Baías e Baronis – SC Braga 1 vs 0 FC Porto

Uma final tem este tipo de características, que enervam toda a gente. Há duas equipas, uma de cada lado, ambas a tentar ganhar o jogo sem o perder antes de poderem sequer tentar. E quando se juntam duas equipas com capacidades ofensivas igualmente fracas, uma das quais (a nossa) com um permanente engasgar na criatividade e na criação de lances de ataque coerentes, a somar a erros defensivos que são tão evidentes que se tornam patéticos, é impossível afirmar que jogamos bem. Mas…e há um mas…não jogamos assim tão mal. A equipa pareceu motivada, com garra, com mentalidade de “final” como se exigia. Mas foi evidente que nunca conseguiu uma produtividade ofensiva que causasse medo ao adversário, esse sim com um jogo parecido com o que fez no Dragão, sem problemas em jogar lá atrás até se ver a jogar a mais…e mesmo assim mantendo-se a controlar sem bola. Foi frustrante ver o jogo, mas ainda mais frustrante ver que seria quase impossível, a jogar com dez jogadores, conseguir a claridividênvia necessária para lhe dar a volta. Vamos a notas:

(+) Fernando. A maior injustiça deste jogo é o facto de Fernando não o ter ganho. Pareceu sempre jogar a um nível substancialmente superior a todos os colegas, a recuperar bolas da defesa ao ataque, correndo muito mais do que a Fernanda Ribeiro em dias de treino intensivo. Apanhou pancada de tantos jogadores do Braga que não o censurava se fosse ao Sameiro urinar na entrada, mas tentou vingar-se em campo com a força que mostra, com a forma como tenta continuamente levar o jogo para a frente mesmo quando os colegas já não aguentam com as pernas. Está em grande forma física e só tenho pena que poucos o acompanhem. Porque em campo só ele, James e Moutinho se lembravam da última final contra o Braga. E garanto que Fernando não jogou tão bem dessa vez como fez nesta.

(+) Alex Sandro. É muito bom no ataque, este puto. É tão bom que acho que vai ser complicado agarrá-lo para a próxima temporada, mas atravessemos essa ponte quando lá chegarmos. Muito activo na tentativa de levar o jogo sempre para a frente, sempre pelo flanco, com excelente toque de bola e só a precisar de melhorar um pouco nos cruzamentos. Foi o do costume, com alguma brincadeira mas a conquistar os adeptos pela força e inteligência com que ataca. Uma pérola que temos aqui no plantel.

(+) Fabiano. Uma grande defesa aos oitenta e tal minutos depois de um balázio do Hugo Viana e uma saída incrível aos pés de João Pedro ainda mais tarde já seriam momentos altos, mas foi por todo o jogo de segurança (até com os pés, por implausível que pudesse parecer) que transmitiu aos defesas que não senti falta de Helton. Não foi por culpa dele que perdemos o jogo, que é mais do que se pode dizer acerca da última Taça da Liga, quando o actual treinador do Rio Ave enfiou um enorme perú e tramou o resto dos rapazes.

(-) Incapacidade de criar jogadas de perigo. Um Baroni chega para todo este jogo, até porque mantenho a minha opinião: para uma final, não jogamos assim tão mal. Mas a quantidade absurda de erros que cometemos durante uma partida é simplesmente incompreensível. Houve uma repetição de tantos e tantos erros que se vêem há tanto tempo nesta equipa do FC Porto que me questiono se de facto há treino conjunto e um mínimo de tentativa de melhorar os níveis técnicos dos jogadores ou se apenas se foca na troca de bola em peladinhas. Sim, é uma “queixa” antiga dos treinadores de bancada, mas depois de ver esta exibição com tanta falta de inteligência na troca de bola na frente, com o enorme número de passes falhados, más recepções e falta de entrosamento entre laterais e extremos, aliados a alguma imaturidade de vários jogadores, começo a pensar que os treinos se limitam à parte física e pouco mais. Este jogo em particular fez-me lembrar aquelas jogatinas na escola primária, em campos de cimento com balizas sem rede (sim, na minha escola eram assim), onde a malta zarpava em louca correria mal tocava a campaínha para intervalo, juntando-se todos ao molho no centro do campo para pegar na bola e andávamos como doidos a tentar acertar na bola. Não havia equipas, só havia grupos de pó como em bandas-desenhadas antigas, com agudíssimos gritos de pré-adolescentes que ainda não quebravam a voz. E ninguém controlava a bola, só a chutava se visse alguém próximo da baliza, quer estivesse de costas ou de frente para os postes. E quando entrava um golo, naqueles momentos de bênção divina que faziam com que a bola atravessasse a linha sem ninguém fazer nada por isso…ninguém sabia o que raio tinha acontecido. E às vezes penso que há jogos em que o FC Porto só consegue marcar um golo se fôr empurrado por um qualquer arcanjo. Este foi um deles.

