Onze

Bst7uv4CUAAEZQm

Para Óliver não se ficar a rir na cara do colega, vamos fazer o mesmo exercício para Cristian Tello, o extremo ex-Barcelona que usará a camisola 11:

 

1995/1996 Ljubinko Drulovic
1996/1997 Ljubinko Drulovic
1997/1998 Ljubinko Drulovic
1998/1999 Ljubinko Drulovic
1999/2000 Ljubinko Drulovic
2000/2001 Ljubinko Drulovic
2001/2002 Rubens Júnior
2002/2003 Derlei
2003/2004 Derlei
2004/2005 Derlei
2005/2006 Lisandro López
2006/2007 Tarik Sektioui
2007/2008 Mariano González
2008/2009 Mariano González
2009/2010 Mariano González
2010/2011 Mariano González
2011/2012 Kléber
2012/2013 Kléber
2013/2014 Nabil Ghilas
2014/2015 CRISTIAN TELLO

Trinta

oliver-torres-porto

Continuando nesta tradicional rubrica de início de época, seguem os números trinta que antecederam o homem que usará esse número nas costas, Óliver Torres:

 

1995/1996 Folha
1996/1997 Rui Óscar
1997/1998 Secretário
1998/1999 Esquerdinha
1999/2000 Esquerdinha
2000/2001 Esquerdinha
2001/2002 Mário Silva
2002/2003 Mário Silva
2003/2004 Mário Silva
2004/2005
2005/2006
2006/2007
2007/2008 Rui Pedro
2008/2009 Pelé
2009/2010
2010/2011 Nicolás Otamendi
2011/2012 Nicolás Otamendi
2012/2013 Nicolás Otamendi
2013/2014 Nicolás Otamendi
2014/2015 ÓLIVER TORRES

Treze

Para que o compatriota mexicano não fique triste pela recepção que o colega está a receber, vamos ver também a numeração que antecedeu o agora “13” de Diego Reyes:

 

1995/1996 Semedo
1996/1997 Lula
1997/1998 Lula
1998/1999 Ricardo Carvalho
1999/2000
2000/2001 Jorge Andrade
2001/2002 Jorge Andrade
2002/2003 Nuno
2003/2004 Nuno
2004/2005 Nuno
2005/2006 Bruno Alves
2006/2007 Fucile
2007/2008 Fucile
2008/2009 Fucile
2009/2010 Fucile
2010/2011 Fucile
2011/2012 Fucile
2012/2013 Miguel Lopes
2013/2014 Diego Reyes

Olhá pechincha!

Acontece quase sempre a mesma treta por estas alturas (e noutras semelhantes) e já sabemos ao que nos leva esta diatribe de vómito intelectual que nos é arremessado nos dentes por tudo que tem carteira de jornalista, mesmo que só ande pelos periódicos para sacar umas massas ao abrigo de qualquer instituição de caridade que lhes vai atirando com dinheiro para o bolso. E os nomes que dão para encher enciclopédias logo começam a surgir vindos de todos os lados, como setas disparadas por bestiais bestas com bestas. Apostar online nestas parvoíces ainda parece ser mais ridículo, especialmente no mercado inglês onde a malta fica à porta dos centros de estágio à espera de uma cara conhecida ou um carro mais familiar. É deprimente ver a forma como as odds de futebol mudam radicalmente quando um treinador é contratado ou um jogador amanda um tweet cá para fora. É deprimente, repito.

Mas a verdade é que se me alhear do desterro da venda do papel que tanto custa e a tantos custa ainda mais, regresso ao passado e vejo Iturbe a pedir para sair por pouco, Rolando a pedir para sair por mais, Miguel Lopes a pedir para não sair, Walter a talvez voltar, Fucile a voltar de certeza para nunca jogar, Kleber com meio mundo a pedir que saia e Atsu a amedrontar todos pela saída. A somar a isso, todos falam de Izmailov e de Ricky Alvarez e de Vrsaljko e de mais trinta nomes que nunca ouvi falar a somar a quarenta que já me passaram pela mona, todos de posições diferentes e qualidades variáveis. E eu não consigo ter uma ideia limpinha do que quero para o plantel do FC Porto na segunda metade da época. Não sei se precisamos de mais um lateral-esquerdo de raíz ou talvez de um médio criativo, para não falar de um ponta-de-lança alternativo. Não faço ideia se aguento mais um jogo com o Kleber sem acertar na bola nem na baliza ou se me entusiasmo com um passe a rasgar do James…ou agora do Josué e nem penso que podemos ficar sem ele já ou só em Janeiro. Só sei que se vamos às compras com ou sem descontos, ao menos que compremos em condições.

Baías e Baronis – Sporting 0 vs 0 FC Porto

Hoje de manhã, em futebolada com amigos, levei uma bolada no focinho que me pôs a ver estrelas durante uns segundos e me deixou o lábio superior inchado como se tivesse andado à pancada. Ainda por cima, a bola sobrou para outro adversário e entrou na minha baliza. Levantei-me e continuei a jogar. Passados dez ou vinte minutos, dei um pontapé no poste, sem querer. Uma unha partiu e a pancada fez com que enchesse a ponta da meia de sangue. Levantei-me e continuei a jogar. Antes que digam: “este gajo é mesmo tosco!”, esperem pelo corolário. Hoje à noite, em Alvalade, não houve nenhum lance que se assemelhasse a estes dois eventos matinais. Mas quase nenhum dos nossos jogadores mostrou este tipo de vontade que até eu mostrei numa amigável futebolada com amigos para, depois de aturdido com um ou outro lance que não tivesse corrido bem, se conseguir levantar e perseguir com garra o que estava ali ao seu alcance. Só houve nervosismo, incapacidade de lidar com contrariedades tácticas, incapacidade de ultrapassar um adversário fraquinho mas que correu mais que nós. Metaforicamente, levamos petardos nos dentes, demos chutos em postes. E não nos levantamos para continuar a jogar, mantivemos o jogo passivo, lento, sem rasgo, sem chama. E perdemos dois pontos, sem necessidade. Vamos a notas:

