Ouve lá ó Mister – Belenenses

Mister Paulo,

Já não vimos aqui a Belém há uns tempos. E já sentia a falta de dar o salto ao monumento do Pepe, deixar as flores e prestar a homenagem que o homem merece. Era uma tradição bonita, das poucas que me davam um gozo do caraças. E depois os camelos deixaram-se cair na segunda divisão (será sempre segunda divisão, quero lá saber quem a patrocina) e a tradição caiu por terra. Não estavam à espera que fizéssemos os penosos trezentos quilómetros na A1 para ir lá espetar uma coroa de flores, era só o que faltava.

Hoje, regressámos ao Restelo, esse belo estádio à beira-rio construído que enche quando o Papa cá vem e pouco mais. O estupor do clube já foi quinze vezes à falência e regressou dos mortos como um zombie no Walking Dead que descobriu uma cura miraculosa e já cá anda a pinchar e a cantar. É bonito o futebol, não é? É sim senhor, quem disser o contrário é mentiroso e cínico e não percebe nada desta treta. Por isso vamos lá fazer deste jogo ainda mais bonito e ganhar o primeiro jogo do ano em Lisboa. Já percebi que vais levar os mesmos gajos que ganharam ao Sporting, por isso tens tudo nas tuas mãos já que os que jogaram bem na semana passada também têm condições para fazer igual hoje à tarde. E aproveita para explicar ao Otamendi que se a jogar da maneira que tem feito consegue ser chamado à selecção…ele que imagine o que pode acontecer quando estiver em grande! É titular, porra, saca o lugar ao Garay ou a qualquer outro tono que joga lá no San Lorenzo ou no Gimnasia coiso e tal e vai ao Mundial de caras.

Ganha lá o jogo, recupera os cinco pontos de avanço para a vermelhagem e manda a malta para o descanso do campeonato com a bomba bem cheia. É só isso, como de costume.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Sporting

Mister Paulo,

Nos últimos anos temos apanhado um Sporting fraquinho. Débil, com garras de plástico, juba a cair, osteoporose felina a foder-lhes os ossinhos todos. Ainda no ano passado, quando cá apareceram, apanharam dois e só não entraram mais porque não calhou. E tem sido assim há vários anos desde Março de 2007, a última derrota no Dragão com esta malta, quando o Tello se armou em Roberto Carlos e marcou um golaço. Cabrão do chileno, pá.

Este ano, parece que as coisas estão diferentes. Pelo menos se olhares do lado deles, com toda a certeza que estão. Os rapazes estão com mais força que um caloiro em dia de queima e não me parece que falhem muito na garra e na vontade, aí não duvido. Mas é aí que conto contigo para lhes dares uma lição. Para lhes mostrares que todo este crescente verde que anda a invadir todos os meus sentidos e começa a rasgar caminho até à minha alma. Estou farto de ouvir dizer que o Sporting está em grande, que o Montero marca mais golos que o Van Basten, que o Capel é melhor e mais rápido que o Overmars e que o Maurício manda na defesa como o De Boer (não sei porque raio me deu para comparações com holandeses, mas que se lixe, é adequado). Estou farto de ouvir falar bem deles e mal de nós.

Vira o disco a esses camelos. Põe os gajos a tremer ao fim de quinze minutos, carrega em cima deles com a força de uma horda de hunos, massacra a defesa dos gajos, desfaz o meio-campo e neutraliza o ataque. Joga com quem quiseres mas lembra-te que este é um clássico e não cometas o erro do Co que menosprezou estes grandes jogos e perdeu crédito com o povo à custa disso.

Ganha o jogo. Empurra-os para baixo e mostra que ambos somos grandes…mas nós somos mais maior grandes que eles.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Trofense

Mister Paulo,

Os ingleses, pelo menos alguns dos que escrevem nas internetes, chamam a este período “Interlull”. É mais uma daquelas atitudes curiosas e cheia de pequenos duplos-significados que os bifes adoram usar (e fazem-no diariamente nas capas de jornais e nas televisões, tanto que os amaricanos agora fazem o mesmo) e que no fundo quer dizer qualquer coisa como “o intervalo entre jogos a sério que dá sono de tão entediante e não-competitivo”. É assim que me sinto durante estes períodos sem jogos do FC Porto. Seco, frio, infeliz, de ombros caídos, sem alma e sem vida. Mas hoje, felizmente, regressamos à bola, ainda que numa competição que só é grande porque o Benfica ainda não foi eliminado.

