Porta19 entrevista o Olhanense.net

Voltando às conversas entre bloggers e aproveitando a visita do FC Porto ao Algarve, enviei um convite ao administrador do blog mais representativo do Olhanense – Olhanense.net – que foi aceite com grande cordialidade e simpatia. Como optaram por responder em grupo (porque não são dados a protagonismos, dizem com modéstia), aqui estão as respostas bem informadas e agradáveis da malta que representa o blog mais importante dos nossos próximos rivais na Liga:

 

Porta19: Quais serão as principais diferenças estruturais entre o Olhanense do ano passado e deste ano?

Olhanense.net: Em termos tácticos parece-nos que nenhuma, o 4-2-3-1 continua a ser o sistema preferencial. Em termos gerais, entre os adeptos esperávamos que este fosse o ano da consolidação, devido à boa classificação obtida em 2011/12 e até porque o clube vendeu vários activos (quantos clubes dos chamados pequenos podem dizer isso?) mas parece que essas vendas apenas serviram para pagar dívidas… a população e massa adepta do Olhanense olha para estes negócios com alguma desconfiança, e de um modo geral ficamos com a sensação que nunca conseguiremos fazer uma grande venda, pois mesmo a “pequena” venda do Fabiano Freitas (que ainda rendeu 400 mil euros) parece não ter grande impacto na estabilidade do clube… ficamos sempre na mesma, sempre com dificuldades. Se não tivessemos vendido jogadores como seria? Nem começávamos o campeonato? Vendemos os principais jogadores da época passada (Fabiano, Cauê e Salvador Agra) e além disso saíram titulares que não pertenciam ao clube, como o André Pinto, Mexer, Ismaily e Wilson Eduardo. As suas saídas não foram colmatadas e isso deixou o Sérgio Conceição “apreensivo”, para utilizar um eufemismo.

 

Porta19: Como a única equipa algarvia a participar na primeira Liga, há condições para que os adeptos se consigam deslocar em apoio à equipa nas suas deslocações?

Olhanense.net: Não deixa de ser frustrante o Olhanense ter esperado tanto para regressar à 1ª Divisão e agora apanharmos esta crise. É irónico que os adeptos normalmente organizassem excursões para os jogos fora na 2.ª Liga durante os últimos anos e que agora não exista tanto entusiasmo, derivado a esta falta de disponibilidade financeira tão grande devido à crise… e para “ajudar à festa” temos os jogos na Tv marcados para sextas ou segundas feiras à noite.

 

Porta19: Como é que viram a “chatice” do início da temporada com Sérgio Conceição? De que lado é que se colocaram neste feudo?

Olhanense.net: O nosso site raramente se coloca em “lados” no que se refere a problemas da vida do clube. Tentamos noticiar e esclarecer, mostrar curiosidades. Claro que houve alturas em que tinhamos artigos de opinião publicados no nosso site, mas isso simplesmente não tem acontecido ultimamente, talvez porque actualmente qualquer um pode dar uma opinião curta e num curto espaço de tempo nas redes sociais ou até nos comentários das notícias nos sites dos jornais. De qualquer modo, em relação a este caso específico queremos acreditar nas palavras do presidente e do treinador quando fizeram as pazes, pois garantiram que a imprensa exagerou muito ao relatar o que realmente aconteceu…

 

Porta19: Há jogadores com bastante experiência como Maurício, Fernando Alexandre, Rui Duarte, Ricardo, Vasco Fernandes, Rui Sampaio ou Luís Filipe, por exemplo. Achas que o Olhanense pode ter uma época estável e apontar para a primeira metade da tabela?

Olhanense.net: Claramente. Aliás, nota-se que mesmo com o plantel ainda incompleto, e sem ter feito ainda grandes exibições, o Olhanense conseguiu amealhar quatro pontos, uma vitória em casa e um empate fora, frente a rivais directos, demonstrando que a equipa tem valor e há espírito guerreiro. Depois da pré-época conturbada, não poderiamos ter começado melhor. Entre os adeptos havia um certo descrédito, mas a confiança está claramente recuperada.

 

Porta19: Com a imprensa tão tri-polarizada em Portugal, como é que vês o desprezo a que são votadas as equipas de dimensão mais pequena?

