Baías e Baronis – Vitória Setúbal 1 vs 3 FC Porto

foto retirada de desporto.sapo.pt

Ao intervalo, enquanto falava com o meu pai, dizia-lhe que mais cedo ou mais tarde íamos chegar aos golos e dávamos a volta a isto. E disse isto sinceramente, porque apenas o batatal que se apresenta como relvado naquele estádio e a agressividade do Setúbal podia impedir que conseguíssemos chegar aos golos. Lá fomos e lá porfiamos, com polémica parva vinda sempre da mesma besta que há-de reclamar seja beneficiado ou não, o que é mais interessante sempre que não tem razão. O penalty é nítido, a expulsão é evidente e os dois lances em que supostamente a bola teria entrado, uma para cada lado, são quase idênticos e impossíveis de decidir em tempo corrido. Para lá dessas conversas para-futeboleiras, o que conta são os golos, especialmente o de Quintero mas também a força de Josué, a inteligência de Defour e a capacidade da equipa dar a volta a uma situação infeliz. Começámos bem. Vamos lá às notas:

(+) Josué. Foi um dos principais jogadores do FC Porto exactamente porque foi dos poucos a tentar igualar a agressividade do adversário, que tanta mossa nos causou na primeira parte. Adorei, como todos, o facto de ter sido ele a marcar o penalty, assumindo o que jogadores muito mais experientes como Lucho ou Jackson não tinham conseguido fazer nos últimos tempos. Bateu no peito como revolta de um portista que nunca quer estar a perder, conseguiu ainda causar a expulsão do nervoso Kieszek e deu o último golo a Jackson. Foi o melhor jogador da equipa e isso diz muito para o jogo de estreia pelo seu clube na Liga.

(+) Defour. Fiquei chateado quando o vi sair porque pensei que Lucho estava bastante pior em jogo do que ele. Compreendo a decisão, para privilegiar o toque curto e o acompanhamento a Quintero, mas preferia que tivesse ficado até ao fim. Foi o Steven do costume, prático, voluntarioso, sempre com vontade de levar a bola para a frente, de procurar o melhor espaço e a melhor zona para vaguear, sempre mantendo a noção defensiva e a agilidade táctica que o modelo lhe proporciona. Continua a não ser um Moutinho, porque hesita quando não sabe o que fazer ao contrário do João, que parecia pensar sempre com duas jogadas de antecedência, mas é valioso no apoio ao ataque e no bloqueio do contra-ataque adversário.

(+) O golo e os pés de Quintero. Não podia ter pedido uma melhor estreia na Liga para Quintero. A técnica não engana e o golo foi excelente e ao alcance de poucos. Parece esconder-se de algumas jogadas defensivas, algo que terá de trabalhar para poder ser uma opção válida em jogos de nível europeu, mas a qualidade individual pode resolver, como hoje, muitas situações complicadas em jogos do campeonato especialmente contra jogadores de equipas deste nível, que acertam em tudo que vêem e contra as quais este puto colombiano vai tratar de fintar uma, duas e mais vezes…

(-) Todos os jogadores da defesa. Foi o exacto oposto do que se tinha passado aqui há uma semana em Aveiro. Defensivamente estiveram todos abaixo do que se espera para uma equipa do FC Porto, entre distracções e displicências infantis, exageradas facilidades dadas aos avançados do Setúbal, que aproveitaram sempre que lhes apeteceu. Eu sei, eu sei, era um jogo provavelmente fácil, mas é nestes jogos fáceis que se ganham e perdem campeonatos. Os laterais, ao contrário do comportamento defensivo, estiveram bastante bem na saída com a bola controlada…vá-se lá saber como.

(-) Lucho. Falhou passes em demasia e pareceu sempre desconfortável em relação ao estado do “ervado”, tal foi a sucessão de bolas perdidas pelo nosso capitão. Há jogos assim e depois da facilidade com que jogou noventa minutos contra o Guimarães, só espero que este não seja o início de uma época intermitente a nível físico.

