I sense a disturbance in the Force

Tenho lido vários comentários e ouvido conversas de muitos portistas que têm criticado a forma de jogar da equipa nos últimos dois jogos, tanto em casa frente ao Portimonense como fora na vitória contra o Moreirense. Como é normal nestas alturas, quando a equipa joga um bocadinho abaixo do que tinha vindo a fazer num passado bastante recente, a malta começa rapidamente a enervar-se e a servir como profetas da desgraça, anunciando o fim iminente da saga até agora vitoriosa no campeonato. Malta, nem sempre é possível jogar a 100%, com as coisas a saírem direitinhas e as goleadas a surgirem.

O que Villas-Boas e a equipa sempre precisaram e continuam a precisar é de estabilidade, de alguma calma e de menos pressão da parte de dentro quando comparada com o que temos recebido da parte de fora, com constantes notícias sobre saídas de jogadores no mercado de Inverno (reparem que todo o tridente ofensivo que tantas alegrias nos tem dado este ano já levou com selos de “interesse” e “movimentações”…a última foi de Varela que poderia estar a caminho do Manchester United…) e é exactamente devido a essa pressão mediática que temos de encarar alguns resultados menos avolumados com naturalidade.

Continuamos a ganhar, porra!

Baías e Baronis – Moreirense vs FC Porto

Foto retirada do Record

Seria um bom jogo para rodar jogadores, pensaria muito dragão antes do confronto no Minho. Quem assistiu ao jogo, quer ao vivo ou via SportTV, ficou com a ideia que o jogo foi muito complicado tanto pela inépcia criativa do FC Porto como pela agressividade ultra-defensiva dos verdes de xadrez. Foi difícil, foi suado mas foi uma vitória e isso é que interessa em competições a eliminar. Siga lá para as notas:

(+) Belluschi Acho que já ninguém tem dúvidas de quem merece ser titular no meio-campo ao lado de João Moutinho. Belluschi está a jogar cheio de garra e luta, vem atrás recuperar bolas e descai muito bem no apoio ao flanco direito, avançando com a bola e tentando sempre a melhor solução. Num jogo em que nenhum jogador criativo esteve particularmente inspirado, o argentino foi o menos fraco de todos, sempre a colocar o sentido prático na relva e a tentar servir os inócuos Ukra e Hulk. Está em forma e isso faz dele vital no onze titular.

(+) Emídio Rafael e Sapunaru Mais um jogo e mais uma boa exibição do romeno. Subiu bem mais no terreno do que é habitual, apareceu a tabelar com Hulk e Belluschi e esteve inexcedível na entrega e na luta contra os rápidos alas contrários. Emídio esteve a bom nível do lado esquerdo, apesar de ter falhado vários passes e de se notar que não está com ritmo para 90 minutos ao mesmo nível. Acima de tudo nota-se uma diferença enorme em estilo e na maneira de arrancar em corrida pelo flanco quando comparamos Rafa com Álvaro…mas aí não há nada a fazer, cada um tem a sua própria personalidade e há que rentabilizar o melhor posicionamento defensivo do português.

(+) Guarín (a defender) Tem mostrado uma evolução notável no posicionamento defensivo e na recuperação de bolas em frente aos dois centrais. Ainda hoje foi mais um desses jogos, em que o colombiano usou sempre o corpo com inteligência e alguma audácia, tal foi o abuso de jogo de braços por parte da malta do Moreirense. Muito bom a parar os ataques frontais do adversário mas quando pegava na bola…é só fazer scroll para baixo e ver o Baroni que Guarín hoje também mereceu em termos ofensivos.

(+) Falcao Mal entrou em jogo começou imediatamente a fazer-se notar. É evidente que tem uma capacidade de jogar no centro dos defesas que Walter ainda não tem e provavelmente não terá por muito que trabalhe. É muito mais pivot que o brasileiro e o FC Porto tem muito a ganhar com isso porque consegue enfiar dois homens na área para conseguir pressionar um pouco mais os defesas contrários, como se tornou necessário por exemplo no jogo de hoje. O golo é 90% seu já que depois de um excelente trabalho a arrastar os defesas para o flanco ainda conseguiu aparecer no meio e aproveitar as sobras do potente remate de Belluschi. Muito bom, como de costume.

(-) Ukra Convenhamos que a lesão de Varela trouxe dúvidas na constituição do onze titular. Rodríguez está em forma digna de um tio gordo de 60 anos, James está ainda a ser laboratoriado pela equipa técnica e a escolha óbvia recairia em Ukra. Mas…o puto parece insistir em ser português. Falha muitos passes, toma habitualmente as decisões erradas, não aproveita a velocidade natural que tem e que devia ser suficiente para ultrapassar os laterais adversários e os cruzamentos têm saído muito fracos e para a zona do guarda-redes. Tem de subir muito a produção para poder chegar perto do nível de Varela.

(-) Guarín (a construir) Dr.Fredy e Mr.Guarín. É absurdo ver o rapaz a fazer passes de 30 metros quando ainda consegue sentir o hálito do colega para quem está a passar a bola, e parece haver uma certa maldição dos médios defensivos do FC Porto desde há 3 anos a esta parte, que rodam impecavelmente a bola para as laterais mas quando tentam fazer um jogo mais vertical…falham de uma forma catastrófica.