Olhanense.net: O nosso site surgiu para “combater” isso mesmo!!! Mas não nos podemos queixar, como clube histórico de regresso aos grandes palcos mais de trinta anos depois, temos um certo espaço, um “cantinho” que é só nosso, que podemos comparar a clubes como o Leixões ou a Académica, em termos “mitológicos” do futebol português. Ou pelo menos pensamos que podemos pensar assim, não nos levem a mal por isso.

 

Porta19: O Olhanense.net é o maior blog afecto ao Olhanense. Como é que se conjuga o amor pelo clube com a vida do dia-a-dia?

Olhanense.net: Quando começámos há 10 anos era mais trabalhoso, digitalizar fotos e notícias, mas tinhamos esse “gosto”. Hoje em dia os nossos colaboradores têm a vida mais fácil, acesso à internet e às ligações para as notícias da imprensa nacional e estrangeira. É mais fácil. Aliás, temos perfeita noção que qualquer um poderia fazer o que nós fazemos actualmente, temos é algum passado que demonstra que começámos a fazer isto com gosto, e que insistimos em mantê-lo.

 

Porta19: Ainda há esperança para a maioria dos blogs Portugueses de futebol ou a inspiração está a definhar em função das redes sociais e dos fóruns de discussão?

Olhanense.net: Há claramente um facilitismo nas redes sociais (respondemos a isso quase sem querer, na pergunta sobre o caso entre treinador e presidente), mas nós enquanto pudermos vamos tentar manter o nosso site/blog como era. Nem que seja para arquivo, pois temos muita coisa de jogadores e planteis antigos, curiosidades que vamos destacando, como é o caso recente de uma antiga glória portista, Albano Sarmento, que os vossos colegas de clube “Bibó Porto, Carago” escreveram que não poderia ser considerado campeão nacional em 1955/56 porque não fez nenhum jogo… nós por acaso topámos isso há uns dias e respondemos que realmente não podia ter feito nenhum jogo, pois nesse ano cumpriu o serviço militar em Tavira e esteve ao serviço do Olhanense, ainda que por pouco tempo (mas nessa altura não se podia jogar em 2 clubes diferentes na mesma época). A notícia é esta: http://olhanensenet.wordpress.com/2012/08/30/arquivo-de-jogadores-albano-sarmento.

 

Porta19: Para ser mauzinho…a malta do Olhanense.net tem outro(s) clube(s) ou são apenas fãs do clube da terra?

Olhanense.net: Há muita gente ferrenha apenas pelo Olhanense, não tenham dúvidas disso, mas é óbvio que temos o mesmo “problema” que os outros clubes mais pequenos de outras cidades portuguesas, não há como esconder isso. Há muita gente com um primeiro ou segundo clube, mas nós temos uma desculpa: estivemos 34 anos longe dos grandes palcos. Qual é a desculpa dos outros clubes que andaram sempre pela 1.ª Divisão? (esperamos ter respondido com igual nível de malícia, se não for esse o caso segue um recorte de um jogo entre SCO e FCP em 1949)


Há malta muito boa a trabalhar em blogs. Interessados, empenhados, com espírito de sacrifício para uma causa comum e a união que beneficia tanto os clubes como as pessoas que lá trabalham e os adeptos que partilham das alegrias e tristezas das suas vidas. Este é mais um exemplo e merece os meus parabéns. Mas amanhã…amanhã, amigos, é cada um para seu lado!

Auf wiedersehn, Österreicher Kiefer!

Nunca fui fã da contratação do rapaz. Do pouco que conhecia dele nunca o vi a encaixar no estilo de jogo do FC Porto. Talvez para o banco, para aquelas soluções de última hora enquanto se espera por um qualquer Deus Ex Machina que se materialize e salve a equipa numa altura em que é complicado fazer algo com a cabeça quando só se age por instinto. Mas Janko pouco serviu para esse tipo de lances, já que acabou por marcar mais golos com o pé do que com a cabeça, muito por culpa da baixa qualidade da grande maioria dos cruzamentos dos nossos laterais/extremos. Janko nunca ganhou a confiança dos adeptos, sempre ávidos para criticar um jogador que nunca poderia ser uma solução de curto prazo (lembrem-se quando foi contratado não podia sequer jogar na Liga Europa…) e se formos a avaliar o negócio no seu todo, a única mais-valia que Janko trouxe foi o facto de ter ajudado a equipa a vencer o título, por acção ou inacção, vá-se lá perceber como.