(+) Otamendi Que me lembre teve uma falha no jogo todo, que podia ter dado um golo ao adversário: o fora-de-jogo não existente a Wolfswinkel que o holandês aproveitou para rematar e Helton para defender, e onde o argentino subiu tarde, caindo na desmarcação do Ricky. Para lá disso, um jogo de intercepções consecutivas, cortes perfeitos, bola levada pelo pé até zonas que não lhe são familiares mas que Nico fez com que se transformassem em áreas onde parecia à vontade. Mantenho que é o melhor defesa que temos (“defesa”, como em “um dos gajos que ficam lá atrás, ao contrário dos defesas/médios-ala que povoam as nossas laterais), para lá do brilhantismo de Mangala e da força e técnica de Maicon, e insisto nesta tecla: como é que o Rojo é chamado para a selecção argentina e Otamendi not so much? Comigo era titular em todos os jogos.

(+) Fernando. Jogou muitas vezes em zonas avançadas, mais do que é normal. Com Defour excessivamente recuado, a tentar sem sucesso agir como Moutinho (há muitos que o consigam? duvido muito.), Fernando foi o que mais tentou e dos poucos da linha do meio-campo para a frente que mostrou que queria mesmo ganhar o jogo com a força do campeão que é e que não quer deixar de ser. Foi lutador, sempre lutador, contra os caceteiros que apanhou pela frente, nunca perdendo o tino a não ser com algumas decisões questionáveis de Paulo Baptista. Não chegou.

(+) Jackson, mesmo sem marcar. É um excelente ponta-de-lança e hoje foi o mais perigoso dos jogadores do FC Porto em Alvalade. Mas não consegue fazer tudo sozinho e está a começar a receber bolas em demasia a partir do meio-campo e até da defesa, que começam a ver nele uma espécie de messias em que todos depositam a confiança suficiente para livrar a equipa de situações mais delicadas. Nem sempre consegue e hoje tentou, sempre com inteligência e espírito de equipa. Resultado? Vários remates ao lado, com constante pressão dos defesas do Sporting, sem apoio dos colegas. Não era o dia dele, mas fez para que o fosse.

(-) Passaram onze dias desde o jogo contra o Málaga… e é assim que estamos. Uma equipa que tem tanto de genial como de permissiva, tecnicamente inapta e tacticamente incapaz de levar o jogo para cima do adversário durante um período de tempo que permita a criação de lances que levem de facto perigo à baliza contrária. Patrício teve mais trabalho pelo ar a tentar roubar a bola da cornadura de Jackson do que pela relva, e o facto de termos alguns jogadores em baixo de forma (Varela, Lucho, James, Danilo…) faz com que a boa forma de outros (Fernando, Alex Sandro, Jackson…) não chegue para compensar as falhas dos primeiros. Falta força, falta tanta força, falta choque, impacto, agressividade, falta jogar com um objectivo claro. Falta alma, falta paciência, falta pachorra para aturar a falta de paciência. Juntemos a este caldo a ausência de Moutinho e transforma-se o FC Porto numa equipa banal, incapaz de manter um ritmo de jogo consistente com o que já vimos este ano contra grandes equipas, particularmente na Europa ou na Luz. É um FC Porto de duas caras, Hyde para os amigos e Jekyll para os inimigos, ou ao contrário, porque nunca sei qual é o bom e o mau. Nem eu nem ninguém, porque no início de cada jogo nunca se sabe qual é o FC Porto que vai aparecer. Se alguma vez alguém tentou diagnosticar bipolaridade a uma equipa de futebol, não podia começar por um sítio melhor que pelo FC Porto de Vitor Pereira.

(-) Os piscineiros do Sporting. Uma curta nota porque não quero deixar passar em claro uma das coisas que mais me enervou hoje à noite, para lá da incredulidade de ter visto Rinaudo acabar sem amarelo e Miguel Lopes, que jogou de raiva e a bater em tudo que viu, a levar um amarelo apenas aos 89 minutos. O que mais me chateou no adversário foi a distinta lata da maioria dos jogadores do Sporting de tentarem sacar tudo que era falta após o mínimo dos contactos os fazer voar para o chão como putos com um fato de Super-Homem. Labyad, Capel, Carrillo mas principalmente Wolfswinkel, que já devia perceber que se chega a Inglaterra para fazer este tipo de merdas, vai ser corrido com um gesto do árbitro mais depressa do que conseguir dizer: “Ref, it’s a foul!”. Ah, só para perceberem o quão lixado devemos todos estar: perdemos dois pontos contra este bando de freiras desfloradas.


Nada está perdido e vamos lá deixar-nos de miserabilismos e toalhas ao chão e outros clichés do género. Mas preocupa-me que tenha sido um mau jogo que se seguiu a outro mau jogo, o que me deixa sem convicção para perceber se vamos ou não conseguir a recta final que precisamos. Se o Benfica vencer em Aveiro, continuamos a depender só de nós para sermos campeões. Mas custou perder dois pontos contra uma equipa que perdeu várias vezes os pontos todos contra equipas muito mas muito mais fracas. E não aconteceu por mérito deles, ou pelo menos não exclusivamente por isso. Muita da culpa do empate é nossa, e deixa-me triste. Mais uma noite triste.