(-) Os Nelsons Pedrosos deste campeonato. Vamos apanhar muitos destes, na sua parte boa e má. A boa é que são gajos lutadores, rijos, que se antecipam muitas vezes aos nossos avançados, médios, defesas, guarda-redes e apanha-bolas, o que nos deve deixar sempre atentos. A parte má, é que são mais caceteiros que uma padaria num Domingo de manhã. E Capela hoje deixou passar vários amarelos a vários Nelsons do Setúbal. Não creio que tenha sido por maldade, mas a impetuosidade destes rapazes, à imagem de outro Nelson, o Oliveira, que ia lesionando Moutinho antes da final da Europa League, tem de ser punida.


Entrámos melhor que no ano passado mas não nos livrámos de falhas recorrentes. Bolas-paradas ineficientes, vários golos falhados e insegurança defensiva voluntária que vem de algum excesso de confiança contra equipas mais fracas. Há que corrigir vários aspectos de jogo, mas a vitória interessava e foi nossa no final. Que assim continue o fluxo de pontos.

Baías e Baronis – FC Porto 3 vs 0 Vitória SC

foto retirada do MaisFutebol

Welcome back, FC Porto. Agora, bem mais a sério e com um troféu para trazer para casa, que sinceramente não me apela a nível estético mas que vale tanto como qualquer um dos outros dezanove que lá temos prontos para exibir no Museu. Foi um jogo bom, bem conseguido, com pressão alta, dinâmica no meio-campo, qualidade no passe, estrutura firme e estável em campo, lances de golo bem concretizados e outros tantos (vezes três) que ficaram por marcar. Soubemos aproveitar erros adversários à italiana, pressionar alto à inglesa, construir jogo sustentado à alemão e criar lances de golo à espanhol. Somos uma pan-equipa em construção e parece que vamos no bom caminho. Sigamos então para as notas:

(+) Lucho. Perfeito como “10” descaído, a aproveitar as diagonais que o segundo “médio defensivo” ia criando, à medida que o “extremo” fluía para o meio e o jogo se tornava tacticamente mais eclético (daí as aspas nas posições) e suficientemente confuso para o adversário. Assistiu Licá para o primeiro e marcou o terceiro, sempre com uma capacidade de leitura de jogo que já me habituou há tantos anos e mostrou que está fresco, com cabeça e a mandar na manobra da equipa como poucos. Quintero será o seu mais directo adversário, mas com um estilo muito mais head-on, de encarar o contrário de frente, algo que Lucho nunca fez porque sabe que não é vantajoso para si. Joga muito bem, este moço.

(+) Licá. Finalmente, o Licá que eu esperava apareceu e na altura certa. Teve o timing perfeito para acelerar de uma forma imparável para receber de Lucho para fazer o primeiro golo e trabalhou incessantemente para conseguir o segundo ou, no pior dos casos, ajudar a equipa a marcar mais. Mostrou que está mais calmo, mais ciente da responsabilidade que é ser titular numa equipa como o FC Porto, e tanto ele como todos nós temos tudo a ganhar com isso. Já não me lembro de ver ninguém a correr tanto na frente desde que Lisandro saiu para o Lyon…

(+) Todos os jogadores da defesa. Otamendi continua a ser o patrão da defesa e assumo aqui perante todos que acho que ele é o melhor defesa do Mundo na intercepção rasteira. Já disse, está dito. Mangala esteve perfeito, sem inventar, a marcar qualquer adversário com imponência física e controlo de território. Fucile foi dinâmico, entendeu-se muito bem com Varela e Lucho e inclinou o jogo para o flanco direito enquanto teve pernas (e enquanto foi necessário). Alex Sandro esteve certinho a sair com a bola controlada, menos bem no passe mas sempre com noção perfeita do espaço a ocupar e da posição dos seus colegas em alturas de maior perigo para a própria baliza. O Guimarães não criou perigo suficiente, mas a defesa esteve muito bem tanto a atacar como no papel mais tradicional.