Já percebi, pela convocatória, que optas por poupar alguns rapazes que têm jogado mais (perguntou-me um amigo que se diz portista: quem é o Victor Garcia?! Herege, é o que és!). Não te aconselho grandes exageros até porque o FC Porto tem tendência para facilitar a mais nestas tralhas (pergunta ao Jesualdo e ao Fernando Santos o que acontece quando brincam em serviço), mas aprovo que dês minutos a alguns moços que também merecem. Fabiano, Reyes, Ghilas, Carlos Eduardo e talvez Kelvin podiam entrar no onze, mas não mudava mais ninguém. Mantém o meio-campo forte com o Fernando e o Defour, espeta com os laterais do costume e tenta matar o jogo depressa para descansares para terça-feira. Mas não sacrifiques um resultado positivo por uma melhor preparação para um futuro encontro. O que conta é este e não sendo preciso entrar com todos, entra com o suficiente para garantir que não levam todos uma assobiadela no final.

Não vou lá estar em corpo nem devo ver o jogo em directo, mas amanhã voltaremos a falar. O tom da conversa depende de ti.

Sou quem sabes,
Jorge

Ouve lá ó Mister – Arouca

Mister Paulo,

Já estamos todos mais calmos depois daquela desilusão de terça-feira. Fomos todos levados ao estádio a pensar que podíamos sair de lá com os três pontos e a primeira hora ainda nos deixou com a imagem de uma vitória e começou tudo a fazer contas aos milhões e que grande vedeta que era outra vez o Jackson e o Varela e os amigos todos. Até que…caquinha a dobrar, Paulo! Nem foram tanto os golos sofridos ou a derrota em si que nos incomodou e tu sabes disso. Foi a forma como o Atlético parecia que estava só “going through the motions” na forma como nos desfez o meio-campo com aquela pressão alta e nos incapacitou de uma maneira tão fácil, tão básica…fiquei triste, pá, a sério que fiquei. Não diria que estava nas nuvens antes do jogo e agora estou no inferno…talvez estivesse em frente a São Bento e agora cheguei à Ribeira. Só não preciso de ir parar ao Douro.

E tudo depende de ti e da forma como os rapazes reagirem hoje à tarde em Arouca. Eu sei que os rapazes são novos nestas coisas, mas nós precisamos de uma vitória das boas, Paulo. Todos nós precisamos de perceber que as coisas vão melhorar e que não vamos ter muitos “Atléticos” este ano. Ninguém aguenta muitos jogos daqueles e corres o risco de perder ainda mais confiança de muitos sócios que te vão atirar para cima com pressão como nunca sentiste na tua carreira. Acredito que a consigas ultrapassar, mas só com resultados lá chegas. E hoje é perfeito para espetares dois ou três batatas nestes novatos que têm boa vontade mas pouco mais que isso. E tira aquele sorriso trocista do focinho do David Simão. A sério, aquilo enerva.

Sou quem sabes,
Jorge

Porta19 entrevista Gonçalo Cabral (www.briosa.net)

Regressa a época e estão de volta as entrevistas a bloggers ou gestores de sites afectos aos nossos adversários. Desta vez convidei Gonçalo Cabral, um dos autores do blog “Simplesmente Briosa”, que podem visitar em www.briosa.net, e que por ser um blog de referência no panorama academista merece abrir as goelas para quem quiser ouvir/ler e conhecer um pouco mais do que vai pela alma do nosso próximo oponente. Vamos a isso:

 

Porta19: Quais serão as principais diferenças estruturais entre a Académica que venceu a Taça no Jamor e a que vai aparecer no Municipal de Aveiro para a Supertaça?

Gonçalo Cabral: A principal quanto a mim vai para um jogador que nos deixou e que tem um passado ligado ao Porto curiosamente: Diogo Valente. A capacidade de meter a bola literalmente onde queria com o pé esquerdo faz com que provavelmente a equipa até deixe de jogar com dois extremos e mude consideravelmente o 4-3-3 que foi usado durante toda a época passada. Depois há mais algumas mexidas claro, a saída do Cedric faz a equipa perder capacidade ofensiva por aquele flanco, a falta do Adrien é impossível de colmatar individualmente e vai ter de ser através do colectivo e até a saída do David Simão pode não ser assim tão fácil de preencher. Resumindo, é uma equipa que neste momento não é ainda um bom conjunto e que terá uma arranque difícil mas que pelos novos jogadores que tem, confirmem-se estes como mais valia – pode arrancar bons resultados..