(-) Vitor Pereira. Culpar o árbitro pela derrota é tão redutor como dizer que os Alemães caíram nas Ardenas porque havia um ou dois carvalhos a mais na floresta. O que Vitor devia ter dito era qualquer coisa como isto: “Não entendo como é que desde há alguns meses a esta parte treinamos semanas após semanas para chegar aos jogos e raramente conseguirmos criar situações de perigo decentes. Continuo a não perceber porque é que os adversários chegam quase sempre primeiro à bola que nós e trocam a bola ao primeiro toque e nós precisamos de qualquer tipo de influência divina para chegar a esse ponto. Gostava de falar com os rapazes que estão no balneário para saber se já viram aquele número 25 que joga com as mesmas cores que eles e se percebem porque é que ele é dos poucos que o pessoal aplaude. O árbitro? Não falo de arbitragens.” E não falava. Isso é que eu gostava de ver. Perdi a esperança.

(-) Mossoró. Um anão nojento que merece tudo de mal que lhe possa acontecer em campo. É a representação de tudo o que um jogador brasileiro traz consigo, desde o excelente na finta, no drible e na visão de jogo, somados à ridícula propensão para a simulação e para a fiteirice interminável. Gostava de o ver a ser bitch-slapped por algum central maldoso. Um Materazzi bêbado, por exemplo. Batia palmas de pé, palavra.


Perdemos, perdemos bem e perderemos sempre enquanto não conseguirmos impôr o nosso estilo. E esse estilo e o autor do estilo estão por um fio, especialmente depois deste jogo. É que a malta até tolera perder a Taça da Liga. Mas não na final. Muito menos contra o Braga. Lamento, mas a vida é mesmo assim, Vitor.

Ouve lá ó Mister – Braga


Amigo Vítor,

Este é um exemplo de mais uma esguichadela de urina demoníaca que vejo direccionada às minhas gengivas. Não é que não vou poder ver o jogo em directo? Há gajos com o azar de um Vale e Azevedo apanhado com a pila dentro de uma ovelha, pá, e eu sou um deles. Já não perco uma final do FC Porto desde…olha cum carago, acho que nunca perdi uma final em que o meu clube estivesse presente, carago, mas esta tem um bom motivo e não tens nada a ver com isso, mas garanto-te que a causa é justa e o dever familiar chama antes do desportivo, como deves compreender. Ainda assim, vou apoiar a equipa em espírito, torcendo por dentro como se estivesse pregado em frente à televisão ou, no caso de tantos portistas neste sábado, em Coimbra a beber uns belos duns canecos e a gritar pelo Moutinho.

Não há muito que se possa dizer quando se chega a esta fase. Sim, todos sabemos que a Taça da Liga tem tanta importância para o dia-a-dia de um portista como um cubo de açúcar na vida de um diabético. Mas uma final é uma final e quando se chega a uma final, é para ganhar. Quanto mais não seja para espetar lá com a copa no putativo museu que já anda para abrir desde que o Sansão deu duas bufardas lá no templo e mandou aquela merda toda abaixo. E tu, meu caro, que “só” tens três troféus à tua conta, não te importas nada de acrescentar mais uma linha no cêvê e somar mais um título ao palmarés do nosso clube. E para isso só tens de ganhar um jogo. São noventa minutos de suor por uma eternidade aí de uns dois ou três dias em que todos se vão lembrar disto, especialmente porque vai dar em directo na TVI e os gajos têm a mania de fazer com que cada jogo pareça a final do Mundial.

O Braga que viste no Dragão na passada segunda-feira não vai ser o mesmo que vais apanhar hoje, já sei que pensas o mesmo. Estes cabrõezinhos que apareceram com as camisolas nojentamente vermelhas a jogar para empatar vão hoje dar sete litros para ganhar esta treta, até porque só ganharam uma taça na vida deles e querem ter mais uma para mostrar aos netos. Mas lembra-te de Dublin e percebe que estes moços já tombaram uma vez numa final contra nózes. E hoje vão cair de novo, às tuas mãos.

Força! Força Vitor! Força Porto!

