Adios, muchachos!

Gostava de descobrir agora uma prosa adequada para dedicar à saída de Falcao, mas não consigo encontrar palavras melhores que as que escrevi sobre ele em Junho deste ano, no resumo da temporada:

“Como é que se descreve uma temporada do nível que Falcao fez desde Agosto de 2010? Podia citar os quase quarenta golos que apontou. Ir buscar as dezenas de artigos que foram escritos a louvar a capacidade goleadora do nosso Radamel. Podia até citar montanhas de opinadores, analistas, treinadores, jogadores, agentes, velhos e novos, todos a elogiar os feitos do colombiano. Chegava o camião de estatísticas que provam que foi um dos melhores jogadores da Europa na época que agora terminou. Decidi, como fiz para o compatriota Guarín, ir buscar um texto que escrevi sobre ele depois do “poker” ao Villarreal: “Quatro golos. Quatro lanças, quatro facas, quatro patadas, quatro tacadas. Quatro vezes me fizeste saltar em euforia nas bancadas hoje no Dragão, distribuindo high-fives pelos meus companheiros. E a cada um desses pulos de puro êxtase futebolístico, só conseguia pensar: que privilégio é ver-te a jogar ao vivo. Assistir às desmarcações, às fintas de corpo, aos remates e aos cabeceamentos que fazes e continuas a fazer. Já levas quinze golos marcados na Europa esta temporada e gostava muito de te ver a fazer qualquer coisa de parecido na próxima com a nossa camisola. Uma vénia para ti. Uma não, perdão: quatro!”. Falcao é dos melhores pontas-de-lança que já vi jogar. Ponto.”

Já sobre Ruben, recupero o que escrevi sobre ele na mesma altura:

Uma pequena decepção. No ano passado, quando apareceu em Janeiro para tentar ajudar uma equipa desmoralizada, partida e com algumas das suas peças mais importantes postas de lado, surgiu como um rei mirolho num grupo de invisuais, porque não sendo genial acabava por estar acima dos colegas…até porque com Raul Meireles a jogar como um refugiado somali, notava-se bem a diferença. Prometeu muito e talvez por isso a malta estava à espera que confirmasse o bom arranque, mas a lesão que sofreu no final da temporada (e que o afastou do Mundial de 2010) levou a que o início de época não corresse muito bem. Belluschi pegou no facho e tirou-lhe o lugar de vez, para depois ceder a posição a Guarín que não deu hipótese a mais ninguém. Ruben nunca conseguiu surgir a um nível que o pudesse fazer recuperar uma posição no onze. Medroso, quase sempre com pouco ritmo e com pouca vontade, só em Fevereiro/Março voltou a jogar decentemente, mas nunca como tinha feito no Nacional, por isso espero muito mais da parte dele em 2011/12. Em termos númericos é evidente: em meia temporada de 2009/10 levou 8 Baías e 1 Baroni. Em 2010/11 foram 5 Baías…e 8 Baronis.

Boa sorte, rapazes. Não guardo rancores, garanto. Para vosso bem,  só espero que tenham feito a opção certa.

Fonte de notícias



in fcporto.pt

Vá-se lá saber porquê, mas o comportamento repete-se e como já o fiz no passado (aqui e aqui, somando-se diversas sugestões que enviei, nenhuma delas merecendo sequer uma resposta), tenho de repetir a dose. As notícias do clube, que deveriam ser difundidas através de canais oficiais, aparecem espalhadas por toda a imprensa, menos no site oficial, a não ser uma nota enfiada pelo meio de uma banalíssima informação sobre o treino diário.
Esta situação é recorrente e não consta que vá deixar de o ser. No passado já tantos empréstimos, negócios, compras e vendas de jogadores, tudo anunciado nos jornais (sim, aqueles mesmos que são alvos de comunicados a desmentir essas mesmas notícias especulativas) em vez de aproveitarem aquele que é o meio ideal para anunciar novidades de uma forma oficial, em tempo real, directamente para a caixa de correio ou para o telemóvel de qualquer um. Ao mesmo tempo que vejo com agrado o uso dos blocos noticiosos na Porto Canal para pequenas reportagens sobre o nosso dia-a-dia, não posso deixar de mais uma vez apontar o dedo a uma falha enorme na comunicação do FC Porto. E não acredito que ninguém se tenha apercebido do que está a falhar, porque há pessoas competentes e de provas dadas à frente do departamento de comunicação, cujo director saberá mais que ninguém a urgência das notícias com fundamento claro, ele que trabalhou vários anos na Lusa.