 


Porta19: Elementos como Diogo Valente, Adrien ou Cedric, importantes na equipa no ano passado, estão a ser bem substituídos?

Gonçalo Cabral: Pois, vem um bocadinho na senda do que tinha dito na resposta anterior. O Diogo Valente faz tanta falta que vai fazer a equipa mudar de sistema. Colmatar a saída do Adrien era como o Porto há 3 anos ter colmatado a saída do Lucho… era difícil, mas não pode haver insubstituiveis. Já o Cedric ainda estamos à espera de uma lateral direito (já que vocês têm excesso se quiserem podem emprestar aos pobres :) ).

 

 

Porta19: Pedro Emanuel continua a ser uma boa aposta para 2012/2013? A época passada foi inconstante mas produtiva com a manutenção na Liga e a vitória na Taça, será que este ano podem aspirar a uma melhor classificação no campeonato?

Gonçalo Cabral: O Pedro Emanuel será um excelente treinador, o único problema é que ainda não o é. Falhou o ano passado na gestão de alguns pormenores que nunca lhe foram ensinados numa equipa como o Porto porque simplesmente não acontecem na vossa estrutura, e se calhar é dessa organização que advém muito do sucesso. Estou a falar de jogadores como o Eder que fizeram birra e nós aqui não temos os SuperDragões para os mandar a casa deles portanto temos mesmo de os aturar. Estou a falar da saída do Sissoko também… no Porto muito raramente um jogador importante sai a meio da época porque a estrutura é pensada para isso não acontecer. Esses pormenores mais a falta de gestão de uma ou outra situação de balneário (algumas relacionadas com essas saídas) fez com que o rumo depois de Janeiro fosse difícil de seguir para alguém inexperiente. Este ano tenho total confiança no trabalho que vai fazer, mas nem todos os académicos sentem o mesmo. A ver vamos.

 

Porta19: Como estás a ver a entrada directa para a fase de grupos da Europa League? Pode ser uma excelente fonte extra de rendimentos e exposição mediática ou vai ser apenas uma dose de seis jogos com poucas oportunidades de brilhar?

Gonçalo Cabral: Sejamos realistas:as hipóteses de passarmos a fase de grupos são uma em dez ou vinte. Mas qual é a alternativa? Ir para lá já a perder? O contrário, é ir para lá com a convicção que estamos a ganhar seja qual for o resultado e nunca perdendo a noção dos palcos que estamos a pisar pela primeira vez em muitos anos. Lia há uns anos o Jesualdo no início das presenças do Braga na UEFA que dizia que o importante não era ir longe na prova, era ganhar experiência e garantir que no ano seguinte se voltava lá para usar essa experiência. Espero sinceramente que assim seja e que também os dirigentes da Académica vejam isso que o Jesualdo Ferreira viu há uns anos e que resultou no sucesso que hoje todos conhecemos.

 

Porta19: Algum dia fará sentido regressar a “velha” regra dos jogadores profissionais conjugarem o futebol com uma inscrição num curso na Associação Académica?

Gonçalo Cabral: Não é tão velha assim essa regra. Nos anos 90 a Académica teve uma equipa com 18 estudantes num plantel de 23 só que os media preferem saber o que é que o João Pinto comia ao almoço. Ainda o ano passado jogámos a final da taça com nove portugueses de início, três deles jogadores estudantes, dois da formação do clube, depois de em Janeiro termos ficado sem dois titulares também vindos das camadas jovens. Portanto apesar da ideia que se passa a mística da Académica ainda não está banalizada. Quanto à pergunta em si ainda assim penso que é possível aumentar este número. Hoje um jogador profissional de futebol treina duas horas por dia, fica com o tempo restante livre para descansar e fazer a sua vida. Se eu conheço tanta gente que trabalha 7 ou 8 horas e estuda porque é que um jogador de futebol não pode fazer o mesmo ainda para mais sem problemas financeiros que o impeçam se demorar 6 ou 7 anos para tirar um curso de 3? E acho que na crise que estamos esse cenário é bem possível, hoje um jogador na Académica pode ganhar 1500€ durante muito tempo, e são vários nessa situação pelo que para uma carreira curta esse ordenado não garante nada e podemos ter de voltar ao tempo onde é vital ter uma profissão depois do futebol.