A verdade é que com 29 anos, o rapaz não estava disposto a ser segunda opção. Não acho mal e desejo-lhe sorte na Turquia. Ah, ó Marc, vê lá se dás uma telefonadela ao Djalma e vão beber uma cerveja. Só para falar dos bons velhos tempos em que foram improváveis campeões.

Pode

Uma das palavras mais odiosas no vocabulário futebolístico entre Julho e Agosto de qualquer ano é: “pode”. Aparece espalhada em todas as publicações daqui até à aldeia mais recôndita no interior da Mongólia. Os exemplos são enojantes:

  • Jogador X pode ir para clube Y.
  • Jogador K pode já ter chegado a acordo para renovar.
  • Clube Z e Jogador P podem estar perto de um entendimento.
  • Transferência de Jogador T pode estar iminente.

É por isto que o mercado me chateia e entusiasma ao mesmo tempo. Apela lá no fundo às esperanças de um adepto mas coloca-as num patamar de tal desconfiança que quase nada que apareça nos jornais é para ser levado a sério até ver o rapaz a treinar no clube e com contrato assinado. E mesmo assim, tenho as minhas dúvidas.

Dia 1 de Setembro falamos sobre o mercado. Aí sim, haverá todas as confirmações. A probabilidade passa a certeza e o mundo é mais estável. Finalmente.

Uma grande diferença

Quando no passado Sábado vi Varela a acabar de aquecer e a aproximar-se do quarto árbitro para entrar, pensei que estava tudo bem. O Hulk estava talvez no jogo da despedida, se calhar o Vitor queria dar a oportunidade do povo de saudar o rapaz com uma salva de palmas das grandes para que soubesse que vai sair mas fica sempre nos nossos corações – se sair, porque se ficar é só uma questão de voltar a jogar como no ano passado para que ninguém lhe aponte o dedo e lhe chame mercenário como fazem a outros – e até ficava bem. Mas não foi o 12 a sair, mas o 27. E em boa hora também, porque Atsu já estava a começar a mostrar algum cansaço e não era preciso estar a queimar as pernas do rapaz que têm de estar sempre em boas condições porque vamos precisar dele a breve prazo. E quando Varela entra…há uma espécie de sono intenso que se abate pelo flanco esquerdo do ataque, que nem Alex Sandro conseguia mandar abaixo com as correrias, ele que também já estava em modo de descanso.

Gosto do Silvestre mas o rapaz está a perder as qualidades que fizeram dele um dos alvos dos meus aplausos. O mesmo Varela que se lançava por cima dos laterais em 2009, que chegou com uma fome tremenda em 2010 e ajudou (e de que maneira) a cascar no Benfica na Supertaça, tem vindo em trajectória descendente desde há uns anos. Ainda se nota algum fogo nos olhos, alguma vontade, mas a velocidade não é a mesma, o sentido prático parece estar afastado e a forma como tropeça na bola faz-me lembrar o…sim, adivinharam, o Mariano.

É verdade que Atsu é o “jogador da moda” para quem gosta de futebol, ao passo que James continua a ser o “menino da moda” para todas as meninas (ouviram os guinchos quando entrou? pensei que estava num concerto dos Jonas Brothers tal foi a gritaria em timbre agudo), mas Varela não me oferece uma alternativa ao ganês quando está no banco. A mudança entre os dois não foi visualmente intensa, porque para além de serem parecidos ao longe, até as camisolas acabam em “7”. Mas se Atsu é o 27 e Varela o 17, a diferença em velocidade, ritmo e produtividade é sensivelmente a mesma dos números que usam nas costas. É como mudar de água para vinho, ou neste caso – e perdoem-me a piada rasca – é como mudar de um excelente verde tinto daqueles que deixam marca na malga…para um maduro tinto pobre em taninos e com sabor a rolha.

Desculpa, Silvestre, mas neste momento não acredito em ti. Prova-me o contrário e não me ponhas a gritar o que o meu douto colega do lado disse durante o jogo contra o Guimarães, onde se lembrou do seguinte: “Ao Varela só se tinha de dizer que se ele não jogasse em condições, começávamos a tirar-lhe peças para pôr no Atsu!”. Não ia tão longe. Mas prova-me o contrário, faz-me olhar para ti como uma opção válida, rapaz. Está nas tuas mãos.