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – FC Porto 3 vs 1 SC Braga

Foi um daqueles jogos longos que parecem nunca mais acabar, nem sempre pelos melhores motivos. E foi também uma real demonstração de como o futebol pode levar as pessoas da depressão à euforia numa questão de minutos, graças aos simples esforços de um homem. Perdão, um puto, que entrou aos setenta e seis minutos e teve a arte, a audácia e a sorte de dar a vitória a uma equipa que parecia deprimida e deprimia os que a viam há mais de uma hora. O Braga defendeu muito e bem, queimou tempo como uma miserável equipa de segundo nível que não é, mas acabou por morder a poeira que mereceu depois de tão fraco futebol ter mostrado. Cansado, saí do estádio a pensar no que o meu pai me tinha dito ao intervalo: “Mas estes gajos precisam de ser picados para jogarem à bola?!”. Parece que sim. Vamos a notas:

(+) Kelvin. Se fosse a ele guardava a camisola, as botas, a bola, dois nacos de relva e a embalagem de gel que pôs no cabelo, porque um jogo destes não se vai repetir durante muitos anos. Um dia, dizia-me o Dragão Crónico no final do jogo, quando o rapaz acabar de ser eleito melhor jogador da Suazilândia pelo sétimo ano consecutivo, ainda se vai lembrar desta partida como a coroa de glória da sua carreira de futebolista. Não sei o que o futuro lhe reserva, mas gostei da atitude, da garra, acima de tudo da vontade de mostrar e de marcar, com ou sem sorte. E pensar que para ele a noite tinha começado com uma tentativa de finta que resultou num desiquilíbrio…para ele próprio, que acabou por se estatelar redondo no chão. Levantou-se e marcou dois golos. Acho que chega.

(+) Fernando. Foi o melhor jogador da equipa pelo papel muito interventivo que teve na recuperação de bolas no centro do terreno. É um lugar comum, eu sei, e se googlarem esta frase acompanhada pelo nome dele, muito provavelmente verão umas dezenas de resultados em diferentes jogos. Mas fez-se sentir a forma como agiu sempre com a força que outros não tinham (Lucho, Danilo, James…) e a usou para tirar a bola a qualquer adversário que lhe aparecia pela frente, pelo lado ou pelo ar. De todas as intercepções, há dois cortes extraordinários, com a ponta da bota, que inviabilizam contra-ataques potencialmente perigosos para o Braga, que foram, merecidamente, aplaudidos de pé. Excelente jogo.

(+) Helton. Cada vez é mais Beckenbauer o nosso violeiro, jogando continuamente mais avançado à medida que a equipa tenta porfiar no ataque, e é exactamente essa a grande mais-valia que traz à equipa. Defendeu quase tudo (o remate de Alan no golo é muito bom, diria indefensável), incluindo um lance de João Pedro isolado depois de (mais) um AVC de Otamendi e vários remates de longe de Baiano ou Alan. Foi o que precisávamos que fosse, seguro, firme e a dar confiança.

(-) A velocidade de construção e execução. Somos uma equipa lenta, não tenho dúvida. Mas ainda somos mais lentos do que pensar que a executar. Ou será ao contrário? Fica para pensarem, mas a verdade é que a equipa demora tempo demais a conseguir criar um lance de perigo, com rotação de bola em zonas pouco produtivas a ser feita com demasiada calma e excessiva complacência, para quando se consegue de facto obter um espaço para fazer alguma coisa de jeito como um cruzamento ou um remate…demora-se anos a colocar a bola na posição certa, com o vento adequado, o gomo correcto a fazer sombra e a humidade relativa nem 1% a mais do que devia. Perdem-se bolas atrás de enervantes bolas com este perfeccionismo (estou a evitar dizer “lentidão”) abusivo e se o remate de James deu golo foi porque finalmente se decidiu…pelo remate. Atsu, no estilo que só ele neste plantel pode ter, foi o único a ser prático. Entrou e a equipa mudou, começou a criar mais perigo. I fucking wonder why.

(-) Lucho. Está a pagar a factura da primeira volta que fez com bastantes juros. Lembram-se quando Lucho aqui há uns meses fazia noventa após noventa minutos a varrer o meio-campo e a pressionar o guarda-redes e todos ficávamos surpreendidos com a capacidade física do argentino? Alguns anormais com blogs de outras cores (verm*cof*elhos) chegaram até a levantar os braços aos céus como faz a carneirada nas igrejas evangélicas e a gritar doping como se fossem uma versão autista de Arquimedes no chuveiro. E agora…vejo Lucho a arrastar-se em campo, sem vigor, sem força, sem pernas para pouco mais que uma ou outra corridita. Vai ser um final de época tramado, especialmente com a falta de opções viáveis no plantel…

(-) A tremideira de Abdoulaye. Ai, home, que essas varas negras que chamas pernas tremiam-te tanto que nem imagino como estavam os teus intestinos. Primeira intervenção, uma rosca para o ar, canto. Segunda, um passe absurdo para Defour. Terceira, um domínio de bola trapalhão a ceder lançamento ao adversário…e por aí fora. Abdoulaye só atinou nos descontos e felizmente não houve chatices de maior para resolver. Andas a passar muito tempo com o Castro, rapaz.