 

Porta19: Com a imprensa tão tri-polarizada em Portugal, como é que vês o desprezo a que são votadas as equipas de dimensão mais pequena?

Gonçalo Cabral: Com naturalidade. Sou um total defensor do capitalismo (não da maneira que hoje se diz mas no seu principio) e a imprensa são negócios. O Benfica vende mais tem mais espaço, o Porto e o Sporting vendem muito têm muito espaço, os mais pequenos vendem menos têm menos espaço, o Cascalheira não vende não tem espaço. Claro que o fácil e à moda do tuga é queixarmo-nos da imprensa em vez de olharmos para nossa casa e perguntar “Como raio é que eu posso ser um produto mais atractivo para as pessoas e para os media? Como posso aumentar assistências, fortalecer a imagem da marca (Académica neste caso) e consequentemente aumentar o espaço disponível? Precisamos de vender mais e este é um principio que se aplica a um clube tal como a uma empresa. Se uma empresa não aparece nos jornais não se vai queixar, vai dar a volta à questão mas o dirigismo português prefere chorar-se em vez de baixar preço dos bilhetes, cativar pessoas… fazer marketing! Já chega de queixumes.

 

Porta19: O Simplesmente Briosa é um dos maiores blogs afectos à Académica, focando-se não só no futebol mas também nas outras modalidades do clube. Como é que se conjuga o amor pelo clube com a vida do dia-a-dia?

Gonçalo Cabral: Modéstia à parte não é dos maiores, é neste momento o maior quer em comentários quer em visitas e nem vou mais longe que isto (bolas, não podia estar a “impingir” a venda da marca na pergunta anterior e agora fazer-me de coitadinho). Quanto a conjugar é simples, assume-se como se fosse a conta da TV Cabo ou de outra coisa que paguemos para usar. Neste caso não costumo pagar só em dinheiro, é principalmente em tempo gasto, mas é do tempo mais bem gasto que passo e tenho a certeza que os meus companheiros pensam o mesmo.

 

Porta19: Ainda há esperança para a maioria dos blogs Portugueses de futebol ou a inspiração está a definhar em função das redes sociais e dos fóruns de discussão?

Gonçalo Cabral: Completamente. Voltamos à conversa do coitadinho e que assim é difícil e não sei o que mais. Os blogs permitem ter uma qualidade que as redes sociais não permitem, sobretudo ao nível de opinião. O blog que se limitar a copiar notícias dos jornais vai morrer, mas o que fizer uma selecção das notícias, as que conseguir resumir bem e ainda acrescentar espaços de opinião com pessoas minimamente consensuais arrisca-se até a roubar espaço a alguma imprensa. Venda-se neste caso o produto “Blog/site” com os atributos da qualidade e use-se as redes sociais para a potencialização disso mesmo. Hoje é até possível conjugador comentários nas redes sociais e num post, porque é que elas hão-de ser as assassinas dos blogs e não as difusoras que os aproximam das pessoas? Trabalhemos com qualidade e sem medos, modéstia à parte, o Simplesmente Briosa tem uma média de 700 visitas com picos de 2000 num só dia. Num clube com a dimensão da Académica (tem 4 mil sócios pagantes) e que tem mais de 8 ou 9 blogs concorrentes, conseguimos ter isto, enche-me as medidas obviamente. Sabe de onde vêm os picos de 2000 pessoas? Quando a notícia/opinião que publicamos se começa a espalhar nas redes sociais. Afinal são amigas…

 


De notar que o Gonçalo deu outra entrevista a um blog do FC Porto, o Dragão de Ouro, em que o Daniel, gestor do estaminé, se antecipou a mim e teve o bom gosto de escolher o mesmo interlocutor. Para terminar, um agradecimento ao Gonçalo pela forma descomplexada com que respondeu às perguntas e pela disponibilidade em tirar um pouco de tempo da sua agenda para me aturar. Um clube da dimensão da Académica merece adeptos como ele e muitos outros que abdicam de algum do seu tempo para escrever e trabalhar em prol do seu amor clubístico. Os meus parabéns. E um pedido de desculpas antecipadas pela derrota na Supertaça. Ai deles.

Outras entrevistas publicadas a bloggers adversários no passado: