dos eventos do passado Domingo, vou ouvindo a primeira metade do Dark Side of the Moon e penso no que estará para vir. E à medida que vou passeando os dedos pelas teclas, procurando um subtil escape à tristeza que se abate sobre mim quando penso nos momentos finais da partida, há algo que cresce dentro de mim como uma fuga para a frente, uma tentativa de apagar aquela fugaz sensação de impotência que senti ao ver a minha equipa a não conseguir produzir o suficiente para bater o rival de sempre. Ah, maldição que caiu em cima dos ombros, infortúnio de cem facas que apontam ao lombo e massacram a pele e os tecidos, que perfuram e rasgam e magoam e deixam marcas.

Uma derrota destas deixa-nos sempre com uma memória. E no meio de todas as outras memórias de Portos-Benficas que tenho, esta não vai ser fácil de apagar. Mas vai desaparecer, bem como uma enormidade de outras recordações de miseráveis joguiúnculos que tive o prazer de ver ao vivo. E só não desaparece tão cedo porque a malta que vai aparecendo nestes momentos vão prosseguindo a profetização da queda de uma forma tão rápida e tão intensa como um orgasmo adolescente. No dia seguinte ao jogo, em que os comentários aqui no blog subiram qualquer coisa como 1000% em relação aos últimos posts (algo a que já estou habituado e saúdo com um misto de alegria e consternação pelo status quo continuar a ser bem menos pacífico que costumava ser) e as balas são disparadas num conjunto de direcções tão grande como as que nos podem levar de pólo a pólo. Citados os relatórios e contas das SADs (que refiro ao Tribunal do Dragão ou ao Reflexão Portista pelas análises estruturais e ao Mística Azul e Branca pelo esmiuçanço contabilístico, porque eu não tenho tempo, pachorra nem habilidade para tais deambulações economicistas), as contratações, os empréstimos, os poços e topos e as rectas que os/nos levam para lá, a ridícula brincadeira com o nome do treinador (o meu próprio apelido, complexo e nada familiar, não sofreu durante os meus trinta e tais anos tanta estupidez como Julen Lopetegui em meia-dúzia de meses, numa arte que tem tanto de inútil como de rebuscada), as críticas acintosas ao que os jogadores fazem ou não fazem, porque fazem o que não deviam fazer ou não fazem o que é lógico que urgia fazer ou porque apenas não sabem ou não querem ou não amam ou não sentem ou não vivem. De táctica falou-se pouco, fala-se pouco e fala-se cada vez menos nalguns círculos, porque o que interessa continua a ser o “I told you so”, de lanças apontadas como uma falange grega e mais afiadas que os cinco minutos de uso de uma faca que se vende nos anúncios nocturnos.

Numa altura em que se quer união, há desunião. Quando o nosso exército não foi dilacerado em campo e lambe as feridas que recebeu de uma forma tão cirúrgica que ainda não percebeu como é que não conseguiu sair de lá com alguma coisa para mostrar aos netos, tocam os sinos a rebate e volta a idiotice. Cansais-me, portistas, como me cansais. Quero é ver apoio ao Brahimi mesmo quando falha as fintas, quero ver Quaresma a cruzar com o apoio do povo, quero ouvir o som do estádio a torcer quando Danilo rompe pelo flanco, quero ver Herrera a passar certinho, Indi a tirar a bola ao outro, Óliver a rodar sobre o seu próprio eixo e Tello a acelerar para a baliza. Quero ver todas essas coisas porque o Porto não morreu porque perdeu um jogo. Podem vir duzentos Mendes e setenta milhões de Limas.

O próximo jogo é já na sexta-feira. Vais estar lá, portista?