(+) O controlo da posse de bola. É assim que uma equipa campeã deve entrar numa época. Mandona, com os galões firmemente cravados na frente de uma metafórica soqueira que usa para ir batendo no adversário (metáforas, mais uma vez, até porque o jogo foi bem calminho) à medida que se vai afirmando como maior e melhor. É em campo que os campeões se fazem, é neste nível de domínio territorial com bola que devemos sempre entrar em campo, aniquilando os jogos logo de início para gerir a posse de bola até ao fim com os ritmo que nós quisermos impôr. Deu-me gozo ver o jogo, palavra.

(+) O público. Estupendo o apoio dos adeptos portistas mas também excelente a claque do Guimarães. É muito raro poder elogiar algo que venha de Guimarães por razões históricas, mas ponho de parte o meu preconceito, como deveria fazer muito mais vezes, para dar os meus parabéns à atitude, ao apoio constante à sua equipa, à atitude na altura da entrega da Taça tanto pelos adeptos como pela própria equipa adversária. Foi bonito de ver e gostava que fosse sempre assim.

(-) O Guimarães, à porta da Europa League. Não sei, como ainda ninguém sabe, qual vai ser a sorte destes rapazes na Europa…mas com erros deste tipo e com uma estrutura defensiva tão estável como um pedaço de manteiga ao sol…ou mudam muito ou não auguro grande futuro aos rapazes. Boa-vontade não chega.


No final de contas, o que interessa é o troféu, mas neste caso conseguimos juntar a taça a uma boa exibição e à confirmação que a equipa está no bom caminho e que podemos pensar positivo em relação ao arranque do campeonato. Porque Supertaças há muitas (nós que o digamos) e não contam para grande coisa para lá do número de conquistas oficiais. As Ligas, a lusa e a dos campeões, essas é que interessam.

Vectores do potencial insucesso: psicológico

Este é o que creio ser o mais importante e menos fácil de resolver de todos os problemas que podemos encontrar na equipa do FC Porto 2012/2013, independentemente de virem ou não a ter o sucesso que todos esperamos possa ainda surgir. Não me lembro de ver um onze portista tão desanimado em jogo como nos últimos tempos. Os rapazes parecem-me tristes, infelizes, com pouca vontade de jogar, de levar a água ao proverbial moínho com a velocidade e o ritmo que grande parte dos jogos assim obrigam. E não consigo interpretar o que se vai passando pela cabeça dos moços só de uma forma, porque não consigo vê-los só como mercenários (porque lhes tenho respeito) ou apenas como miúdos sem experiência (até porque não são). Mas o que se passa?

Há uma espécie de desânimo precoce que se apodera da equipa e que os faz quase desistir depois de meia-dúzia de infortúnios. Começamos logo pela aparente ausência de critério no passe depois de várias jogadas sem que consigamos um remate ou uma incursão perigosa pela área. Cedo, cedo demais se começa com passes longos para as alas, sem que o apoio do lateral esteja pronto a chegar ou os médios correctamente posicionados. Muitas vezes se vê Jackson a receber a bola de costas, sem linha de passe que tenha uma remota possibilidade de sucesso, obrigando-o a descer até zonas impróprias para um jogador da sua habitual posição. Movimentação mais curta no meio-campo leva a que os laterais subam por vezes em demasia, fazendo com que uma perda de bola se torne numa chatice para a zona recuada, que naturalmente inclinada para o ataque se vê à rasca para defender em condições.

