Baías e Baronis – FC Porto vs Besiktas

Foto retirada do Sapo Desporto

Foi um jogo estranho. O FC Porto entrou, como era esperado, com cautelas em relação ao jogo do próximo Domingo contra o Benfica e tentou sempre gerir a posse de bola (raramente da melhor forma) e impôr um ritmo lento, pausado em demasia e com poucas incursões bem organizadas no ataque. Do outro lado estava uma equipa do Besiktas que se resumia a um grupo de jogadores viri…não…agressiv…não…sarrafeiros (isso) que tentaram pela força o que podiam perfeitamente ter conseguido pela táctica, tal era a desorientação geral no meio-campo portista. A somar a isto temos uma arbitragem ridícula, que permitiu aos turcos fazerem o que lhes apetecia ao lombo dos nossos rapazes, fosse com os pés, as mãos ou os cotovelos. Apelando ao pragmatismo, o resultado é mau mas aceita-se tendo em conta o que ambas as equipas produziram. Venham as notas:

(+) Fucile O melhor em campo, pelo menos do nosso lado. Foi o Fucile da África do Sul, que lutava por todas as bolas, que fazia o flanco todo em correria louca, que se lançava em carrinhos para bloquear os passes dos adversários e que apoiava o ataque com tabelas práticas e sempre a subir no terreno com a bola controlada. Está a ser um duelo interessante pela posição de lateral-direito, talvez a grande incógnita na equipa-base de Villas-Boas. Com Fucile a jogar assim, o lugar é dele.

(+) Rolando Foi dos melhores jogos que o vi fazer com a nossa camisola. Esteve prático, útil na cobertura e não teve qualquer problema em mandar a bola para longe quando era preciso. Parece ter crescido desde o início da época e só se pode esperar que continue a boa forma.

(+) Hulk Nem a meio-gás jogou. Fez uma partida pausada e saiu para descansar porque o jogo importante é mesmo no Domingo. Ainda assim, sempre que pegava na bola e arrancava pelo flanco, quer o esquerdo quer o direito, era notória a dificuldade do adversário para o parar. Domingo já podes explodir, rapaz, domingo…

(+) Fabian Ernst e Nihat O alemão pela inteligência táctica no meio-campo, posicionamento quase perfeito e a distribuir as bolas de uma forma simples e directa, sem inventar; o turco porque marcou um golaço e andou todo o jogo a correr como louco e a dar cabo da cabeça ao Álvaro. Nihat aproveitou impecavelmente a expulsão de Rodriguez para zarpar pelo flanco fora, obrigando a defesa a recuar e os indolentes médios a descer para as laterais, destapando o centro do terreno. Ainda é um excelente jogador.

(+) Claques Foi uma segunda parte complicada, com emoção e incerteza no resultado. Os Super e o Colectivo estiveram incansáveis no apoio, a cantar desde o intervalo até ao apito do fulano que andava de vermelho mas que de árbitro tinha pouco, e a resposta da parte dos turcos foi sempre à altura, inclusive ao intervalo, onde tentavam puxar pelos ensonados adeptos portistas quando começaram a cantar em apoio a Quaresma. Foram poucos os que responderam ao repto, mas ficou-lhes bem o gesto.

(-) Cristian Rodríguez Começo a perder a paciência para aturar o Cebola. É um extremo que continua a não conseguir passar pelo marcador directo, porque quando recebe a bola abaixa a cabeça, enfia os olhinhos no chão e cá vai disto, arranca como um barril a rolar sobre a relva e quando consegue chegar à linha cruza contra o defesa, ganhando canto ou lançamento. Isto acontece 95% das vezes. Das outras, anda perdido e recua a bola para o lateral. É o tradicional não copula nem sai de cima, pronto. A expulsão é do mais ingénuo que já se viu nos últimos tempos e não se coaduna com um jogador que já devia ter experiência suficiente para se alhear das provocações dos adversários. Foi parvo e infantil e a equipa pagou por isso. Villas-Boas devia mandá-lo ficar a treinar no fim do jogo, à Robson.