(-) A passividade de Danilo no golo. Alan recebe a bola na linha, perto da área. Passa a bola para o colega na marca de penalty, que a devolve ao “Predator” para um remate estupendo levar a bola para dentro da baliza. E Danilo, o marcador de Alan, pelo menos dez anos mais novo que ele? Ficou-se. Ficou a ver o homem que devia marcar a entrar alegremente na área, chocando contra Moutinho como um camião-cisterna contra um dente-de-leão, sem que tivesse ninguém para lhe fazer frente. São ingenuidades a mais do nosso defesa direito, palavra de honra.


O nosso trabalho está feito, pelo menos nesta semana. Sim, já devia ter sido feito há muito mais semanas mas é o que temos e agora não adianta partir para análises fora de horas porque haverá tempo para isso quando a obesa cantarolar. O que interessa agora é o próximo jogo e a vitória que é essencial nesse mesmo jogo. Para lá da Taça da Liga, que francamente não me chateia muito. Sei que o Braga não vai a Coimbra jogar da mesma forma que fez aqui, por isso o jogo será bem diferente, mas este, meus amigos, já foi. Ah, e parabéns, Quim. Continuas a fazer amigos a qualquer lado onde pões os pés. Queimar tempo aos 15 minutos? Porra, homem, foi demais.

Ouve lá ó Mister – Braga


Amigo Vítor,

Este é mais um, só mais um, e nem o facto de ser o Braga o torna mais ou menos especial. Até podias jogar contra o Cangalheiros Unidos, o que interessa é ganhar. Não há nada que possa fazer com que este tipo de jogos se tornem entusiasmantes, felizes, bem-dispostos, com a galhofa dos campeões e aquela barbela enorme de quem está à frente. Este é um jogo daqueles mais tramados dos jogos: é um jogo difícil que se tem de ganhar, porque se não o fizeres então, amigo Vitor, está tudo fodido.

Não que as coisas não estejam já parcialmente fodidas, porque estão. E digo “parcialmente” porque ainda há esperança, pá, e já sabes que nunca desisto a não ser que me provem para lá de qualquer tipo de dúvida razoável que o panorama está, de facto, copulado e bem copulado. E até esse momento FUBAR aparecer à beira da porta, não há que desanimar e é seguir com a carruagem em frente que a ponte está de pé e a estrada mais ou menos em condições.

Já vi a convocatória e…é o que tem de ser, não é verdade? Marat, Mangalho e Mandrião estão de fora, por isso bora lá a enfiar alguma alegria na equipa! Atsu a titular! Maicon a titular! E é isso. Não tenho mais ideias, não consigo puxar por cartas que não conheço nem sequer sei se existem. Mas sei que vou lá estar na bancada, acabado de sair de um dia de trabalho. E acredita quando te digo que não me quero divertir nem lá vou para isso. Quero ganhar o jogo. Quero continuar na luta, Vitor, e quero que os teus rapazes continuem a acreditar nisso!!!

Bora lá, mais uma alegria, mais uma vitória, Porto, Porto, Porto e o resto da marcha que tu bem sabes como é. E um pontapé no Alan, se possível.

Sou quem sabes,
Jorge

Ainda o Braga vs Porto

Voltando à passada sexta-feira e revisitando os eventos que se foram sucedendo no último jogo do FC Porto na Taça de Portugal “Inserir-actual-patrocinador-aqui” 2012/2013, há alguns comentários extra que gostava de deixar por escrito para memória futura. Até porque sou um gajo que é reconhecido pela sua esquecitude…esquecificidade…por ser esquecido, pronto. Uma garrafa de vinho ao jantar também ajuda a que algumas coisas fiquem sem dizer e o próprio formato dos B&Bs também me limita no tamanho do artigo para que não fique com tão extenso que ninguém o queira ler. Não sou louco, apesar de às vezes poder soar a tal. Assim sendo, ficam então alguns tópicos para conversa de café:

