Novos equipamentos: ideias?

Podemos pensar que ainda não terminou a época de 2010/11, mas 2011/12 já está a ser preparada há muito tempo. Em termos de equipamentos, as grandes empresas já começaram a lançar alguns dos equipamentos dos clubes de topo por esse mundo fora.

No nosso caso, desde que seja azul e branca não me importo muito qual o padrão. É óbvio que por motivos de marketing e exposição mediática, todos os anos se muda o número de riscas, a posição das cores no fluxo do padrão, se no centro está branco ou azul, se o logo fica ao meio ou de lado, o logo da marca a amarelo, branco, vermelho ou azul, com ou sem colarinho, gola em V ou redonda…as possibilidades são imensas.

Então quando passamos para as alternativas, ui. Antigamente eram uma de duas: toda branca ou toda azul. Hoje em dia, mais uma vez por imperativos marketingueiros, muda-se a côr, o estilo, as nuances, o patrocinador, um bocado de tudo.

Como coleccionador de camisolas de futebol fico sempre ansioso por ver o novo modelo dos nossos equipamentos, e vocês? Interessa ou nem por isso?

Votação: Titularidade – Guarín, Belluschi ou Ruben Micael?

A época começou com Ruben ainda a recuperar da lesão sofrida em Março, com Belluschi num limbo exibicional que deixou os adeptos a questionar o investimento feito nele e com Guarín a subir de produção e a ser o responsável pela vitória na Taça de Portugal frente ao Chaves. Belluschi foi o titular desde o início e fez uma primeira volta excelente, mas a segunda volta trouxe um Guarín muito acima do que se esperava dele, com golos portentosos e jogos geniais. Ruben, depois de um início fraco e sem grande fulgor, parece querer ressurgir e afirmar-se como opção válida para o clube e até para o país. Impõe-se a questão: quem destes rapazes deve ser titular ao lado do insubstituível Moutinho? As respostas foram:

  • Guarín: 70%
  • Belluschi: 23%
  • Ruben Micael: 7%

Guarín parece ter conquistado o coração dos Portistas. Com tantos golos e com uma vontade de jogar e brilhar como não tínhamos visto desde que cá chegou em 2008, Fredy é titular por mérito próprio e cabe aos outros passar-lhe à frente para reclamar o lugar. Ou então dar-lhe uma pranchada num treino e arrumar com o rapaz de vez. Nah, não me parece, ainda se magoavam mais eles do que o próprio colombiano.

Próxima votação, já a decorrer aqui ao lado: Deve a SAD fazer tudo para manter Hulk e Falcao?

O boomerang do karma

Não preciso de falar dos confrontos com a polícia. Nem é necessário lembrar os pontapés que os nossos jogadores levaram no lombo aquando do jogo do campeonato. Esta foto diz tudo:

foto retirada de Record

 

Que ninguém venha reclamar por causa das peitadas do Belluschi ao Duarte Gomes em Braga.

Baías e Baronis – Benfica 1 vs 3 FC Porto

 

foto retirada de MaisFutebol

 

Ainda estou a pensar como é que foi possível. Depois do pior jogo da época nos ter ferido o orgulho quase de morte, incluía-me no grupo dos cépticos, nós que somos sempre mais negativos e que raramente acreditamos que se pode dar a volta a um resultado negativo deste nível. Quando o jogo chegou ao intervalo, dei comigo a pensar: “Bem, os rapazes até estão a tentar, mas está a faltar qualquer coisa. Se ao menos entrasse um golo, era só preciso um golo para lhes dar mais alento. Carago, povo, é só mais um bocadinho de querer, vamos a isso!!!”. Sim, eu penso com pontuação e tudo, é uma coisa minha, não questionem. Na segunda parte…Valhalla em Lisboa. Moutinho em grande forma, Hulk mais prático, Falcao mais acertado, Fernando com a mesma consistência, Otamendi e Rolando a defender muito bem e Álvaro a jogar quase como médio-ala, a pressão foi excelente, eficaz e converteu em golos alguma sorte que fizemos por merecer. Estamos na final! Vamos a notas:

 

(+) FC Porto É um jogo que define uma época. A vontade que hoje mostramos de tentar dar a volta a um resultado negativo é equivalente, perdoem-me a comparação, ao jogo da segunda mão da Taça UEFA de 2002/2003 onde a derrota nas Antas com o Panathinaikos levou ao famoso “esperem, isto ainda vai a meio” de Mourinho. Foi uma jornada fabulosa de querer, de garra e de total concentração num jogo em que partíamos com uma desvantagem muito complicada de conseguir anular. Porra, tínhamos perdido em casa com o Benfica por 2-0! Mais que isso, tínhamos perdido muito bem! Acredito que foi essa noção, o facto dos jogadores se aperceberem que o orgulho estava em jogo levou aquele extra de enfoque e compenetração que a vitória era a única opção. Notava-se isso nos jogadores, desde Beto a Falcao, desde Fernando a Hulk. Sempre a tentar, sempre a forçar, sempre a arriscar. Ganhámos e demos a volta a um resultado extremamente negativo com o contrário do que tínhamos mostrado na primeira mão: garra, luta, concentração e acima de tudo uma inabalável fé nas nossas próprias capacidades. A minha salva de palmas, meus amigos, foi memorável!