Não há melhor imagem que a de Danilo, que falha os simples passes que deveriam arrancar uma jogada ofensiva de uma forma…quase ofensiva para os adeptos. Da próxima vez que tal acontecer (e acreditem em mim, vai haver uma próxima vez), reparem na expressão corporal do homem. Desânimo, frustração, que se traduzem no baixar de braços, no abanar da cabeça e na corrida lenta para trás, como que se tivesse já desistido de continuar a dar o contributo à equipa. E Danilo é só um exemplo do que vejo em Varela ou em James, em Otamendi ou até em elementos com mais experiência como Lucho ou Helton, que em alturas pivotais no decorrer de uma partida parecem cair numa profunda fenda e ficam a moer sozinhos, como um “emo” depois de uma bem sucedida tarde passada perto de tantas oh tantas lâminas.

E isto é que não compreendo. Não foi esta a equipa que por duas vezes esteve a vencer na Luz e que, deixando-se empatar depois de cada golo, nunca perdeu o Norte e continuou a apontar para a vitória? Não foi esta equipa que incapaz de porfiar contra o Paris Saint-Germain, continuou até ao fim à procura do golo da vitória? Não digo para terem o mesmo comportamento dos “alumni” de 2009/2010 e daquela vergonhosa (sim, é esse o termo) final da Taça da Liga, onde a frustração de uma derrota inequívoca contra o Benfica levou a que meia-equipa começasse a dar pancada no adversário, com o próprio capitão a encabeçar as tropas. Aliás, grande parte dessa temporada foi passada à patada e ao murro, o que em nada ajudou na caminhada para um terceiro lugar que a única coisa boa que trouxe para o clube foi a presença na Europa League no ano seguinte, que viríamos a ganhar. Mas pelo menos nessa altura via-se um lampejo de orgulho, uma reacção a quente de uma equipa que há muito não sabia perder e que encarou essa derrota da pior maneira possível. Nessa época perdemos, e perdemos bem, mas no meio da rebaldaria que se tinha tornado o balneário e a desorganização colectiva, ao menos via-se alguma mágoa por estar a ser derrotado em campo e fora dele. Este ano, só vejo resignação. Na cara dos jogadores, do treinador, até de alguns adeptos. Não vejo espírito de luta, de garra, de afirmarem que são melhores porque são de facto melhores e provarem-no dentro do relvado. Vejo muitos braços caídos e são essas manifestações de desinteresse que deixam um sócio estupefacto e a pedir melhores momentos.

E francamente, é a faceta negativa de Vitor Pereira. Uma espécie de anti-Adriaanse, que se parece dar bem com todos os “seus” jogadores, mas que é incapaz de os motivar a jogar a um nível alto em todos os jogos. Mas estico-me, e isso são contas para outra altura, corra bem ou corra mal até ao final do campeonato. Agora…só precisava que alguém arranjasse uma injecção de moral para os nossos rapazes. Deus sabe que precisávamos bem dela neste momento.

Porta19 entrevista Gonçalo Cabral (www.briosa.net)

Regressa a época e estão de volta as entrevistas a bloggers ou gestores de sites afectos aos nossos adversários. Desta vez convidei Gonçalo Cabral, um dos autores do blog “Simplesmente Briosa”, que podem visitar em www.briosa.net, e que por ser um blog de referência no panorama academista merece abrir as goelas para quem quiser ouvir/ler e conhecer um pouco mais do que vai pela alma do nosso próximo oponente. Vamos a isso:

 

Porta19: Quais serão as principais diferenças estruturais entre a Académica que venceu a Taça no Jamor e a que vai aparecer no Municipal de Aveiro para a Supertaça?

Gonçalo Cabral: A principal quanto a mim vai para um jogador que nos deixou e que tem um passado ligado ao Porto curiosamente: Diogo Valente. A capacidade de meter a bola literalmente onde queria com o pé esquerdo faz com que provavelmente a equipa até deixe de jogar com dois extremos e mude consideravelmente o 4-3-3 que foi usado durante toda a época passada. Depois há mais algumas mexidas claro, a saída do Cedric faz a equipa perder capacidade ofensiva por aquele flanco, a falta do Adrien é impossível de colmatar individualmente e vai ter de ser através do colectivo e até a saída do David Simão pode não ser assim tão fácil de preencher. Resumindo, é uma equipa que neste momento não é ainda um bom conjunto e que terá uma arranque difícil mas que pelos novos jogadores que tem, confirmem-se estes como mais valia – pode arrancar bons resultados..