(-) Concentração do jogo pelo centro Este jogo estava a ser complicado e o FC Porto ainda o tornou mais complicado. Quando os espaços nos flancos eram tapados com uma consistência semelhante a um muro de cimento e a nossa equipa tentava mudar para o jogo para o centro do terreno, o muro era retocado com uma extra camada exterior de titânio. É difícil jogar contra 10 defesas mais um guarda-redes e hoje não conseguimos os melhores métodos para furar essa barreira. Outros jogos semelhantes virão aí e vamos continuar a ter estes mesmos problemas que vimos hoje, há que tentar encontrar uma alternativa para melhorar a produtividade.

Ninguém saiu de Moreira de Cónegos entusiasmado com o resultado nem tão pouco com a exibição. Houve muita luta mas pouca inspiração e o golo surgiu numa altura quase perfeita para limpar a cabeça dos rapazes e impediu um prolongamento que começava a ficar cada vez mais próximo e que ia carregar as pernas dos nossos guerreiros com mais 30 minutos de peso e stress. Ainda bem que Falcao entrou em jogo!

Ouve lá ó Mister – Moreirense

André, misterão!

Pode parecer um jogo fácil este em Moreira de Cónegos. Para além de ser o primeiro jogo que fazemos contra equipas de xadrez desde que o Boavista desceu de divisão e apesar de serem verdes e não pretos, não é por isso que serão mais ou menos complicados! Somos bi-detentores da Taça e por isso a responsabilidade duplica cada ano que se ganha…pelo menos é a minha maneira de ver as coisas e acredito que tu, especialmente no primeiro ano, não queres mandar abaixo o hype que meio mundo (excluindo Lisboa, obviamente) anda a levantar a teu respeito.

Até parece que vem a calhar este jogo para descansar alguns gajos e esperar pela recuperação de outros. Não devias jogar nem com o Fernando nem com o Falcao…já que o Varela e o Álvaro parece que estão mesmo fora de hipótese, não é? Pergunta aí ao Zé Mário (que mora perto dos meus pais, já agora por isso só pode ser boa gente) se os rapazes não precisam de descansar. Isso. Experimenta os “els”, tanto o Rafael como o Micael. E dá uns minutos ao Castro, pá, o rapaz merece!

Assim sendo não espero facilidades nem da parte deles nem da nossa. Reparei que ontem não apareceste na festarola onde marquei presença, mas garanto-te que bebi um cálice de espumante em tua homenagem, rapaz! Vamos lá para a vitória!

Sou quem sabes,
Jorge

Partiu-se o Palito!

E pronto…esta lesão é que não vem nada a calhar nesta altura.

Posso ser surpreendido mas não creio que haja confiança suficiente para enfiar Emídio Rafael a titular em Alvalade, por isso parece-me que vamos voltar aos tempos originais de Fucile a lateral-esquerdo…

Com a lesão de Álvaro, mais que a capacidade defensiva, perdemos um importante apoio ao ataque pelos flancos e a necessidade de suportar as subidas de Varela com o uruguaio a voar pela ala.

Vá lá, ao menos deixaria de haver dúvidas quanto ao lateral direito titular…

Belluschi…Belluschi…Belluschi…Alenichev!

À primeira vista, dirão que sou louco. Porra, um é argentino, o outro é russo, haverá escolas de futebol mais diferentes?! Realmente os dois de aparência só têm parecida a cor da pele, já que o resto do aspecto é radicalmente diferente, com a trunfa de Belluschi em constante mutação, seja curto, com rastas postiças ou uma espécie de poupa encaracolada a contrastar com o clássico corte russo-põe-te-fino-senão-segues-pro-gulag-que-te-lixas de Alenichev. Em campo, no entanto, vejo muitas parecenças entre ambos.

Alenichev foi dos jogadores que mais gostei de ver a jogar com a nossa camisola. Era um jogador fino, inteligente, que lutava quando era preciso mas que acima de tudo conseguia arranjar espaço onde parecia não existir e que sabia quando pausar o jogo para permitir aos colegas as movimentações necessárias e enquadradas na táctica. Era, a par da força e da garra de Maniche (o daquela altura, não o de agora) o complemento técnico perfeito para Deco no meio-campo do FC Porto de Mourinho. Não tinha um remate muito forte nem era bom de cabeça, muito menos era notável no 1×1, mas deliciava-me com os passes simples, práticos e quase sempre para o sítio certo.

Belluschi está a caminhar para o mesmo estatuto. Este ano, com Villas-Boas a moer-lhe os ouvidos, está com um sentido táctico mais apurado, com uma moral acima do Evereste, entra em campo com abnegação e esforço e, como Alenichev, joga bem melhor com outro médio mais estrutural ao lado.

Está a desenvolver uma certa empatia com os adeptos ao fim de um ano menos conseguido. Espero, para bem dele e da equipa, que lá chegue.