Baías e Baronis – Época 2008/09 – Rolando


ROLANDO

Uma pequena surpresa. Nas épocas em que o tinha visto a jogar pelo Belenenses parecia-me um jovem com algum futuro mas ainda muito a aprender, por isso não fiquei surpreendido quando o FCP o comprou. Afirmou-se cedo como titular, tirando o lugar a Pedro Emanuel e/ou Stepanov, e desde aí formou a dupla de centrais portista ao lado do omnipresente Bruno Alves. Conseguiu uma segurança que não víamos desde 2006/07, e acredito que podemos ter um bom central, ainda que não extraordinário. Faz lembrar muitas vezes Aloísio pela maneira calma com que joga e se aproxima dos jogadores contrários com classe e arranca para o desarme sem tocar no adversário. Acabou por dar uma das maiores alegrias aos adeptos com um golo fulcral em Kiev, o que o tornou talvez o maior dinamizador do marketing portista, tal foi a divulgação da foto com a bola na barriga enquanto ostentava o equipamento secundário deste ano. Apesar de ter ainda algumas arestas para limar, ainda é novo e tem muitos anos pela frente.
VEREDICTO: BAÍA

Baías e Baronis – Época 2008/09 – Stepanov


STEPANOV

Tinha esperanças neste rapaz. Alto, forte, bom no jogo aéreo…pensava eu. Mostrou desde muito cedo uma incapacidade notável de manter a bola nos pés durante mais de 2 segundos, falhas incríveis de concentração e algumas horríveis decisões em termos de passe e antecipação começaram rapidamente a manchar uma reputação de promessa anunciada. Não consigo ultrapassar o preconceito da primeira imagem com que fiquei dele, e recuso-me a pensar que podemos passar mais uma época para avaliar as suas capacidades e constatar que é a alternativa aos titulares ou pior, PdC me livre, seja mesmo titular. Não serve, thanks but no thanks, next please!
VEREDICTO: BARONI

Baías e Baronis – Época 2008/09 – Pedro Emanuel


PEDRO EMANUEL

Oficialmente, o capitão do FC Porto é o jogador há mais tempo no plantel, e aos 34 anos começa-se a notar o desgaste físico de uma carreira intensa. É sempre curioso ver os jogadores que vindos do Boavista se conseguiram afirmar com regularidade na equipa e que conquistaram a massa adepta, casos de Bosingwa e Raúl Meireles ou do próprio Pedro Emanuel. Serve em minha opinião quase exclusivamente como um elemento de ligação entre o balneário e a massa associativa, já que em campo começa a ser ultrapassado por outros elementos que tanto em força como em capacidade técnica se afirmam como alternativas mais credíveis. Preferiria mantê-lo por mais um ano mas temo que queira sair para terminar a carreira ainda a jogar, e não o censuro. Deu muito ao clube e merece lugar na estrutura azul-e-branca num futuro próximo, se tal o desejar.
VEREDICTO: BAÍA

Baías e Baronis – Época 2008/09 – Bruno Alves


BRUNO ALVES

Uma evolução extraordinária de um jogador que começou a carreira a sério…na Grécia, emprestado pelo FCP ao AEK de Atenas. Cresceu imenso nos últimos anos, particularmente a nível físico, onde se revela um saltador fabuloso e que domina o jogo aéreo como poucos. Um verdadeiro mártir do clube em termos das relações tempestuosas com a imprensa, foi rotulado como violento, assassino, Bruno Alves the Ripper pelos jornais mais avermelhados, mas a etiqueta nunca o afectou. Protagonizou um dos momentos “Secretário” da época, quando em pleno Old Trafford, com o FCP à frente e em controlo total do jogo, passou a bola direitinha para Rooney marcar o golo do empate. Recuperou como um verdadeiro campeão e continuou a captivar o interesse de alguns grandes Europeus (diz-se) e terá chegado a hora de sair, o que se compreende perfeitamente. Ganhou a titularidade na Selecção Nacional nos últimos tempos e pode ser uma das forças que leva aquele grupo de ineptos liderados por um igualmente inepto a melhores tempos. Grande Bruno, os meus parabéns por tudo o que fizeste pelo clube, ganhaste lugar na galeria de honra do dragão.
VEREDICTO: BAÍA

Baías e Baronis – Época 2008/09 – Benítez


BENÍTEZ

Pronto. Mal vi este a chegar pensei: “Cá vem o Mareque deste ano”. Não era titular no Lanús, essa potência do futebol argentino, e vem para o Porto por meia-dúzia de tostões e duas galinhas. Como sempre faço, dei o benefício da dúvida ao rapaz e esperei até que fizesse alguns jogos para me pronunciar. Nem foi preciso tanto. Inepto a atacar e ineficiente a defender, faz da agressividade excessiva a sua maior arma, e é um risco tê-lo em campo mais que 45 minutos, sob o risco de o vermos a ser expulso quando o árbitro tende a começar a sacar dos cartões. Não tem classe nem qualidade suficiente para a Liga Intercalar, quanto mais para a Liga Sagres. Rua com ele.
VEREDICTO: BARONI