  1. Miguel Lopes fez um jogo mau. Muito mau. Saiu depois de Olegário lhe ter poupado o segundo amarelo em mais uma das entradas fora de tempo e de oportunidade. Demasiada deambulação pela zona central sem cobertura do flanco, um pouco como Danilo mas sem a capacidade de recuperação do brasileiro e, ainda pior, com Abdoulaye a jogar daquele lado que não parecia conseguir evitar que Mossoró e Ismaily por lá aparecessem sem problemas para furar pelo flanco direito da nossa defesa. É este tipo de jogos que me fazem pensar que Danilo, apesar de ainda não me ter convencido naquela posição, continua a ser a principal opção. Miguel Lopes não me dá confiança.
  2. É muito bonito ver James a jogar pelo centro. Muito bonito sim senhor, porque o rapaz percebe da poda e dá gosto vê-lo a controlar o espaço, a jogar de olhos levantados a processar linhas de passe na sua cabeça como o Terminator atrás da Sarah Connor. E é muito o que James pode fazer quando tem cobertura adequada para evitar contra-ataques, habitualmente dada por Moutinho e Lucho com Fernando mais atrás, com um meio-campo bem oleado e que funciona na perfeição…mas quando o centro do terreno está ocupado por homens menos habituados às movimentações de James, seja pela frente dele com Kleber movimentando-se sempre na direcção errada, Castro a ser obrigado a tapar as subidas de Miguel Lopes e Defour a ter de ir a todo o lado para apoiar Atsu que não conseguia atacar e Mangala que não sabe atacar, aí James não rende o que pode e deve render e o resultado é óbvio: perde-se harmonia, perde-se estrutura e perde-se James.
  3. Há apenas uma decisão de Vitor Pereira que pode ser questionada: a opção pela rotação do plantel neste jogo tendo em perspectiva o jogo de Paris. As outras alarvidades de que se vai falando por esse planeta fora não passam do tradicional jogo da piñata azul-e-branca com o treinador a funcionar como o burro que leva com a vareta na cornadura. E vou fazer papel de advogado…do dragão.
    1. “Porque não meteu logo Moutinho mal Castro foi expulso?” Castro foi expulso aos 72 minutos e a equipa ficou, obviamente, com dez jogadores. Sabendo que havia ainda cerca de vinte minutos para jogar e apenas restava uma substituição, também eu teria esperado um bocadinho para tentar perceber se a equipa aguentava. E se Danilo não tivesse tido aquela paragem cerebral e o mais provável é que tinha mesmo aguentado. Quando VP tomou a decisão de o fazer entrar, o Braga marcou o segundo. Moutinho já estava à espera para receber ordem de entrada pelo quarto árbitro…
    2. “Como é que o Kleber ainda joga?” Muito provavelmente porque ainda há alguma esperança que o rapaz consiga ter um mínimo de rendimento que justifique o investimento, o litígio, as declarações, o mal-estar institucional e a chuva de facas (pouco faltou) que decorreram do facto de termos Kleber actualmente no plantel. E o rapaz lá vai marcando um golo de vez em quando e deve correr muito nos treinos…e vai iludindo treinadores e adeptos que ainda lhe depositam confiança. Se continuar assim, acho que este jogo terá sido um dos últimos que Kleber jogou pelo FC Porto, francamente.
    3. “Se fez esta rotação, não espero menos que uma vitória em Paris!” Esta é que me deixa de queixos caídos. Ora então o facto de apresentarmos a melhor equipa possível contra o Paris Saint-Germain, uma equipa que vencemos com um golo aos oitenta e muitos minutos depois de um jogo bem disputado e equilibrado, é factor necessário e suficiente para vencer o jogo contra a mesma equipa no campo deles? Há coisas que nunca vou conseguir perceber na lógica de muita gente que encara o futebol com uma espécie de linearidade absoluta, onde A implica B e Y nunca pode ser resultado de X quando K for igual a oito. É ridículo pensar assim e se quiserem exigir alguma coisa, façam-no no sentido certo: os jogadores têm de mostrar vontade de ganhar ou, no mínimo, de terminar em primeiro no grupo, que passa por um empate. Se querem mais que isso peguem no FIFA ou no PES e baixem o nível de dificuldade para “Jogar como se fosse americano”. Aí talvez vejam uma razão causa-efeito mais evidente.
  4. A primeira equipa do Braga jogou contra uma equipa do FC Porto mais remendada que um telhado de umas águas-furtadas berlinenses em Maio de 1945. E só conseguiu criar meia-dúzia de lances de perigo depois de ficarmos a jogar com dez e alguma desorganização se ter instalado na nossa estrutura. E quase que ganhávamos o jogo. Só espero que se Vitor Pereira tirar alguma conclusão do jogo de hoje, que seja esta: podemos alterar algumas peças na equipa sem perder coesão. Mas quase todas ao mesmo tempo…as segundas-linhas não dão garantias para aguentar noventa minutos contra uma equipa jeitosa.