A que se deve esta forma estranha de “falar” com os sócios? Será que as pessoas estão mais interessadas em entrar num site como o SomosPorto, que oferece bilhetes e apenas serve como um eyecandy engraçado mas que pouco traz de produtivo? É giro, sim senhor, mas um miúdo faz aquilo numa semana com algum talento, umas resmas de bilhetes, duas câmaras de filmar e uma cópia pirateada de qualquer software. O que falta e continua a faltar é a ligação ao associado e passa muito por estas pequenas coisas como um simples anúncio oficial que Christian Atsu foi emprestado ao Rio Ave até ao fim do ano, ou que Castro vai rodar novamente no Gijón, clube de média estatura da Liga BBVA, uma das melhores do Mundo. Numa era em que a comunicação é fácil e urge ser imediata e de fonte fidedigna, que melhor forma teremos de enviar a informação com rapidez e sem a latência inerente ao uso de intermediários que usar o site oficial para tal fim? Porque não falar dos nossos com o orgulho e o carinho de quem zela pelo que tem de bom, envolvendo os sócios cada vez mais no decorrer de um dia no seio do Dragão? Nestes pormenores é que se vê o gosto que as pessoas têm no que é seu e dos seus, e lamento dizê-lo mas a forma como o site oficial é gerido aproxima-se (já lá estará?) rapidamente de um formato empresarial, pouco ligado às pessoas e muito interessado apenas na loja, na alfinetada ao inimigo e quase nada na actualidade do clube do ponto de vista de quem mais interessa.

Pode-se fazer muito melhor. Basta haver empenho.

PS: Este texto foi enviado à redacção do fcporto.pt. Fico a aguardar resposta.

Duelos para a temporada – parte IV

Não tendo intenções de avaliar todas as lutas pela titularidade (escolher entre Hulk e Djalma é a mesma coisa que escolher entre Messi e um maço de tabaco. Djalma, rapaz, desculpa lá, pá, estou a ser duro demais contigo, é na brincadeira, moço!), termino a rubrica no meio-campo, o cerne do jogo da nossa equipa, optando pela comparação entre Ruben Micael, Guarín e Belluschi. Ou seja, é um trielo, não um duelo. Sei lá se a palavra existe, isto é um blog de bola, amigos! Vamos lá:

Fernando Belluschi
Fredy Guarín
Ruben Micael
Posso chutar, mister?
(características ofensivas)
Criativo, inovador, de finta curta e cabeça levantada, falha muitos passes mas tenta sempre a ruptura e parece acreditar em demasia que a bola vai chegar onde a pensou colocar. Em dia bom, é genial. Em dia mau, é uma frustração. A potência de remate é o equivalente a um canhão de água a dispersar manifestantes, mas não só. Arrasta jogo para a frente com força, garra e surpreendente inteligência. Ainda um pouco trapalhão, tem melhorar o passe curto mas está muito melhor nos passes longos. É um jogador posicional, de cabeça levantada e passe simples. Criativo mas organizativo, devia rematar mais quando está próximo da baliza. Continua a perder muitos confrontos físicos porque desiste depressa demais.
Defende em condições?
(características defensivas)
Evoluiu bastante, porque parecia abstraído das tarefas defensivas quando chegou mas parece ter percebido que não se safava se não corresse mais e aprendeu a “encarraçar” o alvo e é hoje um jogador válido num meio-campo que precise de defender. Usa bem o corpanzil e recupera muitas bolas no início da movimentação ofensiva do adversário. Consegue tapar bem o meio-campo mas precisa de se colocar melhor para evitar andar a correr de lado para lado sem resultados práticos. Não será um monumento de força, mas não se pedia tanto. Nem precisava de ser um Vidigal a ganhar ressaltos, bastava-me que pusesse mais o pé quando luta por uma bola. Tacticamente é mais certinho, com algumas falhas posicionais. Joga melhor com um jogador superior ao lado, que coordene a pressão defensiva.
O guarda-redes abdica da barreira…
(lances de bola parada)
Só assusta perto da linha da grande-área. Muito perto. Quase em cima da linha. Já marcou alguns golos mas não parece conseguir consistência no remate. Livres directos? Si señor! É cada míssil que sai dos pés deste fulano que admira-me não ser sempre ele a marcá-los todos. Só tem um problema: raramente vão à baliza. Ouvi dizer que marcou um ou dois golos quando jogava pelo Nacional…mas até agora, das duas uma: ou foram todos carregados de chouriço, ou ainda não conseguiu convencer o Hulk ou o Guarín a deixarem-no chutar a pelota. De qualquer maneira, como não será o melhor cabeceador do mundo, a produção é nula.
Oh amigo, até jogo à baliza!
(versatilidade)
Adapta-se a jogar mais inclinado para a direita como falso médio-ala-direito, mas quando está solto é mais produtivo. Especialmente quando tem um jogador ao lado que percebe a sua movimentação em campo, como Moutinho. Pode jogar a 6 mas deixa de dar à equipa a força e a velocidade em progressão que consegue quando é colocado como médio de cobertura ao médio mais criativo. Pouca. Médio criativo, desde que tenha outro colega na cobertura. Alternativa? Banco, para fazer descansar o titular.
Parto-te todo, ouviste?!
(sistema nervoso)
Não é dos elementos mais estáveis do plantel. Reclama muito faltas que nem sempre o são e ferve em pouca água. É argentino, mas isso não desculpa tudo. Raramente reclama com árbitros mas parece que de vez em quando tem qualquer corrente eléctrica que lhe passa pela cabecinha e desata a perder bolas atrás de bolas sem necessidade. Tem de manter um nível mais consistente de início a fim dos jogos. Outro dia em conversa com um amigo, chamou-lhe “queixinhas”. Sinto-me tentado a concordar. À vasta maioria das bolas que perde segue-se aquela expressão d’O Grito de Munch, com as mãos na face e o apelo ao árbitro como se lhe tivessem raptado um filho. Tem de parar de chorar cada lance e pensar mais depressa no próximo.
So ready for my fucking close-up
(imagem)
Tem aquele ar de puto que na escola agarrava os cabelos das miúdas e lhes roubava os travessões. Já usou o cabelo em quarenta estilos diferentes. Curto, com rabo-de-cavalo, com penacho no topo ou “Rasta Redneck”. ‘Nuff said. Humilde, trabalhador, nunca se deixou ir abaixo e sempre procurou fazer o melhor para a equipa. Tuíta, por isso é sempre passível de lhe ser apanhada qualquer frase em falso como no ano passado em que desabafou para a web e ia-se tramando. Parece ter aprendido e agora os tuítes são pouco mais que entradas no diário de um escoteiro. Simples, humilde, é daqueles rapazes que não deixa que a fama lhe suba à cabeça e continua fiel às raízes. Mas durante muito tempo teve medo de meter o pé à bola, que é o que interessa à malta, e dá-lhe uma imagem de cagarolas. Está a tentar mudar.
Como é a música que cantamos a este gajo?
(relação com os adeptos)
O pessoal tende a enervar-se quando falha passes, o que acontece ao ritmo dos cruzamentos do Folha para a bancada. Os sócios gostam dele mas há sempre quem censure a inconstância das suas exibições. Não acredito que esta postura mude. Uma das maiores transformações que me lembro de ver na minha vida como portista. Começou como um louco trapalhão, continuou a ser um louco menos trapalhão que rematava com força e no ano passado explodiu num jogador quase completo para a sua posição. Não há nada mais a dizer, é um dos nossos. A carreira até agora tem-se assemelhado a uma curva de Gauss invertida. Começou bem, como um mirolho numa terra de ceguinhos, e apareceu do nada para pegar no leme da equipa numa altura complicada, conquistando o pessoal nas bancadas. Lesionou-se e voltou com medo de jogar à bola, sem ritmo nem fibra. Perdeu o capital de simpatia que tinha mas parece estar a recuperá-lo com boas exibições e acima de tudo empenho. Como disse atrás, parece que já não tem medo de meter o pé nas bolas divididas. Just sayin’.