(-) Guarín Continuo a não gostar de o ver a jogar na posição 6, muito embora a rotatividade do meio-campo acaba por fazer com que qualquer médio apareça em qualquer uma das três posições. Mas Guarín é um rapaz que até dá jeito quando entra cheio de força para acabar ou controlar um jogo pela força, numa altura em que a cabeça dá lugar ao coração, mas quando se lhe pede mais que isso…é para esquecer. Fica-me na retina um lance em que tenta fazer um chapéu ao guarda-redes do Besiktas (vá-se lá saber porquê, deve ter visto Holosko a fazer o mesmo e a enviar a bola à trave e quis tentar o mesmo) e a bola sai uns bons 10 metros acima da baliza. Fino recorte técnico, rapaz.

(-) Meio-campo criativo do FC Porto Nem Belluschi nem Ruben Micael estiveram bem hoje e essa falta de inspiração e entrega ao jogo foram demasiadamente influenciadoras do mau futebol que praticámos. Compreendo a tentativa de refrear ânimos, de descansar e de não meter o pé nos confrontos directos, especialmente com os 11 assassinos a soldo que estavam do outro lado. Ainda assim, não se cumpriu um dos objectivos que seria evidente para hoje: descansar com bola. Tanto um como outro não conseguiram furar a barreira de 4+2 homens que formavam o meio-campo turco e o FC Porto nunca conseguiu mais que enviar a bola para Hulk e pô-lo a correr. Foi pouco demais.

(-) Sarrafeirice do Besiktas O exército de Saladino esteve à solta no Dragão. Quais descendentes do antigo império Otomano, os estupores dos turcos vieram bater em tudo o que viam com uma simplicidade tão grande quanto a lata com que continuavam na senda de brutalidade ao nível da inquisição Espanhola. (menos referências histórias, não é? ok!). Contaram com a complacência do árbitro em vários lances, porque não percebo como é que alguns deles conseguiram acabar o jogo. Uma palavra especial para Guti. A foto que escolhi para ilustrar este jogo não foi por acaso. Guti é um cabrãozinho, sempre foi um cabrãozinho e continua a ser um cabrãozinho. Talentoso, o animal, mas cabrãozinho. É daqueles jogadores que usa a experiência e o estatuto para fazer o que quer em campo, com ou sem a bola perto dele, e que apetece pontapear repetidamente em vários locais do corpo só para o ouvir a ganir de dor. Nojo.

(-) Árbitro Quando os nossos comentadores desportivos, bloggers e o Rui Santos virem a actuação desta bes
ta italiana hoje no Dragão, sugiro que engulam em seco quando pensarem em sugerir que os árbitros estrangeiros são a melhor opção para os jogos do nosso campeonato. Já vi muitas arbitragens fraquinhas, tal como já vi muitas arbitragens excelentes. Mas é raro ver um árbitro que permita tão descaradamente um jogo tão violento como hoje Paolo Tagliavento se lembrou de permitir. Como Patrick Bateman em American Psycho, o rapaz não sentia nada e tudo o que via devia parecer-lhe tão normal como uma ceia de Natal com delicado bacalhau cozido, quando claramente o repasto era uma sarrabulhada de patadas, cotoveladas, chutos e empurrões. À beira desta rapaz, o Pedro Henriques era um árbitro que apitava demais. Não comento o penalty (podia não ter marcado e ninguém se chateava) nem o lance do golo/não-golo porque tenho de lhes dar o benefício da dúvida. Quando não há certezas, não se marca, ponto. Nas expulsões nada a dizer, esteve bem. Foram as únicas coisas de jeito que fez todo o jogo.