(+) João Moutinho De todos os jogadores do FC Porto que hoje calcaram o relvado da Luz, o mais importante e influente foi o mais pequeno. Moutinho fez hoje um dos melhores jogos que o vi a fazer com a bela camisola azul-e-branca, mostrando tudo o que esperamos dele e confirmando todo o talento que tem. Passes a rasgar, concentração no meio-campo, inteligência na rotação da bola e um cerrar de dentes de cada vez que disputava uma das muitas bolas divididas que venceu durante o jogo que aposto que até o Sereno não lhe mostrava os pitões num treino se a atitude fosse sempre aquela. O Sereno talvez, mas mais nenhum. A somar à influência na equipa, foi o marcador do primeiro golo, o arranque da louca sequência que abanou a estrutura do Benfica, num remate seco, forte, rasteiro, colocado. Perfeito.

(+) Fernando Se Moutinho pautou o jogo ofensivo da equipa, Fernando foi o garante da estrutura da defesa. Para além dos cortes providenciais (um dos quais deu origem a um dos golos num carrinho fabuloso a roubar a bola a Franco Jara), a forma confortável e controlada com que saiu da defesa e rodava a bola para os outros colegas do meio-campo e mesmo para o ataque deu segurança a todos e garantiu que as subidas dos laterais tinham cobertura quando havia uma perda de bola. Foi o Fernando do costume, o que diz tudo.

(+) Álvaro Pereira Sem ele o flanco esquerdo do ataque do FC Porto fica manco, a funcionar ao ritmo de serviços mínimos numa repartição de Finanças em dia de ponte. Álvaro dá energia à ala, subindo desenfreado ao nível de um Roberto Carlos de boca aberta, a tabelar com o médio centro e a ajudar os colegas em todas as jogadas que entra, somando a isso alguns cruzamentos de grande nível. É essencial que se mantenha em forma até ao final da temporada.

(+) Otamendi Mostrou hoje exactamente aquilo que o FC Porto precisava de ter desde a saída de Bruno Alves: a capacidade de sair da defesa com a bola controlada e criar desiquilíbrios no meio-campo adversário. É curioso e levemente irónico que o Benfica, a tapar bem os espaços na zona central do terreno, tenha sofrido com as subidas de Otamendi com a bola, a fazer lembrar um jovem guedelhudo que saiu do plantel aqui há uns meses. O argentino hoje mostrou a todos que é o único que pode ser fazer par com Rolando no eixo defensivo e fazer com que a equipa não tenha medo de qualquer falha.

 

(-) Carlos Xistra O penalty é um exemplo da má arbitragem. O problema é que mostrou a coerência de Xistra durante todo o jogo, marcando faltas atrás de faltas, qual delas a mais forçada. Houve tanta fita dos jogadores do Benfica na primeira parte que mais parecia que estava na serenata da Queima em plena Sé do Porto. E a somar a isso houve mais uma distribuição de cartões por tudo o que mexia pouco e nada de cartões para os que mexiam muito (Martins, segundo a Rodríguez), foras-de-jogo não marcados quando deviam (2º golo do FCP) e marcados quando não deviam (Álvaro Pereira quando ia a caminho da baliza), juntamente com uma tentativa parva de agarrar o jogo…matando-o. Felizmente os jogadores arrebitaram na segunda parte e deram uma imagem do futebol mais agressivo que Xistra tratou rapidamente de serenar, com mais faltas e mais cartões. Exagerado.

(-) Ineficácia no contra-ataque É uma das (poucas) falhas do FC Porto, apesar dos muitos golos marcados já nestas condições. Há uma estranha consistência nos constantes desperdícios de contra-ataques em que estamos em vantagem de 3 ou 4 atacantes para apenas um ou dois defesas e hoje voltamos a ver mais do mesmo. O que me incomoda é que a maioria destes lances acontecem em alturas que podem terminar o jogo e matar qualquer resistência do adversário. Como não damos a facada na carótida quando podemos…depois andamos a sofrer até ao fim, por demérito próprio. A rever.

(-) Sapunaru Não sei o que se passou. Não vi nada de especial mas acredito que tenha ficado lixado com qualquer coisa, talvez pelo penalty em que não teve culpa do que aconteceu. Seja pelo que fôr, não tem desculpa e tem de ser castigado.

 

 

Foi épica esta vitória em pleno Estádio da Luz. A forma clara como impusemos o nosso futebol, como empurramos o Benfica para trás e os obrigamos a defender com onze jogadores recuados, a maneira positivamente arrogante com que chegamos, entramos e dissemos: esta merda vai ser nossa! E três pancadas de Moliére depois, com uma outra leve pancadinha a causar algumas cócegas mas pouco mais que isso, o pano fechou-se sobre a carreira do Benfica na Taça. Vamos à final com mérito. Venha o Guimarães!