 


Porta19: Elementos como Diogo Valente, Adrien ou Cedric, importantes na equipa no ano passado, estão a ser bem substituídos?

Gonçalo Cabral: Pois, vem um bocadinho na senda do que tinha dito na resposta anterior. O Diogo Valente faz tanta falta que vai fazer a equipa mudar de sistema. Colmatar a saída do Adrien era como o Porto há 3 anos ter colmatado a saída do Lucho… era difícil, mas não pode haver insubstituiveis. Já o Cedric ainda estamos à espera de uma lateral direito (já que vocês têm excesso se quiserem podem emprestar aos pobres :) ).

 

 

Porta19: Pedro Emanuel continua a ser uma boa aposta para 2012/2013? A época passada foi inconstante mas produtiva com a manutenção na Liga e a vitória na Taça, será que este ano podem aspirar a uma melhor classificação no campeonato?

Gonçalo Cabral: O Pedro Emanuel será um excelente treinador, o único problema é que ainda não o é. Falhou o ano passado na gestão de alguns pormenores que nunca lhe foram ensinados numa equipa como o Porto porque simplesmente não acontecem na vossa estrutura, e se calhar é dessa organização que advém muito do sucesso. Estou a falar de jogadores como o Eder que fizeram birra e nós aqui não temos os SuperDragões para os mandar a casa deles portanto temos mesmo de os aturar. Estou a falar da saída do Sissoko também… no Porto muito raramente um jogador importante sai a meio da época porque a estrutura é pensada para isso não acontecer. Esses pormenores mais a falta de gestão de uma ou outra situação de balneário (algumas relacionadas com essas saídas) fez com que o rumo depois de Janeiro fosse difícil de seguir para alguém inexperiente. Este ano tenho total confiança no trabalho que vai fazer, mas nem todos os académicos sentem o mesmo. A ver vamos.

 

Porta19: Como estás a ver a entrada directa para a fase de grupos da Europa League? Pode ser uma excelente fonte extra de rendimentos e exposição mediática ou vai ser apenas uma dose de seis jogos com poucas oportunidades de brilhar?

Gonçalo Cabral: Sejamos realistas:as hipóteses de passarmos a fase de grupos são uma em dez ou vinte. Mas qual é a alternativa? Ir para lá já a perder? O contrário, é ir para lá com a convicção que estamos a ganhar seja qual for o resultado e nunca perdendo a noção dos palcos que estamos a pisar pela primeira vez em muitos anos. Lia há uns anos o Jesualdo no início das presenças do Braga na UEFA que dizia que o importante não era ir longe na prova, era ganhar experiência e garantir que no ano seguinte se voltava lá para usar essa experiência. Espero sinceramente que assim seja e que também os dirigentes da Académica vejam isso que o Jesualdo Ferreira viu há uns anos e que resultou no sucesso que hoje todos conhecemos.

 

Porta19: Algum dia fará sentido regressar a “velha” regra dos jogadores profissionais conjugarem o futebol com uma inscrição num curso na Associação Académica?

Gonçalo Cabral: Não é tão velha assim essa regra. Nos anos 90 a Académica teve uma equipa com 18 estudantes num plantel de 23 só que os media preferem saber o que é que o João Pinto comia ao almoço. Ainda o ano passado jogámos a final da taça com nove portugueses de início, três deles jogadores estudantes, dois da formação do clube, depois de em Janeiro termos ficado sem dois titulares também vindos das camadas jovens. Portanto apesar da ideia que se passa a mística da Académica ainda não está banalizada. Quanto à pergunta em si ainda assim penso que é possível aumentar este número. Hoje um jogador profissional de futebol treina duas horas por dia, fica com o tempo restante livre para descansar e fazer a sua vida. Se eu conheço tanta gente que trabalha 7 ou 8 horas e estuda porque é que um jogador de futebol não pode fazer o mesmo ainda para mais sem problemas financeiros que o impeçam se demorar 6 ou 7 anos para tirar um curso de 3? E acho que na crise que estamos esse cenário é bem possível, hoje um jogador na Académica pode ganhar 1500€ durante muito tempo, e são vários nessa situação pelo que para uma carreira curta esse ordenado não garante nada e podemos ter de voltar ao tempo onde é vital ter uma profissão depois do futebol.