O apuramento está garantido e podemos gerir o plantel em Viena e depois em casa frente ao CSKA Sófia. Podíamos ter vencido o jogo mas acima de tudo podíamos e devíamos ter controlado melhor a partida, não fosse Rodríguez querer lixar a vida ao treinador e enterrar a equipa numa desorientação táctica e impedir que se conseguisse jogar calmamente e descansar corpo e mente para Domingo. Too bad.

Ouve lá ó Mister – Besiktas

André, büyük patron!

Escrevo-te com a convicção que vamos passar o grupo em primeiro lugar. Fiquei com essa ideia a meio do jogo com os turcos lá em Istambul, quando o Hulk marcou o terceiro golo, depois de pôr o defesa deles à procura dos rins algures no Bósforo. Estou a gostar, rapaz, a equipa está a jogar bem e depois daquela enxurrada em Coimbra, ainda gosto mais. Mas ainda assim…não inventes muito. Já viste o que é esta moral toda em alta, esta confiança na vitória, com o pessoal sempre a apoiar a equipa, o Helton sem escorregar, o Moutinho a jogar bem, o Belluschi a jogar melhor, o Hulk a marcar e o Falcao a apoiar…e perdermos a bagagem toda? Não parecia bem, pá, a malta ficava indecisa e os teus rapazes ansiosos por Domingo.

Já sei que disseste que temos de jogar um jogo de cada vez e que o Benfica ainda está depois do Besiktas, só espero que convenças os meninos que vão entrar em campo que estavas a falar a sério. Palavra que quem estiver atento às televisões e aos jornais, parece que o FCP nem joga esta semana. Só os spots da SIC é que anunciam o jogo e mesmo assim é a medo, e não te esqueças que está tudo à procura de uma falha na armadura!

E já viste a lata do Guti? Não sei quê e não queremos sofrer golos e vamos para ganhar e tal…cuidado com esse gajo, olha que de Espanha nem bom vento nem boa comida nem bom café nem gajas difíceis por isso não o deixes andar muito solto. E o Nihat? Esse cabrãozinho corre que se farta!

É uma pena não poderes pôr a jogar o Emídio Rafael como a Bola queria. Depois de fazerem mal as contas aos amarelos do Moutinho, agora esqueceram-se que o rapaz nem inscrito está…só falta avançarem em primeira-mão que o Mariano se vai estrear neste jogo. Já sei que não ligas nada ao que os gajos dizem, e acho bem. Deixa-os a apodrecer no meio das fezes que saem das boquinhas deles, é o que merecem.

De qualquer forma lá estarei. E se pudessem ganhar na paz do Senhor, era porreiraço.

Sou quem sabes,
Jorge

Jesualdo e o lixo.

Jesualdo foi treinador do meu clube nos últimos 4 anos, durante os quais venceu três Campeonatos, duas Taças de Portugal e uma Supertaça.

Por muito que não tenha concordado com as suas decisões, principalmente na última temporada em que esteve ao comando da nossa equipa, foi sempre um treinador que protegeu o grupo da melhor maneira que soube e que teve o apoio da Direcção para, tanto nos bons e maus momentos, sempre dispôr do tempo e dos meios para fazer o seu trabalho. Critiquei-o quando senti que devia e elogiei-o quando mereceu. Como as pessoas de bem devem fazer.

Ao fim de 9 jogos, o Málaga, etapa para onde prosseguiu a sua carreira, despediu-o. Nem teve tempo suficiente para se habituar ao ar da cidade, quanto mais a um campeonato novo com um estilo e uma competitividade muito próprias.

O que custa mais nisto não é o despedimento em si, porque estou certo que Jesualdo saberá seguir em frente. O que é mais ridículo é ver o regozijo com que um grande número de indivíduos, blogs e sites afectos a outros clubes que não o FC Porto estão a tratar este assunto. Os ódios mesquinhos, como são impossíveis de terminar de uma forma permanente, deviam pelo menos ficar pela fronteira. É por estas e por outras que esta gente é, numa palavra, lixo.