Não incluí Defour ao barulho porque…não sei o que vale.

Right in the fucking nuts

É verdade que vi e cumprimentei Rui Gomes da Silva num restaurante do Porto, no dia a que este se refere”, diz o treinador. Mas, na nota a que a agência Lusa teve acesso, André Villas-Boas refere: “Lamento que esse mero acaso, que apenas serve para confirmar a presença de ambos naquele local, seja utilizado de forma subjectiva e derive para a citação de invenções relacionadas com a minha saída do FC Porto”.

Da mesma forma, o antigo treinador dos “dragões” desmente ainda Rui Gomes da Silva, afirmando não ter colocado segurança à porta de casa nos dias que coincidiram com a sua saída do clube português. “Estarei sempre ao dispor da justiça para o que for necessário no sentido de apurar toda e qualquer verdade, mas jamais alimentarei ensaios de mesquinhez mal-intencionada”, conclui.

in publico.pt

A isto chama-se, no bom cockney english ao qual o nosso ex-treinador se estará a habituar, “a bloody donkey walloping in the plonker’s bollocks“.

Que é o mesmo que dizer que Villas-Boas ainda se lembra do baixo nível de alguns indivíduos que teve de aturar enquanto cá esteve. Este foi um deles e merece ser tratado com o mesmo respeito que um gajo apanhado com a pila enfiada num cavalo. É só virar o animal ao contrário, enchê-lo de comprimidos azuis e deixá-lo ser feliz.

Mangala e Defour


Ainda faltando a confirmação dos valores pelos quais Mangala e Defour se vão transformar em jogadores do FC Porto, os comunicados à CMVM estão feitos e a transferência parece quase completa.

Reservo os comentários sobre os jogadores até os ver em acção. Até lá, ficam os propalados 13 milhões de euros por um internacional francês sub-21 com boa margem de evolução e por um internacional belga que foi capitão do Standard Liége aos 19 anos. Não me parecem maus negócios. Espero que Defour faça o mesmo que Demol, o único belga até agora a jogar pelo FC Porto, e vença o campeonato. Já Mangala, que siga a carreira de Cissokho que também foi campeão, e não de Paille, que ficou em segundo, só para contabilizar o passado dos seus compatriotas que jogaram de azul-e-branco.

 

PS: Admito que só conheço Defour dos meus tempos de Football Manager e pouco mais, então o Mangala nem se fala. Sim, foi para rimar.

PPS: Quer isto dizer que vão sair elementos fulcrais do ano passado? Moutinho…Fernando…Rolando…raios partam esta janela de transferências tão longa…

PPPS: Eliaquim Mangala. Palavra de honra se não é o melhor nome que chega ao FC Porto desde Lubomir Vlk.