 

Porta19: Com a imprensa tão tri-polarizada em Portugal, como é que vês o desprezo a que são votadas as equipas de dimensão mais pequena?

Gonçalo Cabral: Com naturalidade. Sou um total defensor do capitalismo (não da maneira que hoje se diz mas no seu principio) e a imprensa são negócios. O Benfica vende mais tem mais espaço, o Porto e o Sporting vendem muito têm muito espaço, os mais pequenos vendem menos têm menos espaço, o Cascalheira não vende não tem espaço. Claro que o fácil e à moda do tuga é queixarmo-nos da imprensa em vez de olharmos para nossa casa e perguntar “Como raio é que eu posso ser um produto mais atractivo para as pessoas e para os media? Como posso aumentar assistências, fortalecer a imagem da marca (Académica neste caso) e consequentemente aumentar o espaço disponível? Precisamos de vender mais e este é um principio que se aplica a um clube tal como a uma empresa. Se uma empresa não aparece nos jornais não se vai queixar, vai dar a volta à questão mas o dirigismo português prefere chorar-se em vez de baixar preço dos bilhetes, cativar pessoas… fazer marketing! Já chega de queixumes.

 

Porta19: O Simplesmente Briosa é um dos maiores blogs afectos à Académica, focando-se não só no futebol mas também nas outras modalidades do clube. Como é que se conjuga o amor pelo clube com a vida do dia-a-dia?

Gonçalo Cabral: Modéstia à parte não é dos maiores, é neste momento o maior quer em comentários quer em visitas e nem vou mais longe que isto (bolas, não podia estar a “impingir” a venda da marca na pergunta anterior e agora fazer-me de coitadinho). Quanto a conjugar é simples, assume-se como se fosse a conta da TV Cabo ou de outra coisa que paguemos para usar. Neste caso não costumo pagar só em dinheiro, é principalmente em tempo gasto, mas é do tempo mais bem gasto que passo e tenho a certeza que os meus companheiros pensam o mesmo.

 

Porta19: Ainda há esperança para a maioria dos blogs Portugueses de futebol ou a inspiração está a definhar em função das redes sociais e dos fóruns de discussão?

Gonçalo Cabral: Completamente. Voltamos à conversa do coitadinho e que assim é difícil e não sei o que mais. Os blogs permitem ter uma qualidade que as redes sociais não permitem, sobretudo ao nível de opinião. O blog que se limitar a copiar notícias dos jornais vai morrer, mas o que fizer uma selecção das notícias, as que conseguir resumir bem e ainda acrescentar espaços de opinião com pessoas minimamente consensuais arrisca-se até a roubar espaço a alguma imprensa. Venda-se neste caso o produto “Blog/site” com os atributos da qualidade e use-se as redes sociais para a potencialização disso mesmo. Hoje é até possível conjugador comentários nas redes sociais e num post, porque é que elas hão-de ser as assassinas dos blogs e não as difusoras que os aproximam das pessoas? Trabalhemos com qualidade e sem medos, modéstia à parte, o Simplesmente Briosa tem uma média de 700 visitas com picos de 2000 num só dia. Num clube com a dimensão da Académica (tem 4 mil sócios pagantes) e que tem mais de 8 ou 9 blogs concorrentes, conseguimos ter isto, enche-me as medidas obviamente. Sabe de onde vêm os picos de 2000 pessoas? Quando a notícia/opinião que publicamos se começa a espalhar nas redes sociais. Afinal são amigas…

 


De notar que o Gonçalo deu outra entrevista a um blog do FC Porto, o Dragão de Ouro, em que o Daniel, gestor do estaminé, se antecipou a mim e teve o bom gosto de escolher o mesmo interlocutor. Para terminar, um agradecimento ao Gonçalo pela forma descomplexada com que respondeu às perguntas e pela disponibilidade em tirar um pouco de tempo da sua agenda para me aturar. Um clube da dimensão da Académica merece adeptos como ele e muitos outros que abdicam de algum do seu tempo para escrever e trabalhar em prol do seu amor clubístico. Os meus parabéns. E um pedido de desculpas antecipadas pela derrota na Supertaça. Ai deles.

Outras entrevistas publicadas a bloggers adversários no passado:

Um pequeno disclaimer sobre Sapunaru e Belluschi

Várias pessoas que ontem leram o curto post sobre a situação de Sapunaru e Belluschi, tomaram a liberdade de virem hoje fornicar os meus preciosos miolos acerca do assunto. Ficou no ar a ideia que estava a fazer alguma força, da pouca que posso exercer, para o regresso e integração de ambos no plantel do FC Porto 2012/2013. Não vou assumir essa posição pela simples razão que tal não é verdade. Ao mesmo tempo que escrevo estas palavras, não posso evitar explicar um pouco melhor o que quis dizer com aquela simpática fotografia.

Sapunaru é experiente, internacional, tem um curriculum que muitos venderiam uma casa na Quinta do Lago para poder chamar seu, gosta de um bom copo de vinho e está no FC Porto há quatro anos. Passou pelas virilhas do Inferno na altura do Túnel-gate, foi emprestado e voltou em força. Começou mal o ano passado, regressou e terminou a época em bom nível. Entretanto, amealhou três de cada (Liga, Taça e Supertaça) e venceu a Europa League.

Belluschi, por outro lado, chegou no ano seguinte e se no primeiro ano não foi brilhante, o segundo mostrou genialidade até se lesionar, para no terceiro não conseguir ser regular na equipa e seguir para Génova em Janeiro. Ao longo da carreira no FC Porto ganhou dois Campeonatos e outras tantas Taças, bem regadas com três Supertaças e uma bela Europa League, tal como o romeno.

E então? Serão esses motivos suficientes para que um jogador tenha lugar automaticamente reservado no plantel do FC Porto?

Não. Há mais opções, talvez melhores. De qualquer maneira não sou eu que tenho de tomar as decisões técnicas e se fôssemos usar essa bitola, Mariano ou Jankauskas acabavam a carreira no Dragão. Não é isso que me aborrece. Então é o quê?

É o simples facto de termos dois jogadores que deram o suficiente ao nosso clube para não serem ostracizados e colocados à margem do grupo porque tiveram alguns problemas (físicos e/ou disciplinares) aos quais não se conseguiu dar a volta. Compreendo as razões, mas como sócio e adepto a ver do lado de fora, com toda a informação que tenho não posso concordar. É destes pequenos nadas que se faz um clube, que se unem as raízes e se criam novas. Porque daqui a vinte ou trinta anos provavelmente só os Jorges, os tolinhos que se lembram destas coisinhas da história do nosso próprio clube, é que se vão lembrar que houve um rapaz que veio do Rapid Bucareste e passou aqui quatro anos da sua vida, ou que um jovem prodígio chegou ao clube com a tarefa de substituir Lucho e que nem todo o talento do Mundo o conseguiria colocar nesse pedestal. E os outros não se vão lembrar da forma como Sapunaru fez chegar o nosso nome longe, como ergueu (literalmente) a bandeira do clube bem alto, ou como Belluschi desfez os rins a um jogador da Académica num pântano em Coimbra ou impediu que o Benfica fosse campeão no Dragão. Vão passar à história sem direito sequer a um rodapé por culpa de um punhado de notas.

E mereciam mais que isso.